sexta-feira, 9 de junho de 2017

ATENÇÃO: TALENTO À SOLTA! O homem das esquerdas que são poemas do Ruy Belo está na sua 4a final de torneios do Grand Slam após banalizar Andy Murray. Momentos absolutamente brilhantes de super-Ténis. Abram alas, façam vénias e brindem com champanhe a Stan, the Man!


5 comentários:

José Batista disse...

Um Senhor. Vamos ver como estará no domingo!

José Batista disse...

Aquela esquerda com que fechou o encontro foi um poema de Ruy Belo, uma prosa de Tolstói e uma peça Sófocles.

Águia Preocupada disse...

A palavra banalizar é um pouco excessiva! A banalização só existiu no quinto sete, porque os outros foram equilibrados.
Mas foi realmente um grande jogo como há muito não via. Já ontem a meia final de senhoras com a vitória da Ostapenko foi um hino ao ténis.
Vamos lá ver o que as finais vão ditar.
Nadal, para mim o melhor do mundo em terra batida e não só, vai ter muitas dificuldades diante da locomotiva Wavrinka. Torço por Nadal, óbviamente! Quanto às senhoras a favorita será Simona Halep mas eu estou a torcer pela menina de 20 aninhos!

chakra indigo disse...

Gosto muito do Stan, anti-herói, pouco carismático, e espero que bata o Nadal, o homem mecânico, mas RG é o recreio do Nadal, por isso... a forma como bateu o Thiem meteu dó, um grande jogador esse sim a ser quase ridicularizado pelo rolo compressor.

Que saudades do Djoko, que expectativa por ver de novo o mestre do ténis, Federer em Wimbledon.

Anónimo disse...

Realmente ganhou o homem das esquerdas. Um xito e La Decima!