segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Salviola, o Jardel de Coimbra e outros disparates

Jesus e a crítica dizem que foi o melhor Benfica da temporada. Eu acho que sim. Mas não foi só. Mas vamos por partes, como dizia o Jack, o Estripador:

- O melhor Benfica da época? Durante meia hora, provavelmente, sim. Dois golos, várias oportunidades, pressão sobre o adversário. Não foi tão bom como o ano passado, mas foi bastante bom. Claro que fazer dois golos quase antes de o jogo começar ajuda. Mas tentar fazê-los também. É esta mudança de atitude que se aplaude. E ao mesmo tempo se critica: onde é que ela andou? E não me lixem: isto não tem a ver com questões físicas, técnicas ou tácticas: é uma questão mental. O ano passado entrávamos em campo com vontade de atropelar o adversário e...às vezes atropelávamos mesmo. Vamos lá, Jesus. É este o caminho para a Terra Prometida (de certeza que já alguém tinha feito este chiste, mas aqui fica na mesma).

- E o resto? Bom, o resto foi muito parecido com o que temos visto: quando acabou o gás de Gaitán o meio campo voltou a ser tenrinho. Aí a diferença de qualidade fez o resto, mas a jogar assim arriscamo-nos a dissabores frequentes. Mas em casa com o Rio Ave pode ser.

- Destaques individuais? Sálvio, claro. O Ricardo só tem elogios para o rapaz e ele dá-lhe razão. Acho que vamos ter um desgosto quando o Vieira não accionar a cláusula de compra em Junho. Dois golos de cabeça de um extremo são sempre uma anormalidade. Se esse extremo não tem pescoço (o que dificulta o “gesto técnico” do cabeceamento) ainda tem mais valor. Saviola, também. Mas eu nunca o vejo jogar mal (defeito meu, com certeza). O Gaitán parece ter mais vontade de trabalhar, mas dá a sensação de não aguentar 90 minutos. Já é um progresso: preocupa-me menos que não possa do que não queira. Pela negativa, Cardozo. Não desenvolvo muito porque detesto falar mal de jogadores do Benfica. Se jogou mal tinha uma boa razão para isso (provavelmente esteve até às tantas e distribuir comida aos sem-abrigo de Lisboa – os jogadores do Benfica quando jogam mal é por razões nobres, não tenham dúvidas).

- Do outro lado, João Tomás. 34 anos, e ainda tinha lugar no plantel de qualquer dos grandes (já para não falar da selecção, que andou a testar os Edinhos desta vida). Sábado (mais) uma exibição extraordinária, com dois golos e uma bola no poste (reparem na posição em que ele está neste lance, de onde vem a bola, e de como ele a coloca magistralmente). Jogador completo, profissional de mão-cheia, mas o empresário deve ser o Darren Lamb.
É um dos jogadores mais injustiçados de sempre. Sábado, para não variar, voltou a sê-lo: o que é que fez para merecer ser assobiado na Luz? Veio para cá por meia dúzia de tostões, fez golos em barda no pior Benfica de sempre, e saiu por 5 milhões (muito dinheiro na altura). Nunca teve, que eu saiba, nenhuma palavra incorrecta para com o clube. Obrigado, João, e desculpa qualquer coisinha.

- A expulsão do Coentrão: se calhar foi muito inteligente. Eu acho que foi chico-espertice, e não gostei. Gostava de ver sair uma punição exemplar para estes lances. Jesus, isto é o Benfica. Não gostamos disto. E não, o facto de o Special One (“El especial”, “il speciale” ou “o sacana que ganhou tudo para o Porto” como é conhecido noutras línguas) o fazer não é desculpa.

20 comentários:

Ricardo disse...

