quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Nós, nós, nós

Ronaldo é um jogador fabuloso, uma máquina bem oleada de velocidade, técnica, movimentação, aproximação à área, faro pelo golo, finalização. Um espécie de super-homem dos relvados: mais rápido, mais alto, mais forte, mais letal - o gel na cabeça e o ar altivo fazem o resto deste retrato de super-herói. Falta-lhe a capa vermelha, mas é pormenor insignificante, até porque lhe retiraria aquela velocidade de ponta que é a de uma atleta de eleição.

Ronaldo não é genial. Não é Messi, nem sequer é Iniesta, é outra coisa e tudo está certo tal qual está. Bom é tê-los todos a jogar na mesma era - e tantos outros, além destes três. Só há algo que acho insuportável em Ronaldo: o eu, eu, eu.

Companheiro Cristiano: para tu correres no espaço e rematares para golo, alguém antes, com passes perfeitos, o possibilitou; e alguém tinha recuperado a bola; e o guarda-redes defendido bolas dos adversários; e o treinador explorado a saída rápida; e o massagista massajado; e o adepto apoiado. No futebol, perde-se e ganha-se em conjunto. E assim é que é bonito.

10 comentários:

Francisco Silva disse...

O Ronaldo tem sido o primeiro a desvalorizar o individual e a elogiar o colectivo, tanto no Real, como na Selecção. Que sentido faz este post? E porque alguém lhe providencia as oportunidades, ele não é genial? É que eu vejo o genial Iniesta a marcar apenas meia dúzia de golos por ano... E se me falaram de assistencias, o Ronaldo tambem faz muitas...

luis disse...

O 7 armani é aquilo num momento de superação . Viver com aquela humildade a vitória depois de tanta critica, com o luis incluído, tem justificação. Todos olham para aquela solução, Ronaldo.
O caminho percorrido para reservar bilhete pro mundial 2014, não foi fácil principalmente, para o 7 armani. Faz muitos jogos sem parar, tem argumentos explosivos, não tem sequer grande formação de liceu. E é o porta estandarte da industria do nosso quintal futebolístico, pela mão do super agente mendes (não é policia, mas ajuda muito).
O "Eu" que te referes também é muito provocado por "eles". Nós observamos de longe, mas lá dentro trabalham para ser ele a resolver. É o segredo dos cofres...
Resolveu ontem, também porque os suecos puseram-se a jeito. Tiveram que abrir, e correr 60 metros com o armani nas costas, não é facil. E com uma noite plena de sorte eram meia dúzia só em potência...
Como é obvio ninguém vai pedir a um Iniesta ou Messi que pare uma bola no peito "quase" a 3 metros de altura com aquela simplicidade, cheia de beleza.

Nota à Benfica:

-Com aqueles defesas laterais titulares... Nós estávamos servidos.

2 notas nacionais:
- Moutinhos operários, não há muitos.
- Ao contrario da esmagadora maioria dos adeptos,mais uma vez,este luis apreciou de forma diferente, os 180 minutos do nani. Muita entrega, com o evidente pouco ritmo competitivo, mas muita lucidez do espaço, sempre em apoio e no mais útil, temporizar nos momentos de maior aperto com 2-1...e não há outro.
...bumbum, o armani vai para o brasil.

Parabéns especial para o Capitão Humberto Lapin!!

Benfica T T

Mandavir disse...

Só não percebi a parte do "e o guarda-redes defendido bolas dos adversários"... mas o Patrício defendeu alguma coisa?

Anónimo disse...

