quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A influência dos árbitros

O blogue Sócio Encarnado publicou um estudo interessantíssimo respeitante às últimas 4 temporadas dos clubes grandes - pronto, está ali o Sporting, eu sei, mas a quadra natalícia amolece-me sempre o coração - do futebol português. Como combater isto tudo? Denunciando, denunciando muito. Não ficar calado, não ficar eternamente amarrado ao equívoco de um apoio inequívoco e reconhecer o erro estratégico - entenda, Sr. Presidente, que errar faz parte da natureza humana e que o reconhecimento de um erro não é sinal de fraqueza; pelo contrário, é um gesto nobre que denota inteligência, abertura, torna-o mortal aos nossos olhos e, por conseguinte, mais humano, mais nosso, mais um de nós. Nada disto servirá, claro, se não formos também competentes dentro do campo.

Ao autor do estudo o meu sincero reconhecimento por fazer, sem contrapartidas e de uma forma apaixonada, o trabalho que devia ser feito por funcionários remunerados pelo Benfica. Para ler e analisar com muita atenção:

"A influência dos árbitros

Recebi no email do blog, um trabalho muito interessante do leitor Pedro Pires, que fez uma pesquisa acerca da real influência das decisões arbitrais, nos jogos dos 4 maiores clubes, nos últimos 4 campeonatos nacionais.
É um trabalho que deu muito trabalho, e que agradeço ao Pedro.

Nesta análise, não são distinguidas boas ou más decisões, apenas são quantificadas as decisões e a sua real influência objectiva no desfecho dos jogos. Para tal, há dois pontos de análise que podem ser quantificados:
  1. As grandes penalidades que alteram o resultado.
  2. As expulsões.
Deste modo, apenas este tipo de decisões foram contabilizadas, para a contabilidade final. Os resultados em 4 anos de pesquisa não deixam margem para dúvidas.


 
Podem ver na imagem em cima uma série de estatísticas das quais relevo as seguintes:
  1. O Porto é a equipa que tem melhor saldo de pontos ganhos após decisões desta natureza, com 30 pontos ganhos. São 10 vitórias. O Benfica está no outro espectro, com um saldo a zeros.
  2. O Benfica é a equipa que joga mais tempo em superioridade numérica, com mais 360 minutos que o Braga. São mais 4 jogos inteiros a jogar em superioridade numérica que os outros. O Sporting é quem está menos tempo a jogar com mais elementos em campo, com menos 600 minutos que o Benfica (quase 7 jogos).
  3. O Benfica é também a equipa que joga mais tempo em inferioridade numérica com 544 minutos (corresponde a 6 jogos inteiros a jogar com menos elementos), com o Porto no outro espectro a jogar com menos elementos somente em 121 minutos. Dá uma média de 30 minutos por ano.
Em baixo podem ainda verificar os saldos que cada equipa tem entre decisões positivas e decisões negativas. Mais uma vez, não está em causa a justeza das decisões, mas sim uma análise dos efeitos directos das mesmas.

O Benfica é quem tem mais decisões que alteram o jogo, seguido de perto pelo Porto. O Braga é quem tem menos destas decisões. Nota-se que o Porto é quem tem mais decisões a favor e menos contra.

Em percentagem de positivo e negativo temos os seguintes gráficos: 
 
Como conclusões, meramente estatísticas, verificamos o seguinte:
  1. O Benfica é o clube que tem mais decisões que alteram jogos, entre penalties e expulsões.
  2. O Porto é o clube que ganha mais pontos com as decisões arbitrais.
  3. Braga e Sporting têm números muito semelhantes, integrados nas médias dos 4 clubes.
  4. Benfica e Braga são os clubes que jogam mais tempo em superioridade numérica e curiosamente os que jogam mais tempo em inferioridade numérica.

Estes dados foram retirados do site oficial da Liga de Clubes, e não têm em conta os méritos das decisões, apenas os seus efeitos práticos."

11 comentários:

Fura-Redes disse...

Brilhante! Parabéns!

João Jordão disse...

Eu por acaso não acho que seja um estudo muito válido... Isto porque um clube pode ter 300 expulsões a favor, se forem justas não há nada a que apontar o dedo. O mesmo para os penáltis e qualquer decisão arbitral...

