segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Sem meio-campo? Balões de Artur para o Cardozo.


Benfica-Porto (2009/2010) - 1-0
Benfica-Porto (2010/2011) - 1-2
Benfica-Porto (2011/2012) - 2-3
Benfica-Porto (2012/2013) - 2-2

Benfica-Porto (Jesus em 4 anos) - 1v, 1e, 2d - 6 gm; 7 gs


Porto-Benfica (2009/2010) - 3-1
Porto-Benfica (2010/2011) - 5-0
Porto-Benfica (2011/2012) - 2-2

Porto-Benfica (Jesus em 3 anos) - 0v, 1e, 2d - 3gm; 10gs




BENFICA-PORTO (Jesus em casa e fora - 7 jogos) -  1v, 2e, 4d - 9 gm; 17gs



Jogo ridículo do Benfica - parecia rugby. Enquanto continuarmos com este registo "munta fortes contra os fracos; munta fracos contra os fortes" ganharemos uns jogos; nunca ganharemos títulos.

18 comentários:

masterzen disse...

Está tudo dito nas tuas palavras.
Penso que a questão da renovação de Jesus passaria por uma chamada ao gabinete do Presidente resolvendo-se apenas numa pergunta:

" Jorge Jesus a sua renovação depende da resposta a esta pergunta, Vamos continuar a jogar com apenas dois jogadores no meio campo? ( Orelhas está com um dossier nas mãos com fotos desde a sua primeira época até hoje onde se vê claramente o meio campo benfiquista sempre em inferioridade numérica, muitas vezes superior a dois jogadores)"
Se a resposta for sim vamos continuar a jogar com dois o resto é fácil de imaginar...

Abraço

Meddler disse...

Este gajo, mais que incompetente, é negligente. O Benfica merece mais e melhor.

Shadows disse...

O pior foi ouvir no caminho para casa o seu conformismo. E depois ver o seu ar nada incomodado com o empate.
'Este ano não perdi em casa por isso tou satisfeito'...devia ser o que lhe passava pela cabeça.

Filipe disse...

Cinco pontos em 21 possíveis. Durante o mesmo período o Sporting, a atravessar uma das piores fases da sua história, conseguiu 8 pontos em 21 possíveis contra o FCP.

Temos uma equipa muito mais forte e sobretudo com muito mais soluções que na época pré-Jesus, e isso vê-se na facilidade em vencer equipas fracas. Basta comparar com a equipa com que o Trap foi campeão e aquela com que o Koeman venceu em Liverpool. Só que a jogar contra clubes medianamente competentes o JJ é mau, e não aprende.

David Duarte disse...

O Vitor Pereira andou nervoso esta semana (sera que ja sabe que o Jesus vai substitui-lo para o ano?) mas nisso teve razão : bolas longas do Artur para o Cardozo e do Garay para o Salvio.

Mas a verdade é que o Porto nem ideia de jogo, por mais mediocre que fosse, teve. Nem um remate na segunda parte. O que faz com que este resultado me irrite mais. Tenho o mesmo sentimento do jogo em Glasgow. Jogo fraco contra uma equipa que foi fraca. O jesus no Benfica, podemos resumir a uma frase quando comparado com outros Benficas recentes. Dá Deus nozes a quem não tem dentes.

PP disse...

Calma pessoal!

Vocês estão a ir na linha que o Vítor Pereira quer que nós entremos...

Já repararam que a tal crítica do pontapé para a frente não é assim tão verdadeira?

O Benfica marcou ambos os seus golos com jogadas colectivas. O Porto marcou de um livre indirecto e de um erro individual do Artur.

A melhor ocasião de golo na segunda parte foi do Benfica após excelente triangulação entre Aimar e Nico que isola o Cardozo... e no final somos nós que jogamos com chutão para a frente?

O pontapé para a frente é estratégia para não sofrermos com a pressão do meio-campo do Porto e assim acabamos por esticar as linhas deles e com isso criar espaços intersticiais, onde os nossos jogadores poderão forçar jogadas individuais.

