sexta-feira, 2 de setembro de 2011

São 40 os milhões gastos em jogadores que jogam por outros

São 26 os jogadores emprestados pelo Benfica para esta época. Um número surreal que compõe todo um novo plantel no qual se mesclam péssimas decisões, jovens da formação e alguns em que ainda queremos ter esperança de que sairão valorizados pelas equipas às quais os emprestámos.

Dêem as voltas que quiserem a este número, justifiquem para vós próprios ou para os outros, inventem argumentos que suportem a compreensão desta realidade que, ainda assim, por muito esforço que façam, é impossível aceitar este despesismo de um clube endividado até aos cabelos. Não há estratégia, organização, critério, lucidez. E com isso se desbastam milhões em jogadores que por vezes nem chegam a vestir a camisola do Benfica.

Mas importa compreender quantos milhões serão ao certo. Façamos esse exercício, deixando de lado, entre os emprestados, aqueles que ou vêm da formação ou chegaram ao clube a custo zero. Contemos apenas os milhões gastos em jogadores que, pela avaliação da equipa técnica e estrutura dirigente, não servem para a equipa principal do Benfica:


- Jan Oblak (Leiria) - 3,9 milhões de euros

- Júlio César (Granada) - 1 milhão de euros

- Fábio Faria (Paços de Ferreira) - 2 milhões de euros

- Shaffer (Leiria) - 2 milhões de euros

- Sidnei (Besiktas) - 5 milhões de euros

- Léo Kanu (Belenenses) - 1 milhão de euros

- Airton (Flamengo) - 3 milhões de euros

- André Almeida (Leiria) - 200.000 euros

- Carlos Martins (Granada) - 3 milhões de euros

- Elvis (Leiria) - 500.000 euros

- Fellipe Bastos (Vasco) - 150.000 euros

- Felipe Menezes (Botafogo) - 1,2 milhões de euros

- Fernandez (Estudiantes) - 1,5 milhões de euros

- Alípio (América Natal) - 6 milhões de euros

- Éder Luis (Vasco) - 2 milhões de euros (50 por cento do passe)

- Franco Jara (Granada) - 5,5 milhões de euros

- Kardec (Santos) - 2, 5 milhões de euros

- Melgarejo (Paços de Ferreira) - 700.000 euros


Ou seja, meus caros companheiros, o Benfica tem enterrados 40 milhões de euros em jogadores emprestados. Digam-me só uma coisa do fundo do vosso coração: acham mesmo que é possível gerir um clube endividado desta forma? E acham mesmo possível ficar, como adepto, calado a este desbaratar dos recursos do clube? É incompetência a mais, hão-de convir.




34 comentários:

Pedro disse...

Discordo em absoluto desta "análise". Pelas seguintes razões:
a) nessa lista existem jogadores que já renderam desportiva e financeiramente (via o 'star funds') ao clube. dizer que foi dinheiro deitado à rua é o mesmo que dizer que poderíamos ter entrado nos jogos em que esses jogadores participaram com menos um ou dois ou até três jogadores. e que o resultado seria o mesmo.
b) neste mundo do futebol a única hipótese que um clube numa liga como a Portuguesa tem de se manter ao nível talvez não da primeira, mas da segunda linha europeia é fazer investimentos destes. Não há orçamento para pagar os salários de jogadores conceituados (e mais velhos), portanto dizer que podíamos ter gasto estes 40 milhões para comprar, digamos, o David Villa ou o Fabregas é pura tontice.
c) só apostando em bastantes jogadores jovens, menos conhecidos, poderemos fazer um lucro tremendo com as suas vendas. David Luiz, Fábio Coentrão e Di Maria. Só para citar os últimos três com os quais o Benfica lucrou dezenas de milhões de euros. De facto, o lucro (financeiro, para nem falar do desportivo!) obtido com estes jogadores paga não só esta lista como mais um com o mesmo número/preço de jogadores.
d) Emprestar não é deitar fora. Estes jogadores têm contracto com o Benfica, mas não têm lugar no plantel actual. Alguns deles nunca hão-de chegar a nada e o investimento perder-se-ã. Mas outros vão voltar mais maduros, mais jogadores, e quem sabe, um dia, serão vendidos pelas tais dezenas de milhões de euros. São assim estes investimentos. Alto risco, alto lucro.

