sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

O que ainda falta ao Benfica - 5 diferenças entre a frustração e a glória

1) Dois laterais de qualidade superior (e um central) - Penso que é hoje óbvio para todos que Emerson não serve como primeira opção - nem sequer, opinião pessoal, como alternativa. Uma falha grave no planeamento da época que pode ter repercussões dramáticas, se não se encontrarem formas de admitir o erro e o colmatar com um jogador de qualidade acima de qualquer suspeita. A meu ver, é muito simples: se Emerson for o titular até final de época, todos os objectivos da equipa estão seriamente em risco. Esperemos que, por parte de quem pensa o futebol no Benfica - dirigentes e equipa técnica -, haja a humildade suficiente para deixar cair a primeira aposta do Verão e a sabedoria necessária para encontrar uma solução indiscutível. 
Do lado direito, o cenário é menos grave, embora exista também um problema: falta um jogador que não só seja alternativa a Maxi como lute com o uruguaio pela titularidade. O lateral-direito tem qualidades que todos apreciamos - intensidade, agressividade, dinâmica ofensiva, garra, querer "à Benfica" - mas está longe de constituir a melhor solução, ainda para mais numa fase em que parece estar a voltar aos primeiros tempos no clube. Os erros sucedem-se, como na época em que chegou: perdas de bola inadmissíveis, desposicionamento constante da linha defensiva (são vários os lances em que deixa o adversário em jogo), incapacidade para acompanhar o atacante do seu lado, quando a bola é cruzada da ala oposta, distracções, forma física deficiente. Maxi Pereira, por tudo o que tem feito nos últimos anos, merece ser uma aposta firme nesta equipa mas só teria a ganhar (e, por consequência, a equipa, que é o que mais importa) se tivesse competição séria dentro do plantel. 
Menos premente do que nas laterais - mas que obriga a uma reflexão -, surge a questão do central que seja alternativa à dupla titular. Jardel não é suficientemente bom para o Benfica e Miguel Vítor poderá ser pouco, no caso de uma lesão prolongada de Luisão ou Garay. De contactos anteriores com o Vasco (clube no qual temos dois jogadores emprestados, o que serve como arma favorável à negociação) e pela qualidade indiscutível que tem, Dedé seria uma tremenda mais-valia em Janeiro.
Todas estas questões foram aqui identificadas em Agosto. E, se não têm sido motivo de preocupação maior, à regularidade dos titulares e à capacidade colectiva da equipa muito devemos. Mas isso não invalida que tenha havido uma deficiente abordagem à planificação do plantel. Que os erros sejam admitidos e superados, é o que se espera de uma Direcção que diz querer uma época desportiva de glória. Caso contrário, a frustração - à imagem da época passada - será um cenário facilmente adivinhável.

 
2) Preparação mental/orientação disciplinar - A expulsão de Cardozo no último fim-de-semana deverá servir como estudo sobre a falta de uma orientação clara por parte de quem gere o futebol no clube. É evidente a injustiça da decisão do árbitro, tal como evidentes têm sido várias injustiças arbitrais ao longo da época. Sobre esta premissa - que se alastrará e provavelmente se intensificará nos próximos meses -, deverá assentar a pedagogia feita aos jogadores. Se temos a noção de que, a qualquer acto mais "espontâneo" dos nossos atletas, surgirão medidas drásticas por parte de quem arbitra os nossos jogos, a única resposta - porque é a que podemos controlar - passa por condicionar os nossos a um comportamento exemplar dentro do relvado, fazendo-os compreender que da capacidade de disciplina e auto-controle dependerá o sucesso do colectivo. 
A expulsão do Cardozo não só prejudicou a estratégia num jogo importantíssimo - que felizmente superámos, mas que poderia ter criado consequências nefastas - como nos retirou uma solução, a mais efectiva, para o jogo na Madeira. Como este caso, outros houve em que os nossos jogadores foram admoestados, justa ou injustamente, sem razão para tal; apenas e só porque não souberam reagir mentalmente a uma decisão arbitral - Aimar, especialmente, torna-se repetitivo na recolha de amarelos idiotas. 
Compete a quem lida com os jogadores que estas situações aconteçam muito raramente e em momentos impossíveis de contrariar o sentimento de injustiça. Tudo o resto, deverá desaparecer. Também passa por aqui a diferença entre uma equipa adulta e um equipa incapaz de gerir emocionalmente os vários momentos de um jogo.


3) Qualidade nas bolas paradas ofensivas- Há um paradoxo na forma como a equipa aproveita as suas qualidades: se, por um lado, pelo tipo de jogo que apresenta, as situações de bola parada são em grande número e, pelas características dos próprios jogadores, há uma vantagem clara em relação a quase todas as outras formações ao nível da estatura física e dos movimentos, bem treinados, que o colectivo desenvolve neste tipo de situação específica de jogo, por outro, e isto é que causa perplexidade, são em dose industrial as vezes em que a bola é mal pontapeada. 
Seja em cantos, livres laterais, livres à entrada do meio-campo, a percentagem de lances em que a equipa deixa de aproveitar as qualidades que tem por deficiente arremesso é sinal de preocupação e deverá ser seriamente estudado e melhorado. Não se admite que jogadores da qualidade de Aimar, Gaitán, Bruno César, Amorim marquem cantos e livres quase como infantis, batendo ou muito por cima ou tão fraco que a bola cai imediatamente nos pés do primeiro defesa adversário. 
A juntar a isto, que é consequência do mau arremesso, surge o mau posicionamento dos que ficam mais atrás em campo e da lenta reacção à perda de bola, gerando vários contra-ataques perigosos que, em vários jogos, poderiam ter definido as partidas de modo comprometedor. Vemos Jesus gesticular bravamente do banco, nessas situações. Mas o problema, como é óbvio, é dele e é a ele que devem ser pedidas responsabilidades: tudo advém do treino. 
E, se o treinador do Benfica é capaz de treinar eficaz e por vezes brilhantemente a movimentação dos seus jogadores dentro da área adversária, terá de saber igualmente como colocar a equipa de modo a que, primeiro, as bolas cheguem ao destino e, segundo, caso não cheguem, como deverá reagir o colectivo aquando da perda. Erros destes - que temos visto ao longo dos jogos desta época -, contra equipas de maior qualidade, serão letais. Para o jogo e, a médio prazo, para os objectivos até final do ano. Mais uma vez, a mesma linha quase invisível entre frustração e glória. Os detalhes que decidem épocas.


