quinta-feira, 19 de julho de 2012

Anjinhos ou mais do que isso?

«Foi dado provimento ao recurso do Benfica. Os empréstimos voltam a ser possíveis entre clubes da primeira divisão.

Inicialmente foi aprovado uma nova norma que visava travar os empréstimos de jogadores entre clubes da mesma divisão, para entrar em vigor já na época 2012/13.

Esta decisão provocou polémica e a reação por parte do Benfica, que interpôs o recurso junto do Conselho de Justiça, que também tinha dito que queria ouvir os restantes clubes acerca desta norma.»

E pronto, está consumado. Depois de, com o "apoio inequívoco" a Fernando Gomes, termos - eu não, que não apoio esta gente, mas o clube e adeptos que apoiam quem o dirige - perdido a legitimidade para abordar a questão do sistema e especificamente dos árbitros (pelo menos, quem tem a espinha direita; caso contrário, sigam afialhados ou portistas em segunda mão, como quiserem), hoje consuma-se o pleno: perdemos (vocês, meus caros, perderam; eu não, que não apoio esta gente) também o direito a vociferar contra a promiscuidade dos empréstimos.

É esta a nossa luta pela verdade desportiva. Obrigado, Vieira e demais portistas e sportinguistas que nos dirigem. É este o caminho para a desbenfiquização do Benfica com o aval da larga maioria dos seus adeptos. Está quase completa, é só mais quatro aninhos.

17 comentários:

Passaralho disse...

O Benfica de hoje, ou esta gente de hoje que está no Benfica, é uma vergonha! Uma vergonha!

- disse...

Acho que estás a misturar duas coisas que não fazem grande sentido: uma delas é a tua simpatia ou não simpatia pelos dirigentes actuais do Benfica. Outra é ser-se a favor ou contra de empréstimos de clubes da mesma liga. Fiquei sem perceber se és contra os empréstimos entre clubes da mesma liga seja ela PT espanhola ou holandesa por ideia própria... ou se pelos dirigentes actuais do SLB terem uma opinião oposta.

:)

Acho que esta proposta não fazia grande sentido (proibição total de empréstimos até porque como o presidente da liga com que simpatizas disse, achava que isto até violava as leias da UEFA) e do pouco sentido que poderia fazer... os clubes que a propuseram e aprovaram... na minha opinião escolheram o timming errado...pq não a propuseram uns 2 ou 3 meses antes? o que de certa forma descredibilizou a proposta... logo à partida... É um bocado como estares a fazer um exame a caneta preta e a meio do exame dizer-se que apenas respostas a caneta azul serão corrigidas... :)

Pessoalmente veria com bons olhos a contra proposta que o sporting apresentou de impor limites e dos jogadores não poderem jogar contra o clube de origem.

Qual a vantagem para uma liga (pt, es, en, etc) em proibir-se totalmente os empréstimos entre clubes ?


Abraço,
Ricardo Martins
@rfam

moleculasdeamor disse...

Sou a favor da limitação dos empréstimos tipo - máximo 10 por clube em território nacional!

Mentecapto da Silva disse...

"Foi dado provimento ao recurso do Benfica".

Paulo Gonçalves, o assessor jurídico do Benfica, é o nosso Anderson Polga: após muitos anos de actividade conseguiu marcar um golo. Pena ter sido na própria baliza.

Paulo, thanks...for nothing!

Anónimo disse...

É tanta a vontade de dizer mal que nem percebem que a lei que proibia os empréstimos era ilegal.


http://diabenfica.blogspot.pt/

Ricardo disse...

Ricardo Martins,

"Fiquei sem perceber se és contra os empréstimos entre clubes da mesma liga seja ela PT espanhola ou holandesa por ideia própria... ou se pelos dirigentes actuais do SLB terem uma opinião oposta."

Sou a favor de um sistema de empréstimos entre clubes da mesma liga que seja limitado e bem orientado; no fundo, com critério - por exemplo, não mais do que 1 jogador ao mesmo clube e, de forma geral, só jogadores até aos 25 anos - o limite de idade defendo-o porque o empréstimo da sua natural génese: propiciar potenciação de qualidade para um possível regresso à casa-mãe. Por outro lado, o clube que beneficia do jogador tem a noção de que é apenas uma questão temporária e não um contrato que pode durar indefinidamente.

