domingo, 3 de julho de 2016

Encher a Luz em TODOS os jogos!



Somos 250.000 sócios, imaginemos que 150.000 pagantes com as quotas em dia. Só na Grande Lisboa, apostaria que temos pelo menos 50.000 sócios desses 150.000. Se metade destes fosse, jogo-sim jogo-não, ao Estádio (ou seja, uma vez por mês, o que significaria 15 euros por mês, nenhuma fortuna), teríamos, com os restantes sócios e adeptos do resto do país, a Luz sempre cheia. Mas imaginemos que só 20.000 sócios da Grande Lisboa vão aos jogos. Seriam os suficientes para encher o estádio, acrescentando a estes os adeptos da Grande Lisboa e os sócios e adeptos do resto do país.

Sabendo da grande adesão dos sócios e adeptos de todo o país (esses, sim, fazem esforços bem mais significativos em termos financeiros), deparamo-nos com um problema real de "sofazismo" entre os que estão mais perto do estádio. E isto, para mim, é inaceitável. Quantos adeptos do Benfica terá a Grande Lisboa (e aqui englobo Lisboa, Sintra, Amadora, Odivelas, Loures, Cascais, Mafra, Oeiras, Vila Franca de Xira e ainda concelhos da Margem Sul mais próximos da cidade)? Vamos dar um número por baixo: 700.000 benfiquistas, entre adeptos e sócios. Bastava que 6 por cento destes fosse ao estádio (ou seja, 42.000 pessoas), para que a Luz estivesse sempre cheia ou quase, já que os outros benfiquistas do resto do país completam os restantes 10000/15000/20000, consoante o adversário e nível de interesse do jogo.

Não quero com isto culpar ninguém nem medir benfiquismos, muito menos ser insensível à situação financeira de muitos benfiquistas, mas pelos dados apresentados apercebemo-nos de que facilmente encheríamos o estádio se todos os que podem quisessem apoiar a equipa. Bastaria que esses 6 por cento (42000) se fossem revezando ao longo do ano. Repare-se: se um benfiquista da Grande Lisboa decidir ir ver o Benfica ao vivo uma vez em 4 meses, teremos o estádio sempre cheio sem grandes gastos pessoais. Um sócio, se for uma vez em 4 meses, gastará 15 euros (3,75/mês); um adepto, se for uma vez em 4 meses, gastará 25 euros (6,25/mês). Excluamos os que não têm dinheiro para dar comida aos filhos e os que, não estando em situação tão delicada, não podem acrescentar mais despesa às contas mensais. Ainda assim, sobra um número suficiente de benfiquistas que podem ir e não vão porque não querem. Esse número chegaria para ter a Luz sempre cheia.

A questão do "sofazismo" tem de ser confrontada com inteligência. Sabendo que com os actuais preços o Estádio deveria estar sempre cheio (pelas razões e números que apresento atrás), parece-me da mais elementar necessidade que os dirigentes do Benfica contrariem estas fracas assistências com medidas que "forcem" os "sofazistas" a ir ver a equipa ao vivo. A redução de preços de bilhetes é uma medida acertada, tal como a redução do preço das quotas (estamos há 4 anos à espera que a promessa eleitoral se cumpra), mas devem ser-lhes acrescentadas outras medidas que favoreçam a paixão clubística e fidelidade. Não importa só levar o adepto "sofazista" uma vez; interessa que, a partir dessa primeira vez, ele queira voltar e sinta que o lugar dele é no Estádio e não no sofá.

Daqui a uns tempos darei algumas medidas simples que podem favorecer esta maior adesão, mas deixo uma primeira ideia: e se um não-sócio pudesse comprar um pack de 5 jogos com 3 deles a preços de sócio e 2 com preços de não-sócio? Não se conquistaria só um adepto para um jogo, dar-se-ia o incentivo suficiente para que esse não-sócio fosse a 5 jogos (ajudando a encher o estádio) ao mesmo tempo que se promovia a fidelidade desse adepto e possível vontade de ser sócio. É uma, há várias ideias. É necessário é que haja inteligência, vontade, respeito pelos adeptos e visão.

7 comentários:

Antonio Jose disse...

Meu caro dou-lhe muita razão, mas fora as questões financeiras existem outras como o meu caso, eu não vou ao estádio à cerca de 7 anos porque infelizmente tenho a minha mulher com problemas de saúde que não permitem deixa-la só. Como tal por muito que gostasse de viver o incrível estar ao vivo, não posso.
Isto talvez seja de pouco interesse para vós ,mas é a minha realidade
Vamos a eles como Águias e nada nos fará parar.
Benfiquista sempre
A.Reis

Nau disse...

Encher a Luz e os pavilhões, digo eu.

Ricardo disse...

Pelo contrário, António. Isso é de todo o interesse para nós. Tem facebook? Contacte-nos por mensagem na página fb do blogue, por favor. Abraço.

Anónimo disse...

Caro Ricardo,

Alinho contigo nesta. Acrescento o meu ponto de vista: cada um de nós, que tenha cativo red pass, deve ter como missão benfiquista, em cada ano, a trazer mais um. Entre amigos, filhas, primos e conhecidos, tenho-o feito. Além disso, pagando por transferência bancária, há uns bilhetes de oferta. São óptimos para evangelizar mais uns quantos, quem vai à Luz fica picado para sempre.

Acredito mais nisto que nas medidas do género dos bilhetes mais baratos. Estas são essenciais, claro, são um básico (a bancada dos preços dos descontos do árbitro está sempre cheia), mas, a prazo, somos nós que temos essa obrigação.

Abraço
Pedro B.

xavier disse...

É uma crítica que faço aos Benfiquistas da grande Lisboa. Sendo nós o maior clube em termos de sócios e adeptos para mim uma média de 42 mil adeptos esta época na luz continua a ser pouco. Sou do Norte e digo isto a muitos amigos de Lisboa que se não fossem as casas e os seus adeptos do Norte e interior do país o estádio nunca enchia.
Dou-lhe razão, existe muito adepto de sofá e de facebook e de YouTube.
Claro que há momentos na vida de cada um em que não é possível ir à luz pelas mais variadas razões mas também temos milhares de adeptos da grande Lisboa que bastava irem uma vez por mês para encherem sempre a nossa catedral.

Francis disse...

Eu que estou no estrangeiro deixei as minhas feiras para Setembro para ver um joguinho,se vivesse em Lisboa ou arredores estava la sempre.

joão carlos disse...

ver futebol num estádio é muito diferente de se ver em casa quem esta habituado a ver em casa quando vai ao estádio estranha.
a grande maioria dos que vão ao estádio já o fazem há muitos anos e desde pequenos é aqui que se tem que investir criar rotinas de ir ao estádio nos mais jovens mas nunca ninguém aposta nisso porque os resultado são só no longo prazo e a malta só pensa no imediato.