4) Saída de bola - No final do último encontro com o Sporting, Jesus, na sua bazófia habitual, defendia que a equipa está preparada para lidar com uma pressão agressiva e alta por parte dos adversários. Não está. Ou melhor: está, só que não da forma que possibilite a melhor estratégia para o jogo que queremos implementar. 
A resposta que está programada a um pressing agressivo (como o que o Sporting usou em grande parte do jogo do passado fim-de-semana), passa por criar, em jogo directo, duas zonas preferenciais de destinatários: o avançado, geralmente Cardozo, e a direita do meio-campo, geralmente Witsel ou Gaitán. É uma solução que permite menos risco mas que "entope" o jogar do Benfica, porque na altura da recepção o jogador está rodeado de adversários e porque muitas vezes não tem apoios para manter a posse. 
Esta solução serviria os interesses de muitas equipas mas defendo que ao Benfica, pela qualidade que tem, este é um tipo de solução que não interessa e, pior, prejudica gravemente a ideia de jogo que Jesus quer para os seus jogadores. Mais interessante, embora mais arriscado e que requer outro tipo de treino e aperfeiçoamento, seria solucionar o problema passando a jogar, mesmo contra equipas muito pressionantes, em posse de bola corrida e sempre rente ao relvado, usando preferencialmente o passe vertical em detrimento do jogo directo ou do passe em largura (neste particular, tendo uma peça como Emerson, é suicídio procurar a lateral como fuga). 
Como fazer isto, sem arriscar em demasia? Não baixar tanto Javi - mantendo-o no seu espaço da linha do meio-campo, criando um apoio alternativo e fixando um jogador adversário - mas baixar, em simultâneo, Aimar e Witsel, cada um do seu lado. Assim, o central que tivesse a bola tinha quatro apoios directos (o guarda-redes, o lateral, o outro central e o médio do seu lado) e um apoio indirecto (o pivot defensivo, que serviria não só de apoio ao apoio, caso a equipa criasse progressão, como de "tampão" às investidas do adversário, se este quisesse subir mais no terreno). Nesta configuração, que obviamente requer uma dinâmica mais trabalhada e uma maior certeza de passe, o posicionamento dos extremos seria fundamental: não abertos nas linhas, mas interiores, à frente de Javi. 
Num desenho, teríamos um dado com o número 5: Aimar e Witsel em baixo, Javi ao centro e César (Nolito) e Gaitán em cima. Espaços curtos, vários apoios, prioridade para as as combinações e a equipa mais junta, sem pontapés para a frente pelo ar e com várias alternativas para progredir, com bola, até ao meio-campo adversário. 
Claro que para os jogos com o Feirense até o jogo directo serve. Mas o Benfica entrará nos próximos meses numa espiral de jogos fundamentais contra equipas de grande qualidade e organização, em que o pressing à nossa saída de bola será uma constante (mesmo as equipas pequenas já perceberam que devem forçar, mesmo que com menos jogadores, a nossa posse logo no início, como forma de condicionar a dinâmica do nosso jogo). Encontrar uma solução que aniquile essa pressão alta adversária, sem que por isso percamos a nossa identidade, é, pois, fundamental para o sucesso a médio e longo prazo. Para a glória e não para a frustração.

5) Ter um Gaitán ao nível do seu talento - Das coisas que me custa mais ver neste Benfica é o desperdício criminoso das características únicas do argentino. Há ano e meio que falo em colocá-lo numa posição de menor dimensão física e de maior aproveitamento das suas qualidades - a segundo avançado. Gostava que um dia o Jesus o fizesse mas deixei de ter esperanças: Jesus quer interpretá-lo como um jogador de ala, com movimentos interiores, buscando a sua capacidade de desequilíbrio e de passes de ruptura. 
Assim seja: Gaitán numa das alas. Mas então há que moldá-lo à posição onde joga. Se Gaitán neste Benfica será sempre um ala, convém que tenha adquiridos os fundamentos básicos para que o colectivo não sofra com as displicências frequentes do argentino. Chamo-lhe displicência, porque não é uma questão de não entender o jogo. Gaitán simplesmente não quer fazer mais. Isso fica evidente nos jogos da Champions ou contra os rivais nacionais, em que se vê um jogador completamente diferente: apoia o lateral, dando apoios (não só ajuda fisicamente, como sabe ocupar os espaços), recua em sintonia com o adversário, fecha ao meio, dobrando colegas que se desposicionaram momentaneamente. 
Se um jogador faz isto em certos jogos, e fá-lo bem, é porque entende o que deve fazer a cada momento de um jogo. Se o não faz sempre (ou quase sempre), a culpa é do treinador, que permite que, em determinados jogos (a grande maioria), Gaitán se arraste pelo relvado, apenas esperando que a equipa conquiste a bola para finalmente acordar e começar a jogar futebol. Começa aqui a conquista de um Gaitán diferente: obrigá-lo a uma consciência defensiva colectiva para lá dos jogos de maior visibilidade. Se isto for conseguido, não só o argentino aumenta os níveis de concentração e intensidade - melhorando o seu jogo - como, por arrasto, toda a equipa se desenvolve em campo de forma mais eficaz - porque aproveita a qualidade inegável do jogador e deixa de estar condicionada à ideia de que deve compensar os adormecimentos de Gaitán, emperrando a própria dinâmica. 
Lembrem-se das vossas peladinhas de Quinta à noite. Recordem-se de quando sabem que têm lá um gajo que só fica à mama. O que é que acontece? Para lá de o chamarem de tudo e de acabarem à porrada com ele, em campo há sempre aquela ideia que vos martirza o espírito, sempre que vêem o adversário a cavalgar contra vocês: foda-se, recuo mais ou vou mais à direita para compensar a ausência daquele filho da puta que está a fumar encostado ao outro poste? 
No meio desta dúvida, nem vão à direita, nem recuam, nem pressionam, o cérebro pára ali por um segundo e quando vocês voltam à realidade já andam a correr feitos tontos sem saberem para que lado devem ir. Numa equipa profissional, em dimensões diferentes, isto também funciona assim: a confiança/desconfiança que temos em relação aos colegas de equipa faz toda a diferença não só no sucesso/insucesso mas individualmente na forma como tomamos decisões. Limpar o espaço de dúvida, garantir que cada um dos onze que estão em campo se concentrem nas suas aptidões e responsabilidades (não propriamente funções, porque o futebol deve caminhar para um jogo em que não haja propriamente funções em campo, mas uma osmose entre dinâmicas individuais), promover a solidariedade entre cada dois, entre cada três, no limite, entre cada 11, será sempre a melhor resposta à necessidade colectiva e a ao bem-jogar. 
Ter um Gaitán ao nível do seu talento não só traz à equipa a extraordinária capacidade criativa e original do argentino - que gera incerteza no adversário e dúvida sobre as soluções que lhe aparecerão pela frente - como solta todos os outros jogadores para, também eles, potenciarem ao máximo as suas virtudes. E quem ganha é o Benfica.