Só não vê quem não quer. Ou quem quer utilizar qualquer argumento para, mais uma vez, fazer uma crítica totalmente não constructiva à direcção actual.

Lá está, porque não ofereces outro plano? Outra forma de fazer dinheiro com investimentos em jogadores? Talvez não seja tão fácil como debitar críticas, não é?

O Confrade disse...

Até se percebe a tua intenção, mas quando começas a utilizar valores errados, como o do Alípio p.ex., começas logo a perder razão...

Quando não consideras que já recebeste 6M€ relativos ao Airton e ao Kardec, idem...

E só aí, de 40 já passou para menos de 30...

Mr. Shankly disse...

Também me assusta esta estratégia, mas o que o Pedro diz tem razão de ser. Por outro lado, qual é o valor de mercado destes jogadores?
É lógico que há jogadores que são obviamente erros que saltam à vista (Fernandez, Shaffer, Julio Cesar) mas como diz o Pedro basta que um ou dois expludam na equipa principal para valer a pena. O mesmo se passa com a formação: formam-se dezenas de jogadores por ano, e muito bom seria se se aproveitasse um para a equipa principal, que pagasse o que custaram todos eles.

low desert puke disse...

Nao me lembro do Oblak ter custado quase 4 milhoes de euros. E arrisco a dizer que essa informaçao é falsa, Ricardo. Lembro-me sim que o Aston Villa e um clube grande alemao queriam contratar o gajo. Pois com 18 anos todos o avaliam como um GR com muito futuro. E normalmente os clubes ingleses tem fama de irem buscar putos que depois se transformam em GR's de topo.

O Confrade também tem razao naquilo que argumenta.

Anónimo disse...

Os valores que apresentas na maior parte estão errados. E são emprestados para poderem jogar hoje e para amanhã regressarem à Luz, tipo Rodrigo, que antes era pior que péssimo e hoje para quem falava mal passou a maravilhoso.
Quando a gente quer enganar os outros, tem a coisa de estar perto da realidade, senão nem o mais tolo acredita. Inventa se gostas, mas atenção, inventa um nº capaz para Oblak por exemplo, que nem em sonhos custou isso que dizes.

Luís Sardinha

Ary Agostinho disse...

muitos dos valores apresentados estão errados. o texto, querendo sr factual, é demagógico. o sr. ricardo demonstrou que não é labrego, labrega é a sua chico-espertice.

Mentecapto da Silva disse...

Deixam o bêbado em paz, ele tem razão! 40 milhões gastos com todos estes jogadores...eram muito melhor empregues em vinho.

Bêbado, tens que escrever sobre as mulheres da limpeza, já reparaste como são todas velhas e gordas?
Já não era tempo do Mentiroso contratar umas ucranianas boas para chamar mais adeptos ao estádio?
Cambada de incompetentes.

Anónimo disse...

Eu não percebo este Ricardo, só diz mentiras fáceis de perceber e depois pensa que todos são idiotas para acreditarem nele. Cresce rapaz e tira o chapéu ridículo do toutiço, pode ser que essa cabeçita começe a pensar.

Éter disse...

Ricardo, neste assunto o que me preocupa verdadeiramente são os jogadores comprados por imposição de pessoas externas ao Benfica, tipo o Fernandez.

Ricardo disse...

Pedro, não se trata de uma análise. Uma análise teria de ser muito mais elaborada, específica e moldando a opinião às diversas circunstâncias de cada um destes jogadores. A ideia aqui foi simples: dar, em bruto (mas real), o valor aproximado dos milhões gastos em jogadores emprestados. Só isso. Sem grandes análises.

