quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Os onze da minha vida (peço, desde já, desculpa aos que ficaram no banco de luxo: Artur, Luisão, Aldair, Miguel, Schwarz, Thern, Kulkov, Ramires, Isaías, Paneira, Simão, Diamantino, Saviola, Magnusson, Cardozo)

Ninguém me convence de que o melhor sítio para pensar não é a casa-de-banho. É lá que, entre nevoeiros, cheiros fétidos, manchas de humidade, roupa suja e cemitérios de champôs, a magia acontece. Pode ser sentado - em prantos ou em desvarios - ou em pé, olhando os ladrilhos – mas o sonho, a ideia, o pensamento, esses alimentam-se do espaço contíguo e desfazem tectos e soalhos, ultrapassam os telhados e só acabam lá longe, onde o céu acaba, o mar recomeça e o silêncio sepulcra novos mundos. 

Quantas vezes não dei por mim, entre vociferantes ondas gástricas, a ser irradiado pela luz cerebral? Ou de olhos fechados, chuva caindo aos bochechos pelo corpo, pensando e dirimindo geniais tratados de coisa alguma? Que o sonho ou a ideia não se concretizem para lá das paredes do espaço contíguo não será culpa de quem os idealizou mas da passagem irreflectida para o hall da casa, onde, como todos sabemos, ninguém pode reflectir decentemente, visto que as zonas de passagem fazem transbordar os pensamentos pelas frestas da porta, prédio acima, até à cozinha da velha rabugenta que logo atrai o mau karma, despedaça no chão as palavras e as varre lentamente para um canto onde as apanha, em cacos, e as mete no lixo. 

A culpa máxima de tudo isto – está bem de ver – não é desse sagrado lugar de peregrinação, recolhimento e meditação que é o lavabo, mas o facto de existirem outras partes da casa. Não houvesse nada mais e o mundo seria um reluzente jardim de espelhos de onde saíam, em jorros, constantes e alucinantes sonhos, ideias, utopias que nenhum homem poderia não alcançar. 

Seria assim: uma porta e uma casa-de-banho. A pessoa entrava – já descalça para não pisar os poemas -, sentava-se, libertava o que tinha a libertar e, nos entretantos, resolvia a fome em África e o conflito israelo-palestiniano. Depois levantava-se, limpava meticulosamente as arestas do texto, deitava as palavras que não interessavam, puxava o autoclismo e a água filtrava-se por dentro das paredes até surgir, qual imaculada fonte de frescura, nas casas dos outros e assim sucessivamente e assim sucessivamente e assim sucessivamente. 

Não havia nada mais para além disto: cagar e pensar. E às vezes, mais raramente, pensar e cagar! Tudo o resto, sem relevo. Tudo o resto, couves. Das quais, umas, se faziam cérebros e, de outras, alimento para o intestino. Num mundo destes, haveria alguma vez lugar para Fátimas Felgueiras ou Isaltinos Morais?

De modo que, num destes procedimentos quotidianos – imaginemos que o seriam -, dei por mim a reflectir sobre um post para este blogue. Foi um dia em que havia esgotado todas as Magalis e os Cascões, não me apetecia Chicos Bentos e nunca tive pachorra para o Cebolinha, que me lembrei de fazer um texto sobre o melhor 11 do Benfica que eu vi jogar. Bem sei: o Visão de Mercado é que tem essas ideias. Mas, caramba, eu não pretendo clicks na puta da publicidade nem tenho quase 3 milhões de leitores. Acho que me posso dar ao luxo de, dignamente, cagar as minhas ideias. Ou não?

E ele é muito simples, não requer explicações nem meias medidas. É tão evidente que nem precisei de ganir sentado. Talvez nem tenha chegado a mijar decentemente e já os 11 do Benfica vinham-se-me ao espírito de forma inatacável. E reza assim:






                               




























61 comentários:

anauel disse...

Belíssimo onze!


Fossem os deuses capazes de reunir este onze, ao mesmo tempo, em campo, e o Barça que se cuidasse...

Constantino disse...

11 cá do je:

1. Saint Michel (sei que é heresia não considerar o bento, mas... o Michel sofreu de um virus que nunca afectou o Galrinho, o "pessimus colegus")

2. Veloso (grande lateral direito, péssimo pai. Respeito mais o nene como pai do que o Veloso, por razões obvias)

3. Mozer (conquistou-me no dia em que travou o semedo na Luz, com uma placagem em voo horizontal. Ao pé dele os coutos e os bichos eram meninos)

4. Ricardo (escrevo so Ricardo porque era o nome dele na 1ª passagem, aquela que realmente valeu. Quando lhe acrescentou Gomes deixou de correr como deve ser, parecia o sokota, não dobrava os joelhos. Contudo... classe, tanta que ate fazia espécie)

5. Hans Jurgen Stefan Schwarz (o coentrao perde por 2 razoes simples: so fez 1 epoca e meia na lateral e saiu feito badameco. Schwarz foi o tipo com melhor nome completo da historia do SLB. Em termos de nome proprio a luta é entre o Minervino e o Tamagnini).

6. Thern (o sueco mais latino da historia, ate porque o Larsson era o mais jamaicano. sousa nunca pode ser considerado devido àquela forma cobarde como nos deixou. E pensar que depois ficou todo chateado quando nao o deixaram acabar a carreira no SLB)

7. Diamantino (aquela lesão...aquela lesao....aquela lesao....aquela lesao....aquela lesao...)

8. Valdo (o unico jogador que vi, antes do Saviola, que não precisava de se mexer muito para fazer um grande jogo. Há pés que têm olhinhos, os dele tinham telescopios)

9. Cardozo (adorei o Mats Tuve, mas contra numeros não há argumentos. Nene já apanhei em final de carreira e ao águas nunca vou perdoar aquela traição)

10. Chálana (sim com acento no 1º "a" porque era assim que se dizia. A prova que para se ser um grande jogador não é preciso ser alto nem ter uma gaja boa)

11. JVP (era para lhe dar o nº8 mas nunca ia dar o numero do corno ao Valdo. Este puto tambem sofreu do virus "pessimus colegus" ao qual juntou o "presidentus idiotus")

Não vou falar de todos os que esqueci, apenas um que não inclui: Isaias Marques Soares. Tal como já escrevi num post, este tipo não pode ser considerado para nenhuma lista dos melhores, pois não era nenhum craque nem era idolo. era um fetiche, foi o máior. Avé Profeta!!!

Abraço

Mike Portugal disse...

Constantino,

Até eu Sportinguista acho uma heresia não colocares o Rui Costa no teu 11.

Anónimo disse...

Ó Sportinguista, o RUI COSTA está no 11!!!

Constantino disse...

