quinta-feira, 29 de março de 2012

Reerguer o Benfica

«Nada como uma derrota para alertar as consciências que nem tudo vai bem.
O Futebol Português é hoje por hoje uma mentira.
Não, não me interessa falar de arbitragens, deixo isso para os arautos do benfiquismo militante.
A mim interessa-me algo mais estruturante e do qual depende o futuro do futebol.
 
A norte o êxito desportivo mascara o total desgoverno económico-financeiro. Não, não falo da questão de terem apresentado cerca de 9 milhões de euros de prejuízo no 1.º semestre, isso é a consequência, do verdadeiro problema. Para terem uma noção correcta do desvario, dos 40.000.000 euros do Falcão, para a SAD apenas sobrou metade, sendo que do apêndice Micael que dizem ter custado cerca de 5.000.000 euros (dado não confirmado), não houve influxo relevante, basicamente saíu por cerca de 500.000 euros.
Aliás é admitida pela própria SAD que a actividade é permanentemente deficitária e como tal só a venda de jogadores pode colmatar a gestão desportiva. O desplante é tal que admitem que no fim do ano estavam com cerca de 6.500.000 euros de remunerações e prémios em atraso. A dívida ao Standard Liége só pode ser paga após a venda de 1/3 dos passes do Defour e do Mangala a um fundo por um valor inferior ao preço de custo. Mas chega de falar do que se passa a norte, pois continuam a ter vitórias, mesmo com gravatas a treinador.
 
A norte da 2.ª Circular vive uma SAD completamente ligada à máquina. Se os sócios do clube tivessem uma ideia do descalabro que se passa na SAD, haveria concerteza uma revolução. Que a SAD está em falência técnica, já todos sabem, pois essa condição foi assumida pelos dirigentes. Mas pior que isso, este semestre, fruto dum investimento sem paralelo na equipa desportiva, os resultados foram colossalmente maus, cerca de 19 milhões de euros de prejuízo.
Ao contrário da sociedade do norte, esta sociedade acha que tem que equilibrar o resultado operacional excluindo a transacção de jogadores, o que é um bom princípio, porém a exiguidade de receitas, o facto de essas receitas servirem essencialmente como garantia dos empréstimos bancários (situação razoavelmente comum ás sociedades desportivas), a cedência dos atletas a fundos a preços iguais, ligeiramente superiores ou até mesmo inferiores aos preços de custo, leva a valorização dos atletas pouco valor venha no futuro acrescentar à sociedade. Em resumo, falidos e sem resultados desportivos, a menos que exista um grande influxo de um qualquer investidor que compre os passivos bancários, por muito que sigam uma terapêutica correcta, no momento actual de crise do país e sem uma onda mobilizadora, a tendência será para ver o descalabro.
 
Falemos então do que nos interessa, a Benfica SAD. é bom não ter dúvidas que o domínio do futebol português, mais do que por jogadas manhosas, vai ser conseguido pela sociedade que consiga ter maior capacidade financeira e não da que continuar a apostar em maningâncias. Portanto é essencial perceber se aquilo que é normalmente reconhecido a LFV e seus pares é verdade ou não, isto é, se o Benfica está em boas condições financeiras.
 
A verdade é que não.
 
A SAD do Benfica está com capitais próprios muito baixos. é verdade que já não estamos na situação miserável que nos encontrávamos a 30/06/2011, virtualmente à beira da falência técnica.
Imaginem que abriam uma empresa com 11.500 euros e depois de vários anos já só tinham 800 euros, isto depois de terem tido 1.500 euros a 30-9 e 250 euros a 30-6. é essa a situação do Benfica se multiplicarem 10.000.
O nível de capitais próprios é ainda muito baixo e resulta  essencialmente do lucro de 8 milhões de euros no 1.º semestre, no entanto se fôr comparado com o lucro de 15 milhões que a sociedade teve no 1.º trimestre, rapidamente chegamos à conclusão que houve um prejuízo de 7 milhões no 2.º trimestre.
 
A explicação é lógica, no 1.º trimestre houve a venda do passe de Fábio Coentrão, no 2.º não houve nenhuma transacção.
 
Perguntam-se vocês como é possível perder tanto dinheiro em apenas 3 meses ? Ainda por cima, quando ouvimos falar que o Resultado Operacional excluindo transacções de passes de atletas foi positivo no 1.º semestre, mas não é só excluindo transacções, é Resultado operacional excluindo transacções e depreciações de passes de atletas (ROETD).
Portanto se estes forem os resultados analisados temos que:
 
1.º Trim. - ROETD + 5,2 milhões de euros
2.º Trim. - ROETD + 2,2 milhões de euros
 
No entanto, este negócio implica que sejam contabilizadas as depreciações de passes de atletas.
Vamos imaginar que um atleta é contratado por 6 milhões de euros com um contrato de 5 anos.
Imaginemos por exemplo que um jogador cumpre os 5 anos de contrato e sai sem qualquer compensação para a SAD.
Então, temos um activo que no momento da compra vale 6 milhões mas que durante 5 anos se vai depreciando até chegar a 0, ou seja tem que se dividir os 6 milhões por 5 anos, o que dá 1,2 milhões de euros por ano, ou seja, 100.000 euros por mês ou 300.000 euros por trimestre (0,3 milhões euros).
Ou seja se tivermos um plantel avaliado em 96 milhões de euros, com um tempo médio de contrato de 4 anos, podemos esperar 6 milhões de euros de amortizações por trimestre.
 
Quando temos o Resultado Operacional incluindo transacções e depreciações temos que:
1.º Trim. - RO + 18,6 milhões de euros
2.º Trim. - RO - 2,6 milhões de euros
 
Depois ainda temos os Resultados Financeiros
1.º Trim. - RF - 3,6 milhões de euros
2.º Trim. - RF - 4,1 milhões de euros
 
E o IRC
1.º Trim. - IRC - 0,025 milhões de euros
2.º Trim. - IRC - 0,063 milhões de euros
 
Como nenhum clube, ou sociedade desportiva neste caso, gosta de ver partir os seus atletas a custo zero, ou abaixo dos valores pagos por eles, em princípio ao fim de um exercício (12 meses), o valor das transacções será igual ou superior às depreciações. Convém dizer que pode haver um ano ou outro que isso não aconteça, mas numa sociedade bem gerida, este valor vai no mínimo equivaler se olharmos para um período de 5 anos. Daqui sai, que o equilíbrio financeiro deve vir da actividade operacional e não das transacções de jogadores, ao contrário do advogado a norte. É verdade que os custos de financiamento são cada vez maiores, por isso, além da actividade operacional, o negócio dos jogadores deve pelo menos compensar os resultados financeiros cronicamente negativos.
 
