quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O estofo do Candidato.. à Liga Europa

Partimos para este jogo com algumas certezas:
- que dependíamos apenas de nós para nos qualificarmos para os oitavos;
- que o Barcelona não iria alinhar com muitos dos seus habituais titulares (já com a qualificação e a liderança do Grupo fechadas);
- que o Benfica também não iria alinhar com alguns dos seus habituais titulares mas, ao contrário do seu adversário, por contrariedade, não por opção.

O Barcelona entrou em campo sem, e passo a citar: Valdez, Messi, Xavi, Iniesta, Dani Alves, Busquets, Pique, Mascherano,  Alba, Alexis e Fabregas.. De facto, uma visão que só nos poderia agradar, tendo em conta que sabíamos de antemão não poder contar com Salvio, Enzo, Martins e Aimar, (mesmo tendo considerando que Pablito não joga há 2 meses). 
Tito Vilanova apresentou a surpresa completa já que não foram “apenas” “alguns” os habituais titulares que não entraram na Equipa inicial por si definida para defrontar o Benfica.

Com o ouvido no outro jogo do Grupo, vi 2 “Benficas”:
na 1ª parte vi uma Equipa que estava decidida a passar a eliminatória e a fazer pela vida, que jogou o suficiente para sair para o intervalo com 2 golos de diferença;
na 2ª parte vi uma sombra desta mesma Equipa. Sem força, atabalhoada, perdida no acerto que o Barcelona parecia ter feito entre as suas peças, tendo como motor o inevitável Messi que perfumou de imediato aqueles jovens mal tocou na bola.

Aos falhanços do tamanho de Camp Nou que que Rodrigo, Lima, Cardozo e Maxi tiveram (erros individuais) não atribuo a responsabilidade exclusiva para não termos ganho a “este” Barcelona. O Benfica não trouxe a vitória porque decididamente não teve estofo (falha colectiva, abrangendo obviamente a equipa técnica).
Não passamos esta eliminatória porque além da falta de estofo de hoje, e não só,  não fizemos, como nos competia, a pontuação necessária para chegarmos a este jogo com outro “arcaboiço”. 
Não assimilo, não concordo e muito menos partilho de frases como: “o Benfica merecia passar a eliminatória”.  Não é o mérito que fica para a história nem que é contabilizado nos museus ou mesmo nas contas, são os resultados, acrescidos de títulos. Muito menos em provas de regularidade em que o factor sorte não assume a mesma importância que assume num único embate. O factor que mais pesa é a competência ou ausência dela.
O Benfica não mereceu passar esta eliminatória porque não fez por isso, não teve competência para o fazer. Nos jogos em que perdemos pontos não jogamos melhor que o adversário, não marcamos mais golos, não ganhamos. Esta é a lógica de todo o desporto de competição. Para além da falta de competência, todos os restantes motivos para estes resultados já foram mais do que discutidos nas análises e opinões nos jogos em que foram alcançados, incluindo o Barcelona em casa: tácticas, jogadores, abordagens, atitude, etc, etc.

Mas tudo vai bater ao mesmo: numa competição destas ou se tem mentalidade e o tal estofo ou a história vai continuar a repetir-se. Continua-se a contentar com vitórias morais (não sei muito bem quais mas há quem as encontre), continua-se a atribuir convictamente responsabilidades a todos os factores externos e mais alguns que possam existir para justificar o injustificável. Desta vez a pérola é o argumento de que o que estragou as contas foi a vitória do Celtic ao Barça, contra qualquer espectativa ou probabilidade.. Um contra senso para os mesmos que defendem que o Benfica caiu de pé, teve classe e merecia passar a eliminatória. Quem mereceu passar a eliminatória foram os que lá estão. Fizeram mais pontos, bateram probabilidades ou cumpriram-nas, temos para ambos gostos. Nós não cumprimos nenhuma delas. O prémio para tal “mérito” é estarmos na Liga Europa. Ainda vá lá..