33 comentários:

MasterGroove disse...

BOOOOM!!! porra não acredito!!!! alta cena!
sou fã deste baixista..Victor Bailey.
muito bom!
desculpa lá não comentar o post.. vou ler depois.

abraço

Pedro disse...

Excelente, o post e a música.

Concordo com tudo o que dizes. Ponto por ponto, letra por letra.

Gostava muito de ver o ponto 4 trabalhado como dizes.

O Gaitan no centro, sem dúvida.

João disse...

Grande posta.

Concordo a 100%:

- Javi não pode estar sempre enfiado entre os centrais na fase de construção.

- o nosso aproveitamento dos lances de bola parada é mediocre em função da qualidade dos cabeceadores. Inventa-se demais em lances de laboratório quando a melhor receita é meter a bola tensa no coração da área (o que têm sido incapazes de fazer com regularidade). A meu ver, esta era a grande mais valia de DiMaria.

- Haja mais alguem que veja que o Gaitan a médio ala é uma aberração..

Hattori Hanzo disse...

Mais duas notas. Continuo a achar que a rotação do plantel não está a ser feita como deve ser e isso a continuar assim dará problemas futuramente. Embora Jesus pareça melhor nessa situação que o ano passado parece continuara a achara que a rotação é trocar de 11 em jogos menos importante. Com isto os com menos ritmo não deverão jogar muito: por um lado têm pouco ritmo, por outro não estão inseridos em "equipa", mas sim um grupo de 11. Por outro há a questão motivacional. Um jogador por exemplo com David Simão que esteve razoável no jogo da Taça a substituir Aimar a partir daí nunca foi titular. Que motivação terá agora ele percebendo que o treinador claramente não conta com ele. Continuo a achar que os problemas nas alas não são só na defesa: o ano passado isso custou-nos caro, mas parece que não se aprendeu adaptar jogadores habituados a jogar no centro às alas mais cedo ou mais tarde irá custar caro. Quanto a Gaitan concordo contigo na questão de não ser a posição ideal para ele (tal como acontece com Bruno Cesar aliás no outro lado), mas discordo em algo: se é verdade, como tu sabes, que sempre fui muito crítico por ele não saber ou não querer aproveitar todo o seu (muito) talento também é verdade que nos últimos jogos me parece que ele te tentado corrigir isso começando a preocupar-se mais com a equipa e com questões defensivas por exemplo.

M. disse...

Ricardo, se me permites a falta de respeito: muito obrigado por verbalizares o que eu tantas vezes penso (e foi assim que me colei ao meu melhor blogger Benfiquista).
O ponto da pressão é o mais importante e liga-se muito ao ponto 1., Emerson, o problema oncológico do Benfica. Ando preocupado com isso. A tua solução táctica é a melhor, mas há ali uma opção de passe que é o lateral. E esse pode ser o Emerson. Foda-se, isto preocupa-me à brava.
Um grande abraço e obrigado.

Pedro disse...

1 - Emerson: Realmente um problema. Felizmente não temos tido consequências directas no resultado devido à menor qualidade do brasileiro. Ao contrário de ti eu acho q como alternativa ele serve muito bem e, tendo concorrência, até para titular. Lembro q começou bem a época mas desde q foi assumido o afastamento de Capdevilla q a qualidade de jogo de Emerson baixou bastante. Se chegarmos a Janeiro, quando o mercado voltar a abrir, em todas as frentes acho q teremos uma época de sonho quando contratarmos novo lateral.

2- Este é um grande problema do SLB. Adeptos inclusivê. É dificil passar a mensagem para os próprios adeptos q não jogamos com as mesmas armas. Mas sim, falta pedagogia interna. Por exemplo o q se passou no final da primeira parte com o Basileia se fosse num jogo nacional Aimar tinha sido expulso. Já tinha amarelo e refilou com o árbitro de forma q nunca teria perdão com um qqr Xistra ou Olegário. Os nossos jogadores têm q perceber, de uma vez por todas, q não podem dizer seja o q for ao árbitro. É comer e calar. Infelizmente assim é. Cabe à Direcção proteger e defender os jogadores.

3- Realmente os cantos do SLB são de um acerto escabroso. E quando os centrais sobem e eles fazem cantos curtos e a bola acaba no nosso meio campo??? ARG!!!! Exige-se mais acerto.

SLB4EVER disse...

Concordo com esta tua análise e sem dúvida que era benéfico para a equipa melhorar nos pontos referidos.