Mike,

Vi o Rui Costa jogar 3 anos a sério no SLB e mais 2 anos para fechar carreira, exactamente o mesmo que o Valdo. Entre os 2 sempre preferi o brasileiro (sentimentos benfiquistas àparte). Escolhi estes 11 avaliando o que fizeram no SLB, não o que fizeram noutros clubes. Admito que é discutivel, mas...

PS - esta minha ligeira aversao ao endeusamento do Rui Costa (que foi um grande jogador, sem duvida) vem do facto de o homem ter estado uma vida inteira a dizer que queria voltar ao SLB e com 30/31 anos terminou o contrato com o Milan e...renovou-o. Era essa a altura ideal para o regresso, não era com 34 anos.

Abraço.

Mike Portugal disse...

Anónimo,

O meu comentário referia-se ao 11 do Constantino. Isso é o que dá ler as coisas na diagonal.

Ricardo disse...

Constantino, antes de mais, um agradecimento: obrigado aos teus pais. Num dia de merda como o que estou a viver, só mesmo a "excelência de conteúdos" que trazes sempre ao blogue (tu e o Mário Crespo, só que ele vem como anónimo) para me fazer ver mais uns farrapinhos de sol.

Depois, e porque em vez de explicar os critérios, andei a dissertar sobre casas-de-banho, impõem-se explicações sobre o meu 11 (afinal, vou ter de dá-las): basicamente não tenho critérios. Não me chateio com os gajos (caso contrário, Coentrão e, especialmente, Paulo Sousa não estariam aqui), não tenho número mínimo de anos a bombar no Glorioso, não penso em mais nada, além deste facto: quem é que me maravilhou para além do possível em cada posição? Foram estes. Aliás, eu atirei para uma equipa um bocado naquela, que esta merda ou resultava em goleadas monstruosas ou em falhanços catastróficos - bastava ali o Chalana começar a ficar nas covas, o Valdo começar a olhar para as botas, o Rui Costa a olhar o público em prantos e lá tinha de vir o varredor Paulo Sousa até à baliza adversária e os centrais canarinhos atrás dele, deixando 3/4 do campo para o Veloso a coçar o bigode e o Michel a pentear os galhofeiros e farfalhudos caracóis. Não há critérios. É: carne toda no assador. Um génio como médio defensivo (só Redondo se lhe equiparou; formação da casa, vejam bem, produto do Seixal mas um Seixal que era ao pé do Estádio) e quantos 10, quantos? 3!!! Toma! E, na frente, soltinhos, vindo de trás ou da frente, pelo meio, em curvas, nas linhas e entre-linhas, no espaço, Chalana e João Pinto! Coentrão a fazer o corredor e Chalana a reeditar Euro-84 em que, com Álvaro, competiam entre os dois para ver quem ficava mais tempo junto à bandeirola de canto do adversário - "eh pá, espera ai que eu agora sou", "caga, eu vou também", "então mas... e o Platini, caralho, e o Tigana, e o Fernandez, os gajos vão foder-nos o lado esquerdo", "que se fodam, faltam poucos minutos, é carregar mais ainda sobre os francius". Veja-se a expressão de Chalana, antes do remate: loucura, loucura pura, Chalana olha a bola mas vê a cara da sua mulher, com o corpo todo metido dentro da relva, estilo brincadeira de praia. "Espera aí que é já a seguir!".

Uma equipa de loucos, esta. Ou Champions ou descida de divisão. Mais Champions.

LDP disse...

Mais do que acordo com o 11 escolhido, Ricardo.

No banco acho que Enke fez mais do que Artur até agora, e o Isaias deu-nos muito. Màximo respeito pelo Thern - um jogador de uma sobriedade pouco comum mas sempre tive a sensaçao que nao explodiu completamente com a nossa camisola - acho que Isaias nos fez saltar da cadeira mais vezes.

E concordo completamente com a inclusao de Paulo Sousa. Um dos melhores jogadores que alguma vez vi jogar. Ele nao ocupava o meio campo, o meio campo é que o ocupava.

Com o Camacho da primeira passagem este plantel dava Champions.

Ricardo disse...

Camacho?!?!? Agora é que borraste a pintura. A aventesma do "salir a empatar"? Meu rico Fernando Santos, meu rico Trtapattoni, meu rico Mario Wilson, meu rico Jesus, meu rico Heynckes, meu rico... não há mais.

Para esta equipa tem de ser o Toni. O Toni arrasava com isto tudo.

O vaqueiro Isaías tem de estar, claro. Que jogadorzaço! Que saudades.

O Artur entra porque eu acho que o gajo é mesmo o melhor guarda-redes a seguir ao Preud´homme. Melhor que o Enke. E para lhe dar confiança, que ele adora o nosso blogue (Abraço, Artur).

Constantino disse...

Porra, estamos juntos nisso do dia de merda. E por aqui me fico nesta materia.

Quanto ao treinador, o Camacho tinha a perspicácia tactica de um andrea bocceli. Aquele 4-4-2 todo em linha e certinho foi a resposta dos espanhois ao espalhanço de Aljubarrota. Serviu para guerra, politica, desporto (é a tactica que eles usam inclusive em modalidades individuais) e ate para a culinária (a paella é feita com base no 4-4-2). Só não digo que essa equipa era a ideal para o JJ porque me parece que tem 1 trinco a mais. Onde esta o sousa ele metia mais um avançado. Trappatoni, por sua vez era bem capaz de olhar para essa equipa e recuar o Chálana para trinco. Não sei se estão na mesma linha de raciocinio que eu, mas equipa sem extremos, 2 segundos-avançados e com 28 nºs 10.... Autuori...

Constantino disse...

Só mais uma notinha, de indolo historico: na foto do JVP, aquele tipo que aparece no cantinho inferior direito com um penteado tipo capacete será o nelson lagarto... a ver o menino de ouro fazer o hat-trick em alvalade? Não posso ter a certeza porque vejo uns ligeiros tons de azul na bancada. O lampião atras do JVP parece-me o Profeta, mais pela bracellete (pulseira é para tótós) e pelo diãmetro da coxa (tambem pode ser o sousa que acima do joelho tinha um dos pilares que sustentavam o 3º Anel e abaixo do joelho tinha a agulha com que tinham cosido as nossas camisolas).

Ricardo disse...

Autuori, coitado. Esse gajo foi um bocado injsutiçado. Não é que tivesse feito muito para merecer melhor mas, ao mesmo tempo, acho que aquilo era mesmo quase impossível...

