segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

SL Benfica x FC Porto



Antes de mais, Parabéns! Parabéns a todos, desde adeptos, a adversários, passando por jogadores, treinador e até, imagine-se, Vieira, todos têm razões para estar de parabéns.

Adversários – Souberam ser dignos do momento, quer adeptos quer intervenientes, demonstraram que sabem viver num futebol sem guerras e estupidez, no fundo, num futebol como ele deveria ser sempre. Sim, houve alguns atrasados mentais que não souberam estar à altura dos acontecimentos (na tv não ficou perceptível a que clube pertenciam), mas foram tão poucos e tão pequenos de espirito que não merecem que a sua imagem seja generalizada a mais que eles próprios.

Adeptos – Ontem escrevi que se viveria o inferno da luz, pois bem, que melhor homenagem podíamos prestar ao Rei que encher a Luz e criar aquele ambiente tão nosso e tão desaparecido? São jogos com este tipo de ambiente que chamam mais gente ao estádio, pois não tenho duvida alguma que não houve benfiquista no mundo a não desejar fazer parte daquele inferno. Sr. Vieira e demais membros da direcção, é assim com estádio cheio que se chama ainda mais gente ao estádio, é com ambientes como o de ontem que se sente inveja de quem participa da festa ao vivo.

Jogadores – Foram verdadeiros “Eusébios”. Não, nenhum deles tem o talento do “Pantera Negra”, mas foram Eusébio na atitude e capacidade competitiva que demonstraram dentro das 4 linhas. Foram absolutamente dignos daquele estádio, do nome que todos envergaram e do emblema que ostentam junto ao coração. Podiam não ter ganho a partida, mas dariam sempre a ideia de que tudo fariam para o conseguir.

Treinador – Assumiu a responsabilidade do momento e manteve o jovem Oblak na baliza. Confesso, não esperava que ele o fizesse e, em certa medida, até compreenderia que o não fizesse, mas fê-lo e a aposta foi ganha em toda a linha. Soube ainda assumir o clube que representa, montou uma estratégia de pressão alta, de intensidade máxima e conseguiu que todos soubessem ser colectivos (não me lembro de uma exibição tão boa de Gaitan sem nenhuma assistência ou malabarismo como só ele sabe inventar). É verdade, Jorge Jesus não apresentou a equipa no sistema que mais gosto e no qual mais gostei de ver o Benfica desta época, porém, compensou a inferioridade no miolo com uma boa capacidade de entrega colectiva e pressão alta. Forçou o adversário a errar e com isso imprimir aquilo que é a melhor virtude do Benfica de JJ: a velocidade, as transições. Parabéns.

Vieira – Dou-lhe os parabéns por duas circunstâncias: 1 – Todos os jogadores entrarem com o nome do Rei estampado nas costas, foi a mais simples e bela homenagem que se fez a Eusébio durante a última semana, simbologia e simplicidade num só gesto; 2 – As palavras que proferiu no final do encontro para com os adeptos do Benfica e do Porto, eles souberam honrar o nosso luto, nós soubemos enaltecer o gesto.

De todos os intervenientes, o único que não merece os meus parabéns é o árbitro. Errou para ambos os lados, é certo, mas com maior prejuízo para o Benfica. Critério demasiado largo na 1ª parte com sucessivas faltas que impediram contra-ataques perigosos do Benfica sem a devida intervenção disciplinar e, claro, aquele penalti escandaloso de Mangala. Mas esta arbitragem e este jogo servem na perfeição para exemplificar o que digo sempre sobre os benefícios ou malefícios que os homens do apito nos vão fazendo: Reparem, fomos prejudicados, mas também fomos competentes. Resultado: Vencemos. Reparem noutro pormenor ainda, o canto que dá origem ao nosso 2º golo nasce do penalti não assinalado, ou seja, fomos prejudicados, mas competentes na hora de reverter a situação com os argumentos que dependem única e exclusivamente de nós. Se formos competentes não viveremos à mercê da incompetência alheia, não nos colocaremos a jeito para mais nada que não seja vencer.