Da minha parte:

1- Para esta temporada ja me contentava com 1 lateral esquerdo de qualidade passando o Emerson a ser segunda opção, penso é que isto esteja dependente de vender ou ñ o Cap. Central se necessário pode voltar o Sidnei q ñ está a ser usado.
2-Acho que esse trabalho já é feito e que os jogadores estão mais do que avisados, podem melhorar mais ainda mas por outro lado tb sei que não são máquinas e que por vezes as emoções levam a melhor. A expulsão do Cardozo foi tendenciosa e ñ duvido que mesmo que ele ñ fosse expulso haveria outra decisão a nos prejudicar, talvez um penalti á toa ou outro jogador expulso, sei é que desde que se marcou o golo o apitador resolveu inclinar o campo. Amarelos como o que o Aimar viu contra o Basel (reclamação excessiva por uma falta que realmente cometeu) e por arrasto o Garay viu, já com o jogo interrompido para intervalo esses sem dúvida que podem e devem ser evitados.
3-Por incrível que pareça contra o SCP o Aimar lá voltou a marcar bem os cantos, espero que se mantenha, até aqui tinha sido um completo desperdicio a marcação de cantos e livres indirectos.
4-Pois tb eu queria ver o Aimar a baixar nessas situações para começar a construir desde trás e ficando mais adiantados os alas e o PL, era o 433 que já me conformo que nunca irei ver no Benfica de Jesus. O que se passa é que o Aimar jogando a segundo avançado raras vezes vai fazer isso, até por uma questão de desgaste, no 442 em que se joga ñ vejo isso a acontecer mas tb eu gostava muito e acho que a equipa tinha muito a ganhar, se as bolas longas para o ataque com o Cardozo ainda por vezes resulta imagine-se como é sem ele, aliás já deu para ver, a segunda parte contra o Basel na luz é um bom exemplo. Concordo por inteiro contigo mas já ao tempo que se discute isto e ñ me parece que se vá mudar.
5-Outra situação tb mais do que discutida, o Gaitán desde que não seja a PL pode jogar em qq posição atacante, tem qualidade para isso, quanto mais recuado jogar e preocupações defensivas tiver mais protagonismo, fulgor e eficácia perde. Reconheço que já mereceu da minha parte os melhores elogios e insultos mas tb que tem vindo a evoluir, talvez para render nas funções que tem sido usado precise de trabalho físico para ter mais resistencia pq por norma é um jogador que raras as vezes se vê acabar um jogo numa condição fisica aceitável. Isto no entanto não muda a minha opinião do que a jogar neste 442 a posição mais indicada para ele seria como segundo avançado, sem uma posição fixa, á imagem do que o Aimar tem vindo a fazer, jogando nas alas acho que o 433 era muito mais indicado para as suas caracteristicas.

A ver vamos hoje contra o Maritímo, espero um bom jogo e uma vitória convincente e sem as habituais intervenções da arbitragem a nos prejudicar(isto já deve ser pedir muito).

Carrega BENFICA

Ricardo disse...

Este post tentou avisar para algumas das falhas deste Benfica, numa altura em que começava a chegar alguma euforia desmedida. Tenho alertado para a quase impossibilidade de vencer um título, tendo um jogador como Emerson - que foi, imagine-se!, a primeira solução para a época - na equipa titular. Mais uma vez, o brasileiro esteve ao seu nível. Também lhe devemos esta derrota. Capdevila estava na Ucrânia.

O que este post não avisou - embora o blogue esteja carregadinho de textos sobre o assunto - foi para teimosia estupidificante de Jesus. Hoje, pela milionésima vez, Jesus perdeu o jogo por sua exclusiva culpa: porque aposta num jogador que não tem qualidade nenhuma para jogar no Benfica e porque, mais importante, decide manter a sua estúpida ideia de jogar em 442. Se, na Luz, ainda vai passando, colocar a equipa a jogar assim num terreno difícil contra uma equipa bem organizada que privilegia a densidade no meio-campo e as saídas rápidas é, como se via logo desde o princípio da segunda parte (quando Witsel deu o berro), um suicídio adivinhável. Jesus esperou, mamou dois golos e depois ficou a ver navios.

Jesus perdeu este jogo, como podia ter perdido outros: porque é um lunático. Tem tanto de bom treinador como de estúpido.

A primeira já foi. Não comprem defesas, não.

Anónimo disse...

Pergunto ao Ricardo,grande crítico de arbitragem,o que tem a dizer do pénalte de hoje e,já agora,do amarelo ao central do Maritme por bater com as mãos no relvado.Folgo também em saber que ao Aimar(jogador de inegável categora)basta levantar os braços que o árbitro apita.

Forte abraço neste momento mais complicado.


João Nunes

SLB4EVER disse...

Caro Ricardo a qualidade do Emerson(ou falta) é unánime mas a derrota de hoje não veio por aí, bem mais comprometedora foi a exibição do Amorim a lateral direito, tb nada de novo.
Ir jogar de peito feito ao terreno do Marítimo em um 442 sem nenhum médio de caracteristicas defensivas mais o Amorim e o Emerson nas laterais e o Jardel na defesa podia dar nisto e deu.
Continuo a não perceber pq nem sequer convocou o D.Simão e pq não jogou o MVítor na lateral direita, podia ter colocado o Amorim no meio, talvez se tivesse mais sorte, não sei, mas no meu pensamento parecia mais lógico e justo tendo em conta a equipa de recurso que colocou a jogar e o percurso na taça até aqui.
Não esperava mesmo depois da conversa da taça ser para ganhar e que ia colocar a melhor equipa que fosse inventar desta maneira. O Saviola que bela nódoa que está...

Pode ser que esta derrota sirva de lição para o JJ (isto é em jeito de anedota) e que os jogadores voltem ao planeta terra e percebam que cada jogo tem que ser encarado com á máxima atitude e concentração, não pode ser só nos jogos grandes.

Fico lixado estava á espera de ir ao alvalixo eliminar as lagartas piromanas.

MM disse...

Posso comentar?
Ricardo calma, venho em paz.

Só para dizer que lendo hoje o texto do Entre10 - e não vendo jogos do Benfica - consigo perceber melhor o porquê de tantas críticas a Jorge Jesus, neste teu blogue.

Há gente que em futebol erra muito, e outra que em futebol erra muito pouco. O Nuno, é das segundas, e se ele diz que o Benfica de JJ este ano pouco mais é do que medíocre, eu acredito.

Os 3 ou 4 jogos que vi - e não mais, sugeriam-me uma equipa mediana, razoável. Pelos vistos, o caso é mais grave.

O Benfica, hoje, escusado será dizer, também errou muito. É olhar o futuro com confiança: em 2013 há mais.

Saudações desportistas de um elemento ainda em prova ...

Ulrich Haberland disse...

Estou obviamente fod...
Quero ir ao Jamor, porraaaa!!! O jogo mais bonito da temporada (para mim).

O Saviola não jogou um caracol! Em má forma, sem vontade. Assim não dá...

Matic esteve mal, Ruben mal esteve.