Tudo isso é a teoria que defendo. Outra coisa é a prática e aquilo que, enquanto clube que convive neste lamaçal que é o futebol português, o Benfica deve fazer. E como o Benfica tem de jogar neste campeonato - com um adversário que beneficia de largae vantagem sistémica, através de relações promíscuas com a grande maioria dos adversários e da protecção arbitral -, a única solução passa por acabar com as forças do Porto. Como? Neste caso, aceitando e até defendendo a proibição de empréstimos entre clubes da mesma liga. Se queremos lutar contra a mentira desportiva, não podemos andar a dar mais poder aos negócios obscuros que facilitam a caminhada do Porto para o título já lá vão 30 anos.

O que faz o Benfica? O contrário: recorre da decisão da proibição de empréstimos. Mais: não só não acaba com o sistema como lhe dá força e legitima a falsidade portista. Quando alguém se insurgir contra os empréstimos do Porto aos outros, sabes o que vai acontecer? Vais ouvir isto: "mas isto só é possível porque o Benfica recorreu da proibição". Não sei se estás a ver o problema e a forma como esta Direcção constantemente alimenta o sistema. Se por ingenuidade se por algo mais grave, enfim, prefiro deixar a dúvida no ar.

"até porque como o presidente da liga com que simpatizas disse"

Podes esclarecer-me onde, quando e como disse que simpatizava com o Presidente da Liga?

Mentecapto, na mouche!

Ricardo disse...

Sim, anónimo, o Benfica recorreu porque era ilegal. Foi isso mesmo.

Ulrich Haberland disse...

Pois, é isso que penso também Ricardo, o que dizes no texto e aqui nos comentários.

Mas se é bom poder não me calar pois também sempre discordei da actual politica do clube, é péssimo sentir-me cada vez mais distante do meu clube. A identificação com ele é cada vez menor. O meu clube do coração é diferente deste.


P.S. - O único recurso que eu queria que o dep. jurídico perdesse é aquele que ele ganha... significativo.

Mentiroso disse...

Yartey vendido ao Sochaux.

Ou muito me engano ou este jogador vai acabar no Porto.

mago disse...

(Mais) Uma noticia triste. (Mais) Um excelente post.

E um off-topic: temos (todos) de nos deixar levar menos pelos jornais, esses que procuram sempre beneficiar o Benfica. Isto porque parece que o Benfica B marcou o primeiro golo contra o Beira-Mar atraves de um jogador sem contrato. Eu pelo menos nao vi nenhuma noticia a dizer que a rescisao com o David Simao afinal era MENTIRA.

JC disse...

Para compor o ramalhete ainda vamos recuperar o equipamento "azul à Benfica" e entrar no negócio da fruta. E assim completar-se-à esta longa e angustiante lobotomia a que o Sport Lisboa e Benfica tem sido submetido.

Sérgio disse...

O Benfica tem tido tanta vontade de lutar contra o porto com as armas deles que se compromete.
Primeiro, idealmente os empréstimos deviam funcionar de forma livre, sem limite de idade, como em Inglaterra ou Itália, em que é possível um rival emprestar um guarda-redes ao adversário que ficou agarrado. Isso era o ideal.
Em Portugal, esse funcionamento livre foi desvirtuado. Com gripes e caldinhos. A ideia de proibir os jogadores de enfrentar o clube de origem é má, porque favorece terrivelmente os clubes mais fortes. Não me tinha apercebido que o sporting tinha proposto isso, mas é pouco inteligente, porque o deixava enfraquecido face a Benfica e porto (principalmente) que têm os adversários muito mais minados. Não tem sentido a equipa pequena ser forçada a jogar sem 4 ou 5 titulares, provavelmente dos mais influentes, nos 3 jogos mais difíceis do seu campeonato.
Se no Benfica houvesse um primado de gestão em vez de uma tentativa de exercer poder “à porto” o que tinha até mais sentido era fazer a evolução dos seus jogadores exclusivamente no Benfica B, sem necessitar de emprestar a clubes da 1ª liga. E não me digam que a rodagem não é a mesma porque se o Benfica B jogasse para os primeiros lugares é mais importante o jogador crescer numa equipa de ataque e domínio do que numa equipa de manutenção. Ainda para mais porque os jogadores a estarem no Benfica B permitiria controlar melhor o seu desenvolvimento, ter a adaptação táctica e de modelo de jogo já feita, e outras mais valias associadas. No limite, se o Benfica B não serve para os jogadores que emprestamos (porque ainda pretendemos investir neles) então mais vale nem existir. Não vejo o sentido de ter um Benfica B para o refugo e depois os gajos que queremos mesmo que sejam alguma coisa estarem fora, numa equipa qualquer da 1ª. Mas não, a nossa direcção tem ideias muito mais interessantes e dignas, portanto vamos lá continuar o jogo do risco com o porto, “conquistando” adversários com as nossas tropas!