Para finalizar, fica aqui a pergunta aos senhores do jornal “O Jogo”: Mas quem foi que não apareceu mesmo? O Matic? Dizem que este está de saída, mas não era suposto o Quaresma ter entrado? Não vos peço para terem vergonha da capa que fizeram no dia do jogo, apenas tentem ser mais discretos da próxima vez.

P.S. Atentem nas declarações de Jorge Jesus no final do encontro, não só no conteúdo, mas essencialmente na forma e digam, onde já vimos este filme? 15, faltam 15 jogos.

19 comentários:

Sérgio Pimenta disse...

"Sim, houve alguns atrasados mentais que não souberam estar à altura dos acontecimentos (na tv não ficou perceptível a que clube pertenciam)"

Não foi perceptivel?????? "Em cada lampião à um cabr...". Isto para ti não é perceptivel??????

ATF disse...

Bom texto a resumir de forma clara, concisa e concreta o.que de mais importante aconteceu no classico de ontem.
Quanto ao jorrnal O Jogo é evidente que mais uma vez tentou impor a sua visao e desejo sobre o classico

José Moreira disse...

Sergio, como disse e infelizmente, não vai o jogo no estádio, daí que não me tenha sido perceptível de que zona veio o desrespeito pelo minuto de silêncio, nem sequer o que diziam.

hugo disse...

Concordo com a opinião em relação ao Gaitan. Acho que tanto ele como o Markovic fizeram o melhor jogo pelo SLB.

Magro vai ao ataque disse...

Algumas notas:

- o desrespeito pelo minuto de silêncio foi muito pontual, mas mutuo. E na antena 1 disseram que o Madureira mandou calar várias vezes os que o desrespeitaram no claque do Porto.

- a capa d'O Jogo foi evidentemente ao nível das capas quase diárias d'A Bola e do Record, mas ao contrário. Não é por aí... Se fosse por aí, tínhamos conversa para anos!

- a questão da arbitragem está mal analisada, na minha opinião. Sobre o critério largo, ver entradas sobre o Carlos Eduardo feitas pelo Matic, Gaitan e Siqueira (não necessariamente por esta ordem) na 1ª parte. O penalti do Mangala, se assinalado, não daria canto posteriormente... Logo, o 2-0 seria a consequência mais natural, e por isso a única diferença seria um amarelo ao Mangala. Não é por aí.

- Omitir a paragem do jogo com o Jackson isolado, o penalti evidente sobre o Quaresma do Garay aos 73, o amarelo patético ao Danilo aos 74 por simulação (há quem ache penalti, eu honestamente acho uma carga normal na disputa de bola sem falta, mas NUNCA na vida simulação!), é um bocadinho faccioso. Se fosse ao contrário, já o Carmo e a Trindade tinham caído. Para terminar, o lance que ninguém entende: Enzo isolado, corte limpíssimo do Mangala, bola nos pés do Helton... Pára o jogo, dá amarelo ao Enzo (por uma suposta falta anterior, dizem...) e repõe a bola ao solo (!?) para os pés do Benfica (quando parou o jogo estava nos pés do Helton). Não é que isso faça qualquer diferença no final, mas demonstrou o nervosismo que se apoderou dele após o penalti do Mangala. Por mim, marcava-se o penalti e amarelo ao Mangala, e marcava-se o penalti sobre o Quaresma e deixava-se o Jackson ir isolado. Pode ser? Podemos voltar atrás? Deal?

- Ficava-vos bem assumir isso, até porque a minha consideração por este blog é, honestamente, imensa! E venho cá quase diariamente.

- Faltou também uma palavra de elogio ao facto de, mesmo tendo em conta os parágrafos anteriores, nas declarações a quente no final ninguém do Porto ter falado na arbitragem. Olhamos para dentro (e isso é que é importante), e contribuímos para não denegrir a vossa vitória, que é justa sobretudo pela intensidade e determinação que impuseram no jogo, que nos anulou certos aspectos. Ao contrário teria sido como? Vocês, que não são facciosos, sabem bem como seria.

