quinta-feira, 21 de junho de 2012

Feira da ladra

Não nego que neste blogue as críticas a esta Direcção costumam ser violentas - a culpa não é nossa, a incompetência daqueles rapazes obriga-nos a expressarmos o nosso sentir, que é imenso, sobre as patifarias que nos fazem ao nosso clube. 

Mas há coisas que, por obrigação moral, temos mesmo de aceitar, defender e provavelmente até concordar. Coisas que fazem sentido, coisas simples, evidentes, competentes, coisas que demonstram não só a defesa mais acérrima do clube como uma política e estratégia do mais capazes a que alguma vez tivemos a oportunidade de assistir.

Falo de Wass. Jogador apresentado com dignidade e esperança na pré-época 2011/2012, um loiro tímido, quase assustado com tão grande viagem até à Luz. Rui Costa apresentou-o, disse palavras bonitas, Wass foi até ao relvado, deu uns toques na bola, trocou palavras de circunstância com Nuno Coelho (que também acabou recambiado) e, quando deu por ela, estava emprestado ao Evian. 

Nós nem sequer precisávamos de lateral-direito. Tanto que passámos a época a jogar com o Maxi até o estoirar e, quando ele não podia, metíamos lá o Amorim - isto até o emprestarmos ao Braga por época e meia. A partir desse momento, a alternativa era retirar um médio fabuloso do seu lugar para o enfiar na direita defensiva, a fazer cortes contra o Luisinho - que, já agora, também já comprámos para o emprestar a um Evian qualquer. Mas não precisámos de Wass, não senhor.

E não é que Wass se potenciou, se valorizou, ganhou pontos em todas as áreas? Dizem-nos sempre: valorizar jogadores, valorizar jogadores, valorizar jogadores. Aqui ou quando emprestados. Valorizar jogadores. Pois bem, Wass valorizou, ganhou experiência, tem mercado. E agora, Benfica? Aproveitamos um dos 80 emprestados para o plantel? Não, vendemo-lo por 2,5 milhões, valor que, bem aproveitado, ainda dará para mais um avançado e para deixar Maxi sozinho mais uma época inteira.

Falo de Éder Luís e Fellipe Bastos. Compramos o primeiro por 2 milhões (metade do passe) há 2 anos, joga seis meses, vai para o Brasil emprestado. Torna-se um dos melhores jogadores do Brasileirão. O segundo tem um potencial imenso, também anda emprestado há 2 anos ao Vasco - tem muito mercado, no Brasil e fora do Brasil. Nós queremos o central Dedé. O que fazemos? Vendemos os dois por... 3 milhões de euros, sem vir ninguém. Faz todo o sentido.

Reparem: 5,5 milhões de euros de encaixe em jogadores emprestados. Se esta fosse a política adoptada com método, seria de aplaudir. O problema é que Wass, Éder Luís e Fellipe Bastos são, dos dois autocarros de gajos que temos dados por aí ao desbarato, dos poucos com potencial para ou entrarem no plantel ou serem vendidos a um preço que realmente faça dos negócios mais-valias financeiras evidentes. 

Se negociamos assim com quem tem MUITO mercado, imaginem com os outros 77. 


PS - Entretanto, continuamos a comprar jogadores para a equipa B. Estaremos atrás de uma folha salarial de 100 jogadores, record mundial? E a formação, serve para quê?

10 comentários:

Pedro Ribeiro disse...

Tudo dito. Triste realidade. Estragação, estragação, estragação.

Pedro disse...

Espera aí pela chegada dos avençados para ficares com as orelhas a arder...

Olha...já estou por tudo e analiso a coisa pelo "mal menor": menos três gajos na tal folha salarial e alguma recuperação do investimento efectuado. Tudo o resto que tu disseste é tão óbvio, tão factual, q não há sequer discussão possível. Só dor de cabeça para quem gosta tanto deste clube.

Claro que para os avençados isso são peanuts...eles só se importam com o cheque a entrar nas suas contas bancárias.

Constantino disse...

Ricky Manuel,

No caso destes 3 jovens eu já me dou por contente por efectivamente os termos vendido. E sim, para mim 5,5 milhões por estes tipos é valor decente. Digo-o porque já os vi jogar e não achei piada nenhuma à coisa. Sou sincero, não contava com estes 5,5 milhões, estava a espera de mais uma sucessão de emprestimos ate acabarem contrato. O problema disto não é o valor de venda, mas sim o valor da compra (neste caso apenas do eder luis). O SLB paga sempre inflaccionado e vende a preço justo/baixo. No caso do filipe bastos e do Wass, tudo o que entrou foi lucro, portanto não é mau de todo. E desengane-se quem pensa que algum destes 3 alguma vez na vida foi ou vai ser jogador de SLB. Mas lá voltamos ao mesmo... já quando os compraram eles não tinham nivel minimo para jogar no SLB. Aliás essa onda de "ui o eder luis é o maior no brasil"... estive lá no ultimo mês e a coisa não é bem assim (no caso do bastos nem falo, só os vascainos reconhecem a existência dele).

