quarta-feira, 4 de julho de 2012

Fiesta

Devia ter uns 7 anos quando me apercebi pela primeira vez de que os homens de preto que entravam no relvado não eram homens, mas animais. Seres repugnantes que serviam, quais touros em arenas, para o grande momento da tarde no Estádio: o assobio uníssono de 120.000 gargantas. 

Neste particular, destaco a excelente capacidade de alguns colegas de bancada para o som estridente, conseguido através de uma estrutura perfeita de dedos na goela, procurando, tacteando, entre o céu da boca e a língua o ângulo perfeito para o grito ensurdecedor que inundava o animal de apito de vergonha e os meus tímpanos de zumbidos até ao intervalo. 

Com o Sol sobre a minha cabeça, espantava-me aquela demonstração de ferocidade e dramatismo, em oposição à festa e pornografia de cachecóis, bandeiras, luzes e rolos de papel higiénico sempre que onze deuses entravam de manto vermelho sagrado vestido. Era como se assistisse, primeiro, à entrada do touro e, depois, ao despontar pela arena de 11 toureiros, sedentos de tornear, humilhar e, finalmente, deixar cair no chão, de rastos, o animal que vinha de preto para o Estádio. 

Com o apito ao pescoço, o touro fazia a sua presença tilintar por todo o relvado, como se fosse uma vaca pelos campos abertos da Andaluzia. E eu, olhando o meu pai gritar obscenidades que me proibia em casa, imitava-lhe as palavras, naquilo que me parecia ser a única forma de tratar um animal como aquele (afinal, se o touro vinha à Luz, era com toda a certeza para nos fazer mal e nos dar uma cornada nas partes baixas do benfiquismo heróico!).

Com o tempo, fui desenvolvendo no aficionado que sou a herética ideia de que o touro, apesar de mauzão, era bem capaz de não ser o máximo culpado pela má preparação e técnica dos toureiros encarnados e, assim, afastando-me inequivocamente da grande maralha que me rodeava, cheguei a chatear-me com um outro aficionado quando, tendo o touro assinalado uma perfeita e justa marca na areia com as patas (contra a vontade dos nossos toureiros!), o benfiquista desatou aos gritinhos histéricos, querendo a morte do animal, sem julgamento nem direito a advogado, acusando a mãe do miura de todas as patifarias, putarias e pornografias jamais vistas nas lezírias do sul da Ibéria. 

Não era justo!, gritei, deixem o animal em paz!, pedi, e, vendo que o animal que podia ficar morto na arena era eu, decidi-me por defender o touro em silêncio, não fosse o meu benfiquismo jorrar-se-me directamente do pescoço e acabar ali a minha performance de aficionado.

4 comentários:

Constantino disse...

A culpa do toureio ser de má qualidade não se deve apenas à falta de pêlo na venta do animal, também têm que ser assacadas culpas ao toureiro paralitico.

Porém, muitas vezes há forcados rabejadores que para além de exigirem ficar encarregues de constituir o cartaz de toureiros da Corrida, também dão uma perninha por fora e apoiam o ganadeiro que trata mal o touro. Mas como o nome dele só aparece como o tipo que escolheu os artistas, quando a coisa corre mal não perde tempo em inculcar culpas no "raisparta do bovino que é tão bem tratado pelo fabulosos ganadeiro, com pauladas no focinho de hora a hora para enraivecer e mesmo assim quando chega à arena vai-se todo a baixo e prejudica a faena dos toureiros em cadeiras de roda que eu escolhi". Não estaremos nós perante um sublime caso de "touro espiatório"?

Abraço

Ricardo disse...

Não percebi metade do texto, mas gostei. O fim é divinal. Um abraço.

Constantino disse...

Pois pah, isto escrever não é para quem quer, é para quem sabe. Já devia ter comprado o Escrita Para Totós, senão só me ando a envergonhar pela blogosfera fora.

Descodificando o texto como quem descodifica Pessoa, mas com muito menos opio no bucho: o touro são os arbitros, o forcado rabejador é o LFV, os toureiros jogadores do SLB e o ganadeiro é o gomes. Continua a não fazer sentido, mas...

Abraço

Germano Bettencourt disse...

É verdade.

Um bom toureiro dá a volta a qualquer touro. No entanto, existem dias, em que estando o toureiro desinspirado, um mau touro pode ser fatal. É nesses dias, que como benfiquista, suspiro com a dor da cornada nas partes baixas.

Abraço