- Óptimo "P.S."... De facto, há quem não aprenda que isto só acaba em Maio (este ano algures a meio de Maio). Fazer deste jogo um "massacre" é desprezar a realidade. O Porto não esteve bem, mas o Benfica também não foi um Barcelona. O Porto até teve mais posse de bola (42-58), mais ataques (21-32), e em remates a coisa não foi por aí além (9-6). E com o Porto a jogar 19min com menos 1. Como referi, o Benfica ganhou o jogo pela entrega e determinação em cada lance, não propriamente por ter tido um caudal ofensivo avassalador e dominante. Mas se alguém quiser pintar o quadro de outra forma, a única coisa que estará a fazer é tapar o sol com uma peneira.

- Siga a banda, que este já está para trás.

Gandhy disse...

O Benfica do "Jesus", foi ontem o mesmo Benfica, sem alterar a sua imagem. Ou seja, contra equipas pequenas e na Luz, por norma o SLB apresenta uma pressão alta, e obriga o adversário a errar. Por norma contra os corruptos, o treinador cagasse todo e altera o sistema. Ontem, foi fiel aos seus princípios mais básicos, e manter Oblak na baliza foi um sinal muito importante. Penso que ai começamos a ganhar o jogo.

Anónimo disse...

Eu acho que na TV ficou bem perceptível que aquela gente de azul não soube respeitar o minuto de silêncio.

aalto disse...

José

pressão alta?
não vi...pelo contrário vi linhas bem encostadas para maximizar as transições ofensivas.

isso é mau? não! é o futebol que o JJ sabe, o único com que ganha alguma coisa, não vale a pena por-se a inventar o que não sabe

foi uma boa vitória, mas que prova pouco, a este porto ganhar são serviços minímos

a saída de Matic vai trazer em definitivo o futebol da primeira época de JJ, com Fejsa a fazer um passe lateral no primeiro momento de construção, Sálvio a fazer de acelerador (Dí Maria) e Enzo a fazer de tapa-tudo (Ramires)

como este porto tb faz lembrar o porto dessa época, e o sporting faz lembrar o braga desse ano...talvez chegue! esperemos que chegue

Kiddo! disse...

Esta vitória foi das mais importantes dos últimos anos! Primeiro porque honrou a memória do King. Segundo porque levantou a moral de muitos benfiquistas que andavam descrentes nesta equipa. Terceiro porque deu uma folga na tolerância para com JJ e Vieira, que continuo a achar não servirem para os interesses de um clube como o Benfica.
Quanto ao caso Matic, parece-me que 25M€ é pouco para um jogador com a qualidade dele e que não deveria sair neste momento...
Bonito seria o regresso do Coentrão que bem precisa de jogar regularmente para estar em forma no mundial!

Cumps.

Guilherme disse...

Em que sentido falas das declarações do Jesus no pós-jogo? Vi a conferência toda e a mim pareceu-me que a atitude dele foi bastante calma e realista: apenas se ganharam 3 pontos, no final é que se fazem as contas, o objectivo é o campeonato pelo que há que continuar a trabalhar e ganhar jogos.
Os jornalistas é que o picaram - bastante, e com uma indirecta sobre o Matic bem nojenta pelo meio - com a questão de que ele perde sempre contra o Porto e ele relembrou, e bem, os jogos para as Taças.
O único ponto em que ele esteve mal foi no ter enfatizado as consequências de perder o matic e o rodrigo e de ser o último a saber de tudo: só tinha que dizer que o mais improtante é o grupo e não individualidades.

José Moreira disse...

Magro vai ao ataque:
Não referi os lances que apresenta, porque o objectivo daquele parágrafo não era fazer uma análise exaustiva da arbitragem (tema que raramente é abordado aqui). Aquele parágrafo tinha por único objectivo demonstrar com um caso prático que mesmo com erros de arbitragem, a competência, por norma, vence. Entende onde quero chegar?
Quanto à capa do “O Jogo” e as capas dos jornais lisboetas, sim tem toda a razão, mas relembro-lhe que não raras vezes também criticamos esses comportamentos, mesmo quando parecem ser a favor do Benfica. Ora, por uma questão de honestidade intelectual, não poderia deixar passar em branco.

aalto:
Bem-vindo de volta! Viste assim? Eu não concordo. Sim também vi um Benfica de linhas muito juntas e bem compactas, mas longe da nossa baliza. Vi o Benfica a pressionar a saída de bola do FCP e eles sem conseguirem explorar o espaço deixado livre nas nossas costas por via dos muitos passes falhados na sua zona intermédia, em parte por causa da nossa boa pressão. Pontualmente baixamos linhas, mas longe, muito longe do que fizemos no Dragão onde aí sim jogamos em meio-campo e com a linha defensiva junto à nossa área.
Quanto à saída do Matic e as suas consequências, completamente de acordo.