Mas afinal de contas, o que é o Resultado Operacional excluindo transacções e depreciações de passes de jogadores ?
 
Em primeiro lugar temos os Proveitos Operacionais, isto é, as receitas da actividade geral.
 
Vamos olhar para os grandes grupos para entender mais facilmente adoptando a terminologia da Delloite, mas com uma diferença, separando a componente do desempenho desportivo das restantes receitas de televisão, isto é os prémios das competições da UEFA.
Matchday - inclui todas as receitas de bilheteira sejam elas de jogos individuais ou de carácter anual, independentemente de dizerem respeito a cativos individuais ou empresariais, aluguer de espaço e quotização
Comerciais - Patrocínios, publicidade e merchandising
Televisão - Receitas das transmissões televisivas das ligas nacionais e de particulares
Prémios de competições - prémios da UEFA e cachets de particulares
 
No 1.º semestre o Benfica teve cerca de 50 M€ repartidos 42% nas receitas de Matchday, 21% de Comercial, 9 % de Televisão e 28 % de Prémios de competições.
 
Quanto aos rivais do norte o valor deles foi de 35 M€ enquanto da 2.ª Circular os nossos vizinhos apresentaram um valor de 20 M€.
No entanto é preciso ter consciência que tirando o valor da Liga dos Campeões, isto é se porventura estivéssemos na Liga Europa, teríamos cerca de 10 M€ a menos de receitas. Quer isto dizer, que além de garantir o acesso à  Liga dos Campeões, é fundamental assegurar a passagem aos quartos de final, caso contrário a nossa receita diminui cerca de 5 a 7 M€.
 
Hoje em dia, a receita da Olivedesportos representa cerca de 10 % das nossas receitas.
No Porto esse valor sobe para 17 % enquanto que no Sporting quase que chega aos 30 %.
Aliás segundo o estudo da Católica para o Liga Portuguesa, o peso das receitas de televisão excluindo as transferências representa cerca de 32 %.
Em França esse valor representa cerca de 66 %, em Itália 60%, em Inglaterra 51%, em Espanha 45 % e na Alemanha 36 %.
Connvém referir que os valores destes mercados são muito superiores aos da Liga Portuguesa, pois o mercado de televisão da Alemanha, o mais reduzido dos mercados em causa, é 9,5 vezes maior que o Português.
Voltando à nossa realidade, os contratos anuais de Porto e Sporting com a PPTV, atingem cerca de 11 Milhões de Euros, por contrapartida com o nosso que apenas chega aos 7,5 Milhões de Euros. Qualquer novo contrato apenas terá validade para a época desportiva 2013/2014 e não para a 2012/13, onde o contrato em vigor implicará 7,5 Milhões de Euros.
Tendo em conta a nossa dimensão, qualquer contrato abaixo dos 25 Milhões de Euros é claramente um valor insuficiente, mas a realidade da sporttv, com o número de assinantes em queda e com a proibição por parte da AdC de cobrar um valor fixo aos pequenos operadores para poderem retransmitir os conteúdos premium, irá contribuir para o abaixamento das receitas. Ao contrário do muitas vezes propalado, não acredito na teoria dos 200 Milhões de Euros de facturação, duvidando inclusivé que essa cifra ultrapasse os 120 Milhões de Euros, pelo que duvido que o valor a oferecer o Benfica ultrapasse os 15 Milhões de Euros.
 
Em segundo lugar, devemos então olhar aos Custos Operacionais.
 
Olhemos então às grandes Rubricas que compõem os custos operacionais:
-Fornecimentos e Serviços Externos - as despesas inerentes aos serviços/produtos prestados/fornecidos por entidades externas às sociedades para levar a cabo as actividades, nomeadamente despesas de organização de jogos, manuttenção de infra-estruturas, scouting, deslocações e estadas, limpeza, segurança, água e electricidade, publicidade, etc.
-Custos com o Pessoal - ordenados, prémios de desempenho e de assinatura, encargos com segurança social e seguros de jogadores, técnicos e dirigentes 
-Amortizações excluindo depreciações de passes - normalmente associadas aos equipamentos e no caso do Benfica, há uma significativa diferença entre o valor consolidado e o valor individual, pois as amortizações do Estádio, dos Pavilhões, Piscinas, Galeria Comercial e do Centro de Estágios têm um peso grande ao invés do que se passa nos nossos rivais
-Provisões e Imparidades excluindo passes de atletas - valores associados a disputas judiciais, cobranças duvidosas ou perdas de valor que não as dos passes dos jogadores
-Outros Custos Operacionais - o que não está incluído nos anteriores, e este valor varia de sociedade para sociedade, pois se no caso Benfica diz essencialmente respeito a impostos indirectos e indemnizações acordadas no decurso de processos judiciais, no caso Sporting inclui despesas de prospecção e no caso do Porto perdas com a recompra do passe do Moutinho, enfim é um saco onde cabe aquilo que não queremos contabilizar noutras rubricas
 
Analisemos o caso do Benfica para o 1.º Semestre da época 2011/12:
-FSE                   11,9 Milhões de Euros
-Pessoal             25,6 Milhões de Euros
-Amortizações      4,4 Milhões de Euros
-Provisões           -0,4 Milhões de Euros
-Outros Custos     1,1 Milhões de Euros
Total                   42,7 Milhões de Euros (diferenças explicadas pelos arredondamentos)
 
Ou seja, dos Proveitos Operacionais, cerca de 50 % são gastos em Custos com o Pessoal para pagar a 2 Administradores (DSO e RC que recebem cerca de 20.000 euros por mês cada um), 67 atletas (não inclui o Djaló), 14 técnicos, 10 funcionários de apoio técnico e 78 administrativos.
Convém referir que nem Porto (21,8) nem Sporting (19,3) gastam tanto em pessoal como o Benfica, o que deveria ser assunto de reflexão.
É verdade que as renovações implicam sempre subidas de salários, em especial dos jogadores que têm tido desempenhos desportivos relevantes. É verdade que em termos de remunerações variáveis, com o acesso à fase de grupos da Champions e posterior acesso aos 1/8 de final, o Benfica pagou quase 4 milhões de euros em prémios.
 
