quarta-feira, 6 de julho de 2016

A Viagem do Emigrante

Gente que sofre um ano inteiro a limpar retretes, gente que acarta sacas de cimento a vida inteira, gente que sofre das 6 da manhã às 9 da noite a saudade de andar a seguir ordens de gente que não sabe, não reconhece, o sacrifício de uma vida feita de bondade para deixar aos filhos um lugar melhor no mundo.

São estes os heróis do Europeu, aqueles que passam os dias à espera de um autógrafo que possa ficar emoldurado para a eternidade em cima da lareira.  Aqueles que merecem uma final em Paris, doidos de emoção. Os que sentem Portugal à distância de um golo, de uma vitória, de alguém que se lembre deles. Da vida madrasta tornada Mãe de todas as alegrias. Mais portugueses do que os portugueses, os emigrantes inundam-se de poesia e cantam o poema

POR-TU-GAL, POR-TU-GAL, POR-TU-GAL!


6 comentários:

Anónimo disse...

Grande Post, tudo verdade! Como filho de emigrantes dos EUA, natural da madeira e morador em Guimarães este post levou-me uma lágrima ao canto do olho...
Respect #Emigrantes

Bryan Pinto

Águia Preocupada disse...

Não sou nem nunca fui emigrante, mas sinto a saudade e o sentimento que este post transparece.
Já fui a Paris muitas vezes e sempre que encontrei ou falei com portugueses emigrantes senti no olhar e nas palavras o misto de prazer e saudade que era estarem perante alguém que significava um pedacinho do seu Portugal ausente!
Felizmente não precisei, mas jamais seria capaz de estar longe do meu país! Estes emigrantes, merecem que os nossos jogadores façam tudo, dêem tudo o que tem, lutem até à última gota de suor, até à última pinga de sangue, como agradecimento por esta devoção e apoio!
Eles merecem e nós também!

jorgen80 disse...

Grande cena, pa. Mts obras de arte vais deixando pelo teu blog. Continua.

Pedro Pinheiro disse...

É bem verdade Ricardo. Fui emigrante durante três anos na Suiça e o fervor pela selecção aumenta, muito mas muito mesmo. Ganhar à França ou à Alemanha (venha o diabo e escolha) no domingo seria de uma beleza inolvidável. Este nosso país, tanta vez mal tratado por quem cá vive e não conhece outras realidades, e que está bem dentro de cada Português por esse mundo fora... Ah... Emociono-me a imaginar a felicidade dessa gente, desses manéis, zés, xicos e marias

Nuno Madeira do Ó disse...

Emigrante em Inglaterra e este post e' simplesmente fenomenal. Daqueles para emoldurar e por em cima da lareira ;)

Se querem perceber um pouco mais da vida de emigrante que o Ricardo aqui fala vejam "A Gaiola Dourada" e tentem abstrair-se do lado comico da coisa..

Anónimo disse...

São eles os verdadeiros heróis do Euro: os adeptos. Procurar pelos melhores momentos da competição, é necessariamente apontar, sobretudo, as câmaras para as bancadas e para fora dos estádios.

No caso dos Portugueses, desperta-me, especialmente, a forma discreta mas sentida como, à distância, dão forma à palavra mais bonita e característica da nossa cultura: saudade. Mereciam que a sua pátria tivesse cumprido os mínimos para com eles…

Por último, permite-me que vos agradeça. Duplamente. Pela agradável surpresa que significou ver um meu comentário elevado a post. Uma honra. Mas, sobretudo, pela dedicação e inspiração de um espaço que é uma referência de elevação e partilha de ideias no que ao trato do futebol (e, necessariamente, da vida) diz respeito.

Sou eu, quem tem a agradecer-vos.

RedMist