quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Algumas verdades sobre transmissões televisivas e o futuro da Benfica tv


Em campanha, não sei se pressionado por sondagens, que obviamente estariam muito longe da realidade que se veio a verificar, Luís Filipe Vieira jogou mão do trunfo das transmissões televisivas deixarem de ser efectuadas a partir da época 2013/14 pela Sport TV e passarem a ser feitas pela Benfica TV.

O gáudio instalou-se entre os benfiquistas, finalmente iríamos cortar com um dos tentáculos do poderoso sistema que enviesa a verdade desportiva há mais de 30 anos. Mais ainda, voltaria a ser o Benfica quem determinaria os horários dos seus jogos, permitindo que os jogos se voltassem a disputar à tarde, preferencialmente ao Domingo, conforme a tradição.

Questionado entretanto sobre o mesmo assunto, Luís Filipe Vieira disse: "Vale o que disse durante a recente campanha eleitoral. Mas não vou avançar nada mais em relação a esse tema. Há momentos em que o silêncio é de ouro e este é um deles. Estamos a trabalhar e a estruturar mais esse projecto mas, para já, dispenso publicidade."

Olhemos então para os regulamentos da Liga para percebermos como pode o projecto ser desenvolvido na Benfica TV.

"Em cada jornada e por competição oficial, poderão ser autorizadas duas transmissões televisivas em directo e em canal aberto." - n.º 1 do Art.º 69.º do Regulamento de Competições da LPFP.

"As transmissões televisivas em directo e em canal codificado não estão sujeitas a um número limite de autorizações."- n.º 2 do Art.º 69.º do Regulamento de Competições da LPFP.

Além disso e por decisão da Comissão Executiva da LPFP:

"Assim, ao nível do número dos jogos a transmitir, em cada jornada só são autorizadas, no máximo duas transmissões televisivas em directo e em sinal aberto sendo que cada Clube tem direito, na qualidade de visitado, à transmissão de 3 jogos por época e, se estiver apurado para as competições europeias, a 2 jogos adicionais."

"Já no caso de transmissões em diferido estas só podem ser efectuadas findo o jogo a que se referem. Se a transmissão dos jogos for em sistema de “pay per view” ou “pay TV” só serão autorizados se disponíveis aos espectadores 15 minutos após o término do referido jogo."

Adicionalmente,

"A difusão de imagens de um jogo nas 48 horas seguintes à sua realização e por período superior a 20 minutos depende da autorização prévia da Liga e está sujeita ao pagamento de uma taxa fixada pela Comissão Executiva no início de cada época desportiva." - Art.º 71.º do Regulamento de Competições da LPFP

e

"A transmissão para o estrangeiro, em directo ou em diferido, total ou parcial (resumos superiores a quinze minutos) de jogos de clubes que participem em competições oficiais carece de autorização da Liga e da Federação Portuguesa de Futebol." - Art.º 72.º do Regulamento de Competições da LPFP

Quanto à famosa questão da definição de horários, e de quem é a responsabilidade pelos mesmos, os regulamentos são claros, estes são os horários permitidos para os jogos nos quais existam transmissões televisivas:

Jogos da I Liga:
i. Às sexta-feiras – 20h15;
ii. Aos Sábados – 17h00; 19h15 e 21h15 (preferencialmente para canal aberto);
iii. Domingos – 18h00 e 20h15;
iv. Às segundas-feira – 20h15;


O que resulta daqui ?

A Benfica TV só pode transmitir 5 jogos em canal aberto por época. Se quiser utilizar os regimes de ppv ou pay tv, só poderá fazer a transmissão em diferido. Para fazer transmissão de jogos/resumos para o estrangeiro só o poderá fazer com autorização da Liga.

O caminho é portanto só um, a transmissão em sinal codificado dos jogos e só o poderá fazer nos horários definidos pelo regulamento de competições. Tudo o resto são ilusões. Ou seja, visto que as transmissões irão quase de certeza ser em canal codificado, há que pensar em qual o valor a cobrar pelas transmissões, ou alternativamente, quanto cobrar pelo canal se este passar a ser permanentemente codificado.

Eu não conheço os estudos efectuados pelo Benfica, mas tenho uma ideia muito clara da audiência actual da Benfica TV, que é um canal de cabo, mas de sinal não codificado. Além disso, convém recordar que a Sport TV não transmite apenas os jogos do Benfica e não estamos a falar de 1 mas de 4 canais de desporto que detêm os direitos das maiores competições mundiais de desporto.

Sinceramente, gostava de ser surpreendido pela Administração da SAD, mas cada vez mais estou convencido que o caminho a seguir a médio-prazo pela Benfica SAD vai constituir uma surpresa para muita gente, ou então não.