Grande estreia. Ainda por cima chamaste o Ricky Gervais à festa:)

- Concordo com tudo. Especialmente com a incompreensão em relação à falta de atitude que tínhamos antes. E cuidado: desde Sábado vejo aí um discurso perigoso, que está de volta o Benfica da época passada, o rolo compressor, a máquina de 2010/2011. Nos primeiros 30 minutos e em termos ofensivos, sim. No resto do jogo, a espaços, ofensivamente, fomos tão intensos quanto o fomos no ano passado. Mas defensivamente esta equipa está a milhas do Benfica rolo compressor (é que o rolo é para a frente e para trás). Para jogos com o Rio Ave em casa e numa noite inspirada, dá para meter dois putos nas alas (um deles, Gaitán, muito pouco apto para o trabalho colectivo). Noutro dia qualquer, o Benfica saía com um empate ou derrota. O facto de o Jesus ter começado com este 11 de início não indicia coisas positivas para o futuro. Por outro lado, valha-nos isso, a mentalidade ganhadora fez toda a diferença. Gostava era de perceber a razão por não a termos tido antes.

- Acho que o Jesus só vai tirar o Gaitán dali num dia em que levemos um cabazo.

- A exibição do Salvio até nem foi das melhores em termos de apoio ao lateral, que é onde eu o vejo mais apto a fazer parte do 11 em relação ao Gaitán. Ainda assim, é claramente mais agressivo sem bola e entende melhor o posicionamento do que o compatriota da outra ala. No resto, dois golos e uma assistência numa arrancada em rolo compressor! E há um pormenor curioso, já que falas em cabeceamentos (e, de facto, um gajo sem pescoço marcar dois de cabeça é épico!): se o segundo, apesar de fantástico, é mais fruto do acaso, o primeiro é excelente na forma como ele aparece de trás ao segundo poste (à semelhança de Ramires) e no golo anulado ao Saviola a mesma coisa: ele aparece de trás, o defesa não o vê e ele depois mete-se à sua frente a dar a cabecear para o coelhito. Este Salvio faz-se. Vamos ver a evolução até ao final do ano. Isto dos empréstimos é sempre ingrato: se ele não jogar nada, nós não o queremos; se joga muito, queremos mas os donos do passe também.
No resto dos jogadores, gostei do Roberto (grande defesa a remate do João Tomás), do Javi, do Aimar e do Saviola. Mal, ou menos bem, estiveram o Cardozo (segundo jogo consecutivo em que aparece meio displicente, embora neste tenha sido mais preponderante na forma como se movimentou) e o Sidnei (o lance do primeiro golo do Rio Ave é um erro báscio; nem nos infantis), que parece que não quer aproveitar o talento e as oportunidades que está a ter. E depois está gordo! É incompreensível isso num profissional de futebol. Mas se calhar é por andar a comer a comida que anda a levar aos sem-abrigo:)

- Ao João Tomás saía já uma proposta à italiana: contrato de 6 meses. Se gostarmos, tem direito a mais um ano. Pá, este gajo a entrar aos 70 minutos pelo Cardozo e com o rolo compressor ofensivo a começar a carburar, este gajo ainda marcava uns golinhos jeitosos. E é portuga. E já foi do Benfica. E lançavamos o gajo para a Selecção. E... a gente gosta dele.

- Tenho visto uns analistas questionaram esta opção de Coentrão porque, para eles, não faz sentido, visto que não limpa os amarelos. O que me parece que o Coentrão quis fazer não se relacionou com os amarelos para o Campeonato, quis foi ser expulso para não jogar a Taça da Liga (em que, acho, só contam os vermelhos sofridos no campeonato) para poder jogar para o Campeonato. Acho que foi isso. Quanto à questão moral, concordo. Não gosto de ver. Mas, eh pá, se o fizeres, pelo menos não o faças com aquele ar de estúpido que denuncia o que estás a fazer. E de chico-esperto e tal, a sorrir e a cumprimentar o árbitro. Olha, mais valia, se és tão esperto, teres metido os bracinhos atrás das costas aquando do cruzamento do outro gajo.