moleculasdeamor disse...

A complexidade deste assunto está associada a estes aspectos:
-O uso deste expediente para obter favores. O Porto é certamente especialista nesta área - impossível competir. É claro que o meu modo de vida é diferente desta mentalidade!
- Tentação (concretizada) de contratar tudo o que mexe não vá mais tarde dar alguma coisa (nem quero falar em comissões - mas muitas pessoas também falam disso - chama-se a isso ilegalidades éticas).

Por outro lado o empréstimo a clubes com mais dimensão que estejam realmente interessados no jogador prevendo que seja titular é uma mais valia no crescimento do atleta, tipo uma transição entre a equipa b e o plantel profissional...

ideias... sendo o nosso mundo algo de belo os empréstimos eram coisas boas...

Só para situar a discussão num sentido "totalmente" global!

Polaris disse...

Ricardo,

Concordo com a generalidade das tuas críticas a esta administração/direcção.

O apoio ao F. Gomes não foi só um tiro no pé, mas verdadeiro napalm e seria, só essa, razão mais que suficiente para eu ficar de consciência tranquila caso não vote no Vieira.

Neste ponto em concreto, apesar de não saber qual foram os verdadeiros fundamentos para o recurso da decisão, o objectivo era relevante.

Caso fossem proibidos os empréstimos voltariamos aos tempos em que nem disfarçar com o empréstimo era necessário. Deves-te lembrar do caso do Helton no Leiria.

Se vivessemos num "Estado de Direito Democrático" como refere a Constituição, a minha opinião seria outra. Se a nossa comunicação social desportiva não servisse apenas para encobrir factos, também.

Assim, neste ponto tens a minha discordância.

João Duarte disse...

Este caso é complicado.

Mesmo que não queiramos q os clubes tenham jogadores nossos para "facilitar" os jogos, precisamos de os ter perto de nós para as inumeras votações e decisões q se tomam nas Ligas e Federação.

Forma de influenciar os clubes:
1. Dar-lhes árbitros
2. Dar-lhes decisões favoraveis na Liga/Federação
3. Dar-lhes dinheiro via Olivedesportos
4. Dar-lhes dinheiro via municipios
5. Emprestar jogadores e pagar salários
6. Emprestar treinador
7. Comprar-lhes jogadores

Pontos 1, 2, 3 é totalmente impossivel para nós, o ponto 4 tb dado q os municipios estão falidos.

O ponto 7 é ocasional, dado a raridade de talentos na Liga, e é casuistico, i e, compramos a quem tiver, nao a quem queremos influenciar.

Ponto 6 é o mais barato para o clube influenciador e o menos apreciado pelo influenciado.

O porto este ano parecia querer esta estratégia. Pq? pq nao tem argent para pagar salários `multidão de emprestados.

Prpos através do Nacional, clube satélite com quem até partilhou árbitros. Votação massiça a apoiar esta proposta por parte de todos os clubes. Sem o Porto por detrás haveria este voto?

benfica bate o pé, ganha a decisão. É mau para nós?Não. Não pq permite corrijir um enorme erro de gestão ao contratar camiões de jogadores fracos ou irrelevantes.

é mau para o Porto? É. Vai ter q meter emprestados em todo o lado e pagar-lhes salário.