Quanto à foto, claro que sim. Mas não é o terceiro (esse é de cabeça, num livre ensaiado magistralmente, de Ailton para Paneira, que cruza para o Isaías cabecear para a pequena-área onde aparece, ligeirinho, o nosso bebé), é o segundo. O gajo recebe a bola à entrada do meio-campo do Sporting, rodeado por Figo, Paulo Sousa e Nelson, controla, começa a ganhar gás, meio em desequilíbrio (veja-se o bracinho na foto, meio que a voar estilo Águia Vitória... ou outra que não sei o nome, a que não é do Barnabé) e dispara. O Nelson (como não o Nelson? aquele penico na cabeça é Nelson, tem de ser Nelson, que era o mesmo corte de cabelo de metade dos gajos da nossa turma de ciclo) lá vai, coitado, faz o que pode, atira-se para o chão, o nosso menino continua, finge que vai meter no Paneira, parte o tronco todo do Vujacic (que ainda hoje pede doações de rins e não só), o Sousa (esperto!) ainda vê que aquela merda vai dar merda e aproxima-se, mas era tarde. O menino atirou ao cantinho, Lemajic chorou, Vujacis chorou (de dor), Sousa chorou ("o que é que eu vim para aqui fazer?"), o Sporting chorou e os adeptos, que nessa altura cantavam "e quem não salta é lampião" calaram-se que nem ratos e nunca mais ninguém os ouviu. Ainda hoje há quem esteja em casa, virado para a parece a perguntar à esposa, que já morreu: "o jogo já acabou, já, já?", em tremeliques e pesadelos dourados.

Isto tudo para dizer que aquele cabelo é do Nelson. Estou mesmo num dia fodido.

SLB4EVER disse...

O Chalana com o bigode farfalhudo leva a taça. LOL
Grandes players, o Sousa como o Constantino trocava pelo Thern, R.Costa, Valdo e Aimar é complicado escolher entre 1 deles percebo que escolhas os 3.
Dos mais recentes nomes como Di Maria, Ramires e Miccoli tb custa muito deixar de fora de qualquer lista.
Isaías o pontapé canhão grande fé que o homem tinha, pontas de lança o Mats e o Cardozo são as grandes referencias.

Treinadores o Trap leva a taça, a sua postura, conhecimento e paixão pelo jogo fazem dele o meu fetiche de treinador. Ainda hoje tenho insónias quando me lembro a pressa que o LFV teve em se ver livre dele... Depois vem o Erickson e finalmente o JJ.

Bcool973 disse...

Caros, estamos no mesmo barco. Eu odeio o Marreco piolohoso e nunca poderia estar num onze meu. No teu onze Ricardo critico esse marreco traidor de merda piolhoso, que passava fome em repeses, a falta de um avançado, o optares pelo Rui Costa em vez do Paneira, não consigo desculpar o Veloso por um dos maiores momentos de tristeza, não há por aí uma ponta nem para um Carlos Manuel, nem para um Diamantino, nem para um Nené ou um Humberto, ídolos da minha meninice, quando comecei a gostar do Benfica. Treinador, obviamente que o Ericson ou o Mortimore sendo o adjunto o Toni:
GR-Michel
LD-Bastos Lopes
DC-Humberto
DC-Mozer
DE-Fábio Coentrão
TR-Thern
MD-Vitor Paneira
MC-Valdo
ME-Pequeno Genial
2A-Menino de Oiro
PL-Taccuara
Banco
GR-Manuel Galrinho Bento (1,68m de altura)
DC-Ricardo
DE-Schwarz
MD-Carlos Manuel
MO-Diamante
MO-Pablito
AC-Magnusso

Bcool973 disse...

Aliás se calhar entre o Magnusso e o homem que não sujava os calções acho que prefiro o 2,º

Éter disse...

Ricardo, cada um terá o seu onze ideal e isso será sempre muito subjectivo. Eu, por exemplo, teria sempre que meter o Paneira a fazer miséria sobre a direita e a defesa esquerdo jogava o Schwarz porque apesar de achar o Coentrão mais jogador o sueco conquistou o meu coração desde muito novo (olha, ainda noutro dia estive num almoço com ele, sempre com aquela humildade, quase vergonha quando alguém lhe diz que é um grande fã dele). Em relação ao banco, o Ramires tem que caber aí. Só cá esteve uma época, é certo, mas nunca vi jogador igual no Benfica.

Ricardo disse...

Vamos lá ver se nos entendemos: este é o meu onze, escolhido com os meus critérios, com a minha vivência e afectada naturalmente pela idade que tenho. A ideia é que vocês dêem os vossos, com os vossos critérios e tudo o resto que vos apetecer dizer.

Dito isto, realmente custa deixar de fora Ramires e Mattgnusson - vou pô-los no banco (o banco daqui a bocado dá para 10 equipas).

Quanto a Bastos Lopes, Carlos Manuel, Nené ou Humberto, não os ponho porque não tenho uma memória viva de os ver jogar o tmepo suficiente para me lembrar com detalhe. Só isso. Claro que são grandes figuras e que, para os que são5 aninhos mais velhos que eu, entrarão de caras, ou no onze ou no banco.

Bcool, o Rui Costa nem no banco?

Éter, o Schwarz custa-me muito também, porque gosto muito dele. Mas, em termos de genialidade, acho que o Coentrão supera. Apesar de o sueco ter sido um grande jogador.

É muito fodido.

Éter disse...

Em relação ao banco é realmente ainda mais complicado porque corre-se o risco de cometer muita injustiça. Queres outro que cabe lá de caras? O Shéu. Um jogador com uma classe e inteligência bem acima da média mas que acabava por estar sempre na sombra dos mágicos do plantel.

E o Bento, pá? De certeza que ainda o viste jogar. Esqueceste-te dele ou achas mesmo o Artur melhor?

Ricardo disse...

São dois casos semelhantes: quando comecei a ver bola com olhos de memória (comecei a ir ao Estádio por volta de 84 mas só me lembro aí de 87, 88), os dois estavam no fim de carreira. Merecem, claro, merecem tudo, eu é que não tenho essa experiência sensorial ao vivo e vezes suficientes.

Não me esqueci do Bento. Só acho falso pô-lo, tendo em conta os meus critérios. Acho que para qualquer gajo que o tenha visto ele estará na equipa. Para uns, a titular, para outros, como primeiro suplente.

Constantino disse...

Ricardo,

Disse que o Nelson estava a ve-lo fazer o hat trick mas não queria dizer que era o 3º golo. Neste o Nelson (ou seria o capucho) estava a ser atropelado por um 747 ao segundo poste. É o segundo golo, concerteza. Agora tenho é duvidas, sem ver o golo, de que o figo e o paulo sousa lá estivessem. Se bem me lembro ainda estavam os 2 às voltas no outro lado da entrada da área, onde o JVP os tinha deixado no 1º golo "vis-te onde ele se meteu?" "não, e tu, viste onde ele se meteu? "eu tambem não, pergunta ao lemajic"... naquele 14 de maio de 94 o lemajic foi o unico lagarto que soube sempre onde andava o JVP "ainda hoje eu lembra bem onde estar joao pinta... estar sempre festejar gois... e foram 6 gois".