Emerson... o costume

Eduardo, comeu um enorme golo e no 2º andava a fazer o quê?...
Fez uma boa defesa

Penalty cavado pelo Nolito. Não gosto.

A qualidade de jogo do Benfica é gritantemente dependente do Aimar (a.k.a Deus). Nem quero imaginar o dia em que se for embora...

Não falo do sistema de jogo do JJ, concordando ou não, foi esse que nos trouxe invencíveis até ontem.
Olho então para a rotação da equipa que ele fez. Penso: - jogo a eliminar, fora, para a Taça de Portugal, com o 4ª classificado do campeonato era jogo para rodar tantos jogadores?...
Respondo: - Jogámos fora com "naite", casa com os "botafogo", maritme fora agora, seguido de Otelul próxima 3ªf (ficar em 1º do grupo pode fazer muita diferença e dinheiro) e no f-d-s novo jogo para o campeonato com o 4º classificado. Tínhamos que rodar a equipa forçosamente. Qual o melhor jogo para o fazer? Pois, se calhar era este mesmo...

O Maxi anda roto (sem férias, campeonato sul-americano até ao fim). O Aimar tem que ser bem gerido. Javi deu tudo nos 2 jogos anteriores. Nolito por Zanaki prefiro Nolito. Rodrigo anda a jogar bem.

Por tudo isso não o posso censurar pela rotação na equipa.

Mas posso censurar ter demorado demasiado nas substituições. Para mim assim que o maritme empatou fazia logo as 3 substituições:
Aimar, Maxi e Nelson por Saviola, Ruben e Gaitan.

Quero ir ao Jamor, porraaaaa!!! (Ouviste JJ???!!!)

Constantino disse...

Ricardo,

Contra a opinião generalizada, eu não vejo o Gaitan como jogador de meio, seja a 10 seja a 8. Pensando, de repente em jogadores de meio, lembro-me de Aimar, João Pinto, Baggio (Rui Costa, Ozil, Valdo como 10) etc. Todos eles têm uma palavra em comum: responsabilidade. Neste momento o Gaitan é 49% de talento puro e 51% de irresponsabilidade tactica, tecnica de decisão de tudo. Gaitan faz-me lembrar David Luiz: tem tudo para ser um dos melhores do mundo, mas é mais instavel do que 3 quilos de nitroglicerina. Por isso David Luiz foi muitas vezes desviado para as laterais onde as suas paragens cerebrais não eram tão letais e por isso gaitan tarda em poder sair da lateral onde as suas perdas de bola não saem tão caras.

Abraço

Ulrich Haberland disse...

Concordo Constantino

jose garcia disse...

anti ácido:

http://www.youtube.com/watch?v=XhtIIyvivSw&ob=av2e

Ricardo: como é que o Panda Bear ainda não mereceu um post???

SLB4EVER disse...

Ricardo, justiça seja feita pq parece que estavas a prever esta derrota.
1-Amorim a pior exibição que já o ví fazer, Emerson ao seu nível uma nulidade no ataque, Jardel especialista em entregar bolas ao aadversário com os seus passes.
2-Preparação mental ñ é só a nível disciplinar qq jogador do SLB tem de estar em campo a querer mais a vitória do que os adversários algo que não aconteceu.
3-E voltou-se a marcar as bolas paradas ao nível de um clube das distritais, a única excepção foi um canto que apanhou o Aimar solto de marcação mas este conseguiu falhar o remate a 1 metro da baliza.
4- Saida de bola , até nem se jogou directo foi mais o oposto complicou-se e adornou-se em demasia, faltou objectividade e vontade para resolver o jogo.
5-Gaitán precisa de ter juízo, a gestão das vedetas é péssima, não vejo nada de positivo em ter uns jogadores a quem todas as displicencias são permitida, ainda tem a lata de dizer que não muda para fazer um jogo destes logo de seguida. Depois no plano oposto vemos jogadores que pelo menos mostram sempre entrega nas raras oportunidades concedidas e que não são opção.

As entrevistas do Gaitán e do Witsel ñ me entusiasmaram mesmo nada, mostraram imaturidade. As possiveis contratações de 5 uruguaios e de 1 sueco de 17 anos tb parece uma piada de mau gosto. Aposta na formação? Deve ser na dos outros clubes pq continua sem se olhar para dentro á procura de soluções, prefere-se sempre olhar para fora e investir muito dinheiro em jogadores excedentários que podia ser usado para efectivamente trazer mais valias ao plantel onde são precisas.
Lembro-me que depois do mundial sub 20 vários brasileiros perguntavam como é que o Benfica tendo o Nelson Oliveira foi contratar o Kardek, segundo eles bem inferior. Continuo sem saber render a isso...

SB4EVER disse...

Ulrich, entre o Maritimo fora e o Otelul em casa qual te parece ser o jogo mais complicado? Tiveram quase uma semana de descanso ñ me digam que o Javi, Maxi e Aimar ñ aguentavam o jogo e depois jogar na quarta. Aliás contra o Otelul e com o Cardozo de volta querem ver que sem o Aimar ñ somos capazes de ganhar o jogo? Se este for o caso despeçam o JJ e promovam o Aimar a treinador pq pela conversa de dependencia parece que este é que treina a equipa, se esta conversa for para manter e agravar e em vez de se procurar soluções arranjar-se problemas prefiro que não renove que esta cantiga já chega a um ponto que começa a meter nojo, já agora ñ me digas que ñ viste o 'deus' a falhar dois golos simples.

Se era para rodar ao menos que se fosse coerente e justo. MVitor na direita, Mora e Oliveira no ataque e D.Simão a organizador com o Matic e o Amorim mais recuados no meio campo. Até podiam perder o jogo mas pelo menos era bem capaz de se ver mais entrega em campo, as vedetas que jogaram já deviam estar com a cabeça no jogo europeu ou sabe-se lá aonde. O JJ continua péssimo a gerir o plantel e a saber motivar e aproveitar a segunda linha parece que já se esqueçeu que 13/14 jogadores é muito curto para uma equipa com os objecivos do SLB(neste aspecto em particular o Domingos dá baile ao mestre).

