terça-feira, 13 de novembro de 2012

Relatório e Contas - algumas notas para reflexão


Ao ler o Relatório e Contas 2011/12 fico com sentimentos contraditórios, pois se por um lado percebo que há uma consciência do que o futuro nos espera, por outro lado vejo que a prática não corresponde a essa consciência, além dos barretes que se continuam a tentar enfiar em vez de assumirem a realidade dos factos.

Não entendo porque se continua com a prática constante de mentir descaradamente. Na mensagem do Presidente do Conselho de Administração da SAD, lemos:

"O exercício de 2011/2012, cujos resultados são agora apresentados, poderiam ser muito diferentes, bastaria para tal ter aceite a proposta de renovação dos nossos direitos televisivos. A verdade é que entendemos que há valores para além dos valores económicos e um desses valores é a independência que esta decisão nos vai permitir ganhar no futuro."

A ver se nos entendemos, os direitos televisivos que seriam transaccionados dizem respeito às épocas a partir 2013/14. A única forma de poderem entrar no exercício 2011/12, seria se fossem antecipadas receitas em 2 exercícios, não 1 mas 2 exercícios!!! Assim sendo, esta frase apenas serve para enganar os incautos, um pouco à semelhança da ideia que se tentou transmitir anteriormente que bastaria ter incluído as vendas de Javi e Witsel para o exercício ter outros resultados.

Os proveitos devem ser registados quando acontecem, se por um lado o Fábio Coentrão entrou nas contas porque foi transaccionado durante o exercício 2011/12, já Javi e Witsel foram transaccionados cerca de 2 meses após o início do exercício 2012/13, pelo que não faria qualquer sentido a sua integração nas contas que encerraram em 30 de Junho de 2012.

Os resultados são o que são, não vale a pena tentar mascará-los, há que compreendê-los e tomar medidas para serem invertidos. Foi isso que foi feito com a transacção dos passes de Javi Garcia e Alex Witsel, apesar da pantomina da pseudo-tentativa de renovação com o Witsel, pois se por um lado o Zenit atingiu o valor da cláusula de rescisão, ao não ter feito o pagamento imediato, o Benfica apenas vendeu  passe do Witsel porque assim o entendeu fazer. Atenção, eu não critico esta medida de gestão, pelo contrário, acho muito bem que tenha sido tomada, em especial porque gerou uma enorme mais-valia (claro que só confirmaremos a sua dimensão no R&C de Dezembro), o que critico é que se tenha criado uma encenação duma pseudo-tentativa de renovação de contrato em vez de assumir perante os sócios e adeptos que foi uma medida de gestão.

Na minha ideia critico ainda a falta de antecipação que tenha permitido a entrada de um jogador que pudesse fazer ambas as posições, mas aceito que não sendo o técnico, se calhar Jesus tinha razão, os jogadores que têm chegam-lhe. Espero é que depois não se utilize essa opção como desculpa para eventuais insucessos, pois há que assumir que a não substituição foi uma opção consciente da equipa técnica.

Depois há um assunto que a mim me faz espécie. O Benfica afirma ter recebido da UEFA 22,4 milhões de euros, porém no relatório emitido pela UEFA relativa à distribuição de valores da Champions League, o valor que aparece como tendo sido distribuído ao Benfica é de 19,757 milhões de euros.

Relatório UEFA

Relatório SLB

A origem destas diferenças tem a ver com o prémio do play-off e os acertos da época anterior. Acho estranho que a UEFA não tenha contemplado o prémio do play-off/3.ª pré-eliminatória no seu quadro e gostava que não surgissem dúvidas destas. Como também me faz espécie que sejam feitas declarações como: 

"No que aos escalões de formação diz respeito, a Benfica SAD consolidou esta época uma posição de liderança na retenção de talentos nacionais nas suas equipas, traduzindo a sua presença nas selecções nacionais de sub-15, sub-16, sub-17, sub-18 e sub-19 em 42 atletas com internacionalizações nestes escalões. Nunca, nas últimas décadas, um clube teve tantas internacionalizações nos referidos escalões num único ano."