O vujacic no 2º golo ficou com o rim direito tão maltratado que no ano seguinte o queiros (na altura nao era queiroz com z) teve que o tirar do centro e meter na lateral esquerda. Este afastar do centro de decisões dos jogos tornou-se mais evidente na 3ª epoca como lagarto quando passou de lateral esquerdo para o banco de suplentes esquerdo e na 4ª epoca abandonou o banco para ir mais para a bancada. Dizem as más linguas que depois do 2º do JVP o vujacic ficou com menos capacidade motora nos membros inferiores do que o cherbakov...

Bcool973 disse...

Ricardo, eu sou como o Tino, achei mal aquela renovação com o Milan quando tanta falta fazia no Benfica, tal era a carência de qualidade, mas alargando o banco, entrava, mas nunca antes do profeta. Foda-se com essa da idade sinto-me velho e ainda nem cheguei aos 40 ... O Bastos Lopes só o coloco porque nunca perdoei o penalty falhado (até pensei no José carlos vê lá) e porque o veloso sempre foi um tapa buracos, jogou a lateral direito e esquerdo, a trinco e mesmo a central sem nunca se ter especializado num lugar.
Num banco mais alargado:
Profeta
Rui Costa
Magnusso (porque tinha perdido o lugar para o homem que teve um filho que jogou nos juniores do glorioso e se transformou em gaja)
Stromberg
Álvaro
Shéu
Kulkov
Enke (vamos ver o futuro do artur para ver se tira o lugar ao alemão)

LDP disse...

Eu lembro-me de ver o Camacho pegar no Benfica e ganhar logo no dia a seguir ao Braga. Uma semana depois espetava dois golos sem resposta em Alvalade. De Novembro até ao fim do campeonato perdemos apenas duas vezes, com o Jesualdo dias antes até do Varzim levàmos...

Se é ele que começa aquele campeonato em vez do Jesualdo nao sei nao...mas là a norte sò mesmo o Mourinho para ser campeao com o Jankauskas e o Postiga na frente..

Penso que muita da malta que diz mal do Camacho o faz porque na segunda vez que passou pelo Benfica a coisa foi muito negra. E foi. Mas mais uma vez foi ele a limpar a merda dos outros (fernando santos).

Hattori Hanzo disse...

Esta seria a minha equipa: Saint Michelle, depois na defesa apenas trocaria o Coentrão pelo Schwarz (até porque este era também um excelente trinco e teve mais tempo por aqui), Depois Paulo Sousa (é verdade que é um traidor da pior espécie e acreditem que é preciso muito para eu dizer isso, mas que jogadorzão, para mim da "geração de ouro" era o melhor), mais Diamantino, Chalana e Aimar e à frente João Pinto e Nené. No banco ainda daria para um Bento (que lutaria taco a taco com o belga... se não fosse aquela lesão no Mundial de 86, não sei não), Aldair, Álvaro (ninguém se lembrou dele, será apenas fetiche meu?), Thern, Rui Costa, Isaias e Magnusson). Quanto a treinadores Mortimore (como é possível despedir um treinador depois de uma dobradinha???. É verdade que foi na época dos 7-1, mas essa foi a única derrota nesse ano em portugal), ou Erikson, com Toni com adjunto. Estou com o LDP sobre a questão Camacho: muito fez ele. Acho-o fraco em questões tácticas, mas é muito bom na parte motivacional (um pouco como o Scolari por exemplo) e foi alguém que sempre me pareceu digno. O título de Trapatonni é muito graças a ele, que esteve 2 anos a fazer uma equipa. E Ricardo por favor não o compares a Fernando Santos, que entre outras coisas padece do mesmo mal do Jesus (já ninguém se lembra de chamar gordo ao Miccoli por exemplo) e é outro dos que resulta apenas no Porto (Ok... também na Grécia, mas aí até o Otto Rehhagel dá pá. Só mesmo o Juju é que nem aí consegue triunfar). É verdade que ele tem um grande feito, mas só esse e que diz bem da sua qualidade: único treinador nos três grande que conseguiu ser eliminado por equipas da 2º divisão (no Porto com o Feirense em casa!!! e no dia seguinte o Pinto da Costa teve de o proteger pois ía sendo linchado pelos adeptos, no Sporting com o Setúbal e no Benfica com o Varzim).

Ricardo disse...

És cruel, Bcool, não deixas passar nada!

"limpar a merda dos outros (fernando santos)"

Eu um dia ainda hei-de perceber a tara que os benfiquistas têm com o Camacho e a raiva pelo Fernando Santos. É que, para mim, entre um e outro há uma diferença clara: um é um bom treinador, o outro é um mau treinador. Sendo que o bom não é o "salir a empatar".

O Camacho teve uns bons meses no Benfica, no princípio, enquanto aguentou a coisa com garra e esforço e tal. Depois mostrou-se tal qual é: fraquinho.

Já o Santos fez um excelente trabalho, com um plantel que não valia metade do actual. Com este plantel, o Santos tinha tinha sido campeão o ano passado. Foda-se, eu lembro-me bem daquela época: bom futebol, competitividade, lutou até ao fim pelo campeonato, não passou às meias-finais da Taça Uefa por manifesto azar. Aquele jogo contra o Espanyol foi um autêntico massacre de bom grande futebol!

E depois foi escorraçado da maneira mais vil pelo rei dos pneus. Mais uma para o currículo do nosso líder.

Berrante De Encarnado disse...

Embora adore o nosso Maestro - o da casa -, não posso deixar de concordar com o comentário do constantino que tem um "PS" sobre Rui Costa.

Aos 30/31 anos, aquando do final do primeiro contrato com Milan, tinha sido a altura ideal, tanto para nós como para ele, que acabou por ser ofuscado por Kaka nos anos seguintes. Tivesse Rui vindo por volta dos 30 anos e seriam como que 4 anos de Aimar, antes de vir o Aimar. Isto sem querer entrar em comparações entre os dois.

Mas o dinheiro, meus Srs., o dinheiro. Aos 30/31 anos um jogador daquele calibre ainda tem objectivos a cumprir do ponto de vista financeiro.

É perfeitamente desculpável, assim como os adeptos do River Plate com toda a certeza desculparão Aimar no futuro, caso ele renove com o Benfica e não corresponda ao insaciável desejo de uns por demais desesperados Argentinos.

Cumprimentos benfiquistas

LDP disse...

Ricardo, assim puxas-me para argumentos comichosos...é que com arbitragens contra nòs como Guimaraes ou Braga do ano passado, e outras que "obrigavam" certas equipas a ganharem aos 2 e 3 jogos seguidos com 1-0 de penalty kafkiano, nem com o Mourinho e esse onze que apresentaste serias campeao.

