domingo, 8 de abril de 2012

Verdades inconvenientes

«Agradeço desde já ao Ricardo a possibilidade que me deu para ser insultado a propósito do post sobre os assuntos financeiros que visava ser um alerta para uma realidade que queiramos, já não vivemos no tempo dos jogadores com amor à camisola, tanto mais que vêem que os que nos dizem que nos amam não tiveram qualquer pejo em recusar contratos melhores para sairem do Benfica (Rui Costa, David Luiz, Fábio Coentrão, etc...) ou estão todos (ou quase) os anos a exigir melhoramentos contratuais como compensação para não saírem (Luisão, Cardozo), sendo que apenas um ou dois profissionais têm mostrado verdadeira vontade de continuar (Javi Garcia e Maxi Pereira), apesar de concerteza serem cobiçados por emblenas com capacidade para lhes oferecer melhores contratos.
 
Perguntavam-me no outro dia se a financeira era a política ou se a política era a financeira. A política é a política, a financeira é um instrumento da política, uma ferramenta, mas também uma condicionante. A estratégia deve ser sempre com base na política, mas a parte financeira será o que permitirá operacionalizar a estratégia, que todos queremos que seja de crescimento e sucesso desportivo, não a qualquer preço, mas com ética. no entanto, independentemente de questões estruturais de planeamento, há algumas questões-base, verdades adquiridas, que convém questionar.
 
Devo dizer que neste momento não estou em Portugal, porque isso ajudará a contextualizar algumas das verdades inconvenientes que a seguir direi:
 
1-Estaremos transformados no Sporting ? Será que somos um clube de vitórias morais ? É que ao ler o blog na ressaca do jogo foi essa a sensação com que fiquei. Inclusivamente de comentadores que normalmente revelam uma capacidade de análise bastante esclarecida.
Li barbaridades do género que era um orgulho a exibição de raça dos jogadores. Orgulho ? Eu não senti qualquer orgulho, acho que profissionais de futebol que disputam os quartos-de-final da Champions, que têm sobre si os olhos de todos os clubes, obviamente irão dar o máximo de si em prol da equipa.
A atitude que os jogadores tiveram é a normal para qualquer profissional que quer melhorar a sua situação profissional, aliás é o mínimo que se lhes deve exigir tendo em conta os principescos vencimentos.
De certeza que os adeptos do Apoel também sentiram orgulho nos 2 golos apontados no Barnabéu, mas porra, já descemos o nosso nível de exigência ao acharmos que os jogadores fazerem aquilo que se esperaria deles em todos os jogos, e não só os que têm mais visibilidade como este, é motivo de orgulho e satisfação.
Lamento, mas eu não dou para esse peditório.
Mais ainda quem contribuiu para a situação de inferioridade numérica e no resultado ? Quem apanhou amarelos desnecessários ou fez um penalty escusado ?
 
2-A real dimensão/expressão do Benfica é sem dúvida muito menor que a constantemente vendida. 14 milhões ? Porque não 20 ? Ou 100 ?
Não quero discutir números, porque não os tenho. Quero alertar para o facto de o Benfica poder ser conhecido pelo que fez no passado e portanto ser mais conhecido por uma faxia etária mais elevada, mas os últimos 20 anos têm vindo a alterar a relação de forças com os do norte por muito que não gostemos dessa realidade ou a queiramos ignorar.
A verdade é que enquanto eles conquistaram a Champions e 2 Ligas Europa, o que é que nós conquistámos ? Nada, tivémos duas presenças meritórias na Champions (quartos-de-final) e na Liga Europa (meias-finais e quartos-de-final). A verdade é que somos cada vez menos relevantes internacionalmente, com excepção dos nossos emigrantes.
O mundo é das estrelas e dos vencedores.
Mesmo no Brasil, o jogo Chelsea-Benfica teve muito menos impacto que o Real Madrid-Apoel, eliminatória que já estava decidida desde a 1.ª mão. É fácil ver brasileiros com camisolas do Real Madrid ou do Barcelona, eventualmente do Man United ou mesmo do LOLK, mas do Benfica nem vê-las.
Aliás, para conhecer o Benfica quase que é necessário que os brasileiros tenham ido a Portugal, caso contrário até conhecem o Benfica, mas consideram-no como um "timinho".
 
