sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Braga-Benfica (uma semana depois por ter estado a chorar, deprimido, a vitória)

Um dia antes do clássico contra o Porto, escrevi isto:

« (...) É um exercício interessante o de pensar qual a melhor equipa para entrar de início no Domingo - e, claro, quais as ideias que Jesus deverá ter para o 11. Partamos de uma ideia-interrogação: devemos abdicar de um avançado, povoando o miolo contra um expectável meio-campo forte do Porto (com Fernando, Moutinho, Defour e Lucho) ou será mais avisado mantermos o sistema preferido do Jesus, apostando as fichas num jogo de rasgões e pressão forte sobre a saída de bola dos portistas?

Por mim, e sabendo que Rodrigo está lesionado e Lima jogou os 90 minutos na Quarta, faria uma espécie de híbrido entre o 442 e o 433: o 41311. E o que é o 41311? É Gaitán. Colocar o argentino onde me parece que rende mais: não propriamente a 10, mas a segundo avançado que parte de trás - um pouco como João Vieira Pinto jogava. Em construção, Gaitán tanto pode aparecer, móvel, na zona à frente da área portista como pode recuar dando apoios e permitir a subida de Enzo, desequilibrando marcações formatadas. Em transição, é um jogador que garante não só velocidade e transporte a grande nível como, com Ola John e Salvio na alas, pode potenciar situações de 5-4, 4-3, 4-2, 5-3, 3-2, que, com boa decisão, resolvem jogos. 
Gaitán seria assim um apoio precioso a Cardozo ao mesmo tempo que, sem bola, permitiria à equipa equilibrar o meio, juntando-se o argentino a Fernando, possibilitando que o bloco se mantenha alto para afundar o Porto no seu meio-campo e evitar que, nas perdas de bola, os portistas a recuperem em zonas próximas da nossa área (...)»


Duas ideias recorrentes neste blogue de há 3 anos para cá: a necessidade de, em jogos de dificuldade média/elevada, abdicarmos do sistema de dois avançados puros e a noção de que o enorme talento de Gaitán está a ser desvalorizado por Jesus na ala quando devia ser não um 10 mas um híbrido, como segundo avançado.

Para o jogo contra o Porto, Jesus não veio ler o blogue. Pena, naturalmente, porque foi um jogo - até pela ausência de James - totalmente desperdiçado por uma equipa que quer ser campeã. O empate nesse jogo desviou o já alto favoritismo do Porto antes dele para um patamar de enorme favoritismo quando o jogo acabou. Em casa, num campeonato tão equilibrado entre as duas equipas e tão desequilibrado para as restantes, só podia ter dado vitória. Não dando, e tendo persistido no erro táctico que tem sido recorrente em Jesus nos grandes jogos, o Benfica passou a depender não só dos árbitros (quota-parte importante, visto que falamos do campeonato português), mas de uma vitória no Dragão - ou de um empate a 3 ou mais golos, o que não é propriamente um cenário muito plausível. Por culpa nossa, por culpa do nosso treinador, por culpa do nosso presidente. Coisas que passam por entre os pingos da chuva na ilusão de outras vitórias.

Para Braga, Jesus decidiu ler primeiro este blogue. Os resultados foram os que se viram. Fica, porém, uma dúvida: Gaitán foi utilizado ali por opção táctica? Os mais optimistas dirão que sim. Eu vejo na indisponibilidade de Cardozo para esse jogo e na utilização de Gaitán na faixa no último jogo duas razões para acreditar que Jesus ainda não percebeu. Mas eu sou abutre.