Bcool973 disse...

Gostava de referir algo importante, a Argentina não é como Portugal. Lá as claques são bandos de criminosos que extorquem dinheiro a jogadores e treinadores para poderem pagar as suas deslocações. Ameaçam jornalistas e vivem completamente acima da lei com o beneplácito das autoridades locais. Os super ladrões ao pé deles são uns meninos de coro. Qualquer argentino que preze a sua família opta por não voltar à Argentina, pois além de contratos piores ainda tem que levar com aquela escumalha. Eu estive na Copa América este ano e falei com dirigentes daquelas bandas, bem como população local. Aimar pela cultura que tem, não pretenderá sujeitar a família, crianças pequenas, a ambientes violentos, por muito que goste do River, pelo que sendo acarinhado no Benfica estará disponível para acabar cá a carreira

Ricardo disse...

São opiniões, Hanzo. Ainda bem que não concordamos sempe. É mais giro, assim. :)

É isso, Berrante. É isso tudo.

Pois, LDP. Mas isto aqui estamos no plano da utopia: "imaginemos que os árbitros não nos fodem a torto e a direito" e depois, sim, continuamos a conversa. Neste momento, é isso: estamos a imaginar que não há um clube corrupto neste país. Não é que quase todos fazem?

Bcool, parece-me que o Aimar, se voltar já este ano, será para fazer no máximo uma época e acaba a carreira. Acho que não está a pensar em jogar muitos anos na Argentina. Eu apresentava-lhe uma proposta para mais dois anos com mais um de opção, dependendo de como chegar até lá. E depois outra para ficar no clube. E Aimar a Presidente?

Anónimo disse...

Estou hesitante entre Eusébio e Cardozo. A qualidade dos dois é muito semelhante. Falo da qualidade actual, claro.

John Billy #32 disse...

O melhor onze de sempre:
Roberto,
Luis Filipe, Bermudez, Paredão, Rojas
Michael Tomas,
Balboa, Uribe, Manú
Pringle, Glen Helder

jzz disse...

só duas questões:

No banco, Miguel??????? porquê???

Fernando Santos? Bom futebol? Azar no jogo com o espanyol?

Eu fui ao estádio olimpico de montjuic ver a primeira mão, e não me parece que deixar o Rui Costa no banco para pôr o João Coimbra seja azar.

Constantino disse...

Nunca fui o maior fã de Camacho apesar dos resultados que teve e considero errado dizer que com melhores jogadores teria feito ainda mais. Sei que é uma opinião polemica, mas camacho é o jaime pacheco espanhol: um belissimo treinador com jogadores de combate como era o rocha, o aguiar, o petit, o tiago (so refinou lá fora), ate o cromo do sokota, mas com jogadores mais evoluidos tecnicamente que pedem outra coisa que não garra, perde-se. Camacho foi acima de tudo um organizador do dept de futebol, um tipo que delineou limites, o melhor, a teoria de que se não havia dinheiro para craques, tambem nãos e compravam nabos. Por isso esteve 2 anos no SLB com o mesmo plantel e ai sim, formou a estrutura que depois o trapp levou ao titulo. Se o espanhol seria capaz de dar este ultimo passo, tenho duvidas, mas foi uma excelente lebre pelo que conseguiu impor ao LFV. Parece-me que foi Camacho que mostrou a LFV o que é ser presidente de um clube grande e nisto temos que estar todos agradecidos. Foi brilhante com uma equipa feita à sua medida, mediocre com jogadores de otro treinador (nao esquecer que com Camacho o Cardozo era suplente do Makukula, um jogador...de combate).

Quanto ao santos... odeio-o...odeio-o...odeio-o. O unico treinador que vi no SLB a defender derrotas pela margem minima. para mim...hediondo.

Bcool973 disse...

Acho que o fernando santos padece do problema do peseiro e por vezes do jesus que é a falta de cabeça e de capacidade para gerir os momentos de jogo. O jesus parece ter melhorado este ano. Isto para dizer que também eu tive em Montjuic e a equipa jogou de uma forma muito assimétrica, alternando o péssimo com o óptimo sem qualquer meio termo. Fiquei convencido que na luz se resolveria a contento, mas a exibição foi demasiado tristonha e incapaz

David disse...

Pois a mim ninguém me convence que o Fernando Santos não foi uma das pessoas mais sérias e competentes que passou pelo futebol do Benfica nos últimos anos. E ninguém me convence que não teríamos ganho títulos nesse ano (a liga e eventualmente até a UEFA) não fosse o palhaço que dá pelo nome de Laurentino Dias ter decidido perseguir o Nuno Assis. O Laurentino foi das figuras mais sinistras que passou pelo desporto português. Só moveu aquela pança para perseguir o Nuno Assis, o Carlos Queirós e para inaugurações disto e daquilo. Não lhe conhecemos qualquer contributo positivo para o desporto nacional. Enfim...

Sem o Nuno Assis, que estava a jogar o melhor futebol da sua vida e a prometer uma segunda volta de nível, o Benfica ficou com plantel demasiado curto para aspirar a mais do que aquilo que fez. Convém lembrar que o plantel do Fernando Santos não tem nada a ver com os planteis que Jesus tem tido à sua disposição.

Depois o LFV fez uma das maiores canalhices da história recente do Benfica ao minar a época seguinte para colocar no clube o D. Sebastião. A gestão desportiva daquela pré-época foi extremamente danosa para o clube, o culpado foi só um e continua por lá a mandar, impune.

Quanto ao meu 11: sendo mais novo não posso incluir Chalanas e afins. O meu primeiro ídolo foi o Rui Águas. Mas rapidamente foi substituído pelo Menino de Ouro, esse sim, aos olhos do meu coração, o melhor jogador de todos os tempos. E falta o Poborsky no banco, pá! E já agora o Mantorras. A sério! Lembram-se do Mantorras quando chegou ao Benfica? Lembram-se do potencial do gajo? Era um monstro de jogador! Depois, mesmo com o joelho escavacado, foi um elemento fundamental no ano do Trap. Acho que merece que o nome dele venha à baila nestas conversas.

Cá vai um 11 honesto, entre os meus preferidos de tempos mais recentes e as recordações dos inícios dos anos 90 que considero fiáveis e objectivas. É que nestas escolhas facilmente cedemos ao peso do romantismo e da nostalgia.

Saint Michel
Veloso
Luisão
Mozer
Coentrão
Schwarz
Simão
Aimar
Poborsky
JVP
Mantorras

Ricardo disse...

John, enorme onze! Para garantir a vitória na 2ª B, zona fundo do mar.

Jzz, calma, com tantos pontos de interrogação ainda o Jesus que tens na foto se cospe todo.

