sábado, 23 de julho de 2011

Stronger than me

Lembro-me de ter 20 anos e viver com medo dos 27. Depois lembro-me de ter 27 e ter medo de morrer. Agora tenho 29 e sei que não sou uma estrela de rock.

Brian Jones, Janis Joplin, Jim Morrison, Jimmy Hendrix, Kurt Cobain. Junta-se-lhes a Amy Winehouse.

Há gente que tem talento a mais para as fronteiras da vida.

8 comentários:

FireHead disse...

A falta de juízo fez o resto.

All those years ago disse...

Bom, eu sou contemporâneo de JJ, de Hendrix e Morrison e Brian Jones, e obviamente que também de Cobain. Há uma canção de Neil Young que às tantas vai dizendo "It's better burn out than fade away". Bom, eu não penso assim. Bem melhor viver cada dia na plenitude e ir morrendo devagarinho. Todos os que citaste preferiram viver rápido e morrer depressa - não posso dizer que os admire.
Da mesma geração - e há tantos exemplos - tens os virtuosos dos Yes, e muitos por lá passaram (ainda agora saiu seu último álbum depois de 11 anos de interregno com outro vocalita) e os sessenta e muitos anos nem por isso significaram menos qualidade. Metade de Morrison é mito, e esse mito tornou-o um gigante, só porque morreu. É o tempo que mostra se são grandes, não os três ou quatro anos e uma época específica. Only my humble two cents.

Alberto de Carteado Malheiro

Anónimo disse...

Prefiro o único álbum de Jeff Buckley, Grace, a tudo o que esses juntos editaram.

Ricardo disse...

All those years ago, concordo com o que escreveste. Só uma ressalva pessoal: claro que o Morrison se tornou um mito gigantesco mas substância de talento tinha-a em doses colossais. E muito do que era é desconhecido, como a sua faceta de excelente poeta que ficou abafada pela de rock star.

O Neil Young é um bom exemplo de um gajo que, não tendo morrido, soube envelhecer bem. É um dos meus favoritos, sem dúvida. Os Yes, nem tanto. Tenho um álbum lindo em vinyl, acho que quádruplo, "Yes Songs". Mas nunca me entrou totalmente. Vou voltar a ouvir.

Anónimo, é uma opinião. Acho-a exagerada mas isso é porque gosto muito de todos os outros. E o Buckley morreu mais tarde. Não muito mais, mas mais tarde. 30?

Miguel A. disse...

Grande Amy.

Anónimo disse...

Faltam dez anos para o Bieber. Calma, meu povo, há esperança.

Mr. Shankly disse...

"Faltam dez anos para o Bieber. Muito bom.

Anónimo, também gosto muito do Jeff Buckley, mas exageras e não é pouco. Já agora, esqueceste-te do "Sketches for My Sweetheart the Drunk"?

Juntando mais um, o Curtis matou-se logo aos 23.

Anónimo disse...

Mr. Shankly,

Não conto com o "Sketches" apenas porque foi lançado depois da sua morte. Não se sabe se ele queria o álbum exactamente como foi editado.
Acredito que esteja a exagerar, mas é só a minha opinião.

Essa malta dos 27, é um bocadinho tipo o primeiro ano do Jesus no Benfica. (não levem a mal, é pá comédia)

E Ricardo, quando puderes vai mandando umas postas sobre música, que foi por causa do Chico que vim cá parar.