Dizes, e bem, que há jogadores que já renderam desportiva e financeiramente. Por outro lado, esqueces aqueles que desportivamente não nos deram nada - e taparam lugares a outros, que poderiam ter dado -, fosse por serem jogadores medíocres ou porque nem sequer chegaram a vestir a camisola do Benfica. Isto é grave, Pedro, porque anuncia um despesismo sustentado na ideia de que o risco valerá a pena mais tarde ou mais cedo. Mas não vale. Mesmo que apareça um, de entre os 100, que compraste nos últimos anos a ver se acertavas em mais um David Luiz, esse "um" não vai compensar os vários "uns" que andaste a gastar.

Eu não digo em lado nenhum do texto que podíamos ter comprado o Villa, o Fabregas ou outro qualquer jogador. Agradeço que a acusação de "tontice" seja imputada a outro qualquer, se fazes o favor. Mas também te digo que com uma melhor organização, com menos gastos, digamos, em 10 jogadores a 1 milhão e qualquer coisa, podias todos os anos comprar um jogador de qualidade indiscutível com esse dinheiro. Podias, Pedro, porque o investimento que, bem, defendes não é isto que o Benfica faz. O investimento tem de ser muito menos arriscado, mais localizado, e cimentado num conhecimento do que se está a comprar aliando isso aos gostos da equipa técnica. Se o Presidente decide comprar uns quantos, o Director outros e o treinador nada tem a haver na história, algo vai errado e algo vai acabar assim como esta história acaba: um plantel de emprestados, muitos deles sem quaisquer hipóteses de virem a ser mais-valias. O problema destes empréstimos é que na generalidade se prolongam no tempo, por vezes 3, 4, 5 anos, em que ficamos ligados ao jogador, pagamos-lhe a totalidade ou parte do ordenado e dele nada retiramos - seja porque não tem a qualidade necessária, seja porque o jogador se adaptou e não quer sair de onde está, seja, principalmente, porque o treinador não quer "emprestados" mas jogadores novinhos para brincar mais um bocadinho.
E agora a questão financeira, já que falaste no retorno que alguns já deram: quanto custou/custa/custará pagar salários a toda esta gente? Nessas contas que fazes, temos de meter lá isto também ou não? Quantos milhões de euros estarão no pagamento no passado, no presente e no futuro a estes 26 jogadores? Pois. Não é assim tão fácil, a análise. Por isso decidi meter de fora tanto os custos quanto os ganhos adicionais e centrar-me no que custaram estes que hoje pululam por diversas equipas deste mundo.

A aposta em jogadores jovens que defendes, mais uma vez bem, em "c)", faz todo o sentido. Mas com critério. Para já, é bom lembrar aos desatentos que temos um projecto já com uns anos sediado no Seixal. A aposta nos jovens tem de ter a prioridade de ir molhar o bico à formação. A isto, claro, podemos juntar uma prospecção que facilite a detecção de talento no resto do Mundo mas, mais uma vez, com critério. Escolher poucos e muito bons em vez de escolher muitos e pouco bons.

Ricardo disse...