3-Declarações para português ver. Numa ânsia de mostrar protagonismo, visto que a equipa não o conseguiu mostrar, LFV tratou de fazer declarações "duras" sobre a arbitragem do jogo com o Chelsea.
Sinceramente, essas declarações pouco impacto tiveram em termos internacionais, foram as declarações para o povo benfiquista ver que os nossos dirigentes não dormem, mas a verdade é que a arbitragem nem foi particularmente focada nas análises ao jogo, sobre o penalty e a expulsão que tanto indignaram os benfiquistas, não restam dúvidas, ninguém as considerou desadequadas, pelo contrário, o maior relevo foi o confronto Chelsea-Barcelona (4.º em 10 anos de Champions), a mais ou menos esperada vitória do Chelsea e a boa luta do Benfica que com 10 homens criou a incerteza na eliminatória porque o Chelsea desperdiçou várias oportunidades.
As declarações para orgãos de comunicação nacionais e as suas análises pouco relevam no contexto internacional. Somos um país periférico, com pouca importância.
 
4-Falta de Liderança. é inquestionável. O Ricardo já várias vezes abordou a questão da deficiente liderança do LFV e do Jesus.
Mas mais que isso, não temos liderança em campo. Aliás até temos, mas muitas vezes os líderes pecam pelo seu mau exemplo.
A expulsão de Maxi, ou os muitos cartões de Javi, são um mau exemplo. A experiência de Aimar não se traduz em aceitar as decisões dos árbitros, mas antes em contestá-los, criando condições para ser condicionado.
Mas não é só a nível disciplinar que falta liderança. O exemplo de sacrifício no jogo do Chelsea é exaltado porque aquilo que deveria ser a norma em todos os jogos, foi uma excepção.
Muitas foram as exibições patéticas com falta de empenho, garra, esforço que redundaram em exibições menos conseguidas na 1.ª volta do campeonato e em perdas de pontos abstrusas na 2.ª volta, depois de termos todas as condições para sermos campeões.
Muitas são as saraivadas de critícas a Gaitan por esse comportamento. Não nego que sejam merecidas, mas uma equipa não faz exibições paupérrimas só por causa de 1 jogador ou por causa das más opções técnicas. Falta quem mande 2 berros em campo e ponha a equipa em sentido a correr atrás da bola quando não a temos e sem bola quando a temos.
Não podem guardar as forças só para quando há emissários internacionais a ver, como o caso dos jogos com o Chelsea, com o Porto, com o Braga e muito provavelmente no jogo a disputar com o Sporting.
Para ser campeão tem que se lutar em todos os jogos, ter atitude, pois a diferença qualitativa virá ao de cima se o empenho fôr pelo menos o mesmo que o dos adversários.
 
E só sendo campeão muitas vezes se começa a ganhar um estatuto internacional, desde que épocas europeias como a presente sejam a regra e não a excepção.
O Benfica só pode crescer se internacionalmente a marca crescer e este desenvolvimento está necessariamente ligado ao desempenho/sucesso desportivo.
Para que haja sucesso, tem que haver uma cultura de exigência permanente, em que ninguém pode estar acima da crítica. Penso que todos apreciamos Maxi e Javi, mas na ausência de Luisão, eu esperava um pouco mais deles, acima de tudo mais cabeça, pois sei que não lhes falta alma, nem nada se lhes pode apontar em termos de dedicação, mas a dedicação não chega.» 

Bcool

(o facto de o texto estar subjugado a aspas e ter um nome no final em letras grandes quer dizer que o texto não é meu, mas da pessoa que assina com o nome que está no final, depois das aspas - isto não devia ser preciso, mas pelos vistos é)

8 comentários:

Constantino disse...

Um de voces vai acabar um dia numa valeta com um tiro na nuca e uma tatuagem no peito dizer "blogador extremamente inconveniente e que portanto foi cobardemente saneado do SLB ate porque ainda no outro dia disse que o Emerson deve ser um golfista muito mau porque tem um nivel de handicap pornograficamente elevado". Se querem a minha opinião, se algum há-de ser sacrificado para o bem comum.... que seja o rogerajacto... nada contra ele, apenas é o que menos escreve, pelo que seria a única forma de continuarmos a ter verdades incovenientes com maior regularidade do que o SLB a mamar golos na Catedral.

Abraço.

rui disse...

tu pegas num pau e vai tudo a eito nao é verdade?ainda a dias vi ai fotos em copacabana com bandeiras do benfica por isso nao deve ser so camisolas do lolk Nos ganhamos uma taça dos campeoes ao real madrid e barcelona,eles sabem quem nos somos,tambem perdemos outra com milan manchester inter..eles tambem sabem bem quem somos,o benfica é um clube bem conhecido ao contrario daquilo que disparas por ai fora,os adeptos de futebol em geral..tipo eu ate o parma conheço alguma historia e coisas acerca deles e tipo quem é o parma?Eu entendo o que tu queres dizer,eu percebi a mensagem mas acho que foi mal feita

rui disse...

eu sou um benfiquista anonimo nunca sequer vou aos jogos mas vivo o benfica todos os dias,faz parte de mim eu transmito o meu benfiquismo aos outros e sou um ze ninguem,e como eu muitos,Estiveram em stamford bridge muitos benfiquistas,mas nao estiveram la todos,faltaram os anonimos mas nos tambem existimos,nos tambem somos benfiquistas

Rfa disse...