Quanto ao sistema nos jogos mais complicados fora ñ se tem jogado assim, nesta fase tb já devia ser óbvio que o Matic e o Witsel não são nem nunca serão médios defensivos. A ajudar á festa ainda se joga com a tartaruga do Saviola que nem pressão faz. É mais do que evidente que houve uma arrogancia desmedida na abordagem ao jogo por parte do JJ, o seu equívoco e sobranceria fica bem patente quando se acaba o jogo com um meio campo composto por 2 médios ofensivos(Witsel, Aimar), 1 extremo avançado(Nolito) e um joker(Gaitán) que durante a 2ª parte nem sequer se viu em campo. Até me fez lembrar da altura em que andava aí a dizer que não se importava de sofrer golos e que a marcavam em qualquer campo e depois foi o que se viu.

Mais do que a taça quero é o campeonato, o que me assusta e aborrece mais aqui é mesmo ver que o JJ parece que tem andado apenas a disfarçar as suas ideias fixas e teimosias e quanto a isto acho que se sabe qual é o resultado. A bem ou a mal o que se vai passar no próximo periodo de transferencias que se aproxima vai ser decisivo para a segunda volta do campeonato. Pede-se poucas mas mexidas acertadas, a ver vamos o que vai ser feito e qual será o impacto destas decisões.

Constantino, o D.Luís pode ter muitas paragens mas entrega e atitude nunca lhe faltou, nesse aspecto sempre foi mesmo dos melhores e esse é que é o grande problema do Gaitán que tem uma atitude de puto borbulhoso convencido em demasia, só joga qd lhe apeteçe, algo que é negativo em qq jogo de equipa, uns calduços iam-lhe fazer muito bem o estatuto de prima dona só nos prejudica e a ele tb.

É óbvio que a temporada está a correr bem até ao momento mas é preciso tb ter a noção de que nada está ganho e que um dos objectivos acabou de ser perdido. paralelamente continuo com a sensação de que este plantel não está a ser devidamente aproveitado e que tem a obrigação de fazer mais e melhor e sendo realista só assim se pode aspirar a grandes conquistas, vitórias morais é lá para os biscondes.

Anónimo disse...

De acordo com muita coisa, em desacordo também com muita...sinceramente alguém que me fundamente as opiniões catastrofistas relativas a Emerson...e não vale dizer apenas porque sim - eu sei que o Ricardo não é desses!

Registo a percepção relativamente à catadupa de erros defensivos cometidos por Maxi - sobre isto, a maioria dos benfiquistas não fala; o tempo dedicado a Emerson não dá margem para isso...


Quanto ao 442; Jesus tem optado, e bem, por outras variantes, em jogos teoricamente de maior exigência; eu sinceramente tenho alguma dificuldade em (esta época) criticar Jorge Jesus - os resultados falam por ele, com, obviamente, uma falha ali e acolá; eu relembro que nos últimos anos tivemos a orientar a equipa nomes como Quique Flores, Camacho e Ronald Koeman...só para lembrar que isto da memória às vezes prega-nos umas partidas...

Perdemos com uma excelente equipa que está a fazer um belíssimo campeonato e que, a meu ver, tem 4/5 jogadores que caberiam em clubes com outras ambições. Veremos onde vai parar este Marítimo. Relembro também que a primeira parte foi de total domínio do Benfica, falhou a finalização, e a este propósito, registo algo que pode ser pedagógico: podemos passar a vida a vociferar contra Cardozo por falhar um cabeceamento ao 2º poste em que era só desviar com a devida pontaria que não surgiu; podemos passar a vida a advogar a presença de Nelsons Oliveiras e Rodrigos nos onzes iniciais, mas depois não reparamos no óbvio - uma jogada de superioridade numérica (em contra-golpe como JJ diz) 3 contra 2, Rodrigo conduz do lado direito, tendo Nolito e outro a oferecerem linhas de passe junto à grande área maritimista, o lance perdeu-se por péssima decisão de Rodrigo; era o 0-2 e a provável garantia de vitória...pois...venda-se o Saviola...

Abraço

Paulo Santos disse...

De acordo com muita coisa, em desacordo também com muita...sinceramente alguém que me fundamente as opiniões catastrofistas relativas a Emerson...e não vale dizer apenas porque sim - eu sei que o Ricardo não é desses!

Registo a percepção relativamente à catadupa de erros defensivos cometidos por Maxi - sobre isto, a maioria dos benfiquistas não fala; o tempo dedicado a Emerson não dá margem para isso...


Quanto ao 442; Jesus tem optado, e bem, por outras variantes, em jogos teoricamente de maior exigência; eu sinceramente tenho alguma dificuldade em (esta época) criticar Jorge Jesus - os resultados falam por ele, com, obviamente, uma falha ali e acolá; eu relembro que nos últimos anos tivemos a orientar a equipa nomes como Quique Flores, Camacho e Ronald Koeman...só para lembrar que isto da memória às vezes prega-nos umas partidas...

Perdemos com uma excelente equipa que está a fazer um belíssimo campeonato e que, a meu ver, tem 4/5 jogadores que caberiam em clubes com outras ambições. Veremos onde vai parar este Marítimo. Relembro também que a primeira parte foi de total domínio do Benfica, falhou a finalização, e a este propósito, registo algo que pode ser pedagógico: podemos passar a vida a vociferar contra Cardozo por falhar um cabeceamento ao 2º poste em que era só desviar com a devida pontaria que não surgiu; podemos passar a vida a advogar a presença de Nelsons Oliveiras e Rodrigos nos onzes iniciais, mas depois não reparamos no óbvio - uma jogada de superioridade numérica (em contra-golpe como JJ diz) 3 contra 2, Rodrigo conduz do lado direito, tendo Nolito e outro a oferecerem linhas de passe junto à grande área maritimista, o lance perdeu-se por péssima decisão de Rodrigo; era o 0-2 e a provável garantia de vitória...pois...venda-se o Saviola...

Abraço

Paulo Santos disse...

peço desculpa pela duplicação, mas reparei que o primeiro foi como anónimo, e não era essa a intenção (problemas de log ins)...

SLB4EVER disse...

Paulo Santos, a grande catástrofe do Emerson é ele ser o que salta á vista, já são jogos mais do que suficientes para perceber o que ele é e não é. É um jogador assim assim a defender que qd tem pela frente adversários rápidos e com alguma técnica tem grandes dificuldades em parar. A atacar é quase uma nulidade. No aspecto da entrega e profissionalismo nada a apontar. O que se passa é que o plantel pede algo mais, alguém com um pouco mais de categoria, que seja algo melhor adefender mas que saiba tb atacar, a diferença de qualidade entre ele e os outros habituais titulares é bem evidente. Não sendo o Cap opção e estando para sair é evidente que é necessário um jogador para pelo menos ir competindo pelo lugar com ele.