Fura-Redes disse...

O João mas quantos expulsões são perdoadas aos azuis? Se já sabemos que os critérios não são iguais temos que contar assim na minha opinião

moleculasdeamor disse...

É claro que para isto ter impacto era perceber por exemplo que no ano passado contra a Académica não foi marcado um penalty... que no jogo do Porto um dos golos é em fora de jogo... que no outro ano em que fomos eliminados em casa da Taça? houve o golo do Hulk em fora de jogo, são pormenores que se tornam esses sim decisivos...

Mas este assunto é um não assunto... com o apito dourado tudo ficou claríssimo!...

Todos nós o sabemos!...

e depois? ... batatas ;)

João Arem disse...

E a mão do Cardozo o ano passado? no mm jogo do golo em fora de jogo.Tb entra nesse pranto? :)

Ricardo disse...

Entra, João. E o golo em fora-de-jogo do Maicon. E o penálti do Janko. Tudo no mesmo jogo. Não achas giro?

Danilo Oliveira disse...

Caros,

Tal como explico no texto, o estudo não pretende ser uma análise detalhada dos beneficios e prejuizos dos clubes em relação a todas as decisões ou falta delas dos clubes. Quantificar isso dessa forma era não só muito subjectivo (o que uns consideram falta, outros consideram jogo limpo, etc), como praticamente impossível, pois requer acesso aos arquivos da SportTV e à visualização integral de todos os jogos. Não há nenhum de nós com acesso a essa informação, nem somos nós jornalistas de profissão.

Pelo que o estudo, faz aquilo a que se propõe, que é analisar como é que as decisões dos árbitros influenciaram os jogos. No caso, apenas podemos analisar aquilo para que temos dados, pelo que apenas foram considerados os penalties assinalados quando a equipa não está a vencer ou a perder (no caso dos penalties contra) e as expulsões.

Deste modo, ficam quantificadas as diferentes acções com influencia no resultado.

João Arem disse...

Sinceramente,penalti do janko não recordo. O q me recordo são 2 decisões graves,o penalti do Cardozo(consequente expulsão por duplo amarelo) e o golo em fora de jogo. Ou seja,1 para cada lado

B Cool disse...

Cópia do meu comentário deixado no Sócio encarnado:
"Não considero estes dados muito relevantes Danilo e explico porquê, uma equipa quando ataca mais têm maiores probabilidades de conseguir um penalty, de sofrer mais faltas e consequentemente de expulsar mais adversários.

Sinceramente acho que esses dados terão verdadeiramente valor se forem integrados em termos de boas ou más decisões, pois isso sim é que é verdadeiramente relevante.

O facto de o Benfica jogar mais tempo em superioridade e mais tempo em inferioridade significa que os jogos do Benfica são mais violentos ?

Decisões arbitrais relevantes ? E eu a pensar que toda a gente se queixou no ano passado de um fora-de-jogo mal assinalado, mais do que de uma expulsão ou de um penalty. E os penalties não assinalados ? E os golos anulados ?

Pode ser que o estudo tenha números mais interessantes, mas parece-me que o âmbito é demasiado limitado para que se tirem grandes ilacções."

pitons na boca disse...

Decisões arbitrais relevantes? A diferença de critérios dentro de um mesmo jogo. Lembrando o jogo de que o andrade corrupto quis trazer à baila: segundo amarelo perdoado ao Varela (ou era o Djalma? já nem tenho a certeza) num lance em que até assinalou a devida falta e 7 minutos depois segundo amarelo mostrado ao Emerson por uma falta em tudo idêntica. Isto bem antes dos lances do Maicon ou do Cardozo.
Sim, chamem-lhe "critérios".

João Arem disse...

Qual a necessidade do" andrade corrupto"?não me dirigi eu em termos corretos?não me recordo de ter começado posts a rotular os benfiquistas. Mas cada um sabe de si. A falta do Djalma? Mas qual?a que não existe e origina o 2 golo do Benfica? Deixem de procurar justificacoes nas arbitragens e joguem à bola. Boa sorte na champions