quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Carrega Benfica

Há uma linha de pensamento, que é como quem diz: um espumar da boca, que leva malta a vir aqui acusar-nos de falso benfiquismo e outras alarvidades. É uma imbecilidade. Há outros, porém, que aceitando o nosso benfiquismo, nos criticam por criticarmos, pela falta de apoio “benfiquista” que transparece deste blogue. Há disto às resmas em todas as caixas de comentários. E esta conversa porquê? Para prestar alguma (a possível) solidariedade. Compreendo-vos. Quem foi benfiquista durante os vale e azevedos e damásios e artur jorges e nelos e kings e pringles e tudo o mais sabe. Eu sei que se me oferecessem esta equipa nesses anos vergonhosos eu iria até ao vaticano de joelhos chorando de gratidão.

Contudo, solidariedades à parte, discordo dessa tese. Porquê? Porque estamos demasiado perto de onde todos gostaríamos de estar para ficar calado. Aproveito para citar o Miguel Sousa Tavares que no outro dia dizia que estamos ao nível do porto de villas-boas. Não estamos *. Acho mesmo que não estamos, e é por pouco, mas um pouco que é tudo. Não seremos um portento futebolístico europeu esta época por teimosia, essencialmente por teimosia. Teimosia do treinador, para começar. Mas não só. Como argumentos faço minhas as razões do Ricardo, que as tem justificado de forma cristalina nos últimos tempos. Só não vê quem não quer.

Isto só para dizer que estou confiante na passagem frente ao zenit, mas convicto de pouco mais. Talvez ganhemos o campeonato, mas vamo-nos esmifrar todos – ultima jornada e tal… é bom, é muito bom, mas eu queria – queríamos – brilharetes europeus, goleadas a rivais e campeonatos ganhos com pontos de vantagem às pazadas!



*há que reforçar que o porto de villas-boas foi bastante ajudado em fases cruciais, a que somou sorte em outras tantas ocasiões.

9 comentários:

Pedro disse...

Sérgio,

Bem dito...Benfiquista que o é, exige sempre mais e melhor! Se é verdade que a perfeição não existe, também é sinal que é sempre possível melhorar mais...no mais, nunca aqui ninguém deixou de apoiar o Benfica, quere-se é mais e melhor!

Abraço
Pedro

Ricardo disse...

Ora bem, mais cristalino do que isto não podias ser, meu bom amigo.

E agora venham os insultos.

Mas antes... a vitória do Benfica.

Carrega!!!

JC disse...

Nem mais. Lembro-me, em miúdo, de ver o Benfica jogar com a Juventus com total confiança na vitória. Tenho saudades desses tempos em que nem me passava pela cabeça outro resultado que não fosse a vitória do Benfica, independentemente do adversário.
Talvez por isso tenha chorado por perder com a Juventus.
Para voltarmos a esses tempos é preciso exigência. E a exigência tem de partir dos adeptos. Se queremos esse Benfica de volta, não podemos contentar-nos com um brilharete contra um Manchester de 5 em 5 anos ou um campeonato de 2 em 2 anos.

Numenor disse...

Se esse jogo com a Juventus foi o do Vitor Paneira-2 Juventus-1, não podia estar mais em desacordo. Especialmente pelo jogo da segunda mão, em que não entrámos com medo. Entrámos borrados. Atemorizados. Nem eu sei de quê, ainda hoje. Resultado. 3-0. Para os audazes. Que nesse dia foram italianos.

Pós- Zenit: hoje não fomos audazes.

Pedro disse...

Boa noite,

Que terá passado pela cabeça de JJ para meter Aimar em campo com um relavado daqueles? Estava-se mesmo a adivinhar...com Aimar cá resolviamos, assim será bem mais difícil...já não há palavras para descrever o Emerson e Gaitan!

Abraço
Pedro

Marciano disse...

O Jesus quando inventa sai disto! bolas, perder com aqueles gajos? não lembra ao diabo! não jogámos uma merda....

Numenor disse...

E que falta de educação a minha. Isto não é entrar, dar dois ou três bitaites e sair. Isto não é a equipa técnica dos gajos do Campo Grande.

Muitos parabéns ao novo escriba. Abraço, Sérgio.

JC disse...

Numenor, não vejo onde aquilo que referes contraria o que eu disse. Pelo contrário, acabamos por concordar. Ao Benfica dessa altura pedia-se, nada mais nada menos, que eliminasse a Juventus ou, não o fazendo, que pelo menos se batesse de igual para igual. Daí a minha (e a tua) estranheza pela atitude da equipa na 2ª mão que levou à eliminação. Ficámos desiludidos pois a exigência, as expectativas e a esperança depositada naquele Benfica era diferente. Apesar de o adversário se chamar Juventus e ter uma senhora equipa.

Nos tempos que correm, aquela eliminação era encarada de uma forma normal. É a falta de exigência e uma certa habituação a resultados poucos satisfatórios que nos fizeram descer a bitola.

Abraço

Numenor disse...

Nesse caso, completamente de acordo, JC. Lamento a má interpretação do teu comentário. Abraço. :-)