Penso no entanto que acima de tudo será de contestar a permanência de quase 70 atletas sob contrato.
Sob a capa da criação da equipa B se justifica um elevado número de atletas sob contrato, e nesse objectivo terão sido investidos cerca de 10 Milhões de Euros no 1.º semestre, no entanto a generalidade desses atletas não está ainda sob contrato, pelo que se somarão aos actuais 68.
Na verdade a 30/6/2011 eram 70, actualmente serão 68, mas quantos serão no início da próxima época desportiva ?
O plantel profissional do Benfica é constituído por 25 a 28 jogadores, a que se somarão um número idêntico para a equipa B (embora considere que tal não faz sentido se se pretender aproveitar esta equipa para garantir a transição em competição dos júniores), ou seja no máximo com uma equipa B se justificariam 50  a 55 atletas mais uns 5 a 10 emprestados que não joguem na equipa B, ou seja, no máximo 55 a 65 atletas tendo já a equipa B em funcionamento.
No entanto actualmente e só com uma equipa já temos 68 atletas sob contrato pelo que se fizermos uma extrapolação para a altura da equipa B poderemos pensar que o Benfica terá cerca de 90 a 100 atletas sob contrato.
 
Em tempos de crise será isto aceitável ? Eu digo que não, digo que existe uma gestão muito deficiente/ineficiente em termos de recursos humanos através da qual se compra em palette para tentar aproveitar 1 ou 2 jogadores por cada 20 que se compram. Para que não exista o argumento que as aquisições dependem dos treinadores aqui fica uma lista de emprestados, não estão todos pois no RC só se listam os principais jogadores do Benfica:
 
Airton Santos
Alan Kardec
Alípio Brandão
Carlos Martins
David Simão
Daniel Wass
Éder Luís
Elvis
Enzo Perez
Fábio Faria
Felipe Menezes
Filipe Bastos
Franco Jara
Ishmael Yartey
Jan Oblak
Jonathan Urretaviscaya
José Luiz Fernandez
Jose Shaffer
Leandro Pimenta
Leo Kanu
Lionel Carole
Melgarejo
Roderick Miranda
Ruben Amorim
Sidnei
 
Convém referir que da lista, a SAD do Benfica recebeu mais de 15 Milhões de Euros do Benfica Stars Fund. Caso os passes dos jogadores não sejam alienados pelos valores de referência aos quais foram vendidos ao Fundo, o Benfica irá suportar as correspondentes perdas, pois o Fundo tem políticas de risco que o colocam a coberto desses riscos.
As estes 25 atletas podemos somar para a próxima época os 5 internacionais sub-17 uruguaios adquiridos aquando da renovação de Maxi Pereira, mais 3 jogadores que estão a jogar no Leiria - Copetti, Barkroth e Djanini, e ainda Fidelio que foi contratado ao Huelva para resolver a questão do pagamento do Carlos Martins, enfim um manancial de atletas dos quais muitos não têm a qualidade, a mentalidade ou a capacidade para jogar no Benfica.
 
Ainda a propósito do Fundo, convém referir que desde 1 de Janeiro de 2012, por obrigação para com o Fundo que o Benfica tem no mercado os seguintes atletas:
 
Ishmael Yartey
Jose Shaffer
Leandro Pimenta
Miguel Vítor
 
Quanto ao Ruben Amorim, só não está nas mesmas condições que estes atletas pois renovou até 2014.
 
É certo que há apostas que acabam por não dar certo, mas não é admissível continuar a contratar sem critério, muito menos a manter emprestados atletas que custaram vários milhões de euros - Airton, Alan Kardec, Carlos Martins, Éder Luis, Enzo Perez, Felipe Menezes, Franco Jara e Sidnei (este conjunto de jogadores implicou um investimento de cerca de 25 milhões de euros!!!).
 
Se é certo que se pode ser rigoroso na questão dos fornecimentos e serviços externos, pois representam cerca de 24 % dos custos operacionais excluindo passes de jogadores, o essencial é ter uma política/gestão de recursos humanos adequada à nossa realidade e é através das melhorias nessa área que se garantirá o futuro.
 
Falando dos mais de 10 milhões de euros investidos na aquisição de activos para a Equipa B. Para quem perceba menos de contabilidade, esses 10 milhões não foram um custo. À semelhança de quando uma empresa adquire uma viatura não é um custo, mas antes a aquisição dum activo, os custos são suportados com a amortização dos activos adquiridos.
Para melhor exemplificar, vamos por absurdo admitir que esses atletas assinaram todos um contrato de 5 anos anos.
Então vamos dividir os 10 milhões por 5 anos e temos que o Benfica terá um custo anual de 2 milhões com as amortizações dos passes.
Se entretanto um desses jogadores cujo passe custou por exemplo 2 milhões de euros e portanto tem uma amortização anual de 400.000 euros (200.000 por semestre), é vendido transferido após 2 épocas por 5 milhões, então temos que o Benfica terá um proveito de 5 milhões ao qual deve ser deduzido o valor do passe neste caso 1,2 milhões de euros (2 milhões menos os 800.000 relativos a 2 amortizações anuais), ou seja tem um proveito líquido na transacção de 3,8 milhões de euros.
 
O importante conforme acima ficou salientado é que todos os anos os clubes têm custos enormes com as amortizações dos plantéis (os custos serão tanto maiores quanto a valia dos atletas) e que esses custos deverão ser compensados pelas transacções.
 
No 1.º Semestre de 2011/2012 o Benfica teve:
Proveitos com a transacção de atletas     +23,0 Milhões de Euros
Amortizações e perdas de imparidades    -14,4 Milhões de Euros
Resultado com passes dos jogadores        +8,6 Milhões de Euros
 
No caso dos nossos rivais temos que os do norte tiveram um resultado positivo de 3,7 Milhões de Euros e os rivais da 2.ª Circular um resultado negativo de 7,3 Milhões de euros.
Para se perceber da importância desta parcela como factor compensador da gestão deficitária na época anterior, no final do 1.º semestre os valores  FCP 17,0 e SCP 10,5. No nosso caso não era tão relevante, pois tivémos um resultado negativo de 0,2, que deriva essencialmente do facto de apenas ter sido transaccionado o passe do Di Maria nesse período.
Deste modo, e visto que não houve nenhuma transferência em Janeiro, a menos que tal aconteça antes de 30 de Junho de 2012, é previsível que no final do exercício o resultado seja negativo em quase 6 Milhões.
 
A questão das imparidades tem essencialmente a ver com lesões ou castigos graves, péssimas temporadas desportivas ou quaisquer outros factos que nos levem a acreditar que o valor do passe do jogador descresceu significativamente. A prudência aconselha ainda a considerar a diminuição do valor do passe ao saber-se por exemplo que um jogador não está disponível para ser transferido ou renovar o contrato.
 