17 comentários:

pedro_rkc disse...

mas actualmente vemos em directo os 15 jogos do Benfica no campeonato, mesmo sendo um operador e não o clube

GNR disse...

Pode-se optar por uma solução mista:

Vender os 5 jogos em canal aberto e transmitir os outros 10 na Benfica TV.

Esses 5 jogos podiam ser vendidos num só bloco, anualmente, ou jogo a jogo, conforme as propostas das TV fossem ou não satisfatórias.

Os jogos, a transmitir pela Benfica TV poderiam ser ao Sábado17H ou Domingo, 18H.

Chamo no entanto a atenção que os jogos do Porco B, no Porto Canal não estão a cumprir estes horários, penso eu de que...

pitons na boca disse...

Tendo em conta que o Benfica só terá as suas transmissões "na mão" a partir da próxima época, o mais certo é vir a haver um pedido de alteração desses estatutos, ao qual a LPFP pouco ou nada poderá fazer sob pena de mostrar-se refém de uma entidade exterior - Olivedesportos.
E se a alteração não for adiante, dever-se-á pedir a intervenção da FIFA/UEFA (e mesmo do governo) para defender o direito à transmissão dos próprios jogos, a partir do momento em que se tenha a posse dos mesmo direitos.

Caso contrário estaríamos diante de uma situação de monopólio de mercado com consentimento das instancias que o deviam impedir.

Pontos em que claramente se deve pedir a alteração: numero de jogos em casa que se podem transmitir; horários dos jogos (como se faz em Inglaterra, com jogos ao meio dia, para passar nos mercados asiáticos).

(comentário baseado apenas e só na minha opinião, que não sei até que ponto é exequível)

Sérgio disse...

Bom trabalho.

Estou há muito tempo convencido que esta pseudo-rebelião de direitos televisivos que o LFV tem andado a vender aos sócios e adeptos é uma ficção sem viabilidade no mundo real.
Começou com uma intuição, já fiz algumas contas de merceeiro, etc...mas este teu texto ajuda a clarificar as regras, e a confirmar essa intuição!

B Cool disse...

@pedro rkc
"As transmissões televisivas em directo e em canal codificado não estão sujeitas a um número limite de autorizações."

B Cool disse...

@GNR
Os horários por mim indicados são para os jogos da I Liga. Relativamente à II Liga os horários são:
b. Jogos da II Liga:
i. Às quintas-feiras – 20h15;
ii. Aos sábados – 11h15 e 15h;
iii. Aos domingos - entre as 11h e as 20h15;
iv. Às segunda-feiras – 20h15.

de resto a Benfica TV pelo que é indicado poderá transmitir em canal aberto 5 jogos. Os outros 10 terão que ser em canal codificado, pelo que acredito que numa primeira fase (época 2013/14) a Benfica TV avance para a codificação do canal, ou pelo menos, para a codificação dos jogos. Estou convicto que apenas após a verificação da realidade face aos estudos, será tomada uma decisão final quanto ao modelo de exploração dos direitos de transmissão dos jogos da equipa principal do Benfica.

JC disse...

Parece-me óbvio que a opção de transmitir os jogos pela BTV terá sempre de passar pela codificação do canal, bem como da sua extensão a outras plataformas que não apenas a Meo. Quanto à rentabilidade desta solução, continuo a ter algumas dúvidas, porquanto os direitos sobre os jogos disputados fora de casa continuarão a não nos pertencer.

Bom trabalho, Bcool.

B Cool disse...

@Pitons
As alterações ao Regulamento de Competições, bem como aos estatutos da Liga são assuntos que são normalmente decididos e votados em Assembleia Geral da Liga por proposta da Comissão Executiva ou de algum clube.

Sinceramente, não vejo que o Benfica consiga reunir os apoios suficientes para levar a cabo modificações que o beneficiem.

Quanto a intervenções externas, a FIFA e a UEFA não se intrometem em assuntos que têm a ver com a organização e regulamentação de campeonatos. O Governo de bom grado evita meter as mãos em assuntos complicados por isso espero muito pouco dessas instâncias. A defesa de eventuais interesses do Benfica relativamente às transmissões só poderia passar pela via anteriormente tentada, da qual desistimos, que é buscar na justiça portuguesa e eventualmente comunitária, a protecção dos nossos direitos.

(À semelhança de ti, estas são opiniões e carecem de prova)

B Cool disse...

@Sérgio,
Este é o enquadramento que baliza as transmissões televisivas. Se permite ou não a viabilidade do projecto isso já é outro assunto.

Não acedito que não exista ou venha a existir um estudo de viabilidade que sustente o projecto, mesmo que a decisão tenha sido tomada apenas com base num estudo de pré-viabilidade.