Eu também não aprecio muito, mas a nossa equipa tem-se dado bem assim e não seria hoje que iríamos mudar de estratégia.

De uma coisa é certa, ontem o jogo serviu para percebermos quais as nossas reais necessidades em termos de jogadores. Cardozo e Lima, por mais goleadores que sejam não são propriamente os melhores jogadores para essa estratégia.

O Cardozo durante a primeira parte só perdeu bolas, tanto de cabeça como com os pés. Não sabe proteger a bola, nem sabe utilizar convenientemente o seu corpo, nem tão pouco sabe ter espírito de sacrifício e aguentar a carga de "porrada" do adversário, quando já sabemos que eles jogam assim e o com um árbitro com critério larguíssimo.

Por outro lado, Lima escondeu-se sempre do jogo e do seu meio-campo. Nem em fazer pressão aos centrais adversários soube fazer...

Para mim estes dois foram os maiores culpados por não conseguirmos dominar o meio-campo.

Se o Cardozo poderia aprender muito vendo como o ponta-de-lança costa-marfinense Didier Drogba joga entre os centrais adversários, já o Lima poderia seguir o uruguaio Luis Suarez para perceber como um avançado completo deve jogar!

Acho que foi isso que nos faltou ontem e mais alguns reparos a Salvio (continua muito fuço!) e Artur (tem de aprender a jogar com a bola nos pés e onde está o Artur de mentalidade inabalável?).

Anónimo disse...

Para quem só joga em pontapé para a frente, marcar, por exemplo, na sequência de um cruzamento rasteiro feito da linha de fundo, é bem bom.
Para quem não tem meio campo, sofrer um golo de bola parada e outro numa oferta do GR, é bem bom.
Para quem dominou o jogo todo, mamar dois golos e uma bola no poste e não fazer um remate perigoso tirando os dos golos, bem bom.

jcnaguiar disse...

o facto de o porto ter marcado por uma bola parada e por um erro individual nao significa que nao tenham dominado, o benfica foi inexistente no meio campo e Matic ainda se superou e muito, o benfica existiu através da lateralização de jogo sempre com base nos rasgos individuais de salvio e gaitan, muito pouco para 90 mins de jogo, o porto sempre foi muito forte em jogo interior e com posse de bola, entrar com apenas 2 homens no meio campo quando uma equipa joga assim é suicidio, é verdade que o porto nao fez nenhum remate na 2º parte e que desistiu de ganhar apartir dos 70 mins mas tambem nao tinha o banco que o benfica teve.. mas conseguiu ter sempre a possa da bola, JJ conforma-se com o empate em casa.. para quem quer ser campeão é feio.

Ricardo disse...

PP, o Pereira diz o que quer, isso nada se relaciona com o que eu vejo do jogo. Sim, jogámos um futebol directo absurdo, por não sermos capazes de controlar o jogo. Normal, quando se aposta num meio-campo de 2 para 4. O Porto subiu o bloco, pressionou-nos e nós jogámos rugby para o Cardozo. O Jesus quer que seja assim, nada a fazer. É por isso que, em 7 jogos para o Campeonato contra o Porto, tem uma vitória. E assim continuará porque ao Jesus ninguém ensina nada. Tirando o medíocre do Pereira, que lhe dá banhadas tácticas em todos os jogos. Também não é muito difícil...

O Cardozo é um jogador especial. Nem é aquilo que a maioria dos benfiquistas quer fazer dele nem é o cepo que alguns insistem em dizer que é. É um jogador com um fantástico pé esquerdo, que tem algum faro de golo e serve para uma estratégia adequada. Tem falhas, claro. Não ver que as tem é pura cegueira. Ontem teve a vitória nos pés. Falhou.

Salvio está numa forma deplorável.

Enorme jogo do Matic. Coitado do rapaz, anda ali perdido contra 3 e 4 e mesmo assim faz tanto.

Sem dúvida, anónimo, fizemos um jogo extraordinário. Pena o árbitro e os jogadores do Porto estarem dopados. Caso contrário, tínhamos goleado.

Gon disse...

Ricardo, ontem não te vi no Estádio da Luz mas de certeza que lá estavas, como eu.

