terça-feira, 7 de maio de 2013

Ser benfiquista é difícil

Os Portugueses têm algum medo de ser portugueses. Olhamos em nosso redor, para o nosso país e para os outros e, como aquilo que vemos pode doer, temos medo, ou vergonha, ou «culpa de sermos portugueses». Não queremos ser primos desta pobreza, madrinhas desta miséria, filhos desta fome, amigos desta amargura. Os Portugueses têm o defeito de querer pertencer ao maior e ao melhor país do mundo. Se lhes perguntarmos “Qual é actualmente o melhor e o maior país do mundo?”, não arranjam resposta. Nem dizem que é a União Soviética nem os Estados Unidos nem o Japão nem a França nem o Reino Unido nem a Alemanha. Dizem só, pesarosos como os kilogramas nos tempos em que tinham kapa: «Podia ter sido Portugal...» E isto que vai salvando os Portugueses: têm vergonha, culpa, nojo, medo de serem portugueses mas «também não vão ao ponto de quererem ser outra coisa». Revela-se aqui o que nós temos de mais insuportável e de comovente: só nos custa sermos portugueses por não sermos os melhores do mundo. E, se formos pensar, verificamos que o verdadeiro patriotismo não é aquele de quem diz “Portugal é o melhor país do mundo” (esse é simplesmente parvo ou parvamente simples), mas, sim, de quem acredita, inocentemente, que Portugal «podia ser» (ou ter sido) o melhor país do mundo e (eis a parte fundamental, que separa os insectos dos cicofantas) «tem pena que não seja», uma pena daquelas que ardem para toda a vida nos peitos profundos das pessoas boas. 

 Ser português não é nem a sorte com que sonhamos (não queriam mais nada — nascer logo uma coisa boa!) nem o azar com que vamos azedando. Ser português é um «jeito que se aprende». Não é coisa que vá à bruta ou à má fila. Não é bem que vá a bem (precisa de ser ajudado), mas também não é mal que vá à bruxa. Ser português não é tanto ser feito à imagem de Deus, como os outros povos (todos eles felizes), como estar, à partida, «feito». Cada vez que nasce um ser humano e olha para o bilhete de identidade e verifica que calharam os pedregulhos e os pêsames da portugalidade, diz logo “Pronto — estou feito — sou português”. Devia ter juízo. A única coisa que o absolve é ter, também, razão. 

 Ser português é «difícil». O resto do mundo não compreende que os Portugueses são especiais, diferentes, bastante giros, bem-educados, antigos, espertos, casos sérios. O resto do mundo acredita sinceramente que o mundo seria exactamente o mesmo sem os Portugueses. Para a grande maioria da população da Terra, a própria «existência» de Portugal é uma surpresa. E não se julgue automaticamente que se trata de uma grande surpresa ou, sequer, de uma surpresa «boa». É mais uma surpresa do género “Ah, sim?”. Como quem aprende que o «baseball» teve origem nos «rounders ingleses». Ah, sim? Que giro! Agora sai da frente do televisor que eu quero ver se este Babe Ruth era tão bom como diziam. Para o resto do mundo, os feitos dos Portugueses não pertencem à história fundamental do Universo. Pertencem, quando muito, à secção dos passatempos, do “Não me digas!” e do “Acredite se quiser”. Ser português é um ser delicado. Ser português não é «ser humano». É ser que tem muito para fazer só para ser «vivo». 

 Os políticos dizem que é preciso andar para a frente, modernizar, desenvolver, «mudar» Portugal, presumivelmente para melhor, porque este (nisto estão todos de acordo) não presta. Os poetas sonham com países que nunca existiram ou existirão, ou que já existiram e jamais existirão outra vez. Ninguém está contente com o que é, ou com onde está, ou com o que tem. Os Portugueses, o povo, a nação, os ditos, os implicados, envolvidos e lixados, esses nem ideia têm ou fazem — para eles a própria noção de Portugal foi um raio de ideia para começar. Mas o que é preciso não é nem tão drástico nem tão espectacular. O que é preciso é «continuar» Portugal. 

 Continuar Portugal não é uma acção delicada, ou uma campanha urgente, ou uma tarefa que exija o sacrifício de todos os cidadãos. É simplesmente continuar a perguntar, a barafustar, a amaldiçoar o dia em que se nasceu desta cor, nesta pele, com este coração mole e fácil de apertar e espremer. Continuar Portugal é acreditar que a vida seria pior sem ele, pior se a Europa começasse pela Espanha, pior se fôssemos suíços ou belgas ou finlandeses. Continuar Portugal é ser português e dizer “Pronto, que se lixe, o que é que eu hei-de fazer?”. E acreditar na diferença que faz a nossa maneira de ser, e de sermos portugueses, como um cardiologista acredita que o coração foi feito para continuar a bater. E foi. E, o que é mais engraçado, continua! 

 Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas'

15 comentários:

HdaLuz disse...

Assim sendo, com as palavras justas de um estranjeiro entre nós(quem mais poderia certificar se não um que é Carne/Peixe como o MEC, aliás como o nosso amado Bacalhau)nada mais resta nestes tempos azedos do que esperar que o nosso Benfica seja uma lança espetada entre abusos, cinismos e injustiças institucionais e se torne o momento psicadélico desta época cinzentona que é a do capitalismo feudal.
Temos sido bons em bola, e raoáveis em atitude, mas estes não são os nossos tempos. A gente alegre é a que não conhece o ciúme.
Isso é ser Benfica.
Mas ser Benfica é e sempre foi ir ganhar onde for preciso, mesmo contra a corrente dos tempos. Mesmo sabendo que os tempos não são de vitória para Nós, Humanos. Infelizmente para a Revolução global(porque a apazigua), o Benfica vai ser campeão; vai ganhar nas Antas como ganhou em Braga (same histerical behaviour), porque joga mais à bola, porque vão descansar até lá, e porque o Jota lê blogs e não pode por mais o Maritns a jogar, nem o que hoje correu mal voltará a correr igual!
Mais e Melhor Sempre! Benfica/Paz
Joga Joga! Eu vou lá estar (como quando vi o César Brito enfiar dois).

Manuel Afonso disse...

http://estecampeonatonaoeparavelhos.blogspot.pt

Alerta BENFICA disse...

"Ser benfiquista é difícil"

Muntooo mesmo.

.D10S disse...

Dói.. dói..

Só por milagre lá chegaremos...

Eish.. mais uma vez a morrer na praia.. não pode ser, não pode ser..

http://benficacompaixao.blogspot.com/

Guilherme disse...

vamos sofrer até ao fim, chorar baba e ranho, sempre até ao último segundo, como sempre. de outra coisa não estaria à espera, tem sido toda a vida assim.
se me dissessem em Agosto que íamos jogar a final da Liga Europa com o Chelsea eu não "acarditaria". Porque é que não podemos ganhar o título no Dragão? Se está é a época que na verdade vai fazer renascer o Benfica, então que peguemos o demónio de cornos, que se faça o exorcismo! É Cristo com Satanás no deserto, Frodo a caminho de Mordor, nós todos a fazer psicanálise.
Assim veremos se temos fibra ou não. E se não tivermos, fica o Benfica adiado por mais um ano. Nós cá estaremos.

quanto ao texto do MEC: estando emigrado, posso-te confirmar que na realidade a "nossa" especificidade é bem, e positivamente, apreciada por esta Europa fora. Porque ninguém acredita como é que nós, país, chegou até aqui, e ao contrário de muitas outras identidades nacionais temos pouco que nos envergonhe.
Talvez não pelo sr. Schauble, mas pelas gentes europeias comuns é-o de facto.

CARREGA BENFICA !!!

Tiago disse...

Isto é tão verdade, que a próxima no Manelito pago eu... mais não seja para festejar a "Portugalidade"

Sérgio disse...

Ontem desejei naufragar numa ilha onde nunca mais visse um jogo do Benfica.
Nunca chegar a saber como acabará esta época...

Não aguento esta merda! Que acabe rápido...

Pimento disse...

Excelente texto, mas outro muro das lamentações...

John Wakefield disse...

Tornamo-nos num clube perdedor por excelência. Os últimos 3 anos (já conto com este) atestam tal facto. Vamos a mais uma humilhação com o FCP. Eles vão festejar mais um título no próximo Sábado, pois decerto que não falharão em Paços caso nos vençam...
Isto é demasiado mau para ser verdade. Acordem-me deste pesadelo.
Estou com o Sérgio. Que isto acabe depressa, para o bem ou para o mal...
Estou farto. Ontem entregamos o título de mão beijada aos vitenses... Enfim...

Ulrich Haberland disse...

Vamos ser portugueses, dos que acham que sofrer é o seu fado, ou Benfiquistas, mas dos Benfiquistas que honram o seu passado?

Parabéns ao Estoril que fez um grande jogo.

Agora chegou a vez dos adeptos se chegarem à frente e levar a equipa ao colo até à vitória.
Vamos NÓS honrar os nossos adeptos do passado, pais, avós, irmãos, amigos que nos legaram esta coisa maravilhosa que é ser Benfiquista e varrer o país numa onda Benfiquista e juntos limpar muita porcaria!!!