Há, no entanto, duas boas notícias: a tentativa que Jesus tem potenciado para a equipa conseguir jogar em posse e o próprio discurso do mister, que tem sido nos últimos tempos de enorme ponderação, clarividência, lucidez, inteligência. Como é óbvio, a equipa ainda não sabe jogar dessa forma - são 3 anos e meio a jogar de forma tresloucada; os processos não se apreendem a meio da época -, mas os sinais são positivos: parece haver (FINALMENTE!), uma ideia de que o Benfica, como grande clube que é, não pode passar anos a fio a jogar estupidamente ao ataque. O futebol não é um jogo de ataque, é um jogo de inteligência. Ataca-se e defende-se sempre com o intuito de fundir esses dois movimentos num modelo uno, sem distanciar um do outro. Podemos atacar na defesa; defender no ataque. É isso que as grandes equipas são e que o Jesus ainda não compreendeu, perdido numa ideia de jogo que dá goleadas aos mais fracos e derrotas e empates com os mais fortes. 

De qualquer forma, pela indisponibilidade de Cardozo (para os mais cépticos) ou por opção táctica (para os mais optimistas), em Braga pudemos ver o Benfica confrontar todas as suas hesitações e fragilidades dos grandes jogos com uma mentalidade diferente: não foi só o sistema (Gaitán híbrido) ou o modelo (segunda parte de tentativa de posse segura e inteligente) que mudaram; mudou o lado mental. Ganhar em Braga foi, se os agentes protagonistas o souberem entender, uma mudança de paradigma. Resta agora mantermo-nos fortes contra os fracos e rezar por um deslize do Porto. Não acontecendo, estaremos dependentes de uma vitória na penúltima jornada. Se possível, sem Jardel e Melgarejo no onze - que, como aqui vem sendo dito, cometem demasiados erros invisíveis aos olhos da generalidade dos adeptos. Só se tornam visíveis quando os erros dão golos, como em Braga.

E agora? Resta acarditar. À falta de planeamento, só a crença. E ela às vezes dá frutos. Veja-se a viagem alucinogénica dos três pastorinhos que, carregados de ácidos e bolota, acabaram por criar em Fátima um dos destinos turísticos de eleição dos pouco dotados de espírito.

15 comentários:

Anónimo disse...

Foda-se!
Já te podes sentar?
Aquela merda lá em Braga fodeu-te a valer!

manuelst disse...

Para o jogo contra o Porto, Jesus não veio ler o blogue. Pena, naturalmente, porque foi um jogo - até pela ausência de James - totalmente desperdiçado por uma equipa que quer ser campeã. O empate nesse jogo desviou o já alto favoritismo do Porto antes dele para um patamar de enorme favoritismo quando o jogo acabou.

Para Braga, Jesus decidiu ler primeiro este blogue. Os resultados foram os que se viram. Fica, porém, uma dúvida: Gaitán foi utilizado ali por opção táctica? Os mais optimistas dirão que sim. Eu vejo na indisponibilidade de Cardozo para esse jogo e na utilização de Gaitán na faixa no último jogo duas razões para acreditar que Jesus ainda não percebeu. Mas eu sou abutre.

Não digo que sejas abutre mas... já está encontrado o próximo treinador do Benfica... para que ter o JJ como treinador do Benfica, quando no blog tem pessoas mais qualificadas para o lugar... ;)

Anónimo disse...

Dotados "DO Espirito"...:-)
Convencido estou que quando defrontarmos o FCP eles já estarão a uns 5 pontos.IF not....

César disse...

Depois do Benfica-fcp estive 1 semana de «luto».Para mim era o jogo do título.Mas,tal como o Ricardo diz,resta acartidar.

Rafael Ortega disse...

Não me parece que o Porto se aguente mais tempo que o Benfica.
Os suplentes deles nem no Benfica B tinham lugar.
Por mais fruta que arrangem, isso nem sempre chega.
Não tarda espalham-se.

moleculasdeamor disse...

Gaitan é Arte! Falta-lhe um pouquinho de Messi (capacidade e decisão permanente de participar no processo da recuperação da bola)... reforço a palavra: permanente!

Concordo com a análise!!!

Anónimo disse...

O erro que dá golo é do Sálvio, que não pode perder ali a bola, e não do Jardel ou Melgarejo.
O resto concordo.

Anónimo disse...