Mr. Shankly disse...

Bem observado, essa da movimentação do Salvio. É uma das coisas que gosto de ver um extremo fazer, aparecer na área ao segundo poste. Claro que é mais fácil em 4-3-3 do que em 4-4-2, mas o Sálvio parece ter fome de bola e golos, e isso para mim é meio caminho andado.

Tinha gostado muito do Sidnei com o Braga e Sábado gostei menos, de facto. Vejo ali qualidade, mas também vejo ali massa adiposa.

João Tomás...era trocar pelo Kardec até Junho, como dizes.

Esqueci-me de um pormenor: o posicionamento do Saviola. Rende muito mais no apoio à direita que à esquerda. Foi uma das mudanças de início de época de que não gostei. Claro que se jogarmos com o onze dos esperançosos que colocas abaixo ele tem que ir para a esquerda. Deve estar do lado do interior mais posicional (mas de preferência à direita :)

Ricardo disse...

Concordo completamente com isso, Shankly. O Saviola explora muito melhor o lado direito do que o esquerdo. Aliás, a propósito do posicionamento deste Benfica: é curioso que falamos sempre em 442 ou 4132, enfim, são formas de definirmos a posição, digamos assim, inicial. Mas ao longo do jogo há várias nuances, especialmente quando o Saviola está à direita: na reposição de bola, o Saviola junta-se à linha, o ala direito torna-se interior e o ala esquerdo abre em largura, tornando-se um 433. A forma como o Saviola vem de fora para dentro é um dos motivos de desequilíbrio, uma das boas armas que esta equipa tem, um dos movimentos mais bem trabalhados. E boas notícias: parece-me que o Saviola à direita tem muito a ganhar com a entrada do Salvio à direita. A forma como eles se entendem e mudam recorrentemente de posições confunde qualquer defesa.

Outra questão: as subidas do David Luiz. Pode parecer estranho criticá-las numa semana em que ele irrompeu por ali e fez uma assistência que abriu o marcador. Não acho que tenhamos vantagem em explorar este movimento. Por um lance que dá golo (deu este, não me lembro de outro, sinceramente), há 15 que se transforam em transições perigosas do adversário. O Javi procura compensar e abre-se um espaço enorme no meio-campo. O ano passado isso passava mais ao lado porque o Ramires entendia e posicionava-se muitas vezes no lugar do espanhol mas este ano isso não acontece. Estive a rever o jogo frente ao Setúbal: há duas arrancadas do David Luiz que acabam em lances perigosos para o Benfica. Acho que não vale o risco. Embora com isso ele ganhe pontos na apreciação dos adeptos, a verdade é que ele não tem capacidade para decidir bem em zonas tão avançadas, acontecendo uma de duas coisas: ou tenta a finta e perde a bola ou faz um mau passe.

Txalo disse...

A verdade é que a equipa tem subido de rendimento mesmo nos jogos em que o JJ insiste nos 2 extremos simultaneamente.
E isso deve-se essencialmente à atitude dos jogadores, em particular do Gaitán (qual Di Maria nos seus primórdios no SLB é o jogador que mais me irrita actualmente). Mas a verdade é que só não vê quem quer, o Gaitán desde o jogo no Ladrão tem corrido muito mais sem bola (e isso reflecte-se no "brilhantismo" das suas exibições) favorecendo o equilíbrio da equipa.
Não acho que, com esta atitude, esta táctica seja de excluir nos jogos caseiros contra os Rio Aves desta Liga miserável.

Mr. Shankly disse...

"E isso deve-se essencialmente à atitude dos jogadores, em particular do Gaitán "
Estou de acordo, Txalo. Ele que acorde e pode ser um grande jogador. Até um grande extremo esquerdo.