O Miguel foi, ali uns dois anos, um dos melhores laterais do Mundo. Opinião pessoal, claro.

Não falo de Montjuic, embora aqueles últimos 30 minutos, depois de estar a perder 3-0, tenham sido de uma qualidade fantástica. Pergunto: as equipas de Jesus, se tivessem a mamar 3-0 fora num jogo com uma boa equipa europeia, teriam capacidade mental para marcar dois e criar mais duas ou três ocasiões de golo claras? Fica a pergunta. Sem tantos pontos de interrogação.

Constantino, não vejo tanta importância na passagem do Camacho pelo Benfica mas não me custa admitir que teve, pelo menos, o mérito de organizar o caos em que se encontrava o Benfica nesses tempos e de, coisa rara, meter o Vieira no sítio. De resto, Camacho mostrou muito pouca qualidade.

Odeias porquê? Falas do jogo em Barcelona?

Bcool, o jogo na Luz foi um desfilar de ocasiões de golo - mais do que esse só me lembro de um jogo em casa com o Inter (que antecedeu a ida a Milão e derrota por 4-3) - com o... Camacho. E também aquele jogo, acho que com o Santos, em que massacrámos o Boavista e empatámos 0-0. Esse jogo, então, foi de perder 50 anos de vida (sim, morreremos nos próximos minutos...).

David, não tenho nada a dizer. Comentário que diz o que penso. Palavrinha a palavrinha.

LDP disse...

Se o Mantorras tem entrada no banco entao devemos incluir também o Di Maria.

Constantino disse...

Ricardo van wolfswinkel,

Mais do que o de montjuic, houve 2 jogos que nunca lhe perdoei:

copenhaga para a champions (equipa que via uma bola pela primeira vez e o SLB a trocar bola entre os centrais durnate 89 minutos. Aos 90 tentamos jogar e mandmaos uma bola ao poste. o Santos na conferencia "tivemos azar, fizemos um grande jogo mas aquela bola ao poste"... foi o unico remate que fizemos)

psg para a liga europa - depois de estarmos a ganhar vem aquela confusão do luisão-david luiz que o pinoco do santos podia ter prevenido no jogo antes nas aves onde jogou com o katso a central em vez de estrear o puto (foi daquelas merdas que se via ia acontecer porque o luisão estava preso por menos arames ainda que o Zahovic). Depois deixamos dar a volta ao marcador e ficamo-nos por alia defender o 1-2 contra uma equipa de merda (repara que o meu respeito por equipas francesas é pouco mais que residual).

Anónimo disse...

"Pergunto: as equipas de Jesus, se tivessem a mamar 3-0 fora num jogo com uma boa equipa europeia, teriam capacidade mental para marcar dois e criar mais duas ou três ocasiões de golo claras? Fica a pergunta."

Não tenho a mínima duvida. O mais certo era sofrer mais um ou dois no contra-ataque, mas acardito que criávamos algumas ocasiões de golo.

POC disse...

Mais um para o dia de merda...

Existe um, que esteve cá só 6 meses, mas a mim deixou-me saudades. Na altura eu achava-o o melhor do mundo na sua posição. Julgo que não andaria muito longe disso. Sempre simpatizei com ele. Carlos Gamarra. Doeu-me quando saiu.

Compreendo que não entre na equipa ideal. A dupla escolhida é provavelmente a melhor. Mas no banco, e pela qualidade, talvez merecesse um lugar. Mas não fez história, claro.

Entretanto, o porquê dos preservativos do Benfica, aqui:

http://simaoescuta.blogspot.com/#!/2011/11/preservativos.html

LDP disse...

POC,

O Gamarra, o Ednilson, o Marchena, o Leo, o Dimas.

O Dimas, Ricardo, bem sei que com Coentrao e Schwartz jà hà pouco espaço, mas o Dimas foi um gajo que nao falhou nada no Benfica. Chegou e ascendeu a titular, ganhou o seu lugar na Selecçao e alcançou a Juventus.
E a Juventus naquela altura nao comprava um qualquer estrangeiro para o seu plantel. Se nao estou em erro tinha Zidane, Deschamps e Boksic e um argentino ou brasileiro e o nosso Dimas.

Ricardo disse...

Na altura, chamaram-lhe tudo, quando se criticava a chegada de um puto da 10ª divisão brasileira. Há outros exemplos que nos provam, além de outras qualidades, a capacidade de identificar talento que o Santos tem. E continua a ter. A sua carreira depois do Benfica é de sucesso. Já a do Camacho tem sido a miséria total.

O PSG, em casa, é uma equipa dificílissima. Foi aquando dessa passagem e foi o ano passado. As pessoas parece que falam nesse jogo como um jogo que era de caras.

Anónimo, criar ocasiões e... marcar dois golos? Tenho dúvidas. É, aliás, uma das falhas maior do Jesus: não sabe moldar as equipas para uma atitude mental elevada. Se o Benfica está a perder, raramente dá a volta. Quantas vezes o Benfica de Jesus virou um resultado em 2 anos e meio?

POC, o Gamarra só não entra por isso mesmo: esteve cá apenas 6 meses. Que jogador!

Os preservas Benfica vendem-se onde?

MM disse...

A maioria (talvez) dos nomes do 11 são gente que não o serviu durante grande tempo.
É isso que faz do Benfica, hoje (últimos 20 anos), um clube que mais não é do que a sombra de algo que já foi. Dificilmente poderá chamar-se grande (larga perspectiva, embora não completa), quando as referências são tão poucas ...

Ainda assim, um muito bom 11, com óbvios destaques para o gigante na baliza, o primeiro dos centrais (admirador de Carlos Mozer confesso-me), o médio mais recuado - lá está, quantos anos esteve ele na equipa sénior do benfica antes de mudar-se para Alvalade?, brilhar, e partir para uma carreira que lhe deu 2 ligas dos campeões com clubes diferentes? -, os óbvios Rui Costa (subscrevo as "críticas", que não o são, mas a problemática existe), o enorme João Leão Pinto, e o contemporâneo Aimar.

3 Sportinguistas no 11.
E o pai de um Sportinguista a envergar a braçadeira de capitão.
Sobre este último, nada a dizer.
Os outros 3, penalizam-vos. Na perspectiva abordada: falta de referências ...

Ainda assim, apraz-me ver que o ódio para com o Fábio Coentrão desapareceu. É assim mesmo amigos do Benfica: deu-vos muitos milhões, 1 campeonato, e deixou sempre tudo em campo. A dívida, a meu ver, foi paga.

Abraços ao Ricardo e ao João Leão Pinto, avô de um infante Sportinguista feio sócio do mais titulado clube de Portugal, ainda em bebé. Viram a fotografia na altura? Muito bela. O bebé no colo de João Pinto vestido de verde-e-branco ostentando a prova do seu associativismo.