Esta é a hora, a nossa hora!

Juntos meus amigos, só juntos conseguimos!!!

Zé de Fónes disse...

Cambada de fundamentalistas do caralho mais velho, ora é porque passam a vida a criticar e pelos vistos não se pode, ora é porque passam o tempo todo a elogiar tudo e mais alguma coisa, e para cúmulo «Se depois das merdas que por aqui dizes te vejo a festejar aqui ou ali, nem sabes o que te faço». Serão estes os mesmos que após o jogo foram a correr para o twitter e facecoiso mandar piadas a torto e a direito à custa do nosso clube? Isto é que é ser benfiquista? Nem dormi, nem comi, nem coisa parecida.
A época está a superar imenso as expectativas, está sim senhor, e de que maneira, somos os melhores nisto, naquilo e naqueloutro, mas, artistas do desempenho da palavra, tínhamos a oportunidade de matar o campeonato em nossa casa, desperdiçamos, e agora estamos dependentes do resultado no jogo que menos nos interessava, até porque convinha irmos frescos e desafogados para Amsterdam. Um gajo rebobina a cassete e ouve comentários de renovações anunciadas, e após o frustrante resultado de ontem leva com o discurso igualzinho ao do ano passado após a derrota em Guimarães «Ah, e tal, ainda somos primeiros, ou não?», e não há-de ficar fodido e com receio do pior?
Claro que acredito, claro que não temos medo de ninguém, mas lá que estou muito menos confiante, ai isso estou. E que perdi uns anos de vida com jogo de ontem, lá isso perdi, eu e muitos. No próximo sábado só me apetece enfiar no carro sozinho, andar às voltas e ligar apenas o rádio no final do jogo para saber do resultado.
São muitos os anos de sócio e adepto. Desde puto que sei o que é andar em guerra com os portistas. Não há nada pior do que os ver em êxtase com o insucesso do Benfica. Às vezes gostava de viver em Lisboa para vos perceber mais a vossa guerrita com os lagartos, raismafoda se à beira disto não é um bálsamo.

Ricardo disse...

Só uma coisinha: apesar das várias críticas que podiam ser apontadas a Vieira, Jesus e alguns jogadores - já aqui ditas em devida altura; ontem foi só a consequência delas - a colocação deste texto tem como alvo a maioria dos adeptos do Benfica que vai ao estádio. Uma pobreza completa. Quando a equipa mais precisa, em vez de apoiarem, começam a insultar jogadores, treinador e presidente. São uma merda estes adeptos.

JF disse...

Malta, ser benfiquista é bem difícil. Sou do Porto (cidade) e já disse muitas vezes ao meus amigos portistas. Ser portista é tão fácil, ganham muitas vezes.

Agora, nos últimos tempos, pior que ganharem, conseguem-no de forma humilhante para nós: goleadas, festa no nosso estádio, etc.

Por incrível que pareça, sofria menos com o SLB na altura que perdiamos o campeonato logo em novembro e ficavamos a 10 ou 15 pontos do 1.º lugar.

JF disse...

Mas a culpa não morre solteira, o carlos martins já "mete nojo" há muito tempo e pode ter tido muita influência neste resultado. E depois do vermelho fingir-se lesionado!

E o discurso do LFV do "este é o meu treinador", quando tudo parecia fácil. Completamente descabido. É um enorme erro. Mais uma vez coloca-se "a jeito" para serem gozados. Inacreditável.

Americo Braga disse...

Como eu compreendo o sentimento do Ze de Fones... esta merda é má demais para estar a acontecer! Mas nada que eu não estivesse á espera. Esta semana quando ouvi o nosso Presidente a falar do nosso treinador, com aquele ar de papalvo, a passar o discurso da humildade, mas o que passa para fora é outra coisa qualquer, pensei... "pronto falou... fodeu-se", na segunda-feira Deus nos livre e guarde! E pronto o resto é historia! Tenho 37 anos, estou a viver em Angola, mas sou 1 Benfiquista do Norte, daquela geração em que o Benfica estava no quase ser Campeão Europeu por duas vezes, até á sua quase falencia. Estou farto de perder, estou farto da mesma papalvice dos 15 a 0 ao Estoril, estou farto dos facebooks e sms. Tenho muito para viver, muito para sonhar com titulos imaginarios, porra nao aguento mais isto!!! No sabado o programa é jantar uma boa picanha, beber um bom maduro e ter a televisão sintonizada no canal PANDA. Aguardarei pelos sms do resultado final... talvez tenha que abrir mais uma garrafa, ou talvez seja mais umas noites mal dormidas!