Guilherme:
Repare, no texto refiro para ter atenção essencialmente à forma não tanto ao conteúdo. Deve reparar no ar pavoneante que Jorge Jesus teve na flash, na entrevista na Benfica Tv e na conferência de imprensa. Repare bem.

Pedro disse...

O lance do Mangala era penalty e vermelho. E falta o vermelho a Jackson.
Se é para falar de arbitragens ao menos sejam sérios.

Temos que reconhecer que os azuis nas bancadas portaram-se muito bem no minuto de silêncio. Os 3 ou 4 que quiserem ser artistas foram postos na linha pelos próprios camaradas de clube.

Vieira esteve excelente nas declarações que fez.

Magro vai ao ataque disse...

José Moreira

Percebo perfeitamente o comentário. E se houve coisa que fiz questão de sublinhar no meu comentário, e sem qualquer ironia, é de que aprecio o vosso blog pela honestidade. Apenas achei que se era para falar de arbitragem, era importante pôr tudo no mesmo patamar. Porque apesar dos lances terem elevado potencial de alteração do resultado final, não é linear que o desfecho pudesse ser diferente em termos da atribuição dos 3 pontos. Não gosto de fazer análises lineares nesse aspecto, ainda que o tenha feito quando disse que se o penalti do Mangala fosse assinalado, não havia canto, e por conseguinte naquele exacto minuto o Benfica ficaria a ganhar 2-0 (admitindo o penalti convertido, o que seria natural).

O mesmo diria se, da falta assinalada antes do Jackson isolar-se, tivesse dado golo, obviamente não faria sentido falar do lance. Para mim essa linearidade só se aplica a lances que se sucedem no imediato, como foi o caso do Mangala e do golo de canto.

E também tentei demonstrar que, para mim, está muito longe de ser clara a influência da arbitragem em resultados finais, porque a discussão entra em "ses" que nunca mais acabam. Quem garante que o Jackson fazendo o 2-1, não levaria o Porto a arriscar mais e levar o 3-1 em contra-ataque? Esse tipo de análise deixo para os sportinguista, habituais especialistas nessas questões de cenários hipotéticos.

Perdemos, 2-0, que se lixe. Quis que fizéssemos o 2-1 até ao último segundo, porque temo que isto volte a ser discutido ao ponto e ao golo (e até mesmo ao confronto directo). Mas temos 15 jogos para recuperar, e não vi um super-Benfica como muitos o pintaram. Vi sim uma equipa com uma vontade extra de vencer, de meter o pé, de morder a língua, fruto das circunstâncias da semana. Resta saber até quando isso dura, porque os problemas continuam iguais. Tal como os problemas do Porto estão lá mesmo depois dos 4-0 ou dos 6-0 dos últimos jogos.

Quanto a capas de jornais, ou repetições na TV, ou linhas do off-side tortas, é para o lado que durmo melhor. Sou daqueles que dou uma bela gargalhada quando se perde tempo a discutir coisas que não marcam golos (como se uma linha de off-side torta influenciasse o comportamento dos jogadores em campo - eles terão sporttv numa lente de contacto especial?). Para mim, são "não assuntos".

Alberto disse...

Falar-se em cenários hipotéticos, que não teriam acontecido se o canto não fosse marcado em vez do penalti, mas assumir que tudo a partir daí seria igual (ou seja os lances em que se considera que o Benfica foi beneficiado) é patético.

E isto também assumindo que o Mangalá não seria expulso nesse lance como aconteceu a favor do Porto (o árbitro era o Proença mas não me consigo lembrar do jogo em questão) e na altura toda a gente concordou.