O Sporting é muito emocionante, algo que João Pinto descobriu - infelizmente - já muito perto do fim dos seus melhores anos.

SLB4EVER disse...

O Santos é bem mais evoluido que o Camacho, sérios ambos são, o problema do Santos para mim era a sua mentalidade qd passou pelo SLB, parecia entrar sempre a medo e isto nunca me agradou. O Camacho é bom para equipas de combate sem grandes artistas.

O Miguel é bem lembrado Ricardo, foi um dos melhores laterais direitos que passou no SLB que acompanhei, só faltava mesmo fazer bons cruzamentos a sua grande lacuna, a forma como saiu é que foi parva, até para ele, se tivesse aguentado mais talvez saisse para melhor clube.

O JJ foi colocar o Aimar de início com a chuva que está e o Simão no banco, tá mais que visto que ñ conta com ele, desperdício... Oliveira e Mora no ataque, vai ser interessante!

Ricardo disse...

MM, tentativa falhada.

Agora tenta assim:

- sem mentiras
- sem sentimento de inferioridade
- sem falar no Sporting
- com respeito pelo Benfica (escreve-se com "B", não com "b")
- com amor pelo jogo e pela discussão sobre grandes jogadores
- com gozo pela troca de ideias, sem mais.
- com desportivismo.

És tão capaz, MM. Vamos lá.

Aos queridos benfiquistas: gosto do 11 escolhido pelo Jesus. Gosto muito. Oportunidades a Eduardo, Miguel Vítor, Capdevila, Amorim, Mora e Oliveira; manter o ritmo a Luisão, Garay, Javi, Aimar e Nolito.

Acredito muito no Mora. Acho que temos uma pérola ali. Para além de Oliveira, claro.

Bem, Jesus.

Ricardo disse...

SLB4EVER, não podes mudar radicalmente a equipa. Este jogo é para ganhar, não pode haver surpresas. Concordo com a entrada do Aimar.

SLB4EVER disse...

Eu sei e percebo isso mas o Aimar esteve com problemas físicos e o relvado está uma desgraça e continua a chover , preferia que só entrasse caso fosse mesmo necessário.

Ricardo disse...

Há alguma regra em Portugal para foder o Benfica em todos os jogos?

2 penáltis por marcar. O que é estranho é que um gajo já quase leva isto na boa. Estes lances, se fossem na nossa área ou no ataque do Porto são sempre - SEMPRE! - marcados. A nosso favor, não. E toda a gente - comentadores, ex-árbitros, adeptos - dizem que está bem. "Pode ser marcado ou não...". Quando é que acaba a corrupção neste futebol? 30 anos não chegam»

MM disse...

Ricardo, lol.

As mesmas mentiras sobre os títulos Europeus em 4 modalidades diferentes que o Benfica ("b" Capital, mea culpa) (não) tem?
Recordo há 1 mês ter-te explicado bem a questão. "Mentiras", para ti. Anteontem ou coisa que o valha o Henrique Salgado (Pai da Leoa) adiantou-te a mesma explicação.
Também é mentira?

Olha bem para o teu 11. Compara-o com nomes como Humberto Coelho, Eusébio, o Chalana que aí meteste, atletas que estiveram no Benfica 10 ou mais anos. Tenho a certeza que entendes onde quero chegar.

Não os metes no teu 11 porque naturalmente recordas outros mais recentes. Recordas os que viste, tal qual como eu, aqueles que tendo visto (tu), dizem-te incomparavelmente mais do que outros que estiveram no Benfica há 20 anos ou mais para trás.

A ilação é essa: não têm referências a esse nível há demasiado tempo. Certo? Apenas isso.

É o teu sentimento de inferioridade que fá-lo negar. O meu, garanto-te, não existe, e daí ter-te dito: grande 11; desconsiderado Veloso que pouco vi e Coentrão que nada me diz. Preud'Homme, João Leão Pinto, Rui Costa, Aimar, Sousa, Mozer e os restantes 1 ou 2: grandes jogadores, jogadores que admiro / admirei.

Sentimento de inferioridade?
Constatação: um clube sem referências jamais poderá ver-se como grande. Grande entreposto, mais isso ... em contraste com outrora, em que de facto comportavam-se como clube grande.

Daí reclamares mudanças para o teu Benfica: tens saudades de voltar a senti-lo como grande.
Estamos de acordo, julgo.

Com uma diferença: não te chamo mentiroso. Complexo algum a isso me obriga.

LDP disse...

Nao é dificil perceber a consciencia e know-how do MM sobre falta de referencias. Seja no que concerne a titulos ganhos, o ultimo, por exemplo, alicerçado em Joao Vieira Pinto e Màrio Jardel. Ambos referencias contemporaneas de porto e Benfica.

Mas também Paulo Sousa, Nelson, Ednilson ou Nuno André Coelho. Que num passado mais ou menos recente ocupam o seu degrau na piramide das referencias leoninas.

O pròprio Domingos. Que aparece hoje em alguns blogs numa foto do inicio deste século a festejar uma finalissima da Taça ganha pelo seu porto contra o sporting, com uma camisola verde e branca atada aos tomates. Uma referencia actual. A do Renascimento. Vamos ver com quantos penalties ainda.

Antes dele Inàcio ou Otàvio Machado. A unica coisa que une todos estes homens é a sua, deles, raiz. E todos sabemos qual é.

Sao estes alguns dos homens que servem de referencia para o sporting actual. Mas nem tudo é mau, pois jogadores que mantiveram a sua lealdade aquele clube também existem. O grande central Beto, ou Yanick, ainda Costinha, todos eles homens que equiparam de verde e branco época apòs época, nao porque a sua qualidade futebolistica fosse reduzida, que o era, mas somente porque nenhum clube por essa Europa fora conseguiria ter depois nas suas fileiras homens com tanto sportinguismo dentro. "Saudade", diziam eles. O Beto foi dado como certo no Real Madrid pelo menos em tres Veroes consecutivos, mas fez bem em continuar a treinar ali ao pé de casa.

Depois temos Capucho, Peixe, Quaresma, Moutinho, Futre...tudo homens que do alto do seu altruismo quiseram ir até ao norte espalhar a palavra de Nosso Senhor Stromp, qual cruzada dos tempos de el-rey D. Henrique I (consta que o cognome O Casto advém precisamente do seu sportinguismo e chegou a enviar 500 homens para iniciar uma guerra contra o ingles Ricardo Coraçao de Leao porque queria este titulo para si mas depois repensou quando descobriu que o bom do Ricardo tinha morrido 400 anos antes, jà Filipe III, 50 anos mais tarde é apelidado de O Grande porque as suas vestes eram sempre vermelhas. Tentou também ele mudar de cognome mas o papel na altura era caro e alguns monges copistas convenceram-no que Filipe III O Mais Maior Grande era uma chatice do caraças porque demorava quase duas semanas a escrever).