Ricardo, entendo o que dizes em relação ao "eu, eu, eu". Mas quer-me parecer que ultimamente Ronaldo tem dado provas de que até nisso cresceu. Todas as declarações pós-jogo, o descartar ou não alimentar polémicas pessoais, tudo isso demonstra uma maturidade superior à do passado. Mesmo o invariável "eu estou aqui!", apontando para o peito sempre que, ultimamente, marca um golo (no Real ou selecção), pessoalmente apreendo-o mais como um gesto de "commitment", de "podem contar comigo", de "eu não vos quero falhar", de "eu estou aqui para lutar com a minha malta" do que propriamente mais uma manifestação de algum egocentrismo, que sem duvida sempre as teve. Acho que até nestas questões de personalidade (que diga-se, para a determinação do melhor jogador de futebol do mundo, no que ao futebol diz respeito, são fait-divers)até nisto Ronaldo está mais maduro.
Quanto à "genialidade", acho que não podemos encontrá-la só nos dribles de encher o olho, nos slaloms improváveis, ou nos passes magistrais (de messi e iniesta). A "técnica, movimentação, aproximação à área, faro pelo golo, finalização" do Ronaldo são manifestações da maior genialidade. Sempre considerei messi o melhor do mundo,precisamente porque o sua estirpe de genialidade é mais...boçal...mais explicita. Mas hoje a minha opinião é diferente. Ronaldo já era o mais completo jogador do mundo. Para mim agora é, também, o melhor jogador do mundo.

luis disse...

Acho precisamente o contrário. Essa do eu encaixa muito melhor no Ibra, por exemplo. Ou no Messi, até, que apesar dos milhões que ganha, teve necessidade de roubar mais uns milhões ao Fisco. Para ele, com certeza.

O Ronaldo é um tipo normalíssimo e, quem o conhece e já privou com ele, admite isso mesmo.

Mas não nos podemos esquecer que ele vive no topo do mundo e nem sempre é possível manter so pés na terra, é normal que por vezes tenha um ou outro deslize.

Além disso é um grande profissional e só sendo humilde poderia ter chegado onde chegou: a número um.

Conde de Vimioso disse...


Off

Que dizer:


http://1.bp.blogspot.com/-NDWlHYMFyUM/Uo3V8hUtBXI/AAAAAAAAThk/7_tYl__V2ek/s1600/21-11-2013+09-24-064.png

Anónimo disse...

minuto 2:05
http://www.youtube.com/watch?v=GtQ7tpPlGPs

Anónimo disse...

Messi arte por fazer diagonais, procurar, em drible curto, o espaço vazio entre 2 ou 3 adversários, passar ao Iniesta, Xavi ou outro qualquer para fazer a tabelinha e finalizar em frente à baliza?
Quem falou em arte?
Os golos do Messi nos últimos 3 anos são uma cópia da cópia. Ele é extremamente talentoso, mas não arrisca nada. Tudo o que ele faz é tão ou mais trabalhado do que o jogo do Ronaldo. A diferença é que se torna aborrecido vê-lo sem desafios na liga espanhola e ainda assumir que é lá que quer acabar a carreira. Será temor por outros enfrentar outros campeonatos?

V. Branco disse...

Como se nega o inegável??!! Ele, ele e ele. É ele que lá está quando é preciso, é ele quem arrisca, é ele quem marca. Sem ele, esta equipa é uma banalidade. Sintomático é observar os fantásticos resultados da seleção ou do Real Madrid quando Ele está num dia menos bom, quando ele não se supera. Pode preferir-se Messi, Iniesta, O carodoz ou a prima, mas não se podem ignorar números e factos.

Anónimo disse...

há jogos em que o Lima tem imensas oportunidades e falha todas, o Rodrigo idem, é preciso vir o Cardozo para acertar uma ou duas.
Mas o Cardozo não tem mérito, mérito tem a equipa, o massagista, o jogador que chutou contra ele para a bola entrar e o Lima e o Rodrigo que jogaram mal propositadamente para obrigar o treinador a meter o Cardozo. Cardozo é mais um poste em campo, quase dava para outra baliza.

crl, o Ronaldo quando fala à imprensa fala sempre na equipa, fala sempre no coletivo, nunca vem dizer que foi ele que decidiu ou ele que ganhou.
as bolas é que ficaram histéricas e fizeram refogado de ronaldo na capa todos os dias, mas esses até de ivan cavaleiro fazem