Isto tudo e esquecer a agressão de Jackson, a cotovelada do Quaresma ou a entrada do Josué. (Ainda me lembro da choradeira que foi uma suposta expulsão do Matic o ano passado) Não consigo entender como se consegue falar de roubos (como tenho visto hoje pelas redes sociais) depois desta palhaçada toda.

A eles, esta imagem devia ser suficiente:

http://www.flickr.com/photos/73641118@N04/11928705786/in/photostream/

Anónimo disse...

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAH

Conclusão,o nojento 442 meteu no bolso o 433!!
Doeu,pois doeu!!

PS:Chapéus há muitos,e pavões também!!

Guilherme disse...

@ José Moreira

Por uma vez que seja creio que o Jesus não merece criticas em relação ao discurso. Eu "reparei bem", mas 50% da conferência de imprensa foi passada a enfatizar o facto de se ter ganho apenas 3 pontos e a "forma", diga-se, foi bastante calma e pausada. Quanto ao resto, se fomos superiores não o podemos dizer, ainda para mais a quente? E permita-me lhe dizer que Jesus esteve inclusivamente bem nas críticas à arbitragem. Se o Paulo Fonseca não referiu esta última deu-se ao facto de pertencer à parte por ela mais beneficiada.

Conde de Vimioso disse...


1º. Aceito apostas, seja qual for valor, e sei que ganho que prove uma simples visita minha a um blogue dos corruptos.

2º. Aparece aqui um Magro afecto ao clube corrupto de Contumil a falar de arbitrafens ???? é preciso não ter vergonha.

Não vou perder muito tempo com gente palada como esta que diz pois quem diz que a cacetada do magala sobre o Enzo é um corte limpo.

Eu vou explicar-te a razão da bola ao ar:

Sabes, é que o magala, que já devia ter sido expulso quando andou a jogar andebol ((sois fortes nisso))seria agora expulso por varrer Enzo isolado e duas expulsões davam direito a rótula rota e lá se ia a carreira.

Também tu como o teu treinador tens a lata e a confiança no futuro mas não deve ser motivada pela qualidade medíocre do plantel do teu clube, tu e ele ainda continuais com fé no café com leite e fruta das arcas frigorificas.

Sabes lá tu o que é ""ridiculo""

Se quiseres aqui vir deixa a poeira em casa, engorda que o plantel, como tu, é muito magrinho.

Nuno Pinho disse...

"De todos os intervenientes, o único que não merece os meus parabéns é o árbitro. (...) Reparem, fomos prejudicados, mas também fomos competentes."

Correu bem, diz antes assim. Nenhum primeiro classificado mantém o nível durante uma época inteira. Ontem foi um exemplo feliz, mas não faltam exemplos contrários nas últimas duas temporadas.
Já tive oportunidade de ver (pela transmissão televisiva) o lance do penalti e aquilo não tem qualquer justificação. O árbitro está de frente para o lance! Teve dúvidas a ajuizar o lance? Foi ele e mais uns quantos que patrocinaram a pouca vergonha que foi ver, na época passada, o primeiro penalti contra o FC Porto ser assinalado na antepenúltima jornada, frente ao Nacional, com o resultado devidamente "trabalhado"...
O FC Porto se chegou nas últimas duas temporadas em condições de ganhar o título, bem o pôde agradecer aos de preto por os ampararem nas alturas mais complicadas. Já do Benfica espera-se sempre mais. Aquilo que obtém nunca parece suficiente para o reconhecimento. Alguém que tenha boa memória recorda-se do número de lances em que o Benfica já foi prejudicado?
Mesmo assim, viramos a primeira volta em primeiro lugar.

Anónimo disse...

Realmente as linhas tortas não influenciam o comportamento dos jogadores!!!
Mas serve para influemciar árbitros e branquear 3o anos de roubalheira organizada e corrupta do teu clube!
Como alguém já aqui escreveu,vai engordar e aparece e se precisares de umas escutas para engordar também se arranjam.
Engorga para ficares bom para fazer presunto.