Se os Resultados Operacionais são importantes, não nos podemos esquecer dos Resultados Financeiros que dependem essencialmente da estrutura de financiamento de uma sociedade. Tendo em conta o enorme endividamento bancário associado a gestões ruinosas que causaram a criação de dívidas, bem como dos financiamentos relacionados com a construção dos Estádios e dos Centros de Estágio.
Essa situação é particularmente mais relevante no caso do Benfica dada a internalização da Benfica Estádio na Benfica SAD e a assumpção dos custos que corriam por conta quer do Benfica clube quer da Benfica Estádio.
 
Para se ter uma ideia, o Benfica actualmente tem 260 Milhões de Euros de Passivo Oneroso, dos quais se destacam 121,9 Milhões de Euros em Empréstimos Obrigacionistas / Papel Comercial que se vencem nos finais de 2012 - 54, 2013 - 43 e 2014 - 25. Tendo em conta, que não é previsível um desinvestimento na equipa de futebol tão grande que implique o abatimento desses valores é previsível o lançamento de novos empréstimos/papel comercial por alturas dos vencimentos dos actuais.
Convém referir que o valor dos empréstimos obrigacionistas (90 Milhões de euros) não é convertível em acções pelo que não implicará mudança na estrutura da sociedade, ao contrário de outras sociedades.
O facto de efectuar grande transferências que não são pagas de imediato - Real Madrid e Chelsea, o Benfica opta por descontar os valores junto da Banca, pelo que 37,4 Milhões de Euros correspondem a valores avançados que serão liquidados com o pagamento das referidas entidades, pelo que o único risco associado é o não pagamento atempado, não correspondendo a dívidas da sociedade mas antes a dívidas por conta de recebimentos futuros. Se por um lado não é previsível um grande risco nestes valores, por outro lado é previsível que futuras vendas de valores elevados venham a implicar pelo menos a manutenção destes valores para já não dizer mesmo o seu acréscimo, com o correspondente aumento de encargos.
 
No 1.º Semestre de 2011/12 o Benfica teve um resultado financeiro negativo de -7,7 Milhões de Euros inerentes ao aumento dos spreads e ao aumento do passivo oneroso. Este valor foi muito superior aos nossos rivais, FCP -3,8 e SCP -1,7. No entanto, tal acontece, à semelhança das amortizações de imobilizado, devido ao impacto das infra-estruturas não estar reflectido nas contas dessas SADs e consequentes financiamentos.
 
Um factor muito importante na condução das sociedades é a sua estrutura accionista. Outro é a titularidade das obrigações bancárias.
No primeiro caso convém referir o seguinte, o Sr. Joaquim Oliveira é accionista qualificado nas três SADs com as seguintes participações, SLB 2,66% (valor nominal +- 3 Milhões de Euros), FCP 10,01% (valor nominal +- 7,5 Milhões de Euros), SCP 5,47% (valor nominal +- 2 Milhões de Euros). Além disso no caso do clube do norte o irmão do Sr. Joaquim Oliveira, António Oliveira detém 11,01 % (valor nominal +- 8,25 Milhões de Euros). De referir ainda a participação da Somague que detém 3,65 % no SLB e 18,79% no FCP. A particularidade da SAD do Sporting é ter 47,9 Milhões de Euros em VMOC que no momento da sua conversão assegurarão a maioria do capital na Sociedade caso as mesmas sejam adquiridas por um investidor único, pois são superiores ao actual capital social de 39 Milhões de Euros.
 
Player importante é o BES que detém 7,97% (valor nominal +- 9 Milhões de Euros) da Benfica SAD sendo ainda credora de financiamentos no valor de 30,8 milhões de euros, bem como membro do sindicato bancário responsável pelo project finance do estádio cujos empréstimos atingiam os 72,5 milhões de euros. Convém realçar que uma das garantias do project finance é o contrato entre a SLB SAD e a Olivedesportos assinado em 2003, razão pela qual não é previsível uma não-renovação do contrato. No SCP o BES tem financiamentos de 10,8 milhões de euros, bem como e, em sindicato com o o BCP 47,8 Milhões de Euros. No caso do FCP não revelam quem concedeu os créditos, mas tendo em conta que também envergam os patrocínios do BES é perfeitamente natural assumir que sejam credores bancários significativos.
 
Em conclusão, o Benfica dos 3 grandes de Portugal dada a sua grande base social de apoio tem que garantir bom resultados desportivos para que estes sejam a base do equilíbrio financeiro, nomeadamente através do acesso à Liga dos Campeões e mobilização dos adeptos no apoio à equipa no Estádio e comprando o merchandising.
 
O aumento das receitas de televisão, a partir da época de 2013/2014 é imperioso e garantirá uma maior folga financeira que permita ir abatendo o passivo oneroso e reforçar a equipa. Desse modo e visto que esse contrato é garantia de um dos empréstimos do project finance, não é crível que a Btv seja uma alternativa à Olivedesportos, pois não me parece que BES ou BCP estejam interessados em perder 7,5 Milhões Anuais por troca de um projectoque comporta riscos elevados e que no curto prazo não terá cash-flows positivos dessa dimensão. Para a Btv ser alternativa à Olivedesportos, muito provavelmente o Benfica teria que dar passes de jogadores como garantias em substituição da manutenção do contrato com o referido operador.
 
Porém, muito do reforço financeiro, poderia ser alcançado caso existisse uma gestão de recursos humanos muito mais criteriosa do que a existente actualmente com a consequente diminuição dos atletas sob contrato.
Mais do que contratar bem, deveria o Benfica procurar vender bem a maioria dos jogadores que estão emprestados, ou pelo menos menorizar as perdas nas vendas, pois a continuação de negócios tipo Makukula ou Yebda, Airton, Alan Kardec ou Éder Luis,  Jara ou Pérez, são altamente danosos e com um impacto significativo ao nível dos resultados económico-financeiros. O mesmo se aplica a jogadores como Schafer ou José Luis Fernandez, Leo Kanu ou Elvis, que não correspondendo a investimento muito elevados não têm capacidade para jogar no Benfica. Um terceiro caso são os negócios tipo Elkeson ou Halliche que apesar de terem sido bem sucedidos, representam apenas o ter dinheiro investido em jogadores que nunca vão jogar no Benfica, ou seja investimentos financeiros e numa altura de crise de crédito não me parece ser prudente efectuar esse tipo de investimentos.
 