Concordo quando dizes que o Benfica do JJ tem mais problemas contra equipas fortes, mas discordo um pouco com o que consideras a origem desse problema.

No jogo de ontem (e aconteceu também no jogo contra o Barcelona, por exemplo), se reparares bem sempre que iniciávamos uma jogada a partir da nossa baliza, a linha defensiva do Porto encostava-se ao meio campo. A nossa defesa, como é obvio, também subia e isto fez com que todos os jogadores (tirando os GRs) tivessem de jogar ali num espaço de 10m ou 15m. Neste caso não era com mais gente no meio campo que se contornava o problema. O jogo mais directo é mesmo a solução, para tentar aproveitar o espaço nas costas da defesa.

Podiamos tentar baixar mais para começar a construir mais perto da nossa baliza, mas isso trazia a pressão (que os tripeiros fizeram e bem sobre a nossa defesa e GR, com o resultado que se viu) para o nosso meio campo e longe da baliza do Helton, que era o que o Vitó'Preira queria.

Podem agora dizer que então estou a concordar que o VP deu uma banhada táctica o JJ. A isso eu respondo: talvez seja verdade, mas também não é menos verdade que essa é a maneira habitual do FCP jogar, ele não fez nada extraordinário - pressão alta, defesa subida e uma equipa muito compacta; o Benfica também jogou (ou tentou) jogar como joga sempre - defesa subida (embora nao tanto como a do Porto), equipa com muita profundidade (ou seja, mais distancia entre os jogadores), jogo preferencialmente pelas alas. Não resultou como de costume porque é muito mais dificil contra uma táctica como a que o Porto utiliza.

Para evitar o jogo directo o Benfica teria de alterar um pouco o seu estilo de jogo, e isso seria arriscado e se corresse mal lá vinhamos nós dizer que o JJ tinha inventado outra vez...

Em suma, isso do jogo parecer rugby é um exagero. Ambas as equipas estiveram aquém do que é costume: o Porto esteve sólido mas desta vez inexistente no ataque; o Benfica esteve menos presente nas imediações da baliza adversária (fruto da tal defesa muito subida do FCP, que é o exacto oposto das equipas mais pequenas que defendem com o bloco muito baixo), e cometeu alguns erros defensivos que custaram 2 golos (nos únicos!! dois remates à baliza que os azuis fizeram).

Caramba, além dos golos tivemos mais 2 ou 3 que não entraram porque... porque... sei lá, porque os santinhos não quiseram ou o camandro!
Tivesse o Helton uns braços mais curtinhos e estavamos aqui a festejar a vitória po 3-2.

O que se superiorizou, no Porto em relação Benfica, foram os laterais sobre os nossos alas, que foram bem anulados, não meio campo em que o Enzo secou muito o Moutinho e o Matic esteve fantástico.

Também acho que o Jesus errou um pouco mas apenas (ou principalmente) numa coisa, nas substituições (e convocatória). Acho que quando sai o Enzo deveria ter entrado o André Gomes (que deveria ter estado no banco) porque tem uma maior presença fisica no meio campo e poderia ter ajudado a empurrar o porto para trás naqueles últimos 20min. Acho que a equipa caiu um pouco com a entrada do Carlos, mas percebo a intenção do JJ.

Enfim, saí do estádio frustrado pelo empate mas não desiludido com os jogadores (a não ser o Artur... que merda é aquela meu?!?) ou com o JJ. Não desta vez, anyway.

Já agora, já não me lembro da última vez que recuperámos de desvantagem duas vez no mesmo jogo contra os tripeiros. Nisso, pelo menos, viu-se uma atitude diferente, de crença e garra, dos nossos jogadores!

Bom, já "descarreguei". Desculpa o coment gigante.

Um abraço benfiquista!

PP disse...

Ricardo,

Tu tens a noção de que no Rugby não podes fazer uma assistência/passe para um jogador que esteja à frente da linha da bola, não tens?

Assim sendo, acho que não jogámos rugby, embora compreenda o sentido que quiseste dar.