Emerson na esquerda e Amorim na direita é então uma combinação letal em qualquer jogo mais complicado, isto aliado a não ter ninguém de caracteristicas mais defensivas no meio campo foi o grande equívoco neste jogo. isto ainda foi disfarçado até o treinador adversário resolver mexer na equipa e a partir desse momento nunca mais se viu o SLB a ter o domínio do jogo, uma situação que já por várias vezes se repete.

O Maxi ñ é novidade que comete erros defensivos, mas nem se pode comparar está noutro patamar, empurra a equipa para a frente qd preciso e tem uma raça praticamento sem paralelo no plantel.

O Saviola já deu o que tinha a dar falas nesse lance do Rodrigo mas lembro-me de pelo menos 3 lances de perigo que se perderam por o Saviola não mexer o cú, o futuro passa por Rodrigo, Oliveira e Mora, o Saviola muito obrigado por tudo mas é passado e neste momento ñ merece ser titular.

O sistema tem sido quase sempre o 442 com algumas variantes em determinados jogos apenas isso, as virtudes e defeitos já estão bem identificados, de certeza que deve existir uma lei que impeça de se jogar em 433 no SLB, só pode. É do tipo alguém comprar um ferrari e ir para a auto estrada todo contente e vaidoso mas nunca meter mais do que a quarta mudança, o que gosta é de buzinar, enfim vamos ver o que vai dar...

Paulo Santos disse...

Continuo sem fundamentos, factuais, relativamente a Emerson. Isso do saltar à vista é assim um bocado como saltar à corda...eu, por exemplo, nunca aprendi...

Defensivamente tem cometido menos erros que Maxi...com um bocado de tempo e paciência comprovava isso (hoje em dia há youtubes e afins; ataca pouco, sim, não é um Coentrão, mas sobe, em apoio, e pela certa. Sinceramente, no sistema em que o Benfica joga e com os jogadores que tem no meio-campo que ajudam muito pouco no momento defensivo (por falar em mexer o cú, lembrei-me do Gaitán), não me chateia nada que o Emerson suba pouco, até porque do outro lado há um carrilero.



Não digo que o futuro não passe por esses que indicas (excepto, obviamente, Mora), mas o futuro é para ser tratado a pouco e pouco, devagar, não é assim de um momento para o outro. A opinião relativamente a Saviola ilustra aquilo que nós somos a pensar em futebol. De repente esquecemo-nos que temos Balboas, Moras e Sretnovics no plantel...e não foi assim há muito tempo...

Anónimo disse...

nao iria tao longe,o emerson veio a titulo de ter sido o lateral do lille campeao de frança,é um jogador bem referenciado,pode nao estar a correr bem a vida ca mas pronto,se der para corrigir que assim seja,quanto ao central temos uma dupla muito boa,mas de facto as 2 linhas nao sao mas de todo,mas estao muito abaixo das primeiras

SLB4EVER disse...

Paulo Santos, o Maxi começou a época em péssima forma devido ao desgaste da seleção entretanto o processo da demorada renovação tb ñ sei se ajuda mas contra o SCP já fez uma exibição bastante boa.
O Emerson ainda o defendi algumas vezes pq tb devido á situação Cap ficou logo sobre muita pressão e críticas que por vezes foram injustas, neste momento já se pode ter uma boa ideia do jogador que é. Para mim está ao nível do Jardel, é limitado para as pretensões de um clube da grandeza do SLB, atendendo a que o L.Martins está muito verde e que o Cap ñ conta acho sensato um defesa esquerdo ser a prioridade ñ concordas?

Já agora o Mora obviamente ñ pq? O pouco que jogou deixou boas indicações, vontade e fome de bola tem ele ao contrário do Saviola que sendo dos mais bem pagos ñ tem um rendimento á altura, já a temporada passada foi uma sombra do que fez na primeira, felizmente agora temos várias soluções no plantel com qualidade ñ se pode ter medo de apostar neles. O nome e os feitos do passado não ganham jogos.

Á parte disto andava esquecido de que o Maxi estava castigado para o Otelul, ainda fico mais confuso da sua ñ utilização frente ao Marítimo, alguém percebe a ideia? Depois de mais um péssimo jogo de Amorim na direita será que vai ser novamente ele a preencher o lugar na quarta?

MM disse...

O ideal seria repetirem o jogo, para rectificar tudo isso ...

Bcool973 disse...

Foda-se, vou de férias e é esta pouca vergonha ? Vi o jogo em directo aos pedaços e depois melhor em diferido. Compreendo tudo o que dizes Ricardo, pois também eu penso que o Emerson é mau, que não há aternativas ao Maxi, nem aos centrais, mas agora percebo que também não há ao Artur, pois o Eduardo é muito mal comido nos 2 golos por deficiência de posicionamento - no primeiro está muito adiantado, não recuando quando vê que há o remate, no segundo sai e fica a meio caminho quando o avançado está apertado pelo defesa.
Não concordo contigo quanto à questão do Javi, pois a baixa do trinco é para permitir ao central uma linha de passe segura. O pior é que como ando a dizer há muito, o Matic não é trinco e insistir no Matic a trinco é como insistir no Ruben a lateral ou no emerson a lateral esquerdo - são acidentes à espera de acontecer.
Foda-se que caralho, o pior de tudo é a mentalidade que os jogos estão ganhos com 1-0 e que a intensidade de jogo pode diminuir, essa sim a verdadeira razão da catástrofe, pois as outras identificadas são só instrumentais. O jogo foi muito parecido ao do Beira-mar e outros que tais em que os adversários não marcaram, caso contrário podia ter acontecido a mesma merda.

Bcool973 disse...

Caralho do Jesus, já deu a taça ao lagartame

Mike Portugal disse...

Bcool973,

Isto da taça não é garantido, porque quando menos "não" se espera, pode acontecer uma surpresa. lol

Ulrich Haberland disse...

