segunda-feira, 18 de junho de 2012

Hóquei em Patins, será mesmo o primeiro de muitos ?


Após anos e anos de de insucessos, o Benfica decidiu no ano passado apostar no Luis Sénica como treinador, visto que nem o Carlos Dantas que tantas alegrias nos deu na década de 90 se mostrou capaz de contrariar o domínio dos tripeiros.

A minha ligação emocional com o hóquei vem de muito cedo, inclusivamente cheguei a obrigar os meus pais a comprarem-me um daqueles jogos com tabelas e jogadores com esferas nas bases, tipo o subbuteo do hóquei. À semelhança dos feitos do Eusébio, Coluna e todos esses heróis do futebol, o meu pai sempre me contou a equipa maravilha do Benfica que contava com aqueles jogadores que a imprensa depois tornou heróis lagartos, o Ramalhete e o Livramento, mas que no Benfica com o Adrião tinha formado uma das melhores equipas do Benfica de sempre e do mundo. À semelhança do futebol, entre 59/60 e 73/74, ou seja no espaço de 15 anos (14 épocas) o Benfica foi campeão 9 vezes, sendo que apenas os clubes moçambicanos o Desportivo e o Ferroviário de Lourenço Marques se constituíam como oposição.

A saída de Livramento e Ramalhete, um para ir para o estrangeiro ganhar mais dinheiro e outro por incompatibilidades com um director do Benfica, bem como o reformar de alguns jogadores levou o Benfica a perder o domínio. Eu bem gostava do Picas (até tive um canário com esse nome) e do Piruças, mas os 3 títulos no fim da década de 70, foram suplantados por uma geração de jogadores tripeiros de grande qualidade, dos quais Vitor Hugo, Vitor Bruno e Franklim eram os principais representantes e enquanto estes foram jogando, o Porto foi ganhando.

No entanto, no início da década de 90, surge no Benfica uma geração de jogadores que vinham do Oeiras, do Paço de Arcos, da Física e do Sporting que tantas alegrias me deram. Luis Ferreira (o grande capitão), Paulo Almeida (um tecnicista fabuloso), Vitor Fortunato (um grande defensor com uma tranquilidade inacreditável) e Rui Lopes (uma máquina de golos), tendo na baliza José Carlos (uma muralha). Conquistaram Portugal, a Europa (a primeira Taça Cers do Benfica) e levavam-nos ao pavilhão para tardes e noites memoráveis. Hóquei e Basquete, levavam-nos ao pavilhão e mostravam que o Benfica não era só futebol.

Em 7 anos conquistaram 5 títulos e uma taça europeia. No entanto, quer o Óquei de Barcelos, quer o Porto, reorganizaram-se e ultrapassaram o Benfica.  Jorge Godinho nunca foi um bom substituto de Rui Lopes, muito menos o Gaidão. A saída de Luis Ferreira nunca foi bem colmatada, Panchito apesar de fabuloso tecnicamente era demasiado conflituoso e egoísta, pelo que ele passou e o irmão ficou, Mariano que era visto como um apêndice do Panchito, acabou por conquistar os adeptos pela sua maneira de ser, a tenacidade, o colectivismo e a garra.

Ao que parece, devo dizer que agora acompanho muito menos o hóquei, quer porque poucos jogos dão na RTP, quer porque já não vivo na zona de Lisboa, os métodos do futebol também foram adoptados no hóquei e há um sistema que influencia significativamente os resultados. Não sei se é só culpa do sistema, mas há 3 elementos que estão nos tripeiros que são de uma grande qualidade, os espanhóis Edo Bosch e Pedro Gil, bem como o Ventura por quem não tenho qualquer respeito tendo em conta as suas atitudes no ringue.

À semelhança do futebol, a competência acaba por ganhar ao sistema, por mais corrupto que ele seja. Por isso, no ano passado apenas perdemos o campeonato no goal-average, mas conquistámos a Taça Cers e este ano fomos Campeões. A competência do Luis Sénica, que conseguiu diminuir significativamente a distância que tínhamos para os tripeiros. Mas também a competência de Sérgio Silva, que este ano mostrou que não é preciso ter medo, é olhá-los nos olhos e ganhar.

Destaco ainda a competência do director José Trindade, também ele um exímio ex-praticante, que penso estar a fazer um trabalho de sapa de reorganização do hóquei no Benfica, há neste momento 8 escalões na formação, mas a falta de títulos nos escalões de formação é indicativo que não temos a breve trecho uma fornada de jogadores talentosos que possam vir a discutir um lugar no Benfica.