Não quero defender o Jesus, pois eu próprio muitas vezes o critiquei.

Mas, então pergunto como teriam solucionado esse problema da falta de controlo de jogo e posse de bola?

Mudando a táctica para o 4-2-3-1, por exemplo? Com Aimar ou outro médio atrás de um avançado? E, que avançado? Cardozo ou Lima?

Já agora, acham que iríamos ganhar ao meio-campo do Porto que joga à 30 anos com 3 médios em 4-3-3, com uma táctica e estratégia que iríamos ter apenas qualquer coisa como 4 a 5 treinos antes deste encontro?

Para mim, isto não faz lá muito sentido.

Jesus deve sim tirar ilacções deste encontro. A primeira é que Cardozo e Lima precisam de trabalhar muito mais na construção de jogo do que têm feito até então. Pensava que a 1ª parte do jogo frente ao Sporting e o empate em Moreira de Cónegos tinham sido suficientes para maior trabalho específico com a dupla, mas pelos vistos não.

Outra ilacção tem haver com a postura mental de certos jogadores, como o Artur (quem diria que seria ele a falhar escandalosamente!), o Melgarejo (muito preso lá atrás...) e Salvio (joga sózinho?!) que defraudaram redondamente, para além de Cardozo e Lima.

Mas, há esperança... Jardel fez um jogão e não senti saudades nenhumas do Luisão. Matic é um gigante dentro de um gigante, passe a redundância. Enzo que critiquei tanto a sua postura a época passada, tem-me surpreendido muito pelo seu grande carácter em campo. E, o Nico Gaitán... que jogatana que ele fez ontem. Foi graças a ele que Matic e Enzo conseguiram segurar o meio-campo na primeira parte, enquanto Lima e Cardozo estavam na mama.

Gon disse...

Também acho que é por aí PP.

Só em relação ao Lima e ao Cardozo: é verdade que não foram as exibições mais conseguidas deles, mas acho que isso se deve à falta de espaço que tiveram, fruto da defesa alta do porto. Normalmente têm mais espaço e ganham mais segundas bolas.

Pedro disse...

"Já agora, acham que iríamos ganhar ao meio-campo do Porto que joga à 30 anos com 3 médios em 4-3-3, com uma táctica e estratégia que iríamos ter apenas qualquer coisa como 4 a 5 treinos antes deste encontro?"

A falta de treinos é totalmente da culpa do treinador, por não ter um plano alternativo mas nem isso serve de justificação pq o SLB já jogou num 433 bastas vezes. Na pré época fá-lo com frequência, jogou assim contra o Twente por exemplo e sempre com bons resultados. Mas, melhor ainda, contra o fcp para a Taça no Dragão jogou com Peixoto no meio e venceu por 2-0. Portanto não é preciso 30 anos de treino, basta não ser estupidamente teimoso.

A resposta é fácil: Cardozo sozinho na frente, Lima no banco para entrar na segunda parte e André Gomes no meio a apoiar Enzo e Matic. E aposto q dominávamos a luta do meio campo e então Sálvio e Gaitan podiam fazer o que sabem melhor.

Antonio disse...

E antes de JJ??? Eram só vitórias, não eram???

Nuno Pinho disse...

O quanto essas estatísticas mentem!

Miguel A. disse...

É isso.. mais uma vez, uma grande oportunidade perdida para passarmos para a frente, pontualmente e psicologicamente. Para ser franco, tinha dúvidas que o conseguíssemos fazer. É nestes momentos decisivos que o JJ se encolhe, erra e borra a pintura toda. Meio-campo entregue ao Porto, leitura de jogo e substituições desastradas, dois jogadores sem ritmo de jogo nenhum lançados para posições-chave (André Almeida e André Gomes nem no banco estão? E se Maxi se tivesse lesionado ou tivesse sido expulso? Quem iria para a lateral-direita? Roderick?), Ola John a três minutos do fim...

Dois golos oferecidos, um deles inacreditavelmente oferecido, eu diria até vergonhosamente oferecido. Valeu a boa reacção aos golos oferecidos, mas isto é muito pouco. Quem quer ser campeão tem de ganhar estes jogos. Foram dois pontos perdidos. Grande jogo de Matic, Garay, Enzo e Gaitán também estiveram bem.

