sexta-feira, 4 de maio de 2018

A lição que o professor não aprendeu



Rui Vitória não percebeu nada do que se passou nos últimos 3 anos - por isso estas ridículas recentes conferências de imprensa (que ainda eram o melhorzinho que ele tinha como... treinador de futebol). Gaba-se de títulos que são sobretudo da responsabilidade de uma série de grandes jogadores que o Benfica foi tendo e da desorganização dos rivais.

No ano em que Vieira decide dar o título ao Porto, entregando-lhe um plantel com grandes talentos do meio-campo para a frente (quase todos desaproveitados pelo professor) mas totalmente desequilibrado atrás, o pecúlio do homem que acredita que voltas à rotunda antes do jogo são fundamentais para o resultado final do mesmo foi este:

- afastado da Taça de Portugal em Dezembro pelo Rio Ave;
- afastado da Taça da Liga em Dezembro num grupo com Portimonense, Vitória de Setúbal e Braga;
- afastado da Champions League em Novembro num grupo com Basileia, CSKA e Manchester United - 0 pontos em 6 jogos, 0-5 com o Basileia (0-7 nos dois jogos), 1-14 em todos os jogos. A mais vergonhosa época europeia da História do Benfica.
- a lutar apenas pelo Campeonato desde Dezembro, consegue perdê-lo na Luz contra um Porto medíocre num jogo em que, além da falta de qualidade colectiva que é a imagem de marca das suas equipas, decide acrescentar mudanças vindas do banco de nível inferior a Luís Campas  (que, já agora, parece estar próximo de ingressar no Benfica - que dupla seria um Professor Vitória-Campas).

O adeus ao Penta, o sonho da Nação Gloriosa - por evidentes incompetência e mediocridade da Direcção e do treinador, respectivamente - parece, no entanto, não angustiar o homem para o qual o melhor álbum de sempre é o Aqualung dos Jethro Tull, o melhor filme o Aquarius, a melhor música Águas de Março, o melhor perfume Acqua di Giò, o melhor jogador da Liga Inglesa o DrinkWater e a grande referência como treinador o Raúl Águas.

Não, o professor está sereno. De tal forma que, quando lhe acenam com uma proposta do deserto das arábias (era só o que faltava, ir trabalhar para um sítio com escassez de recursos hídricos!), ele revela logo o extraordinário plano que tem não para a próxima pré-época mas para a seguinte: um Hotel de luxo para meter muita água.

7 comentários:

jorgen80 disse...

Contente por haver escribas desta qualidade.

Anónimo disse...

Concordo com tudo o que escrito! fica bem patente a quem estamos entregues por este andar se nada mudar vai ser a travessia do deserto mais um ano ou dois!

Anónimo disse...

o treinador do marselha rudi garcia vamos buscar

The Saint disse...

Parece que o argumento para o melodrama com resquícios de malvadez será : "vira o disco e toca o mesmo" (pelo menos até Dezembro)

José Ramalhete disse...

Ele e o Presidente estão bem um para o outro. Até já têm adiantada a preparação da próxima época.
As escolhas vão ser ao nível dos bem sucedidos Douglas, Gabigol, Luís Filipe e Seferovic.

joão carlos disse...

eu até acho que ele tem mais competências do que aquelas que aquelas que atribuis, embora sempre achei que precisávamos de mais do que aquilo que ele nos pode dar.
no entanto todo e qualquer treinador tem o seu tempo e as suas circunstancia e o do rui e as circunstancias actuais, cuja responsabilidade é inteiramente do presidente, não são as indicadas para um treinador com as suas características.

numa coisa estamos plenamente de acordo estas ultimas conferencias de impressa são patéticas, algumas até arrogantes e sem sentido nenhum, numa postura que lhe fica muito mal deitando a perde aquilo que era uma das suas melhores qualidades.

Benfiquista Primário disse...

Pois eu acho que ele deve continuar, mas só se fizermos mais uma rotunda perto da Luz exclusivamente destinada ao ritual atávico do Mister Fezadas antes dos jogos. Até podia ter uma fonte no meio da rotunda, para ele poder encher as garrafinhas de água sem preocupações.

A ser assim, o 37 não nos foge outra vez. É voltar ao ciclo de investimento e começar já a construir a rotunda.