Na verdade, tirando o Diogo Rafael e o João Rodrigues de 22 anos e o Valter Neves que vai fazer 29, o resto da equipa do Benfica é composta de trintões, e por muito que eu tenha criticado na altura das suas aquisições, convém assumirmos os erros que cometemos, a experiência dos jogadores veio a revelar-se decisiva para ganhar o campeonato. Inclusivamente o elemento mais idoso, Sérgio Silva (38 anos) vai para o Valdagno que nos eliminou na Liga dos Campeões porque a proposta que lhe fizeram é economicamente mais interessante.

Eu sei que o Sénica adoptou por fazer um Benfica à italiana, onde se priveligia a qualidade e experiência em detrimento da juventude. A minha questão é que nem todos os jogadores conseguem jogar ao mais alto nível até à idade do Sérgio Silva. O desafio é conseguir aliar a intensidade necessária durante muitos minutos à experiência e qualidade que têm, por isso, confesso que estou um bocado apreensivo quando vejo que Luis Viana vai fazer 36 este mês, Carlos Lopez tem 35 e Esteban Aballos e Cacau têm 32.

Estou confiante que o nosso treinador saberá o melhor caminho a seguir na senda do êxito, mas preocupa-me que nos tenhamos focado excessivamente em obter um êxito no curto prazo em detrimento de procurarmos conseguir uma equipa para dominar durante uma década. Claro que isto digo eu que nada percebo de hóquei. Apenas me limito a gostar de ver o Benfica jogar e ganhar.

Seja como fôr PARABÉNS CAMPEÕES !!!

PS - Não gostei nada de ouvir as declarações do nosso director José Trindade no final do jogo, pois parece-me que em virtude de não ganharmos há tanto tempo, desaprendemos de saber ganhar. O Benfica tem que ser o melhor dentro e fora de campo, tem que ser o exemplo e não pode escudar-se nos comportamentos asquerosos dos outros para os imitar.

PS2 - Sim, o mérito também é do no LFV que soube escolher o Trindade e o Sénica e lhe deu os recursos para sermos campeões

8 comentários:

Ricardo disse...

Muito bom texto. Apaixonado, conhecedor, com olhos no futuro.

Devo dizer que das primeiras equipas de que falas, só em livros. A primeira equipa de hóquei que acompanhei foi a dos 80/90, com esse 5 maravilhoso. Não os vi muito ao vivo, mas pela televisão passei horas a deliciar-me com esses extraordinários jogadores - Paulo Almeida, principalmente, era um fora-de-série.

A passagem para o futuro não se fez da melhor forma, mesmo tendo conseguido ter esse Maradona dos patins, Panchito Velásquez - o homem podia fazer tudo a qualquer momento. Houve problemas com o Dantas e desde esse momento entrámos numa espiral de depressão que só o Sénica (e por isso o meu elogio e agradecimento uns posts abaixo) conseguiu extirpar.

Compreendo as tuas apreensões mas confio bastante na capacidade do nosso treinador. Teremos mais jogadores experientes mas os jovens que lá estão e outros que aparecerão darão novo sangue à equipa. Não esquecer que no Porto também passam os anos e há muitos que vão perdendo fulgor. Temos tudo para voltarmos a ganhar e depois e depois outra vez.

Como sócio do Benfica, senti-me envergonhado pelas palavras do Trindade. Aquilo não é o Benfica.

Anónimo disse...

A vergonha do nosso futebol... Lista anedótica!!!

http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=337344

Só para dar os exemplos mais flagrantes:

1.º Pedro Proença - árbitro dos míticos Boavista-Benfica de 2002/2003 (o Pedro Emanuel viu o amarela à 19ª falta e ficaram por marcar dois penalties a favor do SLB) e Penafiel-Benfica de 2004/2005 (dois penalties escandalosos por marcar a favor do glorioso), do Braga-Benfica (duas expulsões perdoadas a jogadores do Braga e um penalty escandaloso sobre o Luisão e marcou um penalti inexistente a favor do Braga) e do Benfica-Porto (golo do Maicon fora de jogo) desta época, do Porto-Benfica de 2008/2009 (mergulho de Lizandro que dá o empate e impede que o Benfica fique em primeiro lugar), etc. --->>> http://www.youtube.com/watch?v=EtT9xrB_pQM


2.º Olegário Benquerença - árbitro do mítico Guimarães-Benfica (o jogo em que vi a maior roubalheira de sempre no futebol), do golo do Petit que o Baía tirou de dentro da baliza, que apitou o Rio Ave-Benfica (não marcou dois penalties escandalosos a favor do Benfica) desta época, etc.


