segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Por mim. Pelo Futebol em Portugal

Há alguns anos atrás comecei a seguir pontualmente os vários programas “desportivos” que passavam na televisão.

Havia menos canais, havia menos programas e havia mais futebol.


Durou pouco tempo essa minha assiduidade. Rapidamente me fartei. O número de programas aumentou (já eram uns 5!) e a desonestidade intelectual, a clubite aguda e as arbitragens tomaram conta do tempo de antena.

Tomei uma decisão. Chega! Não ia mais dar àquele peditório nem continuar a permitir que certas pessoas criassem curto-circuitos no meu cérebro com as suas desargumentações.


Seleccionei 2 programas de televisão e um de rádio e passou a ser somente essa minha rotina semanal. Longe de polémicas inventadas e mais próximo da bola.

O tempo passou, a polémica aumentou, mais casos e casinhos assaltaram o Futebol português e o jogo começou cada vez mais a disputar-se nos canais televisivos.


Principalmente nos últimos 3 anos houve uma grande mudança de paradigma no futebol português. As exibições passaram para segundo plano. Os resultados dos jogos passaram a servir somente como pedras de arremesso e auxiliares de argumentação.
A impressão que passa é que o verdadeiro campeonato é disputado por comentadores, cartilheiros, directores de comunicação e funcionários das televisões dos clubes.


Ao ter sido convidado a escrever neste espaço, senti um crescer da responsabilidade de saber tudo sobre tudo o que se ia falando à volta do fenómeno do futebol.
A minha consciência obriga-me a estar totalmente informado para poder opinar com autoridade sobre qualquer assunto.


Nesse sentido, para poder responder aos que me procuram e aos que aqui comentam, desatei a ver diariamente todos (ou praticamente todos) os programas “desportivos”.

E assim tem sido.

Sei que ter o conhecimento é muito diferente de participar no circo mediático. Oiço mas não falo. Dou a minha opinião quando me perguntam mas não entro em polémicas nem em prostituições intelectuais.

Sei que não sou um participante activo neste clima mas está na hora de também não ser um participante passivo.

As estações de televisão perderam a vergonha. Permitem que os clubes definam quem eles contratam. Ignoram a importância do serviço público. Só se importam com as audiências.

Portanto decidi fazer a minha parte e não mais ser um incremento desse indicador.

Já o tinha decidido fazer, e comunicado ao meu circulo de discussão, no inicio da semana passada. O pós-clássico só veio acelerar a concretização.

Quem quer uma mudança e uma limpeza no futebol português não se pode ficar pelas palavras. Pelas palavras ficam os dirigentes dos nossos clubes.

Temos de fazer a nossa parte e isso não se resume à nossa postura perante o jogo. Temos de reduzir os programas televisivos ao que têm sido – lixo.


Apelo à greve dos telespectadores. Ignorem todos os programas que sejam apenas uma arena de interesses e um divulgador sensacionalista de pequenas podridões.

Os portistas terão sempre um filtro azul. Os sportinguistas um filtro verde. Os benfiquistas um filtro vermelho. Esse nunca será o problema. Hoje vai é tudo muito além disto.

Eu vou fazer a minha parte. Cada um que faça aquilo que sentir na consciência dever fazer.

Voltarei a remeter-me a 2 ou 3 programas semanais, todos escolhidos a dedo. Quero mais Futebol. Quero menos curtos circuitos. Quero sentir o cheiro da relva enquanto vejo televisão. Quero parar de deixar que me tentem fazer de idiota.

Quero programas a falar de bola. E apelo a que os apaixonados pelo jogo acordem pois há muito mais a discutir do que os 3 grandes.

A massa associativa do Guimarães não merecerá que se fale mais no seu clube?
O crescimento do Braga nos último 10 anos não terá direito a um maior espaço mediático?
O que o Rio Ave tem conseguido com bom futebol, ano após ano, não merecerá maior discussão?
A segunda liga irá continuar a não existir para o telespectador?


Quando se começar a discutir menos as polémicas, quando se cortar o tempo de antena às mentiras e aos mentirosos, irá sobrar tempo para trazer o Jogo ao comentário.


Começarei a minha nova rotina esta Quinta com o exemplar Grande Área. 




4 comentários:

Henrique Ponte da Luz disse...

Sofro exactamente do mesmo.
Nos últimos meses dei por mim a seguir mais do que convinha os painéis desportivos, e a sensação que fica é de uma dor de barriga com azia incluída.
Chega desta merda. Os 3 grandes isto, os 3 grandes aquilo, tem toda a razão neste post. Mais reportagens fora, com os jogadores, treinadores etc!Das equipas da Liga! Ponham os olhos em Inglaterra! Calem-me esses gajos, que labajice!

Anónimo disse...

Bravo. Faço o mesmo há coisa de 2 anos - desde que o Bruno de Carvalho começou a intoxicar ainda mais o pântano da comunicação, e antes de passar o bastão ao FCP - e não podia dar o meu tempo por melhor empregue. Até a ver relva crescer, seria melhor aplicado o meu tempo, que a ver esses cretinos avençados a discutir pós-verdades.

joão carlos disse...

eu também comecei a ver este tipo de programas quando eles começaram e vi durante uns tres ou quatro anos, mas só vi um com regularidade os outros que foram aparecendo sempre foram copias do original e más copias porque só copiaram o que de mal tinha o programa original, mas após isso desisti de ver já cansava de repetitivo e começava a ser só apenas polémica e picardia.
e à mais de dez anos que não vejo programas com comentadores afectos aos clubes.
as televisões só querem é polémica o desporto ou o futebol não interessam para nada.
a maioria das noticias mesmo as não desportivas são pagas, os noticiários são cada vez mais espaços de publicidade encapotada do que de informação.

eu já faço grande parte do que dizes vejo jogos, resumos, cronicas dos jogos e nada mais, opiniões zero.

o problema não é discutir os tres grandes, embora exista espaços para mais clubes, mais modalidades e até mais divisões, o grande problema é como se tem discutido os tres grandes.

Benfiquista Primário disse...

Ora bem! Há anos e anos que só vejo, quanto muito, o Grande Área e o Trio d'Ataque. São os únicos que se safam, sobretudo o primeiro. Será por acaso que são ambos na RTP?...ou será que o dever de serviço público afinal tem alguma importância?...

Se os benfiquistas boicotassem os programas da peixeirada, em bloco, seguramente que tudo mudaria.