@SB4EVER
Entre o Maritimo fora e o Otelul em casa qual te parece ser o jogo mais complicado?
Parece-me que a diferença de receitas e prestigio entre a Champions e a Taça de Portugal é grande.

A dependência do Aimar é real, arranjar soluções cabe a treinador e direcção.
Já eu prefiro que ele renove e que depois de arrumar as botas fique por cá também.

Sim, vi o Aimar (a.k.a Deus para mim) a falhar 2 golos, e então?

Se faria tudo como o JJ? Não.Claro que discordo dele muitas vezes e em muitas coisas. Mas sei que ele tem que tomar decisões antes dos acontecimentos e se percebo uma lógica de raciocínio nas decisões que ele toma (e percebi) então a questão deixa de se colocar no âmbito da razão (quem a tem) e passa a ser apenas de opinião (diferentes).

SLB4EVER disse...

Caro Ulrich, quando o SLB se deslocou á Roménia jogou sem o Aimar e ganhou o jogo, será que agora em casa se não se jogasse com ele a titular isso seria desculpa para não vencer?
Soluções basta olhar para o plantel para ver que elas existem, Aimar a segundo avançado como tem jogado o Gaitán ou o B.César podem fazer bem o lugar(melhor do que o Saviola de certeza), se calhar até com mais eficácia do que nas alas. Aimar mais recuado no meio campo responsável pela organização e transporte de bola o B.César ou o D.Simão tb fazem e bem o lugar. Médios ofensivos para jogar pelo meio deve ser o qe existe mais no plantel, alas(defesa e meio campo) e trinco essas sim são as carencias do plantel.
Por outro lado um treinador que vai no seu terceiro ano consectivo no clube e ainda não tem trabalhado e identificado as alternativas a um jogador ou posição?
Eu não COMPRO essa desculpa de dependencia e muito menos a vou aceitar como dessculpa para qq eventual insucesso.

Já agora dizes que percebes o raciocinio e lógica do JJ agradecia uma ajuda a perceber umas questões:
Porque é que o Maxi ñ defrontou o Marítimo se está impedido para o Otelul?
Pq é que se usa o Aimar contra a Naval a jogar num pantano qd se tem de seguida nessa semana MU fora e em casa o SCP e depois poupa-se o jogador contra o Maritimo fora qd se defronta o Otelul em casa a seguir? (contra a nval a desculpa de não saber o estado do tempo é para papalvos pq existem previsões e essas apontavam para as chuvadas fortes que se verificaram)

Para terminar o Aimar por mais que goste dele tb falha, depender de um jogador que é uma substituição obrigatória em todos os jogos é um grave erro, agravar isto em vez de se atenuar só pode ter consequencias desastrosas.

Ulrich Haberland disse...

SLB4EVER, é Ulrich(a) :)

Quanto ao resto:
Nunca disse que a ausência de qualquer jogador é desculpa para o que quer que seja.
Entendamo-nos, para mim o Benfica tem plantel para fazer todas as alteração e continua a lutar pela vitória seja contra que clube for.
A dependência que falo é quanto à qualidade de jogo da equipa, e aí é normal que se sinta a ausência do Aimar porque é um génio da bola.
Na verdade penso que é impossível substitui-lo, da mesma maneira que não conseguimos substituir Eusébio, Rui Costa, Preud'Homme, etc (na realidade Benfiquista). Acho que este tipo de jogadores são insubstituíveis tal como o serão Ronaldo e Messi.

Se acho que o Aimar rende mais a 10 do que a 9? Sim, claro!

Se prefiro o 4-3-3? Sim!

Mas no 1º comment referi que não iria questionar o sistema de jogo porque algum virtuosismo ele terá ou não teríamos chegado até à Madeira sem derrotas. Não seria por isso que perderíamos o jogo.

"um treinador que vai no seu terceiro ano consecutivo no clube e ainda não tem trabalhado e identificado as alternativas a um jogador ou posição?"
Será?... Tenho as minhas dúvidas. O JJ não é parvo e já o demonstrou. Talvez as contratações de Felipe Menezes, Zanaki e chamada à equipa de David Simão tenham alguma coisa que ver com isso. A mim parece-me que sim. Uma falhou, outras estão por dar frutos. E para mim de todos os nossos jogadores o único que vejo a ser um "Aimar" é o David.

Mas eu no lugar dele também preferia continuar a jogar com o Aimar enquanto o homem continuar a jogar assim.

Disse que percebi a lógica do JJ quanto à escolha do jogo em que fez rotação de jogadores. Já a escolha dos jogadores não me pareceu mal.
Achei foi que ele demorou demasiado a mexer a equipa.

Já eu prefiro 60-70 min de Aimar por jogo a 90 de qualquer outro da equipa.
É uma questão de perspectiva, eu ganho 60-70 min de Aimar, tu "gastas" uma substituição.

Mas no fundo ambos ficamos podres com a derrota.

4ª feira lá estarei na Catedral a apoiar o Glorioso!

Amplexos

SLB4EVER disse...

Cara, agora é que me lixaste! :)

Eu percebo a tentação que é usar sempre o Aimar, o meu receio é o estar a esgotar em jogos que me parecem mais acessíveis para o depois ñ o ter a 100% em jogos mais complicados, na minha opinião Maritimo fora é bem mais complicado que um Otelul em casa apenas isso.

O JJ ñ é ser parvo o problema dele, e mais do que o sistema a ou b o que me tira mesmo do sério é por vezes querer fazer os outros de parvos qd tem decisões e escolhas que ñ resultam, esta soberba e incoerencias que por vezes mostra é que ñ me deixam tranquilo. Depois da última época ñ são 20 vitórias seguidas que me vão fazer retomar a confiança nele, para isso preciso mesmo que ganhe o campeonato, é o mínimo.

Bem mas a taça já era, agora é amanhã resolver o jogo cedo, logo na primeira parte para poder gerir a belo prtaqzer na segunda, Maritimo parte 2 tem que ser para ganhar tb.

Ulrich Haberland disse...

"...querer fazer os outros de parvos qd tem decisões e escolhas que ñ resultam, esta soberba ... que por vezes mostra..."

Aqui acompanho-te totalmente! Os dois piores defeitos do JJ!

P.S - Ganhámos o grupo da Champions! (mas não jogámos um caracol...)