Em termos estratégicos, a internacionalização da Marca Benfica é fundamental, numa primeira fase junto das comunidades emigrantes na Europa, na América e em África e numa segunda fase junto dos mercados emergentes é o passo a seguir pois tal implica necessariamente a expansão do mercado televisivo e consequente aumento das receitas, o aumento das vendas do merchandising, bem como o acesso a patrocinadores com maior capacidade financeira que aumentassem as nossas receitas comerciais.
 
Mas a Marca Benfica só se consegue internacionalizar individualmente se a equipa conseguir grandes desempenhos nas competições europeias (acesso a finais e meias-finais) numa base regular. Caso contrário, a aposta passará pela internacionalização da Liga Portuguesa e nomeadamente dos jogos clássicos, sendo que para tal é fundamental assegurar uma estratégia conjunta em especial com os rivais mas também com os demais clubes da Liga. As movimentações do actual presidente dizendo querer pôr em causa o monopólio da Olivedesportos é algo a seguir com atenção, se bem que o historial passado leva a crer que essas ideias não serão levadas à prática.» 

Bcool

30 comentários:

Danilo Oliveira disse...

Para mim é absolutamente fabuloso este artigo. Está aqui tudo bem explicadinho para quem quiser ler.

Tenho estado a fazer uma compilação dos erros mais gravosos de Vieira à frente do Benfica e um dos artigos versava sobre as finanças.. O único comentário que mereceu foi de um anónimo que me acusava de querer o Vale Tudo. Sintomático.

Espero sinceramente que muitos benfiquistas leiam, imprimam e divulguem este artigo, pois a grande causa do apoio massivo a Vieira é o desconhecimento destas coisas. Os benfiquistas, simplesmente não querem saber disto para nada...

continua assim por favor

Anónimo disse...

Grande artigo! São este tipo de análises e discussões que fazem falta no universo Benfiquista!

Discutir a realidade do Benfica, de forma racional e sempre com um espírito crítico e construtivo!

É evidente que o Benfica tem de melhorar a gestão dos seus recursos humanos e não pode ter no contexto actual uma estrutura tão pesada e onerosa com mais de 60 jogadores. O esforço financeiro que isso representa, impede o clube de ter capacidade de contratar os jogadores de qualidade de que realmente precisa.

De certeza que quem gere o Benfica também tem consciência deste facto, portanto espero uma inversão desta estratégia e a alocação dos fundos disponíveis de forma cirúrgica, coordenada e de forma a minimizar os riscos de insucesso nas contratações.

Quanto ao serviço da dívida e os direitos televisivos, é evidente que o Benfica está aprisionado na teia formada pelo BES/Olivedesportos. Mas na minha opinião é necessário encontrar alternativas economicamente viáveis para romper com a Olivedesportos

Ricardo Costa

Pedro disse...

Ricardo,

Vou precisar de ler isso com mais atenção logo em casa!

Abraço
Pedro

Anónimo disse...

Parabéns, há muito muito tempo que não lia uma análise tão cuidada e estruturada.

Continua PF a brindar-nos com os teus fabulosos textos e análises como esta.


Abraço
João

Ricardo disse...

Atenção que a análise fabulosa (concordo) é do Bcool, não é minha.

JC disse...

Porra, Bcool, és indecente.Um gajo faz uma pausa para descontrair das contabilidades e fiscalidades e tu espetas-me logo com um post destes? Vou ali entregar o Pagamento Especial por Conta e já volto.

Agora a sério, terei de ler isto depois com mais atenção, mas parece-me que está aí um apanhado interessante da perspectiva empresarial do nosso Benfica.

Abraço

JediVermelho disse...

FABULOSO! Enorme benfiquista, o autor do post! Enorme, mesmo!

Luis Rosario disse...

Muitissimo bom e sobretudo factual. Para a perfeição falta uma ligeira perspectiva de como incrementar receitas, mas meu amigo Bcool, os meus sinceros parabéns.

eupensopelaminhacabeçaeusoulivre disse...

Eu efectivamente não posso compreender estas negociatas que envolvem adversários que se tornam nossos acionistas... é o que dá a cena das SAD's... pessoalmente parece-me que o futebol que amamos morreu, porque isto trata-se unicamente de negócio!

Excelente artigo, muito técnico mas muito bem explicado... para mim estas cenas tipo Emerson e tais tornam-se ainda mais estranhas... e a cena do Roberto "ó meu deus" - deve ser uma cena do crl de certeza... e nós anjinhos a alimentar este polvo...

Nenhum de nós sabe o que se passa nos meandros do futebol e nem falo de ilegalidades falo de legalidades "fofinhas"...

Ai que só me apetece ganir aaaauuuuuuu!!!!

Este tipo de análises só suportam o meu desencanto... olho para trás e sem saudosismos bacocos e parvos não me revejo hoje nisto a que chamamos futebol...

Mas afinal ainda não me desfiliei, deve ser coisa para ser amadurecida numa meia dúzia de meses, esta "porcaria" de se amar um clube desde puto dá nisto perde-se a racionalidade da coisa... olhem e ainda bem!

Um enorme abraço e um Obrigado ao Ricardo que transcreveu o excelente trabalho de Bcool!

Armando disse...

Ricardo, não estás a misturar relatórios? Creio que o ano fiscal para a SAD se inicia em 1 de Julho de cada ano, daí que não tenhas elementos do 2º semestre, em curso. Não que seja muito importante, o relevante é a tua proposta de discussão, a partir da avaliação que fazes do futebol do clube, a política financeira como explicação para uma gestão desportiva com a qual não concordas. Nem eu. De qualquer forma, agradeço o trabalho e o mérito, além de ter ficado a perceber uma série de “pormaiores”, nomeadamente sobre as amortizações, depreciações e imparidades.

Contudo, fazes uma análise do estático, do facilmente mensurável e os erros que apresentas, a sua correção, dependem do dinâmico. De forma resumida, o dinâmico é a existência de uma estratégia desportiva a médio e longo prazo, considerando que o curto é a compreensão do presente e a definição de tais políticas exigem cultura benfiquista e inteligência prática, como afirmo noutra página.

Estou farto de ouvir falar de corrupção, de ausência de verdade desportiva e dos queixumes. A coisa existe, estou fartíssimo – a começar a ficar cansado – de denunciar e explicar a coisa. Portanto, a questão é saber o que fazer e como fazer numa realidade concreta, que ferramentas a utilizar, que táticas, que alianças?