Diz o MM que as referencias do Benfica nao merecem este titulo pois nao estiveram 10 anos ou mais no clube.
Temos de ser condescendentes com o MM. Ele nao sabe que o futebol evoluiu. Mas ainda bem que o sporting, também aqui, é um clube ìmpar:
-Shmeichel jogou dois anos no sporting;
- André Cruz idem;
- Figo jogou tres? quatro?
- Ronaldo...um;
- Nani dois;
-Acosta tres.

E depois temos o Liedson.

Constatação: um clube sem referências jamais poderá ver-se como grande. Grande entreposto, mais isso ... em contraste com outrora, em que de facto comportavam-se como clube grande.

E sim, MM: tu és mentiroso!

SLB4EVER disse...

Ricardo é mais do mesmo, contra nós qq coisa é logo penalidade, sobre os nossos jogadores podem fazer tudo e nada se passa, o manhoso que hoje apitou já não é novo nestas andanças e o seu critério ñ engana.

Mas nem a chuva e o cego de serviço impediram a vitória, foi engraçado que já estava a desesperar pelas entradas do Rodrigo e Simão e mal entram é golo. É furtuito mas talvez seja mais natural ser feliz qd se toma decisões lógicas e acertadas para o que se está a passar.

Houve banho sem ser de bola e a vitória é nossa. Carrega Benfica

Mentecapto da Silva disse...

Aqui devia acreditar-se que o Rodrigo vai ser o melhor marcador da Liga 2012/2013.

Rodrigo, não (de)Mora.

Aqui, infelizmente, vai dizer-se que, mal entrou, Rodrigo denotou logo lacunas evidentes.

Ricardo disse...

MM, uma pergunta simples: por esses teus conceitos, se o Benfica não é um "grande", o Sporting é o quê? Um ser microscópico?

Mentecapto, não é por acaso que o és. O Rodrigo (o semMOra, embora o Mora também nos agrade) sempre foi dado como um jogador de grande qualidade. Precisas inventar coisas para contrariar o escriba deste blogue? Nunca te imaginei tão falho de recursos imaginativos. Vá lá, alguma coisinha mais verdadeira. E regista o nome.

MM disse...

Ricardo, "não é um grande" com relação à problemática de que falei. Como é óbvio o Benfica é um grande (o passado conta muito, contará sempre, conta até em maioria de razão, digo eu ...).

Respondendo à tua pergunta: pelo conceito de que falei, o Sporting é gigante. Mas não é só por ele. É por tudo: títulos (domésticos e além-fronteiras), nº de adeptos, antiguidade, forma de estar. Et cetera.

Mas não sei porque perguntas pelo Sporting em jeito de comparação, quando os complexos são de outros ...

Parabéns pela vitória desta noite. Não obstante, calculo que venha aí um post bem mauzinho para com Jesus, novamente. E com razão, porque esta equipa de futebol do Benfica não convence ninguém.
Abraços.

LDP disse...

Eu gosto deste MM, a sério que gosto.

Sò é pena que o arquivo de comentàrios d'O Banco da Mexicana o desminta de maneira tao veemente. Mente? Mente.

Anónimo disse...

Na minha opinião Fernando Santos foi provavelmente o maior desperdicio e injustiçado treinador que esteve no Benfica.

M. disse...

E é às 4 da manhã, de urgência, mas sem doentes para ver - portanto guardem as bocas tipo "Os funcionários públicos têm os cortes que merecem", porque estive aqui a bombar, que parecia o Ramires a ajudar o Javi.
É assim: nasci em 1984, o que quer dizer que se não fosse a sólida educação do meu pai, que me pôs a ver futebol desde que verificou que os meus olhos funcionavam e minha memória fabulosa para coisas da bola - mais fraca para coisas de Medicina, mas não trocava saber o 11 do Glorioso no 14 de Maio de 1994 e 2005 por saber de cor as causas todas de derrame pleural (é um exemplo estúpido, mas não interessa) - e o meu 11 seria ainda mais fraco.
Assim, eu alinharia com Michel, Veloso, Mozer, Luisão e Schwartz. Thern, Paneira, Valdo, Rui, JVP e Cardozo. 12º homem: o profeta.
Como podem chegar doentes a qualquer momento, vou-me abster de longos comentários, mas posso-vos dizer que estão a assistir in loco ao meu (semi) perdão a JVP. E que o Paulo Sousa, se eu mandasse, nunca mais podia estar em Lisboa, quanto mais no Estádio da Luz.
Queria só dizer-vos que, às 4 da matina, a minha memória do 3-6 mais nítida é o Paneira a comer o Paulo Sousa na ala onde faltava o Paulo Torres (Queirós, aquele abraço!). O Paneira, o Benfica perosnificado, a querer chegar à linha como se disso dependesse a vida dele, ou, mais importante, o títulod e 93/94. E o Outro, já visconde, acomodado, sem pernas para ele. E depois, outro lá para dentro. E às 4 da manhã, com esta imagem na cabeça, o meu banco ficou melhor.
Já tinha ficado com os 3 secos da AAC, mas o 3-6 é a recordação mais grata da minha infância, bastante dura em termos futebolísticos.

Ricardo disse...

Um grande abraço, M.. Como eu te compreendo: o 6-3 é daqueles que ficará para sempre e bem nítido. Só há uma coisa que me irrita nesse jogo: termos permitido o terceiro deles, já numa fase de descompressão. Acho que podíamos ter arrasado mais. Mas, pronto, não sou mal-agradecido :)

Boa continuação aí por andes. E, sempre que possas, comenta. Espero que o blogue contribua a aquecer mais as memórias benfiquistas pelo mundo.

Tudo de bom.

M. disse...

E o Paneira falhou o 2-7 fácil. Também me irrita esse terceiro, mas pronto.
Notei agora que no meu anterior comentário a primeira frase não faz sentido nenhum. Peço desculpa, eram 4 da manhã.

Um abraço

M. disse...

Ricardo,só mais uma coisa: quando disse que estava em Kuala Lumpur,estava em escala,a voltar de ferias. Estas memórias ficam bem no centro de Lisboa,cidade do Benfica.

Ricardo disse...

Ah, pensei que estivesses em trabalho por uns tempos.

Bem, então, nesse caso, perfeito. Estarás na Luz a ver o Benfica golear o Sporting na próxima semana :)

David Duarte disse...

Viram que o blog sangue leonino publicou um artigo com o melhor 11 da historia do Sporting e... quem é que decidiram colocar como um dos centrais?... o BETO!!!!!????!!!!

E depois dizem eles que não gostam do Benfica ^^