De facto e no anonimato és uma melga de merda. Não sei que idade tens, mas de qualquer forma deves ter idade para ter juizo. Apanhei o blog por acaso e de facto dizeres que és do Benfica, sabe pior que ouvir falar o Godinho Lopes. Dou-te um conselho. Antes que sejas descoberto desiste. Trata-te porque um dia destes se fores descoberto levas um tratamento no estádio da Luz que de certeza não vais ter dedos para escrever num teclado meu filhho da puta. Baza com o blog ...baza filho da puta Pois não vais aprovar o comentário porque és cobarde. Morcão disfarfçado.

Mephisto disse...

Total e plenamente de acordo com este texto !!!

VGS disse...

Man, Melga secou totalmente o Alan!

bancada16 disse...

É o que eu digo, ao continuares a dizer mal do Jardel, das duas uma, ou de bola percebes mesmo muito pouco ou então percebes mesmo muito pouco de bola...

E não é Cardoso é Cardozo...

De resto continua a escrever que escreves bem!!!

Ricardo disse...

Bancada, tu tens tanto. Jardel, sim senhor, que planeta.

JotaPê disse...

Epá, sem Jardel e Melgarejo vai ser difícil.

Pelo menos um vais ter que gramar.

Se bem me lembro, na última janela de transferências, fomos buscar um defesa central chinês ao Mafra (que dizem que é um grande craque e imagine-se, estava à experiência no Mafra. Logo no Mafra!) e um defesa esquerdo brasileiro de 20 anos que nunca ninguém viu jogar (embora faça lembrar o Alex Sandro - foda-se, que nome!).

Por isso, amigo Ricardo, começa já a encomendar os pacotes de lenços...

Coluna dÁguias Gloriosas disse...

'O futebol não é um jogo de ataque, é um jogo de inteligência'

é isso mesmo....

'o ataque ganha jogos, a defesa ganha Campeonatos'...ou títulos...

'mais vale lá ir do que lá estar...'

já escrevi isto várias vezes no meu blogue....

e não é autoria minha...

é do saudoso Carlos Pinhão...

que escreveu isto a seguir a um 'Benfica 5-Sporting 0'para a Taça de Portugal em 'A Bola'...

discutia-se muito na altura que o Mortimore devia jogar com 2 avançados...

não jogou e demos 5....

quando vencemos 2-0 nas Antas dos golos do César Brito jogámos só com 1 avançado que foi o Rui Águas...

que recuava para médio-avançado quando o Porto tinha a posse de bola...

e o Magnusson que se fartava de marcar golos na altura viu o jogo no banco...

esta maneira como o Jesus jogou em Braga é a forma que espero com que jogue no Dragão na penúltima jornada...

qualquer que seja a Classificação na altura...

agora é fácil falar...

mas analisando o jogo com o Porto na Luz na minha opinião o Cardozo ou Lima um dos dois devia ter ficado no banco...

e ter jogado o Ola John...

'porque mais vale lá ir do que lá estar'...

o Vítor Pereira montou a equipa do Porto para um Benfica com 2 avançados...

se lhe tem aparecido um Benfica só com 1 avançado teria sido diferente...

porque ele treinou durante a semana as marcações para 2 avançados...

com 1 avançado o Jesus tinha-lhe baralhado o esquema...

e o ponto de referência nas marcações na defesa do Porto...

mesmo assim podíamos ter vencido o jogo...

naquela bola do Cardozo...

no penalti que não foi assinalado a nosso favor no último minuto...

e numa jogada em que o Salvio foi egoísta (como o Rodrigo em Barcelona) e rematou à baliza com o Cardozo isolado do lado esquerdo em se recebesse a bola era só encostar...

este Campeonato vai-se resolver no Dragão...

e podemos ganhar lá mesmo com o Proença a apitar...

desde que Jesus jogue como jogou em Braga...

como o Eriksson jogou nas Antas...

PS- só tenho receio do desgaste da Liga Europa...

José Miguel disse...

Acalento a esperança de que este jogo serviu para abrir os olhos a Jazus... Pode ser que seja um prenuncio da "outra face" que andava oculta!

Pode ser o meu lado vermelho a falar mas a verdade é que este ano estou a contar com uma vitória no Barraco de Contumil :)