Por exemplo: porque não renovar com a Olivedesportos? Não se trata de uma parceria financeira? Então, porque não se, ainda por cima, o contrato funciona como garantia para o financiamento bancário? Eis um assunto com picos, que exige alguma seriedade. Deixo a minha opinião: a parceria com a Olivedesportos não interessa, significa ter o inimigo dentro de casa. Acresce a minha convicção que a citada pode jogar, pode interferir na verdade desportiva, através da sua capacidade de fazer adiantamentos aos dependentes. Somem que não acredito no sentido ético da cultura portista.

Fico por aqui, de momento, deixando o exemplo como demonstração da complexidade da definição de objetivos estratégicos no tal médio e longo prazos. E recomendo que vejam um texto, na página, anterior. Também tem a ver com a “estratégia”.

PS. Então, cumprimentos ao Bcool.

lawrence disse...

Na minha pouca sapiência no que se refere a contabilidade e gestão mas como indivíduo que se preocupa em gastar, quando muito, só o que ganha e não mais que isso, estas análises vem sempre ao encontro das ideias que tenho (por alto) sobre o estado do desporto em geral e do Glorioso em particular.
E que, seja na política, na religião ou no desporto, hoje em dia é o cifrão que faz mover a máquina.
Utilizando como combustível a paixão do adepto.
Paixão traduzida em compra de bilhetes, camisolas, canais desportivos etc etc.
Na parte que me toca, ainda estou um bocado na idade da pedra em relação a esta nova ordem.
Muito Benfiquismo mas pouco mercantilismo.
Apesar de ter tido alguns desfalecimentos (coração, acções) mas consegui "limpar-me"!
Viva o BENFICA !!!

trainmaniac disse...

Claramente o melhor post da web sobre finanças das SADs nacionais, e em particular sobre as finanças do SLB.

Espectáculo de análise, muito objectiva e pedagógica. Parabéns ao Bcool!

Bicadas disse...

Boas,

Obrigado pelo artigo que nos dá uma perpsectiva sobre a gestão financeira do Benfica.

Permita-me, no entanto, deixar algumas bicadas.

Do meu ponto de vista a análise assenta excessivamente na lógica contabilística, quando se recomendaria um ângulo mais financeiro da coisa. Os resultados contabilísticos servem, essencialmente, para saber quanto há a pagar de impostos, produzidas as necessárias correções fiscais.

Para apreciar a saúde financeira a contabilidade não é uma boa base - em nenhum sector de atividade e ainda menos no futebol.

O Bcool dá ênfase, e com muita razão, à questão das amortizações/depreciações. Na verdade, neste como em muitos outros negócios, estes gastos servem essencialmente, para uma coisa: pagar menos impostos. Se se tratasse de industria pesada, teria interesse o valor das amortizações/depreciações enquanto consumo de capital - corresponderiam, vá lá, ao desgaste da capacidade instalada, que mais tarde ou mais cedo (se for usado o método de amortização/depreciação adequado, quando se anular o valor do activo) terá que ser reposta. Já no futebol o valor de amortizações/depreciações não revela grande coisa. Sim o estadio deprecia-se, mas muito mais lentamente que o legalmente declarado e para além do mais os encargos com a manutenção, que o levaria quase até à eternidade, já estão refletidos noutras rúbricas (previsivelmente nos FSE). Assim, as depreciações do estádio (como, de resto, de todo o edificado), representam apenas gasto sem exfluxo monetário, ou seja, dinheirinho que vai a resultados a abater (menos impostos) mas que no fundo vai para o serviço da dívida.

No caso dos atletas ainda é mais gritante. Aqui, as amortizações são "estas" basicamente porque sim. Na realidade, todos sabemos que compramos um atleta por 5M, com contrato por 5 anos. Ao fim de 1 ano, na contabilidade, sem factos extraordinários, ele vale 4M, um valor que só será correcto por acaso - ele poderá valer 0, 2M, 10M ou 30M - que informação podemos retirar dos resultados apurados a partir desta mecânica?

Então, na minha opinião, faz muito bem o CFO da SAD se basear a sua análise no dito ROETD. Faz muito bem no que respeita ao D, pois a questão do T tem muito que se lhe diga. Lá está, numa perspectiva contabilística faz todo o sentido excluir as transações do RO. Elas são, por natureza, imprevisíveis. Na realidade faz todo o sentido se estivermos a analisar o Real Madrid ou o Barcelona, ou outro tubarão qualquer, em que as vendas têm um peso muito relativo nas receitas, servindo essencialmente, para gestão desportiva do plantel. Aqui dou razão à tripeirada: as vendas fazem parte do negócio e devem caber na análise financeira, sendo perspectivadas sempre com a maior prudência dada a sua volatilidade, incluindo mais risco na análise.

Peço desculpa por me alongar, mas apenas mais 2 ou 3 pontos:

- se os tripeiros dizem que gastam menos com o pessoal não é por gerirem melhor, é apenas por estarem a mentir;

- penso que na análise dos emprestados/equipa B não é possível a extrapolação. Boa parte dos emprestados estão emprestados porque não há equipa B;

- é óbvio que todos gostaríamos que as contratações fossem todas um sucesso, mas também há muito se percebeu que muitas delas se enquadram não tanto como reforços do Benfica imediatos, mas mais como... activos financeiros

- desculpem lá, 78 administrativos?!!

Cumprimentos

Bcool973 disse...

Apesar de ter prometido a minha ausência, venho quebrar devido ao facto de o Ricardo ter publicado um texto meu que lhe enviei na ressaca da nossa derrota contra o Porto, pois achei por bem, apesar do gritante erro do proença, deixar de olhar apenas para a árvore e tentar ver a floresta.

Obrigado pois pelos elogios, assim como pelas críticas.

Bcool973 disse...

@Luis Rosário - é o que digo que deve ser a nossa opção estratégica, mais do que aumentar as receitas no próprio país, algo que deve ser díficil, com excepção da renegociação dos contratos televisivos (ou se me conseguirem mostrar que a Btv a curto/médio prazo assegura o triplicar das receitas do contrato actual), o Benfica deve procurar internacionalizar a marca e obter receitas de merchandising, de associativismo e mesmo receitas televisivas, dos tais 8 milhões de Benfiquistas pelo mundo e dos muitos que ainda não sabem que são, só precisam de ser atraídos para tal - convém eliminar chelsea's de segunda e não perder em casa

Bcool973 disse...