Os gajos estão mal de finanças. é publico. Toca a apertar o cerco.

Fartei-me de pensar nesta ou noutra explicação. Custa-me a crer que façamos tudo mal.

Bicadas disse...

3 vertentes para análise:

1 – Os empréstimos.

Sou a favor dos empréstimos e penso que não faz sentido acabar com eles. O crescimento dos jogadores jovens é o caso mais evidente – há jogadores como Simão ou Rosa que serão prejudicados por estar na equipa B, apenas fazendo sentido a sua permanência se fossem opção para alguns jogos na A. Mas para além da formação haverá sempre casos de jogadores que estão tapados numa equipa mas que podem ser mais-valias noutra e com o empréstimo têm oportunidade de competir e o clube gere melhor o balneário. Penso que isto é pacífico.

2 – A proposta agora chumbada.

A proibição dos empréstimos a 2 dias do início da época foi uma tremenda irresponsabilidade e não terá sido coincidência o facto de ser apresentada por Rui Alves. Sou favorável à regulamentação dos empréstimos, como o Benfica já tentou, mas indo ainda mais longe. Defendo o modelo inglês com limite de 1 jogador da equipa emissora por equipa receptora, estando esse jogador proibido de defrontar a equipa emissora. Isto mitigava os danos à verdade desportiva e fomentaria o bom relacionamento entre clubes, impedindo o surgimento de “subsidiárias” ou coutadas.
Mas estou convencido que isto foi mais uma casca de banana lançada pelo pinto ao Benfica e, realmente, o Benfica esticou-se ao comprido.

3 – O papel do Benfica.

O Benfica defendeu os seus interesses directos, mas desprotegeu-se no campo político. De facto, só na cabeça de um sonhador cabe uma ideia do tipo “não podemos emprestar, rescinda-se com os jogadores ou ponham-nos a treinar à parte”. Quem defende isto ou não tem presentes as consequências da decisão ou não vive neste mundo. E não vale a pena vir com o argumento de que “ninguém os mandou comprar camiões”, porque os camiões já estão comprados. Isto são os interesses directos.

No campo político fomos anjinhos. O Benfica deveria ter tido a sagacidade de ficar quieto. Fatalmente o porto avançaria com o recurso. Assim, fizemos o que eles queriam, dando lugar ao raciocínio da legitimidade que o Ricardo desenvolve.
No entanto, Ricardo, não posso estar de acordo com a tua opinião neste campo, ou antes com o radicalismo com que eu a perspectivo. Vejamos: emprestar jogadores para os potenciar ou para lhes dar oportunidade de competir é legítimo e, do meu ponto de vista saudável. Emprestar jogadores para ter um clube na mão é batota e o Benfica, ou qualquer outro clube, terá sempre legitimidade para denunciar e queixar-se da batota. Não é o mesmo que o apoio ao mangas-de-alpaca, onde qualquer um via a armadilha e os benefícios para o Benfica eram uma miragem. Mas mesmo nesse caso assiste alguma legitimidade ao Benfica para se queixar quando se sente prejudicado – negá-lo é semelhante a dizer que quem votou PSD não tem legitimidade para se queixar de ter ficado sem subsídio de Natal ou de férias – tem, os senhores, antes de serem eleitos, negaram que o iriam fazer, e o mangas-de-alpaca também não terá dito que nos ia encavar.

Cumprimentos

Águia Eterna disse...

A Direcção do Benfica infelizmente só tem BURROS e COVARDES. O l.f. vieira, pseudo-presidente e AUTISTA, é o seu EXPOENTE MÂXIMO.
Esta questão dos empréstimos é a PROVA disso. com esse sistema de empréstimos quem fica a ganhar são os COIRRUPTOS do fóculporco, e esse EXEC´RAVEL E BURRO vieira não vê um BOI à frente do nariz.

quase 500.000.000, €uros (QUINHENTOS MILHÕES DE EUROS de passivo???!!!
Ah "GRANDE PRESIDENTE" vieira... quem vier atrás que feche a porta, não é???!!
coitado do meu BENFICA, entregue a BURROS E COVARDES.

BENFICA, GLORIOSO E IMORTAL, sempreeeeeeeeeeee.