Não me sinto envergonhada pela prestação do Benfica nesta edição da Champions, obviamente, mas também não estou orgulhosa da mesma. De cabeça levantada, claro, estou resignada. Racionalmente resignada e sem surpresa.
Não se pode aspirar a algo pelo qual não nos batemos em conformidade. Não podemos bater-nos por algo se não temos o que é necessário para tal. E um dos mais importantes “algo” é a ambição.
A base é esta, a especificidade já a enunciei em todos e em cada um dos jogos do Benfica a que assisti nesta prova esta época.

JJ assumiu, imediatamente após o jogo, a candidatura do Benfica à conquista da Liga Europa sedo, e passo a citá-lo: “uma das melhores equipas presentes na prova a partir de agora”.
Ora a necessidade de estofo não diminuiu, pelo contrário, atendendo às restantes competições em que o Benfica se encontra e se assume como candidato a ganhá-las, com manifesta e conhecida prioridade a Liga nacional de futebol.
Venha a Liga Europa com estofo e ambição. Irei até onde o Benfica me levar.

A nota final sobre particularidades do jogo:
Tive oportunidade de lêr algumas críticas a JJ por ter optado por Rodrigo em detrimento de Oscar Cardozo. Pessoalmente não concordo com estas críticas. O treinador é responsável pelas opções que faz mas não é responsável quando as mesmas falham no cumprimento das suas funções. Rodrigo falhou ou não permitiu, de forma “aberrante”, a marcação de um golo. Lima também falhou, Cardozo e Maxi na fase final, idem. Num jogo e competição desta importância, um profissional, neste caso 4 (!), não pode falhar da forma como o fez.
Sentenciou-se o resultado do jogo, com as devidas consequências, porque não se concretizaram as oportunidades claras de golo que foram criadas.
Erra é humano. Cometer o mesmo erro repetidamente, mesmo com interveniente diferentes, num curto espaço temporal, ou é incompetência ou… falta de estofo.

JJ errou sim na substituição tardia de Rodrigo, não pelo golo falhado “apenas” mas pela prestação “atabalhoada” que teve durante o tempo que esteve em jogo. Errou na atitude de conforto face ao empate que claramente demonstrou a 20m do final (Bruno César?!?), assumindo-se a meu vêr, no principal responsável pela não transmissão e não condução de outra atitude aos seus homens. Provou que, afinal, quem precisava de não saber o resultado do outro jogo era ele.
Os cantos continuam na mesma inércia de sempre. Em 10 cantos, o Benfica não bateu um que tivesse criado sequer uma amostra de perigo. Pelo menos que me lembre.

O melhor do jogo: André Gomes. O miúdo tem uns pezinhos de veludo! A classe que esteve naquele estádio teve o seu nome.
Olá John imparável.
Garay soberbo, para “variar”.
Nolito, o mistério que constitui para não fazer dos “regulares” planos de JJ.
Matic, o poço de energia.

11 comentários:

B Cool disse...

Só um apontamento Marta, Dani Alves está lesionado há já muito tempo e Iniesta e Alba estão fisicamente condicionados - tipo Salvio e Perez, a ser pouados para a Liga por não estarem a 100%.

Continuo com a mesma opinião, acho que não foi ontem que o Jesus falhou, excepção ao Picanhas, mas penso que ele terá considerado que poderia ajudar mais o Melgarejo que o Gaitas. A entrada do Barcelona na segunda parte exigiu novos desafios, co o estouro de Ola o Maxi estava desprotegido e era importante entrar o André Almeida para o ajudar visto que o Tello passava por ele. Se poderia ter saído o Ola em vez do Lima, talvez, mas os dois avançados do benfica, bem como os alas desgastaram-se muito na pressão ao portador da bola na primeira parte, com sucessivas compensações e o próprio André Gomes foi caindo de produção com a falta de frescura física, mas não sendo particular não dava para substituir os 5 mais adiantados, só 3.

Para mim falhou em Glasgow com a falta de ambição, ou na Luz contra o Barcelona. Ontem falharam os avançados.

Daniel Faria disse...