3.º Jorge Sousa - o super dragão, árbitro do inolvidável Braga-Benfica de 2009/2010 (vergonha total; Cardozo separa os jogadores, é agredido por 2 jogadores - nada lhes aconteceu, e o Tacuara ainda acaba expulso por pretensamente se envolver em confusões no túnel quando se vê perfeitamente que é dos primeiros a entrar para o balneário) --->>> http://www.youtube.com/watch?v=ePUPKJu8aXE


4.º João Capela - o árbitro que expulsou o Cardozo duas vezes esta época, sempre em situações completamente fora do normal


5.º Artur Soares Dias - o árbitro que apitou o Sporting-Benfica desta época ('não viu' o penalty escandaloso sobre o Gaitan no primeiro minuto)


6.º Hugo Miguel - o árbitro do Académica-Benfica desta época (que conseguiu marcar falta do Aimar num lance em que este é completamente atropelado na área)

RM

B Cool disse...

Para mim também Ricardo, mas lês a blogosfera encarnada e vês que há gente inclusivamente a propôr a águia de ouro para aquelas declarações infelizes.

RM, os campeonatos passados não envolvem as classificações desta época. É verdade que todos esses prejudicaram o Benfica e muito esta época. Esses são os lances que devem ser falados e perguntar qual a avaliação dos árbitros nesses jogos. Claro que não sabemos o que fizeram num qualquer Gil Vicente-Rio Ave e por isso dificilmente se pode avaliar a época dos árbitros, mas o grave da questão é que deixarão de ser avaliados para a próxima época e aí sim serão ainda mais outros os factores a decidir se se mantêm, se sobem a internacionais, ou se como o bruno paixão descem à 2.ª porque cometem o pecado de prejudicar os que não podem ser prejudicados.

Hugo disse...

Apesar de estar crente que tudo será feito no sentido de manter esta bitola, partilho dos teus receios sobre o futuro...

Mas é como diz o Ricardo, os anos também pesam para os andrades e, pelo que li há tempos, o Pedro Gil também vai pirar-se do antro e vai para o Valdagno como o Sérgio Silva. Se alguém o pudesse confirmar...

De qualquer forma, julgo que, para o ano podíamos ir buscar aquele puto que saiu das osgas...dizem que é sempre a facturar!

Saudações benfiquistas...

B Cool disse...

O Gonçalo Alves vai para a Oliveirense, provavelmente vai fazer o teste se na primeira marca tantos como na segunda a caminho dos tripas. Isso do Pedro Gil não sei, mas eles vão buscar o Ricardo barreiros que estava no Liceo

Hugo disse...

Sim, Sim,

Recordo-me de ter lido essa notícia também...

Apesar de excelente reforço, não sei se não ficam a perder. O Gil, goste-se ou não dele, é muito bom jogador...

Quanto ao Gonçalo Alves, quando soube que ia para Oliveirense, pensei o mesmo que tu mas, desconfio que, actualmente, a nossa estrutura nesta secção é mais sagaz do que pensámos...

Ou então é mera crença:)

Hattori Hanzo disse...

Sim. Eles vão ficar sem o Gil, mas foram buscar o Barreiros. Nós perdemos o Sérgio Silva (foi mais por razões familiares que económicas - a mulher dele é italiana), e por enquanto não se sabe o seu sucessor. Parece é que vem para cá um espanhol que é o melhor marcador do campeonato espanhol (Marc Coy). A juntar a isso parece ainda não haver certezas da renovação de Sénica. Concordo contigo: temos uma equipa demasiado envelhecida e eles têm-se reforçado com mais jogadores jovens que nós. Parece-me que arriscámos tudo para este ano e resultou. Vamos ver agora o resto. Tal como o Ricardo não cheguei a ver jogar a 1ª equipa que falas mas adorava a 2ª (falta o Ramalho no banco). Paulo Almeida era fenomenal: o melhor jogador que já vi jogar em toda a minha vida(não vi o Livramento). Podia não ter o talento nato que o Panchito, mas a diferença não era muita e muito mais completo.

Anónimo disse...

No ano passado perdemos o campeonato de hóquei, não pelo goal average, mas pela inferioridade no confronto directo, já que perdemos os dois jogos do campeonato.
inês lima