Dizes que os jogadores hão-de voltar mais maduros. Mas quantos vês regressarem, Pedro? Quase nenhum. Geralmente vão de empréstimo em empréstimo até ao final do contracto. O risco que defendes - mal, na minha opinião - não deve existir dessa forma. Correr menos risco na contratação é essencial e, já que pedes ideias, diria que um departamento de prospecção de excelência (como já defendi atrás, num post com ideias para o Benfica, que se calhar não leste, e portanto talvez seja mais fácil debitar críticas do que conhecer o que as pessoas pensam, não é?) em sintonia com a Direcção e com a equipa técnica - este triângulo é essencial; não pode haver uma espécie de tricefalia, em que cada cabeça pensa por si - tudo isto conjugado, detectariam os alvos prioritários e fariam as contratações. Por exemplo: imagina que chegavas a Julho, tinhas o plantel principal bem definido, faltava-te apenas um ou outro jogador, que sabias que ias contratar facilmente. Tudo certo, poucas preocupações ao nível da equipa principal. O que é que se faz? Rever todos os emprestados, perguntar ao técnico com quais realmente poderá vir a contar no futuro. Depois dessa análise, procurar desvincular os jogadores que não contam para o treinador e que a Direcção e a equipa de prospecção concordam não serem mais-valias. Ficarem só aqueles que se vê que, bem orientados, podem ser soluções no futuro. Localizar os emprestimos: não faz sentido comprar o Airton, trazê-lo para cá durante um ano e depois emprestá-lo de novo ao Brasil. O que vai acontecer? Provavelmente o que aconteceu ao Bastos, ao Éder Luis e a tantos outros. A prioridade terá de ser a Liga Portuguesa (como este ano, bem, começámos a fazer). Depois, além dos que não contam para o treinador, ficava-se com uma lista mais curta de jogadores que iriam ser verdadeiramente acompanhados - a equipa de prospecção não devia servir apenas para descobrir talento, devia ter material e atenção suficientes à observação criteriosa dos nossos que estão emprestados - e filtrados consoante tanto a vontade e necessidade do treinador como da possibilidade de fazer bons negócios. Para isto, é preciso profissionalização, é preciso uma estratégia. Nada disso se vê no Benfica. Compra-se ao desbarato, empresta-se logo de seguida, empresta-se para países onde o jogador não evoluirá, enfim, um caos. Qual o sentido em emprestar um jogador de Selecção Portuguesa quase no 30? Ou ficávamos com ele ou vendíamo-lo. Caos.

Ricardo disse...

Confrade, é muito simples: Alípio+Rodrigo custaram 11 milhões de euros ao Benfica. Se o Rodrigo custou 5, imagina quanto custou o Alípio?

Como disse ao Pedro, se queres colocar o que recebeste, coloca também o que pagaste.

Low, 3,9 milhões de euros.

Aqui: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/sport/benfica/benfica-paga-39-milhoes-por-oblak

Sardinha, que tu tens uma propensão para a crítica acéfala, já todos tínhamos percebido. Mas que o fazias recorrentemente, tipo dia sim dia sim, é que ainda não estávamos bem a par. São errados os valores? Quais e por quanto estão errados? Vá, Sardinha, brilha um pouco: traz-nos a verdade. Não sejas só um boneco do sistema. Ganha alma, coração e... voz. Diz, Sardinha, fala, argumenta, justifica teres um cérebro. Mesmo que mirradinho como o de uma... sardinha.

Ao labrego do Ary (nome nada labrego), peço que leia o que foi escrito ao Sardinha. Santo Agostinho sempre gostou de vinho.

Mentecapto, então mas o Barbas não chega já como atracção sexual para os labregos? Umas ucranianas boas? Que horror. Isso é para os parolos lagartos. Nós é só mulheres com pelos na venta. Literalmente.

Sim, Éter, há casos e casos. Esse é um daqueles impensáveis.

Catenaccio disse...

Análise pertinente, caro consócio ;)

Diego Armés disse...

"O investimento tem de ser muito menos arriscado, mais localizado, e cimentado num conhecimento do que se está a comprar aliando isso aos gostos da equipa técnica."

Ricardo, desta vez acho que a tua exigência está a roçar a utopia. São muito raros os clubes com capacidade para fazer o que pedes. E mais raros ainda os que, com essa estratégica, conseguem um aproveitamente altamente satisfatório (digamos, 7 jogadores indiscutíveis no plantel por cada 10 adquiridos). Há sempre lastro, é inevitável - e até pode dar algum jeito. Se imaginar-mos as transferências possíveis com jogadores que nunca vestiram a camisola do Benfica mas que valorizaram (isto é só um dos lados da questão), ficamos com uma ideia do que é o "negócio" do futebol num clube da dimensão do Benfica. Há erros de casting, é inegável; há despesismo injustificado noutras situações, também irrefutável. Mas fazem parte do risco. Feitas as contas, tem dado lucro - refiro-me apenas ao saldo compra-venda de jogadores. E, olhando para a equipa do Benfca, em si, concluo - e concluirás também - que está mais forte e oferece melhores soluções (e alternativas às primeiras soluções) do que o ano passado. Concordarás que, postas assim as coisas, a gestão, não sendo perfeita, é positiva. Ou não?