Senhor (s) administrador (s) do "Ontem Vi-te no Estádio Da Luz", já tenho o seu link no meu BLOG há alguns meses... Sugeria uma troca de links, colocando o meu aqui também. Que diz?

http://www.benficaeternoscampeoes.blogspot.pt/

Anónimo disse...

Tu és do Benfica?

João Oliveira disse...

Excelente análise ao jogo e principalmente à equipa (jogadores e técnicos).
Tenho pena que nos falte o tal "estofo". Eu chamo mesmo ambição e atitude!

Silva Pereira disse...

Boa tarde,

A Megalomania.

pelo que escreve o Barça jogou sem 11 titulares, significa que jogou de inicio sem nehum, segundo a Bola TV o Barça jogou com alguns reservas e alguns jogadores da equipa C. Argumento do JJ e dos benfiquistas jogaram sem 3 titulares, mas que titulares? O Aimar era titular no campeonato dos tueneis, o CM nunca foi titular por isso resta o Enzo.
3º o SLB jogou quse 15 minutos contra 10 e o menos era o Messi.
Já agora o que é que disseram os dirigentes do SLB sobrea derrota do Barça na Escócia? Imagino o que diriam se dosse o contrário.
Cumprimentos

Nuno Pinho disse...

Concordo em absoluto com a análise sobre as substituições que o BCool fez. E pode-se falar em merecer quando a equipa que passou (Celtic) não demonstrou em nenhum dos dois jogos ser superior ao Benfica. Pode até falar-se em merecer quando uma equipa cria tantas oportunidades em Camp Nou, mas como é óbvio faltou competência. Os jogos ganham-se com golos e por um resultado que acontece uma vez na vida de um jogador (a vitória do Celtic sobre o Barcelona), o Benfica pagou a factura. Aquele jogo ajudou ao circo mediático. De repente, os adeptos do Celtic eram os melhores do mundo, muito por culpa daquela câmara ter captado as lágrimas de felicidade do Rod Stewart. Foi tão ridículo que até o Messi defendeu a passagem do Celtic por essa mesma razão. Se calhar, essa imagem veio à cabeça do árbitro do jogo do Celtic-Spartak quando imaginou uma falta sobre o Samaras aos 80 minutos...

Há muita coisa para melhorar na equipa. Deixei alguns pontos na anterior zona de comentários e vi que a Marta sublinhou as bolas paradas. Mais do que este jogo, interessa-me saber como a equipa evolui para o objectivo principal. Não sejamos troca-tintas. Se a campanha da época passada na Champions serviu para rotular a temporada de fracasso, não era a desta que iria mudar o panorama. O principal continua a ser a conquista do campeonato. Aí é que os jogadores devem estar centrados. E não é a falhar lances sem oposição, em frente à baliza, que o vamos conseguir. Desculpem, mas aquele lance aos 11 minutos ficou-me atravessado. As falhas do Lima e Ola John ainda as desculpo por terem a mão do Pinto a influenciar o desfecho, mas isto?
http://i.minus.com/iFjA0j5k78gfV.gif

Marta disse...

Com uma pincelada aqui e outra ali, pelo que vejo, existe uma comunhão de opiniões quanto ao essencial: incapacidade. Varia é o grau de importância que lhe é atribuído entre as hostes benfiquistas.

O que esta "incapacidade" vai impedir de ganharmos para mim ainda me parece uma incógnita mas não tenho dúvidas de que de forma mais ou menos coerente e racional, a maioria dos Benfiquistas sabia que o percurso na Champions não iria muito mais além. E muito mais além refiro-me aos oitavos.

Quem não tinha consciência disso já é um caso clínico ou de necessidade de cursos intensivos sobre futebol.

Obrigada a todos.




Marta disse...

Anónimo! Já me esquecia de Si.

Precisa das coordenadas gps ou já sabe onde se encontra?..

Mindfuck disse...

Impressão minha ou esta é a senhora Marta que escrevia no record?

Marta disse...

Mindfuck, completamente errada essa impressão. Graças a todos os Deuses! Quer por essa Marta, quer pelo jornal.

Que me perdoem os que apreciam mas os 2 juntos não dão 1.

Mindfuck disse...

ainda bem!