Ricardo, o que falta nos dois pontos que referes (Saviola e as subidas do David Luiz) é o mesmo: o Ramires. Dava elasticidade ao 4-4-2 e trasformava-o em 4-3-3 quando o Saviola descaía para a direita ou então dava ele próprio profundidade à direita permitindo ao Saviola ir para a área. E é isto que é raro encontrar num jogador: esta capacidade de desequilibrar pelo flanco e simultaneamente fechar no meio. Já há muitos que defendem e atacam pelo meio, ou que defendem e atacam pelo flanco: que fazem as duas coisas no miolo e na ala é que é rara. Por isso sempre disse que o Ramires era o mais difícil de substituir: o Di Maria, sendo genial, tem características "vulgares" num extremo: velocidade, técnica, etc. Sendo óbvio que íamos ter um "downgrade" na esquerda, era expectável que conseguíssemos um extremo que não alterasse a dinâmica da equipa. A verdade é que falhámos na substituição do Di como falhámos na do Ramires, mas por razões diferentes: na primeira por incompetência, na segunda porque era mesmo muito difícil. Por isso admirei ainda mais Jesus quando pareceu estar a preparar a equipa para o 4-3-3, por isso fiquei tão desiludido quando o vi acobardar-se na Supertaça.

Pedro disse...

O João Tomás começou a ser assobiado qd houve aquela troca de mimos com o Roberto. Ele não merecia. Um grande jogador e sou totalmente a favor dessa contratação.

XTina disse...

@ Ricardo
Confesso que há momentos acabei de perder toda a estima e respeito que nutria por si e pela sua forma (nem sempre) lúcida de ver a realidade destas coisas do futebol.
Perdi e desiludi-me totalmente, no entanto confesso que não fiquei “surpreendisíssima” ou sequer boquiaberta quando o vi abertamente num blogue (http://bnrb.blogspot.com/2010/12/ripado.html?showComment=1292978599547) a subscrever e apoiar o regozijo e a nojenta atitude de devassidão que vai em alguns adeptos benfiquistas.
Vocês talvez estejam doentes e precisem de ajuda, pois perderam todo e qualquer sentido do valor da vida humana, seja ela qual seja. Que eu saiba, Pôncio Monteiro não foi nenhum criminoso condenado, não cometeu crimes contra a humanidade, não matou, não violou … apenas viveu a sua vida como todos nós, que sem sermos anjos temos nosso defeitos e virtudes. Quando justificam a falta de sentimento pela perda do Dr. Pôncio, comparam-no a Hitler, Pinochet que também não faziam cá falta nenhuma… (veja o link http://oantitripa.blogspot.com/2010/12/o-poncio-entao-tchau.html)
MAS O QUE É ISTO?! QUEM SE JULGAM VOCÊS SEUS IDIOTAS, AZIADOS E FANÁTICOS FACCIOSOS ??????? SABEM QUE O SENHOR TEM FAMÍLIA QUE PODE MUITO BEM LER ESTAS TRISTES AFIRMAÇÕES? GOSTAVAM DE TER UM FAMILIAR QUE FOSSE FIGURA PÚBLICA E NA HORA DA SUA MORTE TIVESSE ESTE TIPO DE OPINIÕES A SEREM DIVULGADAS ????
Faz bem por vezes colocarmo-nos no lugar dos outros, mas infelizmente só pessoas bem formadas o conseguem fazer … e o senhor demonstrou mais a sua corja vermelha que são tudo menos bem formados!
Para mim doravante o senhor perdeu toda e qualquer credibilidade para debitar opiniões bacocas, e cheias de auto-incitado pseudo-intelectualismo. Acha-se melhor e maior que os outros, cheio de palavras caras e bonitas, mas usadas em vão e sem sentido nenhum! Cometeu o pior erro em que podia cair … fez aquilo que mais repudia …. E isso é imperdoável!
Não passa o senhor Ricardo de mais uma galinha depenada e desgostosa e que a todo o custo tenta denegrir aquele que tem sido o clube de referência no desporto nacional das últimas e largas décadas. Azia cega e oca que não vê fim à frustração de ter perdido o lugar de destaque!
Vocês são tristes, estão doentes da cabeça! Vão-se tratar!
E pode vir com um dos seus comentários-modelo a ironizar e satirizar, explicando as suas considerações, que em nada vai sanar a filha-da-putice (leu bem!) que acabou de apoiar e corroborar!