Vem aí um jogo decisivo para a Taça. O empate não serve, e JJ desde que é treinador do Benfica que anda a falar na presença no Jamor.

Abraço.

Ricardo disse...

Gon, compete a um treinador contornar o previsível jogo adversário com estratégias coerentes e eficazes. Chutões para a frente - que foi o que aconteceu em parte da primeira parte e em toda a segunda - não é uma estratégia coerente com o clube que o Jesus está a treinar. Se fosse fácil contornar pressões altas, qualquer gajo era treinador. O Jesus é bom a preparar a equipa para massacrar equipas fracas. Contra as fortes, raramente tem qualidade suficiente. Isto são factos, não são análises subjectivas.

Abraço

PP, os passes não são para os outros, são para os postes - era essa a referência. Tanto faz, chama-lhe futebol de INATEL. Dá no mesmo.

Já expliquei várias vezes qual a minha ideia para a equipa do Benfica. Há anos que falo nisto. Estou cansado, não vale a pena. O homem teima que teima que tem de jogar assim e não há ninguém que o demova da imbecilidade. Pronto, ganhamos de vez em quando e vamos à Champions e goleamos os Aves e tal. Está tudo satisfeito, fica assim mesmo. Eu não estou.

O Pedro já respondeu a algumas perguntas tuas. Concordo com ele.

António, compra um cérebro. Depois volta.

PP disse...

Qual é essa tua ideia? 4-2-3-1?

Bem pessoal, não vou tanto por aí, até porque quem nos garante que a dinâmica do tal trio meio-campista fosse melhor do que a do Porto?

Se repararmos, ontem com a entrada do Aimar, mesmo que fosse para 2º avançado, na prática fez com que a equipa jogasse num 4-2-3-1 e mesmo assim não conseguimos controlar o meio-campo.

Podemos argumentar que Carlos Martins e Aimar não têm ritmo... mas então qual era a vossa solução?

Matic, Enzo e André Gomes? E com Cardozo lá na frente? É isso?

Quanto a tempo de treinos, compreendo as vossas críticas, mas também compreendo a impraticabilidade das mesmas e tenho de dar razão ao Jesus, quando ainda frente ao Moreirense no primeiro jogo após Natal ele disse que tinha de puxar pelos jogadores pois quase não teria tempo neste mês para treinar... apenas para recuperar.

Eu acho que este jogo deu para perceber várias coisas. Uma delas é que tanto Cardozo como Lima precisam de fazer muito mais nestes encontros. Nenhum deles conseguiu ganhar duelos aos dois centrais portistas que jogaram praticamente um-contra-um durante todo o encontro.

Estar à espera que o árbitro marque uma falta frente ao Porto, sabendo exactamente o que se passa nos bastidores é de bradar aos céus. Por isso mesmo critico ferozmente a exibição dos nossos dois avançados.

Se tirarmos um avançado por exemplo Lima e meter o Aimar, do que adianta, se o Cardozo não consegue temporizar, proteger a bola e entregar ao colega na ala, por exemplo?

A estratégia do Jesus era com lançamentos esticar e desgastar o meio-campo do Porto que está mais rotinado do que qualquer meio-campo tridente que o Benfica poderia apresentar neste encontro.

Agora, não podemos é por em causa tudo só porque não dominámos...

O Porto ontem jogou com cerca de 6 jogadores que já estão dentro do clube à pelo menos 3 temporadas (Hélton, Otamendi, Fernando, Moutinho, Lucho e Varela). O Benfica só tinha o Maxi, Nico e o Cardozo no onze titular. É normal que o resto da equipa ainda não tenha desenvolvido a tal mentalidade necessária para fazer face à pressão destes jogos. Nem iremos ter futuramente se continuarmos a mudar de jogadores.

Enfim, não devemos perder a cabeça pois é isso que o Porto quer. Vamos ter jogos muito importantes e difíceis que temos de vencer...