@bicadas, tens razão que a contabilidade mostra aquilo que as pessoas querem que mostre. Quanto à questão da perspectiva financeira, tens razão, mas não tive tempo na altura e o texto visava essencialmente ser pedagógico e ponto de partida para uma reflexão.

Quanto à saúde financeira o que me preocupa, é a permanente destruição dos capitais próprios e que já não há mais estádios nem outras infra-estruturas físicas para realizar aumentos dos capitais próprios e esquecer o artigo 35.

No entanto deixa-me mencionar que as fontes foram os Relatórios e Contas das SADs, sendo que as do Benfica e do Porto estão auditadas.

Os auditores não põem em causa os critérios relativos às amortizações, e refiro-me especialmente às do imobilizado corpóreo, pelo que acredito que os critérios de amortização sejam feitos pelos valores devidos e não apenas por 10 anos.

Quanto às amortizações dos passes de jogadores, depois de ver casos como os do Yebda, do Balboa, do Jorge Ribeiro e de tantos outros jogadores que saíram sem qualquer retorno, pressuponho que a amortização directamente ligada ao contrato de trabalho seja a mais adequada.

Quanto às transacções discordo de ti, pois acho que elas devem ser uma consequência do nosso desempenho positivo e que com o nosso crescimento deixem de ser necessárias, mas representem apenas boas oportunidades de negócio. Admito que tenhas opinião diferente, apenas não concordo.

Quanto aos emprestados, se vires eu digo que com uma equipa b consideraria 50 a 55 atletas sob contrato, sem equipa b não vejo necessidade para ter mais de 35 a 40 atletas e não 68. O aumento dos administrativos teve a vver com a inclusão dos trabalhadores da Benfica Estádio, pelo que deduzo que existam funcionários sem funções estritamente administrativas que estejam incluídos, em especial aqueles que eram funcionários do clube, pelo que não é um número que me escandalize por aí além, embora acredito que possam ser optimizados (mas estamos a falar de uma parcela pouco significativa dos custos com o pessoal).

Não entendo a lógica dos activos financeiros, pois isso enfraquece em termos desportivos o clube ao retirar capital para investir em reforços de qualidade que não certos indivíduos que me vou abster de classificar.

Podia falar dos 25% do Reyes ou dos 20% do Salvio para exemplificar a idiotice dessas aquisições parciais, visto não dominarmos as questões contratuais entre o Atl. Madrid e os jogadores, mas nem quis ir por aí.

Os atletas emprestados a clubes brasileiros, adquiridos a valores consideráveis são um assunto bem mais preocupante. Porque das duas uma, ou foi feita má prospecção e consequentemente se pagaram valores inadequados, ou a prospecção foi bem feita e foram desperdiçados recursos, pois não temos lugar para eles no nosso plantel.

O Benfica não pode ter 68 !!! 68 !!! 68 !!! atletas sob contrato.

Bcool973 disse...

A solução para crescer passa por ganhar e se este treinador e esta direcção só conseguem ganhar até fevereiro/março e depois perdem inapelavelmente (na rússia e contra um chelsea de segunda) na europa e em portugal (guimarães, e empates miseráveis em coimbra e em olhão, que independentemente dos erros de arbitragem tiveram prestações VERGONHOSAS), dificilmente podemos aspirar a internacionalizar a marca Benfica, pois ninguém vai querer ir atrás de clubes que só ganham taças da liga.

Aquilo que eu peço a JJ, aos jogadores e à direcção é que em Londres obtenham a qualificação, com sangue, suor e lágrimas, como fez o Sporting em Manchester, ou o Benfica em Anfield nos tempos do Koeman (não do Jesus) e em Portugal sejam dignos de envergarem a camisola, certo que espero vitórias, mas antes das vitórias é preciso entrega, profissionalismo, querer, como mostraram contra o chelsea apesar do mau resultado.

Pedro disse...

bom artigo, mas eu tenho uma questao em relacao ao elevado nr de jogadores: sabendo de antemao q o hit rate na descoberta de "joias" como o di maria, ou o david luiz e' extremamente baixo, como evitar contratar tantos jogadores? O trial and error e' custoso, mas honestamente parece-me ser uma das poucas maneiras de encontrar talentos a baixo preco e que tragam numa epoca resultados desportivos e na outra resultados financeiros. Claro que alienar o passe desses activos mais rapidamente poderia resultar, mas nem sempre e' possivel encontrar comprador quando um jogador esta em baixa...

David Duarte disse...

Excelente artigo Bcool! Eu sou bastante leigo nestes temas mas parece-me que certas soluções saltam à vista para consolidar financieiramente o Benfica:

- Redução do numero de jogadores sob contracto. Esta medida deve ser tomada de urgência. Penso que um plantel à volta de 50 jogadores (incluindo jà os putos) é mais que suficiente para alimentar a equipa principal e a equipa B. Poupar nos custos relacionados com o pessoal é essencial.

- Os direitos televisivos. Esta questão é central, mas temo que a solução venha a ser a mais negativa para os interesses do Benfica. Certo, o mercado português não pode competir com mercados como o alemão (para citar apenas um) e os seus valores serão sempre inferiores. Contudo o Benfica não se resume ao mercado português. A titulo de exemplo, no ano passado o canal francês W9 passou os jogos do Benfica em sinal aberto e com comentarios em português. O Benfica tem mercado internacional e seria interessante que a nossa direcção venda o seu produto a uma empresa estrangeira com meios para aproveitar essa realidade (o Benfica exporta-se!). A titulo de exemplo, a Aljazeera comprou os direitos televisivos da Liga Francesa, pois esta liga tem mercado no mundo maghrebino. Porquê reduzir os possivéis clientes ao mercado português?

Reduzir os custos do pessoal e aumentar as receitas em termos de direitos de transmissão seria jà um grande passo para equilibrar as contas. E claro, uma presença regular, pelo menos, nos oitavos de final da Liga dos Campeões que teria como efeito não apenas os prémios, mas a valorização de jogadores (Portugal sendo um pais que exporta os seus principais valores, este facto é muito importante).

mrmg disse...

Excelente post que vou de imediato partilhar.

Como já referi anteriormente, há 3 ramos que conduzem a prestação do benfica:
1º treinador
2º presidente
3º sistema

Deste modo, e como já foi referido na secção dos comments, é necessário observar o que está atrás do ecrâ. Ou seja, temos um sistema que está contra nós mas que não teria provocado tantos estragos se nós próprios não tivessemos dado alguns tiros nos pés.

Este artigo do Bcool973 insere-se nos tais tiros que temos vindo a dar nos pés. Tiros às cegas, tal como apoiiar a candidatura do tesoureiro das frutas à presidencia da liga e consequentemente da fpf.