Ricardo disse...

Tina, o seu comentário está cheio de classe e boa-educação, não haja dúvida nenhuma. Você é um exemplo para os que procura criticar, não tenhamos hesitações a esse respeito.

Sobre as considerações que faz a meu respeito, não comento. Nem eu a conheço pessoalmente nem você a mim, logo escuso-me a entrar pela demagogia.

Indo ao assunto Pôncio, que foi o levantado. O que eu escrevi no comentário a esse post foi isto:

"Vergonhoso porquê? Porque está numa "situação delicada" deixa de ser uma besta? Acho graça a estes moralismos: odiamos o gajo, ele fica mal, oh coitadinho. O Pôncio é das criaturas mais abjectas que conheço. Não só do futebol português, de tudo, da existência. Aquilo não é só ironia, é boçalidade, é mesquinhez, é falta de educação."

em resposta a isto (que é um comentário a um post onde não se ataca o Pôncio, faz-se apenas a citação de um excerto do livro de Octávio Machado onde ele discorre sobre a perturbada personalidade do seu herói:

"Pá eu sou benfiquista mas acho isto vergonhoso. O homem está numa situação delicada - para quê isto agora?
Não é preciso ver quem assina os posts para perceber uma coisa: posts de qualidade sao do boloposte, posts sem ponta de piada, dos restantes."

Mantenho todas as palavras. Pior do que ser hipócrita com os vivos só a hipocrisia com os mortos. O Pôncio merece toda a minha desconsideração e nojo por ele em morte como kme mereceu em vida. Como a vida e a morte para mim são duas peças do mesmo puzzle, não tenho a tendência para filtrar, na passagem para o além, filhos da puta em santos de altar. Pôncio do que lhe vi era um filho da puta. Morto, filho da puta será.

Isto no mesmo dia em que morreu Aurélio Márcio, um excelente jornalista e homem digno, que sempre se bateu contra a conspurcada lama que grassa neste futebolzinho medíocre (que o Pôncio ajudou, e de que maneira!, a criar).

A morte tem destes equilíbrios: quando morre um herói, morre a seguir um filho da puta. Em vida, passa-se o mesmo.

XTina disse...

Boa noite Ricardo

Com este comentário não procurava qualquer elogio da sua parte, até porque isso sempre me foi absolutamente indiferente. Não o conheço, nem desejo ou alguma vez o desejei conhecer e acho bastante astuto da sua parte mais uma vez desviar o tema do assunto da sua atitude de (duvidoso) humanismo que tantas vezes tentou "apregoar" com os seus comentários. E este que escreveu não foi nada de inesperado ou novo ... mais ironia, mais frases feitas, mais verdades absolutas e "goliosas". Mas acho que já percebeu que pelo menos comigo isso não pega.
Se PARA SI (enalteço estas palavras porque você não detém a verdade absoluta!)e para outros demais o senhor era um “filho da p…”, para outros tantos ou mais - inclusive sua família - ele era um ser humano que amava, que tinha valores e que vivia a vida como todos nós!