Diego Armés disse...

Imaginarmos* - peço desculpa.

low desert puke disse...

Ok, nao me lembrava que o Oblak tinha vindo por numeros tao altos. Mas depois de uma pesquisa vi que o Empoli, o Fulham, o Villa e o Liverpool queriam o gajo.

A equipa pequena onde jogava foi campea da segunda divisao e no ano a seguir qualificou-se para a liga europa. Com Oblak a titular.

Repara que o gajo nasceu em 1993 por isso podia muito bem estar a jogar nos juniores. Em vez està emprestado a um clube da nossa Liga. Eu acho que aqui o departamento de prospecçao demonstra ter inteligencia e confiança ao mandar o puto para o meio dos profissionais.

Jà pensaste bem no animal de baliza que pode estar ali, Ricardo?

Diego Armés disse...

Ricardo, lê: http://redpass.blogs.sapo.pt/514272.html#comentarios

Ricardo disse...

Diego, já tinha lido. Está bom, apela ao benfiquismo "real" e menos às discussões estéreis. Concordo com muito do que o JG ali diz. Com outras partes, nem por isso. Parece-me que cada um optará por escrever sobre o que achar melhor. Se, por um lado, devemos deixar respirar os nossos, por outro, por serem eles que nos interessam (e não os adversários), devemos estar atentos ao que está a ser feito no nosso clube. Uma mescla entre o apoio e a observação lúcida.

Quanto à tua primeira mensagem, discordo. Não acho - como escrevi no primeiro comentário aqui ao Pedro - que um clube como o Benfica tenha de atirar a 100 pássaros a ver se lhe aparece um que vale milhões. Estratégia e lucidez não são pressupostos apenas possíveis a clubes do topo europeu. Pelo contrário.

Não considero a gestão positiva, por motivos óbvios. Financeiramente, o Benfica enterra-se de ano para ano (mesmo tendo mais-valias nocômputo entre vendas e compras, como parece ter sido este ano o caso - digo parece porque o negócio Roberto foi muito estranho). Desportivamente, é como sabemos: um deserto de títulos.

Se este ano temos um bom grupo de trabalho? Sem dúvida. Chega perfeitamente para ser campeão, se formos competentes. Ainda assim, e após não sei quantas compras (15?), falta-nos um lateral-direito e um central.

A questão Capdevila, para mim, é um absurdo. Por aquilo que nos faz enfraquecer desportivamente e porque gerou um desnecessário mal-estar no balneário. Questões mentais que o Jesus pura e simplesmente faz por esquecer e que são essenciais no futebol moderno.

Low, nunca pus em causa o valor desportivo do Oblak. Pus apenas aqui quanto ele custou. De qualquer forma, se o miúdo é um talento nato, um potencial enorme guarda-redes, é caso para perguntar quando terá a sua oportunidade. É que não estou a ver o Artur a sair da baliza nos próximos 3, 4 anos. E depois tens um miúdo portuga que parece ser um caso sério.

Mais uma vez, estratégia, coerência, lucidez. Falta muito a este Benfica.

Ricardo disse...

Abraço, Ricardo:)

low desert puke disse...

Concordo plenamente, Ricardo. E hà uns dias, nao sei se aqui se num outro blog, argumentei precisamente isso para explicar minha visao sobre o erro do empréstimo do Eduardo.
Artur a jogar assim pode ter a titularidade garantida para pelo menos 3/4 anos e depois temos o Mika que por mim seria o segundo GR, podendo entrar para a Taça e para o campeonato da cervejola.

Apenas um senao na tua premissa: o Mika foi contratado hà dois meses e o Oblak jà é nosso hà pelo menos um ano. Mas perante isto que deveriamos ter feito? Nao contratar o Mika? Deixando o Oblak para terceiro GR e correr o risco que o puto estagnasse?

