quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Borrego à Pablo Aimar

Eu gosto tanto de Borrego. Como gosto de Cabrito, de Coelho, de Touro, de Vaca e de Porco.

Gosto de touradas, também.

Fica lógico, portanto, que a matança deste borrego foi qualquer coisa de sublime. E eu que, hoje, tentando fugir à carne, fiz um bacalhau com presunto e cogumelos. Mas a minha prioridade é esta: são duas: carne e Liga Europa.

O borrego estará em Dublin. Paz à sua alma. E, se não der, amamos-te o mesmo, Benfica. Desde que te perdí:




1 comentário:

Sérgio disse...

E que borrego, Ricardo...
O Pablo Aimar é um cozinheiro do caraças...

P.S. Nada dá mais sentido ao teu post anterior do que finalmente matar borrego alemão.
Sem dúvida que estamos a assistir a qualquer coisa especial, daquelas que se revive anos mais tarde, com um brilhozinho nos olhos!