Decerto que jamais o criticaria se se remetesse ao silêncio, uma vez que não é obrigado a manifestar qualquer tipo de luto por alguém que perante a sua (pelos vistos) escassa sensibilidade não merece qualquer destaque. Mas isso é a sua perspectiva e aí não o criticaria.
A sacanice toda está no facto de, no seu bloguezinho imaculado, nada comentou levando a pensar que realmente optou por uma atitude reservada, mas apesar de tudo respeitadora. Vai sim para outras paragens cibernéticas “vomitar” parvoíces e acefalias verbais (gosta de usar termos bonitos e pomposos para a populaça? Pois eu também!)
E sacanices vindas de quem se apregoa e publicita como o “santinho dos arredores do Colombo”, desculpe lá mas dispenso. Diz não ser hipócrita, pois provou que o é mais do que julga! Pode vir com todo o paleio que lhe aprouver, para mim está demonstrado que só fala quem tem que se lhe diga.
Dispenso também toda e qualquer tentativa de moralidade falsa e mesquinha, pois se há algo que o senhor não me pode jamais dar são lições de moral.

Perfeitamente lamentável um grupo de pessoas deixar que a azia e frustração do clube de futebol que seguem os deixe perder todo e qualquer sentido de humanismo e respeito pela vida humana. Não se exigem choros ou emoções não sentidas, apenas se pede RESPEITO, BRIO, CIVISMO.

Repudio hoje o que fizeram tal qual repudiarei toda e qualquer atitude do género, seja ela de que cor ou credo seja. E agora foi você e outros adeptos vermelhos facciosos que erraram redondamente, ADMITA! Mas isso só vos fica bem, dá-vos uma imagem de 0% hipócrita e 100% canalha … acho fabuloso! (ironia é boa mas só para os outros, não é?)

É essa a diferença entre nós, senhor Ricardo. Eu sou totalmente coerente, você…nem por isso.

Por aqui me fico … a vossa azia enojou-me como nunca antes julguei ser possível…

P.S. Tire as “palinhas” dos olhos e vá ver o Anti-tripa, porque o argumento de “não frequento antis” está gasto. Você só frequenta antis mas é para defender o Benfica, gostava sinceramente de o ver a ensinar os “anti-tripa” a ler, ou chama-los de trogloditas … juro que gostava. Mas talvez isso não seja possível pois são logo “eliminados pelo administrador”. Que grande benfiquista este administrador!

Ricardo disse...

Tina, você é boa pessoa. Nota-se isso pela forma como escreve. Portanto não vou dissertar mais. A diferença aqui está na forma como encaramos a morte. A Tina acha que devemos respeito a ela, independentemente do que se tenha passado em vida, eu não. E é só essa a discordância. Podia pegar em muita coisa do que escreveu no último comentário e refutar. Mas não valeria de muito (ou de nada). Você é boa pessoa. Isso é que, no fim, interessa. E apareça mais vezes. Aqui falamos de futebol. Dê a sua opinião de portista. Cá estaremos para o debate.

XTina disse...

Ricardo e para terminar.

Não se trata da forma como encaramos a morte, trata-se de civismo e bom senso. O respeito pelos outros, mortos ou vivos, bons ou maus é aquilo que nos distingue dos animais irracionais e selvagens.

E perante os motivos que apresenta para não respeitar o senhor Pôncio em vida ou em morte, (que não passam de crenças futebolísticas diferentes e rivalidade bacoca) mantenho e sublinho o meu lamento e desilusão profundos...

Não consigo entender minimamente o que poderia refutar do meu anterior comentário, mas talvez por isso também o Ricardo tenha optado por não o fazer.

O que está escrito no blog onde comentou e no Anti-tripa (que mais uma vez o recomendo a visionar) vai bem mais além de uma diferença "na forma como encaramos a morte".

Por favor, seja sério e não tente colocar "paninhos quentes" em declarações manifestamente tristes e sem fundamento lógico. Brinde-nos pelo menos com o seu silêncio e indiferença de rival. Aí demonstrará ser aquilo que eu julgava inicialmente que fosse - um adepto do Benfica, mas com um desportivismo saudável.

Um feliz Natal para si e para os seus

Hattori Hanzo disse...