Se depois o rumo se inverter, ou mesmo que o umo se inverta antes porque as condicionantes externas impedem a sua viabilidade já são outros quinhentos.

Recordo-te que as revisões da troika têm vindo sucessivamente a apontar para maiores quedas do consumo interno e mesmo que na última tal não tenha sucedido, a verdade é que a OCDE indicou previsões para as taxas de crescimento do consumo interno e do PIB bastante inferiores às previsões do Governo e da Troika.

Quero com isto dizer, que as condições mudaram relativamente a quando o estudo de viabilidade (ou pré-viabilidade) foi efectuado e portanto se antes se apontava para a viabilidade do projecto, actualmente, seja porque o prazo de viabilidade se tornou necessariamente mais longo, seja porque eventualmente tenha deixado de ser rentável, o modelo de exploração de direitos pode mudar.

Ou então não e voltam a fazer o que fizeram com os Red Pass e independentemente do que se passa em Portugal seguem com as suas convicções, com os resultados que se conhecem.

B Cool disse...

@JC
Não sei, sinceramente não sei se é rentável ou não a exploração própria. Mas aqui a questão não é a rentabilidade do projecto, mas o custo de oportunidade.

Havia uma proposta sobre a mesa da Oliveirinha desportos. a questão é saber se a exploração própria é tão rentável quanto essa proposta. Obviamente que a vantagem de ser a exploração própria passa pelo facto de podermos negociar a transmissão em diferentes plataformas e para o estrangeiro.

Mas a questão põe-se com acuidade, e vamos negociar só os jogos em casa ? Será que isso tem algum valor no estrangeiro, mesmo junto das comunidades emigrantes ? Ou teremos que avançar para a compra dos restantes jogos à Sport tv ? Ou será que faz sentido uma parceria com a Sport tv para a internacionalização conjunta com um pacote de 15 jogos da Benfica tv e 15 jogos da Sport tv ?

As dúvidas são muitas e o meu objectivo neste post não era discutir se é ou não a melhor opção, ou qual será, apenas informar quanto às limitações que existirão no que respeita ao que foi falado como sendo a opção do Benfica relativamente à exploração dos seus direitos de transmissão.

Anónimo disse...

Eu tenho algumas dúvidas que a BenficaTV seja considerada "canal aberto" nesta situação, uma vez que só está disponível por cabo e este é pago.
É uma questão para se esgrimirem pareceres jurídicos.

Para além disso temos - já este ano - a questão das transmissões dos jogos do Benfica B.
As regras que enunciaste no post são válidas para a I liga ou para ambos os campeonatos profissionais?

É que se forem para todos os campeonatos profissionais, veremos já este ano se o Benfica B terá mais que 5 jogos transmitidos na Benfica TV.

JC disse...

Bcool, estou como tu e tenho muitas dúvidas quanto à rentabilidade, pelos menos num curto prazo, de um projecto destes. A única rentabilidade imediata que vejo é a de podermos dar uma valente machadada nos tentáculos do polvo. E acho que é por aí que devemos encarar isto: como um investimento, não para fazermos dinheiro num futuro imediato, mas para enfraquecer o quanto antes um sistema que só nos tem prejudicado. Depois de matar as ervas daninhas, aí sim podemos avançar para a perspectiva do lucro com uma plataforma de exploração dos direitos televisivos.

Fenómeno disse...

B Cool, em relação ao modelo de negócios a adoptar, como já escrevi anteriormente, acho que a única hipótese seria a transmissão pela BenficaTV em canal codificado - http://hojenaoquejogaobenfica.blogspot.pt/2012/11/analise-do-r-e-o-futuro-do-benfica.html - e não acho fora de senso pensar nesses 200.000 assinantes.

Por outro lado (não tenho a certeza) mas acho que a BenficaTV não é considerado canal aberto já que é transmitido por cabo. Dando exclusividade do canal à Meo (ou à Zon da Isabel dos Santos, se a proposta for melhor), um grande apoio ao canal viria daí. Se por um lado os riscos seriam maiores, também o potencial de receita o seria (e não tendo o porto as suas receitas agregadas às do Benfica).

Não acho que qualquer canal aberto em Portugal possa oferecer um valor que se aproxime do canal codificado (viu-se na não venda dos direitos esta época).

Já agora, uma coisa é verdade: o LFV calado é uma mais valia :)

eagle01 disse...

Bom trabalho de compilação, mas atenção que nem sempre as conclusões são lineares. Isto é, nem tudo que lemos tem a tradução do que lemos. Depois há a perspectiva jurídica.