Anónimo disse...

Como Jesus fala com Witsel:

http://www.maisfutebol.iol.pt/horas-vagas/jorge-jesus-witsel-maisfutebol-tvi-24-programa-choupana-indicacoes/1277631-1478.html

Bcool973 disse...

Atenção: Rodrigo + Alípio = 6 milhões e não 11. à parte dos números e da fantasia que é a rentabilidade originada pelo Benfica stars fund, mas podemos discutir isso depois, a verdade é que se gastamos 3, 4, 5 ou mais milhões num jogador não pode ser para andar emprestado para ver se é bom e se consegue adquirir ritmo para jogar no Benfica. O Benfica não é rico o suficiente para esse tipo de gestão.
Quanto a esta gestão, pretende ser uma cópia da gestão do porco-mor, só que incompreensivelmente não se atufulham os clubes em Portugal. O que é impensável é emprestar para a américa do sul jogadores que se querem que ganhem ritmo para o Benfica. Atenção que penso que o Kardec foi bem mais caro.
Mas não são os negócios mais estranhos, nem os menos inteligentes, falo de outro tipo de negócios - Elkeson, alguém me explica ? 25 % do Reyes ? 20 % do Salvio ? O que interessa comprar parte de um passe de um jogador que nunca vai ser nosso ? Mesmo que o valorizemos durante 1 ano, quem nos garante o retorno desse investimento ? Foda-se que isto de aumentar constantemente as cotas, os cativos e os bilhetes para esta merda de gestão custa muito no bolso.

Anónimo disse...

benfuica star funds ? quem é que anda a encher a mala ?

Bcool973 disse...

Depois de ter procurado na net, apesar da info do cm que não considero credível, parece-me que o oblak terá custado entre 1,5 e 2 M€

Ricardo disse...

Admito que alguns valores estejam acima do que foram, a informação nem sempre é precisa - já estamos habituados ao desrespeito por parte de quem nos dirige. Mas se há nestes valores alguns acima, outros há que custaram mais e eu pus um valor menor.

O que interessa aqui é mais importante do que discutir mais 300.000 euros ou menos 500.000. O valor total ronda os 40 milhões de euros. Mas, se quiserem, se preferirem, mesmo que não seja verdade, atirem, por margem de segurança, para os 30 milhões de euros.

E eu pergunto aos que criticaram sem dizer nada: é admissível ter 30 milhões em jogadores emprestados, dos quais só um ou outro poderá (repito: poderá) voltar à equipa principal e em que só dois, três, quatro poderão render algum dinheiro?

Disto ninguém fala, tirando ali o Pedro, o Shankly e o Diego, mas esses já eu sei que gostam de fundamentar o que escrevem. Os outros, os que para aqui vêm defender tudo e todos, sem que abordem sequer o tema, são mais do mesmo.

Daqui a uns anos iremos assistir à metamorfose desta gente. Dirão que sempre estiveram contra a Direcção de Vieira e outras palhaçadas. É o normal em gente sem espinha.

Bcool, a informação é contraditória. Do que me lembro e do que vejo na net, encontro mais razões para terem sido mesmo quase 4 milhões de euros.

Low, não podemos contratar toda a gente. Tem de haver uma preferência. Se o Oblak é assim tão bom, tinham abdicado do Mika. Ou então não tinham ido buscar o Eduardo, como dizes.

Anónimo disse...

Se o problema é jogarem noutros clubes isso vai acabar para o ano, vamos ter uma equipa B

Anónimo disse...

De onde saíram esses valores, é que não os encontro em lado algum. Foi tudo inventado, ou está escrito em algum lado?

O acéfalo Sardinha

Benfica95 disse...

O Benfica tem feito maus investimentos é verdade mas também temos feito boas apostas.

Gostaria de trocar links com o vosso blog.
http://mistica-vermelha.blogspot.com/
(aguardo resposta)

Anónimo disse...

Bem parecia que não teria resposta, não é cara supra-inteligência Ricardo?