Ricardo, ela tem razão: o Pôncio era mesmo um santo. Tal como o é Pinto da Costa ou o Vieira. E tu, claro que não ligas à morte deste santo porque és um mouro infiel.Falando a sério para se respeitar é preciso dar-se ao respeito, coisa que essa pessoa nunca se deu quando falava. Quanto ao resto estou-me pouco marimbado para a sua morte, como estive para a sua vida. Não é por se morrer que as pessoas se tornaram santa, embora em Portugal parece que se tente instituir. Sobre o futebol jogado, que é o que interessa: Sálvio ainda não me convence, foi o primeiro jogo dele que gostei, apesar de facto ter feito um grande jogo (ou melhor dizendo uma excelente 2ª parte. Concordo com vocês sobre a questão de Gaitan (não na posição em que ele deve jogar, mas isso já sabem): parece ter mais atitude, algo que lhe parecia faltar no principio da época. Assim acredito que ele tenha sucesso na Europa (e Benfica) que talento ele tem e muito. Por falar em talento o que se pode dizer de João Tomás com 34 anos? Com que idade o Benfica foi buscar há já valentes anos o Deane? E olhem, que nos fez bastante jeito. De facto foi dos jogadores mais injustiçados cá em Portugal nas últimas décadas, tal como tinha sido por exemplo um Pedro Mendes até ao ano passado.

Ricardo disse...

Hanzo, desde o jogo com o Lyon (4-3) que o Salvio me agrada e muito. Tenho lido algumas opiniões iguais à tua, que dizem que só neste último jogo o Salvio esteve bem e que antes não gostavam do que ele fazia. Não compreendo essa análise. Primeiro, porque ele até há dois ou três jogos atrás jogava uns míseros minutos no fim (exceptuando esse do Lyon), depois porque, mesmo jogando pouco, sempre demonstrou ser mais produtivo e útil do que o Gaitán.

Anónimo disse...

Ao ler comentários sobre a morte de uma pessoa que, ao que parece nunca foi criminoso nem julgado por tal, sou obrigado a dar razão ao meu avô, quando dizia "Deus é pai de muita merda".
Como é possível a frustração levar a tanta maldade?
Como é possível atacar outros sem olhar para a sua casa?
Será que você não tem familia?
Calculo que sim e por isso, devia ter vergonha na cara.
A não ser que seja filho de pai incógnito e aí tenho pena de si pois, não teve a educação normal.
Com esses comentários feitos com o dicionário ao seu lado, você pensa que ilude os outros mas não, pelo contrário, toda a gente percebe, (incluindo amigos meus, verdadeiros benfiquistas) que você é um parvo que, sem rosto, se esconde no seu dicionário para tentar ganhar algum protagonismo.
Tenha vergonha e trate-se.
Aprenda a ser honesto e quando fala em corruptos nunca se esqueça que, o seu ex-presidente anda fugido à justiça, alguém em quem provavelmente você votou.
Por fim aceite um conselho: compre outro dicionário que esse já está mais que gasto.

Zezé disse...

olá!

Chamo-me José Borges e era colaborador regualar do Visão de Mercado. Assinava pelo nome de A.Borges e assinava os post sobre análises a jogadores, campeonatos, equipas, assim como realidades do desporto-rei. Decidi agora cirar o meu próprio blog, cujo link é:

www.doutor-futebol.blogspot.com

Gostava de poder contar contigo para promover o blog e usufruir dos teus comentários :)

jose garcia disse...

estreia em nome próprio do melhor comentador dos blogs desportivos portugueses, e metem-se a falar do Pôncio...

Nhauga-se, mesmo depois de morto, a puta da sina do homem é atormentar-nos...

Força aí, Mr. Shankly! Vai ser um prazer IMENSO ler os teus posts. Como já foi ler este!
E muitos parabéns ao blog pela contratação de peso!
Grande abraço a todos.

XTina disse...

@ Hattori Hanzo

"Não é por se morrer que as pessoas se tornaram santa, embora em Portugal parece que se tente instituir."

