domingo, 28 de abril de 2013

Voz ao leitor André Leal


«Caros Benfiquistas:
É nesta altura, carregada de momentos decisivos a nível clubístico e numa conjuntura económica muito complicada para o país, que vos resolvo escrever. E faço-o não só por amor ao nosso Benfica mas também por patriotismo. Patriotismo esse que me faria merecer uma estátua, o nome duma ponte ou, perante outra perspectiva, o desterro.
Assim, todo o meu raciocínio baseia-se nas seguintes premissas:
- O Benfica pode perder o campeonato, a final da taça e, se lá conseguir chegar, a final da Liga Europa. Eu sei, muitos de vocês não estavam preparados para esta informação, mas posso-vos assegurar que, após intensos estudos, realmente pode acontecer.
- 60% do país, meia Paris, meia Suíça, toda a Newark e todo o Luxemburgo vão ficar de rastos caso aconteça o que todos tememos, reduzindo drasticamente os níveis de produtividade do nosso país e 
demais zonas referidas.

Partindo destas premissas verificamos que, tal como em 2011, toda esta situação se pode virar contra nós. Eu, no dia seguinte á derrota na 2ª mão da taça com os corruptos, parti a cabeça por não conseguir levantá-la literal e fisicamente e por a Câmara de Condeixa-a-Nova permitir aparelhos de ar condicionado a 1,60m do chão na via pública. Nada que me orgulhe enquanto ser racional, mas que atesta todo o meu enorme benfiquismo. Logicamente que todos vocês benfiquistas tiveram uma situação semelhante nesse dia, caso contrário, mais vale rasgarem o cartão de sócio (bons tempos em que isso era possível) e entregarem-me o vosso redpass pois não são dignos desta 
família.

No entanto, apesar da beleza e simbolismo relativamente a amor ao clube constantes texto em cima, há que reconhecer que estas lose-lose situations não são recomendáveis e, no meu caso, até aleijam. O país precisa de nós, benfiquistas, para pagarmos as dívidas dos bancos e políticos portistas, perdão, corruptos que governaram o nosso país.
Por isso a proposta que vos faço a todos é a seguinte, passando a descrevê-la em passos claros e objectivos:
1 - Definição dum valor máximo que, mediante o vosso amor ao Benfica e a vossa situação financeira, estariam dispostos a gastar para que o Benfica ganhasse cada uma das competições em que ainda está presente.
2 - Procurar a melhor casa de apostas, em termos de odds, para a aposta contrária ao nosso desejo, ou seja, a vitória do adversário em cada uma dessas competições.
3 - Definir se o valor encontrado no primeiro passo envolve os ganhos potenciais ou apenas o valor da aposta.
4 - Caso envolva os ganhos potenciais ter-se-á que aplicar a fórmula que exporei mais adiante.
5 - Apostar o valor encontrado: no caso de não serem envolvidos os ganhos potenciais será o valor encontrado no primeiro passo; No caso de serem envolvidos os ganhos potenciais será o valor encontrado através da fórmula.

Atenção que, para os benfiquistas, poderá aparentar-se como desconfortável gastar dinheiro para ganhar, nomeadamente pela similaridade com outros clubes que realmente pagavam para ganhar, porém, existe a pequena diferença que neste caso apenas estamos a pagar às casas de apostas e aos 
que apostarem em sentido contrário e não a árbitros e jogadores de outros clubes.
Também poderá ser desconfortável para alguns apostar contra o Maior, nomeadamente para o campeonato, o que implicará uma aposta nos corruptos. A esses sugiro que exercitem mentalmente

uma analogia com os seguros. Pagamos seguros para que, em caso de sinistro, sejamos monetariamente compensados pela desgraça que, porém, dificilmente repõe a situação inicial. E, assim, tal como com os seguros, os ganhos potenciais, e compensatórios, terão que representar uma importância que não nos faça desejar que a desgraça ocorra, pelo que peço muita atenção ao cálculo efectuado no ponto 1 e para a decisão se desejam ou não incluir os ganhos potenciais no valor a apostar. Caso contrário parece que já estou a imaginar o inimaginável, ou seja, uma hipotética situação insólita em que vejo os adeptos benfiquistas a assobiar o melhor marcador estrangeiro da história do clube, por exemplo.
Assim, resumindo, estas apostas deverão ser suficientemente grandes para que nos sintamos minimamente compensados no caso do Glorioso não conseguir alcançar algum, alguns ou todos os objectivos do que resta da época e, ao mesmo tempo, suficientemente pequena para que a dúvida 
relativamente à clara vontade de perder a aposta nunca surja, muito menos a ponto de irmos para a Luz gritar "Meireles és o maior e adoro as tuas tatuagens" em vez de o achincalharmos de alto a baixo, incluindo todos os seus familiares até ao 7º grau de parentesco.

