sábado, 10 de junho de 2017

Um treinador chamado Vítor Manuel



É muito curioso como deixamos que percepções às vezes tão ténues, tão baseadas em coisas sem corpo, possam crescer e dêem lugar a certezas erradas sobre os outros. A minha percepção sobre o Vítor Manuel era a de qualquer adepto que tenha passado os anos 80 e 90 a ver futebol e o tenha visto em vários bancos de várias equipas da Primeira Liga: um gajo de voz rouca que gesticulava muito e pouco mais. Havia em mim uma certa arrogância que é típica de um adepto de equipa grande, menorizando ou não querendo perceber o que estaria sob a capa mágica de mister. Afinal, quem seria Vítor Manuel?

Ultimamente tenho acompanhado o Vítor n'A BOLATV e no melhor programa de histórias de futebol - Bar Sportv. Confesso-me apaixonado pela personagem carismática, pelo discurso sereno e louco ao mesmo tempo,
pela bondade, pelo conhecimento que tem do jogo, pela inteligência emocional. E depois pergunto-me sobre tantos treinadores que desapareceram da ribalta ali por volta da aparição de Mourinho, muitos tidos como "atrasados tacticamente", "ultrapassados", "de visão curta", etc. Pergunto-me porque tenho a certeza, bastando para isso ouvir o Vítor Manuel a falar de futebol, que ele poderia treinar uma equipa da Primeira Liga e fazer muito melhor do que tantos, velhos e novos, que por aí andam.

Se conhecerem o Vítor Manuel, dêem-lhe um abraço por mim.

4 comentários:

Nau disse...

Dos honestos não reza a História (do futebol), que é feita por vendidos.

chakra indigo disse...

Mais conhecido por Vitó, ehehehe.

È o problema da falta de "pinta" e de ser muito engraçado e não ter caído em graça.

joão carlos disse...

uma coisa é saber de futebol, saber ler o jogo, ter ideias, etc...
e outra completamente diferente é conseguir colocar em pratica isso tudo, e isso ele não conseguia a equipas dele eram abaixo de medianas.

Anónimo disse...

Ricardo, como penso que somos contemporâneos, tenho exactamente a mesma ideia que tu. Um treinador defensivo (habitual naqueles tempos em que até um Mário Reis ganhou uma taça - infelizmente contra nós) sem chispa de brilho.

Faz-me confusão é como técnicos de valor e que sempre o demonstraram (o genial João Alves, Diamantino, Toni, Paneira, até o Mozer) não encontram trabalho numa primeira liga de ze motas e companhia. Ou se calhar até entendo, n são vendidos.

Também gosto de ouvir o Vitor Manuel, parece-me uma pessoa de bem (creio que treinou recentemente em Angola, e o filho é adjunto do Sérgio Conceição), e treinadores de bem fazem sempre falta.

Abraço, JVP