Esta tem piada e revela que leu tão mal o meu post como tão mal se expressou gramaticalmente...

Aqui ninguém falou em santificar ninguém, senhor Hattori, apenas se falou em agirmos como pessoas civilizadas e não como animais irracionais. Lá por não se concordar com coisas que alguém não tenha feito em vida não significa que se tenha de a "espezinhar" em morte. Se (na sua opinião) o Sr Poncio não se deu ao respeito em vida ou falou coisas contrárias à suas opiniões, isso é consigo.

As pessoas nobres e bem formadas são aquelas que em momentos mais delicados sabem estar acima de algumas das suas convicções e agir com humanidade e civismo.

Repito para que as pessoas percebam (já vi que está complicado de encaixar): não se pede para santificar ninguém, não disse que o finado era perfeito e isento de controvérsia na sua vida. Apenas se pede R-E-S-P-E-I-T-O, ok?

Se não querem ser respeitadores, ao menos calem-se e falem de outras coisas para não fazerem figuras tristes e mostrarem a podridão que carregam nessas cabecinhas...

Passem bem

P.S. Foi a minha última intervenção aqui sobre este assunto. Espero ter conseguido passar a mensagem. Se não consegui e decidirem insistir nas mesmas parvoíces, temos pena… continuem a chafurdar em ideias nauseabundas se assim preferirem…

Hattori Hanzo disse...

Xtina corrija (já percebi que para si se tem de falar em tom formal) os seus erros gramaticais e depois poderá-me corrigir os meus, ok?: "Se (na sua opinião) o Sr Poncio não se deu ao respeito em vida ou falou coisas contrárias à suas opiniões, isso é consigo." É só um conselho. Quanto ao resto, claro que percebo: para si ter respeito pela pessoa é dizer que se sente muito, mesmo que não se conheça a pessoa de lado nenhum e que seja completamente falsa essa ideia. E Sra. xTina(peço desculpa de não ter colocado da 1ª vez o Sra)alguém que entra num blog e começa com juízos de valor sem conhecer o seu interveniente tem muitas razões para falar sobre a questão do respeito.

Pedro disse...

"Apenas se pede R-E-S-P-E-I-T-O, ok?"

Mas quem disse q a pessoa merece respeito??? Para se ser respeitado tem q se se fazer por isso, e defender bandidos e andar lado a lado com ladrões e defender toda uma podridão nojenta q mina o futebol nacional não é concerteza acto para ser respeitado.

Por causa da familia? Todos os bandidos têm familia, todos!!! Vamos ter pena deles? Deve ser deve....

XTina disse...

@ Hatori

Se me quer corrigir a gramática ao menos sugira uma correcção ao invés de apenas transcrever o meu discurso. Na sua frase está explícita a fraqueza gramatical da mesma, na minha não. E para isso não precisa de ser formal julgo eu.

@ Pedro

Com "R-E-S-P-E-I-T-O" não quis dizer para lamentar algo que para alguns não é lamentável, como a morte de uma pessoa (sei que nutrem muitos ódios e "faccios" doentios pelo senhor mas isso é outra conversa).
Com "R-E-S-P-E-I-T-O" pedi apenas que aqueles que não lamentam se reservem ao silêncio e à indiferença que um rival merece.
Só isso caro Pedro ... que estivessem calados. Ninguém pediu ou exigiu lamentações mas com certeza também não se pediu a podridão humana a que se assistiu em alguns meios cibernauticos.

Espero ter-me feito entender na mensagem:

Ninguém vos obriga a lamentar se não gostavam da pessoa ou se ela vos era indiferente, ok? Apenas se pede que respeitem e se dêem ao respeito estando calados!

Mais clara que isto não consigo ser, lamento!

E reforço que não falarei mais sobre este assunto, entendam ou façam que não entendem...por mim é-me perfeitamente indiferente...