Tiros nos pés às cegas? Perguntam bem, é mesmo isso. Pois só por fé é que o presidente do Benfica apoia tal indivíduo, certo?

Como temos vindo a observar, é facada atrás de facada nas costistas...

Direitos televisivos
Internacionalização da marca
Equipa B

Tudo temas de investigação aqui retratados com a exactidão que uma opinião consegue.

Realmente vale a pena ser Benfiquista, pois o nosso amor é pelo clube, pelo que ele representa. Não se esqueçam que os câes ladram e a caravana passa

Rui disse...

Excelete o artigo, Bcool. Não vi nenhuma análise como esta feita por quem quer que fosse, a qualquer dos grandes.

Parabéns por um excelente contributo para perceber a realidade do Benfica e que a todos nos devia preocupar.

nunomaf disse...

Bcool,

Obrigado. Dada a pertinência decidi dar a isto o devido destaque n'O belo voar da Águia.

Deixei lá também a minha opinião (acerca da BTV principalmente), dado que aqui o tráfego de comentários se assemelha bastante à hora de ponta na 2.ª circular... :D

marley disse...

Excelente artigo Bcool. Tive de o imprimir para poder lê-lo com muita calma e absorver devidamente toda a informação nele contida. Consegui perceber muito melhor a situação financeira do Benfica.
maria

Bicadas disse...

Boas,

Obrigado pela resposta e, não pretendendo açambarcar espaço de comentário, não resisto à entrada em diálogo.

Bcool, quando relativizei o relevo da análise assente na contabilidade não pretendi insinuar que havia batota no report. O que ponho em causa é a capacidade de os princípios contabilísticos, de um modo global e não no caso do Benfica, permitirem uma análise financeira adequada. Desde logo, a análise financeira assenta sempre numa perspectiva de mercado, enquanto a contabilidade, apesar das orientações recentes de aproximação, digamos assim, ao justo valor, ainda continua a basear-se, essencialmente, no custo histórico.

Nas depreciações do activo fixo, e especialmente do edificado, a norma prevê uma depreciação em 20 anos, o que nos levaria à necessidade de começar a pensar na construção de um novo estádio, para inaugurar daqui a 11 anos…

Mas isso, comparado com as amortizações de atletas, são detalhes. As amortizações dos passes de atletas serão sempre uma “mentira”, não havendo nenhum método adequado. Apenas se escolheu um porque, lá está, a contabilidade tem que ter lá alguma coisa.

Quanto às transacções, não concordamos em discordar, mas estaremos, vá lá, em desacordo no imediato, mas completamente de acordo na questão de fundo: no longo prazo, do meu ponto de vista, as vendas terão que ser enquadradas na gestão desportiva. Oxalá possamos crescer até lá. Já no curto prazo é este o nosso modelo de negócio, e por isso temos de considerar essa dimensão, que é central, na projecção do negócio.

Jogadores emprestados/contratados inserem-se no modelo de negócio, e eu compreendo que se escolha esta via: o nosso negócio é futebol e é por aqui que devemos potenciar as receitas. Agora, dito isto, terás toda a razão em apontar o dedo aos resultados obtidos. Terá que se repensar a estratégia? O modelo de negócio? Não sei, é algo que não domino. O que é ainda mais arriscado é embarcar em aventuras do tipo alvaláxia, onde nada dominamos e o risco multiplica-se.

Já me alonguei demasiado, mas não posso evitar uma ligeira abordagem à Olivedesportos. Tal como a alvaláxia a aposta imediata na BTv para a transmissão dos jogos é um multiplicador de risco. É atraente, já que ninguém quer relações com o sistema instalado e corrupto, mas é um grande risco. O que defendo é a tentativa de negociação, fatalmente com a sportv, de um contrato de curto prazo, o que se constituiria como uma opção de adiamento, a mais vantajosa dado o contexto económico.

Peço desculpa pela seca.
Cumprimentos

Hugo, Religião Nacional disse...

Bom trabalho. Obrigado.

Armando disse...

Não se deixem levar pela espuma, este texto do caro Bcool, embora muito especializado, é muito importante, permite-nos abrir janelas para o que é importante, um projeto de futuro para o Benfica. Subjacente à demonstração financeira, existem ideias, críticas, que remetem para o essencial: o político. Com toda a consideração, deixo uma questão ao caro Bcool: o financeiro faz parte do político ou da estratégia?

João Bajanca disse...

Artigo Muito bom Ricardo, não sabia que eras destas lides da Contabilidade.

Ricardo disse...

Bajanca, o artigo foi escrito pelo Bcool. Todos os créditos para ele.

Anónimo disse...

Curiosamente li um comentário teu num blog do Sporting ontem (Um blog miserável de propaganda pró Direcção do Sporting)... Hoje acabei por chegar a esta página através de um amigo meu do Benfica...

Excelente análise global das contas dos 3 grandes, pelo menos das que são públicas...

Estava a achar estranho não haver movimentos do tipo "reerguer o Benfica", como existem no meu Clube diversa contestação extremamente fraca para "reerguer o Sporting"...

No fundo, o futebol é uma mentira e nós adeptos de todos os Clubes somos quem sustenta este ballet, a pagar quotas, a comprar bilhetes, Sport TV, mais toda a merda de publicidade que indirectamente acabamos por consumir. Do Bes, à PT, passando pelas Adidas, Puma e demais marcas...

Os adeptos e Sócios são o único activo dos Clube e são tratados de forma miserável... O único direito que têm é pagarem e estarem calados...

O futebol é o espelho do país, ou é o país o espelho do futebol...

Saudades de viver o futebol de forma ignorante, desconhecendo várias negociatas e limitar a um sandes de courato e um jogo ao Domingo à tarde...

As vitórias no Benfica vão disfarçando muita coisa... No Sporting até os empates já disfarçam...

As derrotas do Sporting por si só dificilmente levam a eleições no Sporting... Parece que cumulativamente é preciso o Benfica ganhar para muitos acordarem (apesar de ser com as motivações erradas).

Para terminar, a história do Ciclo Vicioso positivo é uma falácia para quem não conhece os R&C dos Clubes em Portugal. As receitas e valorizações que podem surgir de vitórias, são irrisórias comparativamente com o peso elevado das despesa e prémios pagos.

Vitto Vendetta disse...

O que é um R&C?

BCOOL, eras lindo se me ajudasses a fazer o IRS que não percebo nada desta merda :|