O acéfalo Sardinha

Mr. Shankly disse...

Mais uma achega: há dois anos terias nesta lista o Fábio Coentrão - 1 M €. Hoje tens uma data de massa no bolso. E estes casos são muito difíceis de diagnosticar: muito talento, pouca cabeça, tanto pode dar jogador como ser outro Dani.

Anónimo disse...

Pois é Mr. Shankly, tens toda a razão. Os jogadores novos têm que jogar e na Luz teriam poucas oportunidades e assim são emprestados; de resto como todos os clubes do mundo fazem. Uns chegam à equipa principal, Fábio Coentrão e outros são os Danis e Hugos Leais, que não passarão da mediania, tanto devido à sua cabeça, como simplesmente não terem evoluido.
É preciso comprar jovens com qualidade para se fazerem equipas e dar lucros à mesma, mas temos os Ricardos e mais uns tantos que não chegam lá, ou chegam, mas como cascar no JJ, ou no LFV é mais importante, surgem estes posts ridículos e com inverdades óbvias. Mas claro que estes é que são os verdadeiros benfiquistas e quem apoia o clube é que são os maus da fita. É o modo de ver de alguns, que é o mandar abaixo o clube, é que os faz mais benfiquistas.

Luís Sardinha

Bcool973 disse...

O Fábio Coentrão custou 1 M€, a grande questão é ter n jogadores, com passes de valor muito superior emprestados, retirando disponibilidade para se investirem em bons jogadores, bem como tornando a folha de salários bem pesada, olhem o exemplo do Yebda que vários anos não foi transferido a título definitivo por causa do salário. Seja como fôr ninguém me respondeu sobre o elkeson, sobre o reyes e o salvio e as ridículas percentagens ?
Será que o Benfica pode ter tanto tempo o dinheiro parado num investimento sem qualquer hipótese de retorno como o reyes ?

Ricardo disse...

Acéfalo Sardinha, faz-me um favor: vais ao google metes os nomes dos rapazes que estão emprestados e procura. A sério, investiga. Depois vem cá dizer quais os valores que estão errados e que margem de erro. Pode ser?

É que fazer-te a papinha toda é muito chato. Já tive trabalho a procurar os valores desta gente toda. Faz tu o mesmo. E, se queres argumentar comigo, ao menos fá-lo decentemente: diz quais os que foram comprados por valores mais baixos e qual a diferença. Mas não te esqueças de ser honesto: é que nesta lista estão valores abaixo do que de facto foram comprados. Mete todos no pote e diz-me quanto custaram. Eu já te disse que podes tirar 10 milhões aos 40. A verdade é que foram mesmo 40 (ou em volta disso) mas, se preferires, tiras 10 para poderes pensar então neste assunto. E depois responde à minha pergunta: e se fossem 30, era admissível?

Shankly, não ponho em causa. Já o referi sobre o David Luiz: acho bem que se contrate, mas apenas e só quando há um potencial evidente. O Coentrão era um desses casos. Agora não me vais dizer que todos os jogadores emprestados tinham todos uma margem que se advinhava ser de grande progressão. E é desses, que são a maioria, que falo.

Mr. Shankly disse...

"acho bem que se contrate, mas apenas e só quando há um potencial evidente"

Se o potencial fosse tão evidente assim, tinha ido logo para o Chelsea, que até miúdos de 10 anos contrata. Há muitos casos em que o potencial é evidente, mas não se confirma. E há erros também, obviamente. Mas que clube não erra? O Porto? boa piada. O Barça pagou 25 milhões pelo Chigrinsky e um ano depois fez return to sender por 10. O Chelsea tem n barretes, e desconfio que em breve vai ter mais. Mesmo jogadores consagrados às vezes não se confirmam. O Veron custou uma pipa de massa ao MU e nunca confirmou o que se esperava. E aqui está o problema: nós não nos podemos dar ao luxo de contratar um Veron e depois ele não dar. Temos que contratar outros com uma incerteza ainda maior.