A ansia de mandar abaixo e tanta que ate esqueceste duas finais na taca dos campeoes...

PP disse...

Be cool, Bcool!

Tudo o que referes neste texto acho correcto e vai de encontro a atitude autocrítica e de auto-exigência que um Benfiquista deve ter para si e para com os seus.

No entanto, tudo se esbate quando vemos os "outros" que têm sido campeões e a forma como o conseguem.

É muito bonito estar a exigir mais esforço, mais concentração, mais cabeça, mais músculo, mais bola,... à nossa equipa, quando vemos outros a terem o mínimo de esforço para conseguirem as vitórias.

Que vida é esta quando tiram a igualdade ao futebol? É isso mesmo... um reflexo da vida!

Antes as pessoas refugiavam-se no futebol não só porque é o desporto rei, mas sobretudo, porque viam que um campeão era-o verdadeiramente em campo, era com o trabalho, o talento e inteligência de jogo que o campeão se mostrava ao mundo.

Hoje, os campeões fabricam-se logo quando fazem as nomeações para a presidência dos organismos que deveriam zelar pela isenção da modalidade. Enfim, estamos a criar uma geração de campeões "pés de barro".

Também é por isso, que cada vez mais há menos pessoas a irem aos estádios. Muitas dizem: "Para que é que eu vou se o resultado já está combinado?"

Depois, esta revolta recai para o resto da realidade nacional e internacional, realidade essa que muitas vezes o futebol servia de escape para ao menos sonhar. Não é à toa que muitos ainda falam dos campos como o "rectângulo mágico", ou a "catedral", ou o "teatro dos sonhos", só para nomear alguns...

Resumindo, devemos ter níveis de exigência elevados, sobretudo no discurso virado para dentro. No entanto, o maior problema está no topo. Eu, sinceramente, desconfio da nossa direcção. Após tantos anos, não consigo confiar. Pior, vejo-os todos a enriquecer, quer seja directa ou indirectamente, à custa do Benfica. Para esses o futebol mais do que a vida é o sustento de uma vida luxuosa. E como o ser humano é preguiçoso, quanto menos eles fizerem e estarem na boa, óptimo. Nem se chateiam muito.

Quanto ao Glorioso parece ter ficado parado no tempo. Não acredito que estejamos menores, pois o que já ganhámos não se tira nunca! Permanece eterno!

Como combater isto? Eu acho que passa por colocar à vista de todos os sócios e adeptos a forma como o "sistema" enriquece. Agora sei que muitos de "nós" (em aspas, pois não incluo a maioria dos benfiquistas sócios e adeptos, que apenas amam a ideia e os valores por detrás do clube), não fazem parte da solução, mas sim do problema. Essa é que é essa!

moleculasdeamor disse...

Este texto é brilhante... e sim sinceramente falta cultura de vitória empenho e paixão permanente pelo jogo e pelo clube e falta liderança... e por liderança falo só em bom senso e coragem... falo em sentido de unidade e respeito pela verdade (emerson, perez, amorim, salvador, gomes, arbitragem, jorge jesus, roberto, dezenas de jogadores contratados... olivedesportos... violência)

Abração a todos - povo ao poder!

moleculasdeamor disse...

PP fala de realidades profundas... internas e externas... nós que amamos o futebol vemo-nos frequentemente confrontados com coisas... originais... pouca (muita)gente a ganhar dinheiro neste enorme negócio em que o futebol se transformou... existe uma dúvida... as pessoas (que mandam e que trabalham no ramo...lol) amam o jogo, o clube? Ou amam o papel? E algum de nós tem dúvidas????

Esse é o meu desencanto enquanto penso livremente pela minha cabeça ou exorto o povo a cavalgar as portas do poder! Só quando um benfiquista honesto, simples, que ame o futebol e o clube subir ao poder podemos sonhar de novo... e temos um nome: Rui Costa!!!
Quanto a treinador: os nomes de Peseiro ou de Preud'homme andam a bailar-me na cabeça... isto porque JJ não ama o clube... eventualmente quer outra Cousa que não o Benfica... mas isso eu não sei!!!!

zzay disse...

Contratações na Páscoa?
Só critica quem gosta...
Em relação ao outro post que choveram comentários: a verdade posta daquela maneira é um bocado díficl de se comer..