Abraço

DeVante disse...

Atenção que foi dito que o Wass não valia um caracol. Aliás, nós somos os primeiros a desvalorizar os jogadores do Benfica, caindo na cantiga dos avençados.

A política dos empréstimos é uma aberração. Se os clubes brasileiros não nos emprestam, porque nós os emprestamos? Se os clubes brasileiros nos vendem qualquer marmanjo por milhões, porque nós temos de emprestar e vender ao desbarato. Aliás, cometemos o cúmulo de comprar um jogador por milhões e emprestamo-lo de seguida a este mesmo clube! Que merda é esta? Não será isso corrupção? Fodas que esta merda me irrita!
Os brasileiros parecem que gozam de um estatuto especial, podem dizer que não querem regressar e tal que ninguém dá por isso. Mas se for de uma outra nacionalidade, cai o Carmo e a Luz!

diogo disse...

falta vender-se ainda: Shaffer, Carole, Léo Kanú, Alípio, Sidnei, Capdevila, Emerson, Saviola, Jardel, Airton, Felipe Menezes, Kardec, Jara, Enzo Pérez, JL Fernández... sem falar nos jogadores de top que a direcção vai ser "obrigada" a vender: casos de Gaitán, Cardozo ou mesmo Witsel... É caso para dizer: TANTA MERDA TENS TU BENFICA! A COMEÇAR NA DIRECÇÃO...

Mister D disse...

Meu caro Ricardo,

Este post tem a data de 24 de Julho de 2011. Quase um ano. Enjoy it:


http://ndrangheta.blogspot.pt/2011/07/da-inabilidade-ii.html

Mentecapto da Silva disse...

Das duas uma: ou me dizes que perdemos um/uns grandes jogadores ou então tens mesmo que me explicar como é que um lucro de 3,5 milhões (e consequente redução do plantel) foi um mau negócio.

Hattori Hanzo disse...

Estou em parte com o Constantino: já não é mau termos vendido(falo dos brasileiro), já que raramente os conseguimos. Estava à espera que ficassem sempre lá emprestados. Wass poderia nos ser muito útil porque poderia jogar a lateral ou à frente nas duas alas (ele acabou a época a jogar a lateral-esquerdo, que nós ainda não temos... o que interessa são gajos para a frente, pois claro).

B Cool disse...

Eu também aplaudo as vendas.
Mesmo para os vascaínos da rua, o éder luís é um gajo que corre muito e embora palmeiras e grêmio estivessem interessados nele, a verdade é que dinheiro é coisa que não abunda.
Filipe Bastos joga muito intermitentemente no Vasco, enquanto lá estive até marcou um golo de livre na primeira jornada contra o Grêmio (livre marcado a meia altura que passou no meio da barreira).
Wass, não sei o que vale, sei o que mostrou no Evian e como tal valorizou-se, mas atenção que o nível de pressão no Evian nada tem a ver com o do Benfica.
Sinceramente acho que foram 2 ou 3 bons negócios. Talvez se o Roma pagasse mais pelo Wass se pudesse fazer melhor, mas duvido que algum dos 3 tivesse capacidade para jogar no Benfica.

Quanto ao Dédé e veremos como recupera da lesão no joelho, ele já mostrou que não quer vir para o Benfica, o melhor é esquecê-lo.

Gostava que o Benfica despachasse também o Filipe Menezes que nem no Botafogo consegue jogar.

Kardec ainda ontem mostrou que não é grande mais-valia neste momento e a haver uma proposta boa por ele era vendê-lo. Caso não haja essa proposta depende da gestão que se fizer em relação aos avançados actuais - Cardozo, Saviola, Rodrigo, Nelson, Jara, etc. mas preferia que fosse emprestado para um país europeu - frança, itália ou inglaterra.

Quanto ao Airton, tem um problema semelhante ao Sidnei, muito potencial pouca cabeça. Acho que ambos devriam ter mais uma época de oportunidade, ou pelo menos mais 6 meses a ver se conseguem verdadeiramente tornar-se profissionais ou se é para esquecer.

agora há muito refugo que não tem nem nunca terá categoria para jogar no Benfica e devia ser despachado mesmo sem qualquer proveito só para baixar a folha salarial

Marco Craveiro disse...

E no meio disto tudo temos um JJ a dizer que não precisamos dum Simão porque temos Melgarejo, Enzo, Nico, Urreta, etc.

Irónico no mínimo, vindo isto dum tipo que na primeira oportunidade que teve cortou as asas ao Urreta. O mesmo tipo que considera Yannick Djalo mais jogador que Urreta, Melgarejo e até o velhinho Simão.

Não estou com isto a querer defender uma vinda do Simão. Pretendo apenas sublinhar as incongruências desta direcção e equipa técnica.