segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Os meus Eusébios preferidos - II - A mão de Vata

Merece isto uma explicação, antes do elogio: o blogue "A Ilíada Benfiquista" só não está aqui elogiado porque desapareceu do filme, entre películas estragadas e técnicos de som demasiadamente vocacionados para os pequenos cultos da decadência parisiense. O que JAS fez pelo Benfica é algo que ficará nas entretelas do benfiquismo e, portanto, só quem gosta de chupar a carne do osso compreende. O blogue em si morreu, pode ser que regresse um dia.

Sem mais, chegamos hoje ao elogio de um blogue que mantém não só uma regularidade assinalável (menos em dias de jogo, claro) como a certeza de estarmos perante um espaço de benfiquismo que humilha a vocação e o esforço de Himmler. Não, este rapaz, que se chama Constantino, ama tanto o nosso clube que faz dele uma via para ser mais feliz. 

Alguém já leu o "A mão de Vata"? Uns dirão: "claro que já li, achas que és o primeiro?"; outros, mais preocupados com as taxas de juro, olharão primeiro para o quadro da Mona Lisa que têm em casa, dirão à mulher, entre sorrisos e desamores, "ó filha, sai da frente do televisor", e, no fim, vão perguntar ao espelho: "mas de que caralho está ele a falar?". 


Falo do man que vive o Benfica conseguindo a proeza de gozar com ele e amá-lo, numa poção mágica que advém do facto de ser um cromo mais sentimental e obviamente mais inteligente do que a grande maioria dos que fazem blogues em louvores ao Benfica. Ler o Constantino é tentar traduzir as entranhas de todos nós, benfiquistas e portugueses, enquanto comemos mais um pastel de bacalhau e achamos que, sim, este é que foi como devia ser.


Eu falo por mim: se o Benfica fosse liderado por gente como o Constantino, de certeza que não haveria João Gabriel. É que até para a farpada é preciso ter classe. E o "A mão de Vata" tem uma classe que não vive no Cagalhão para a Comunicação e não sobrevive à incapacidade dos benfiquistas rirem de si próprios. É uma coisa que vem de dentro, não sei explicar, é instintivo e damiano. 


Mas o que eu quero mesmo dizer é que o Constantino é dos gajos mais bonitos da blogosfera benfiquista. E nem sequer tem de fazer por isso. Ama de tal forma o clube que abdica de levá-lo tão a sério que lhe crie cabelos brancos. Se me permitem: Carrega, Constantino!

10 comentários:

dezazucr disse...

Tem um sentido de humor... hilariante :D

João Duarte disse...

É verdade sim sr. O Constantino, o guaraná dos pequeninos, é bom.

Bola ao pé e olhos na baliza.

O elogio é merecido, mas agora não vão começar a afagar-se um ao outro em publico, pois não?

Zé Trolha disse...

Merecidíssimo. Está entre os que visito diariamente.

Luis Rosario disse...

O maior dos Algarves e Arredores!

E é um tipo que vem a Carnaxide com regularidade, o que é assinalável.

Parabéns Tino, concordo com o Ricardo, és um Eusébio.

A Neto disse...

Quem não tem orgulho em ser Benfiquista ?

http://www.uefa.com/memberassociations/uefarankings/club/seasonclub/index.html

Diego Armés disse...

Paragem diária. Aliás: dos raros, raríssimos!, casos em que chegam a ser três ou quatro visitas num dia (que ele tem dias de pé quente...). Constantino rules!

Constantino disse...

Epah, fodasse... assim eu quase que me choro todo. Sinto-me como um secretario acabadinho de saber que o real madrid o quer. Neste caso, felizmente para a alma benfiquista, por cada secretario no mundo há 127 panuccis (sim meus catraios, aquele central abandalhado que viram terminar a carreira em roma foi um dos melhores laterais da sua geração). No fundo a minha imensa alegria de ver tantos elogios dirigidos ao A Mao de Vata só tem paralelo com a tristeza que me invade por ver que os portugueses continuam com péssimos hábitos de leitura.

Um abraço a todos e obrigado ao Ricardo.

Ginha disse...

E é isto! No comentário do Constantino fica um cheirinho d' A Mão de Vata!

Mais que justo o elogio, e logo vindo de um dos melhores, senão o melhor, blog de discussão Benfiquista...

M. disse...

O Constantino é Algarvio e do Benfica, o que faz dele, automaticamente, o Maior.
Mais do que isso, "A Mão de Vata" diverte-me pela erudição que habilmente finge não ter, pelo constante desconstruir. Pela alegria permanente em sofrer do Benfica. Leio religiosamente. É um dos imprescindíveis.

xicabala disse...

É sinonimo de leitura diaria! Foi la alias q conheci este vosso blog! Abraço e força p ambos