No entanto este trabalho, e a problemática das transmissões televisivas, permite-me lembrar que tivemos um Presidente que afirmou que os contratos que o Benfica tinha com a Olivedesportos eram indignos e não respeitavam os interesses do clube, porque admitiam a hipótese de serem quebrados pelo operador, caso o Benfica descesse de divisão e obrigavam o Benfica a votar favorávelmente os regulamentos de transmissão propostos pela Liga.

Eu sei que há pessoas que passados estes anos todos ainda não perceberam porque a Direcção de Jorge de Brito caiu numa AG, porque razão JVA está com os problemas que está, porque razão o voto de louvor ao Henrique Granadeiro, CEO da PT foi reprovado em AG, por interferência de uma minoria de ilustres sócios do Benfica. Aqueles que sempre estiveram preocupados com a gestão do Benfica, mas só nos períodos em que o Benfica não tem contratos com a Olivedesportos. Se é que me faço entender...

Na actualidade podemos dizer que qualquer alteração aos regulamentos televisivos está condenada ao insucesso por razões contratuais (os clubes ligados à Olivedesportos são obrigados a votar a favor dos interesses desta empresa), mas isso não quer dizer que o Benfica perca dinheiro em canal codificado.

Um preço tipo 5 euros por jogo (eu gasto mais de 200 sempre que posso ir ao estádio da Luz), recolhendo 100 mil adesões por exemplo (uma bagatela) em cada jogo, dava receitas de 7,5 milhões nos 15 jogos disputados em casa.

A este valor soma-se a gestão da publicidade estática que gera mais uns milhões.

Depois soma-se outro valor: o que a Olivedesportos não ganha. O que a Olivedesportos não vai pagar aos avençados que tem por aí espalhados para defenderem a sua dama, e condicionarem o pensamento das pessoas. O que a Olivedesportos deixa de ganhar por não poder vender aos canais estrangeiros, em directo ou diferido, os jogos do Benfica. Ou seja, estamos a falar de muitos milhões que ganhamos, por via indirecta.

Desde 1993 que o problema do Benfica gira em torno dos direitos televisivos. Quem negociou com a Olivcedesportos, Damásio e Vilarinho, têm boa imagem na comunicação social. Quem não negociou como Jorge de Brito e Vale e Azevedo, tem má imagem (e até má "Justiça"). Estamos a falar de muitos milhões que entram nos bolsos do "sistema".

Como Vieira foi colocado no Benfica (Vilarinho foi apenas o cavalo de Tróia) para implementar o projecto BES, como o BES é parceiro da Olivedesportos na Zon e não só, como Vieira foi sócio de Joaquim Oliveira na Alverca SAD (que ambos faliram), como tudo tem valido para levar este projecto avante (mesmo a rescisão com a SIC que ninguém sabe quantos milhões custou, mas pro alguma razão em 2003 o clube estava à beira do precipício financeiro, depois do esbanjamento desportivo e financeiro, nunca reflectido em artigos de opinião), não estou a ver como é que Vieira vai descalçar a bota.

Alterarei a minha maneira de o ver, caso ele sai claramente debaixo do jugo da Olivedesportos...

Eduardo disse...

Ponto prévio: o regulamento que impõe horas às transmissões é uma idiotice.

Ao Benfica, resta dar aos sócios - já que falamos de uma televisão do clube - a benesse de uma mensalidade simbólica para a Benfica TV, e digo 1 ou 2 euros para quem tenha as quotas em dia! Se a BTV tentar entrar em preços aproximados aos da SportTV, não tem a mínima hipótese de conquistar clientes. Mais ainda porque os streams são uma realidade.

B Cool disse...

Conforme diz o eagle a verdade é que não sei até que ponto é que os regulamentos prevêm todas as situações.

A Benfica tv não está presente em todas as plataformas de cabo, pelo que não sendo um canal codificado também não será exactamente canal aberto (digo eu que não sou especialista no assunto). Mais, pelo que percebo, não sei pois não tenho tv por cabo, apenas vejo alguns streams na net e os jogos da equipa principal no café, todos os jogos da equipa B deram na Benfica tv, ou seja, pelo menos já foram transmitidos 7 jogos.

Na verdade, não há limitações às transmissões de canais codificados, mas como a Benfica tv também não o é, não sei como se enquadra nestes regulamentos.

Mais uma vez digo, o interesse do post não era discutir a viabilidade do projecto, mas antes alertar para as limitações legais.

Pedro disse...

Mas desde quando é que a BTV é um canal aberto??

Seja como for, é verdadeiramente escandaloso como a RTP, SIC e TVI não podem comprar os direitos dos jogos que querem. Havia de ser giro um deles oferecer 100M pelos 15 jogos do Benfica ou de outra equipa qualquer...