Passando às clarificações quanto a certos aspectos a ter em conta, aproveito esta última deixa relativa ao caceteiro tatuado para referir que a Liga Europa, visto ainda não estarmos na final, não poderá ser considerada para esta análise para já, a não ser que exista a aposta específica "Benfica não ganha a Liga Europa". Poderá, no entanto, ser feita a aposta na eliminação na meia-final e, se graças a Eusébio (e ultimamente também ao Sálvio), conseguirmos perder essa aposta, sempre poderemos perder também a tão desejada aposta da final. Ficaremos com certeza mais pobres, mas muito mais felizes e, no caso de perdermos em campo, consequentemente ganhando a aposta, daremos muito mais valor à frase “O Dinheiro não traz felicidade”.
Quanto ao englobamento ou não dos ganhos potenciais no cálculo do valor a apostar, terá que ser uma decisão de cada um. A meu ver, uma pessoa que não precise de dinheiro não deverá englobar os ganhos potenciais, no entanto, alguém que não precise de dinheiro não é benfiquista, mas sim lagarto, por isso estou em crer que o englobamento dos ganhos potenciais será a opção da grande maioria dos benfiquistas. Perante esta opção o valor da aposta não será o valor que se está disposto a gastar para o Maior ganhar determinada competição, mas este:

VBC = Va x odd – Va ou VBC = Va x (odd – 1)
Em que:
VBC – Valor do Benfica Campeão
Va – Valor a apostar. 
Odd – Valor pago por cada euro investido pela casa de apostas em caso de ganharmos a aposta e perdermos a competição (nunca se esqueçam disto)

Assim, e a título de exemplo, caso o sócio Ruben Amorim, lembrei-me dele por causa daqueles posters do desconto da Repsol e porque me parece um benfiquista com vontade de arriscar, decida apostar na vitória dos corruptos no campeonato, considerando os seguintes dados e que, dada a sua parca situação financeira, irá optar pelo englobamento dos ganhos potenciais, teremos a seguinte aposta:
VBC: €1 (relembrem a sua parca situação financeira e o facto de viver em Braga há mais de um ano)
odd: 3,40 (fonte: Bet365 à hora que escrevo)

€1 = Va x (3,40 – 1) <=> Va = €0,42
Podes, portanto Ruben, ir investir os teus 42 centimozinhos na equipa do sogrinho (https://www.facebook.com/OntemViTeNoEstadioDaLuz/posts/353766178025225), para que, quando e se o Benfica perder, possas gastar o teu prémio em algo ainda mais apelativo do que observar o Quim a correr em direcção ao Jesus.
Resta-me acabar com um cliché, desejando a todos muito azar no jogo e muita sorte no amor!
Saudações benfiquistas»

André Leal

2 comentários:

Zim N. disse...

Já faço esse tipo de apostas há já alguns anos! E já tentei convencer muitos amigos em faze-lo. Costumo chamá-las de apostas de satisfação.
Se o Benfica ganha fico contente e perco dinheiro. Quando o Benfica não ganha fico furioso, com dor de barriga..., mas quando faço as apostas, fico triste mas com algum dinheiro no bolso. Sim, por o Benfica não ganhar tem odd muito boas!
Nesta fase, em que o Benfica está em luta renhida, a minha satisfação é manter a distância, ou seja, o esperado, (vitória dos corruptos e do Benfica, logo as apostas que faço são os corruptos a vencer+o empate do Benfica, e os corruptos a empatar e a vencer contra a derrota do Benfica. Como combino 2 jogos as odds são ainda maiores!

Anónimo disse...

Olha men,vai mazé trabalhar pras obras