É fácil fazer esta afirmação que nenhum clube teve tantos atletas da formação internacionais jovens, mas é comprovável ? Quais os dados que sustentam esta afirmação ? E qual era o recorde anterior ? Este é o tipo de declarações bombásticas que marcam esta direcção, nomeadamente a exaltação de feitos que se traduzem em muito pouco. Quais os resultados dessas selecções jovens ? E quais os resultados internos ?

"Nas provas nacionais, o Benfica sagrou-se campeão nacional de iniciados, tendo sido o único clube que, até à ultima jornada, esteve na posição de se sagrar campeão nos distintos campeonatos."

Outra afirmação típica, o único clube que até à última jornada esteve na posição de se sagrar campeão nos distintos campeonatos e vai-se a ver, dos três campeonatos, Iniciados, Juvenis e Juniores, apenas conquistaram o campeonato de Iniciados, mas atenção até à última jornada lutou pelos 3 campeonatos.

Passemos então para assuntos que mais preocupam os Benfiquistas, vai Jorge Jesus manter-se à frente do Benfica no final desta época ? A acreditarmos no R&C podemos concluir que sim:

"Tendo em consideração estes objectivos, a Benfica SAD implementou a estratégia definida para o futebol profissional, que se resume nos seguintes pontos:
 Construir uma equipa competitiva, com atletas de qualidade que garantam um maior número de opções e privilegiando jogadores com uma elevada margem de progressão;
 Manter a aposta numa equipa técnica que já demonstrou capacidade de vencer e que tem vindo a desenvolver um trabalho com resultados nas últimas duas temporadas;
 Reforçar a estrutura de apoio ao futebol profissional e o funcionamento da mesma, desenvolvendo novas valências e reunindo condições para que todos possam estar focados no compromisso de vencer, o que deve estar na mente de todos os profissionais que envergam a camisola do Benfica."

Descobrimos então que a equipa técnica tem vindo a desenvolver um trabalho com resultados nas duas últimas temporadas. Que resultados ? A sério que estão a falar das épocas 2010/11 e 2011/12 ? Foram esses os resultados que justificam manter a aposta na equipa técnica ? Muito me contam ...

No que a transferências diz respeito somos informados que os passes do Éder Luiz e do Felipe Bastos foram transaccionados por 3,5 e 1 milhões de euros para o Vasco da Gama e que o passe do Daniel Wass foi transaccionado por 1,2 milhões de euros para o Evian. Em minha opinião foram 3 bons negócios, porque se por um lado são jogadores com os quais o treinador não contava, por outro lado os negócios libertaram recursos para investir em atletas que nos interessavam. E quais foram os atletas em que o Benfica investiu ?

Ola John, Luisinho, Michel, Hugo Vieira  e 30% do Maxi Pereira (ainda durante o exercício 2011/12) e Salvio e Lima já no exercício 2012/13. Obviamente que estará o leitor interessado em saber quais os valores. Ora se relativamente a Salvio e Lima não se podem descobrir esses valores através da leitura deste R&C pois já dizem respeito ao exercício de 2012/13, relativamente aos outros atletas é necessário vasculhar as diferentes contas do passivo para tentar perceber. Mas atenção, quaisquer valores apurados não incluem valores que tenham sido liquidados a pronto, mas só valores que tenham ficado por liquidar, pelo que os passes podem inclusivamente ter sido superiores aos valores calculados.

Assim temos que o passe de Ola John custou 10,150 milhões de euros (3,150 milhões de euros nos fornecedores de imobilizado não corrente, 6 milhões euros nos fornecedores de imobilizado corrente e 1 milhão de euros nos outros credores não correntes), os passes de Luisinho e Michel custaram  2 milhões de euros (1,066 como não corrente, ou seja a mais de 1 ano e 0,934 como corrente, a menos de 1 ano) e o Hugo Vieira terá vindo a custo zero (não incluindo quaisquer valores associados a prémios de assinatura).

O caso do Maxi Pereira é o mais estranho. Ao longo do texto somos informados que o Benfica pagou 2,7 milhões de euros pelos remanescentes 30% do passe ao Defensor Sporting. Mo entanto quando chegamos aos fornecedores não correntes, nomeadamente na rubrica de fornecedores de imobilizado c/c, temos que o valor em dívida ao Defensor Sporting é de 3,1 milhões de euros a que se somam 2,1 milhões de euros nos fornecedores correntes na rubrica de fornecedores de imobilizado c/c, o que totaliza 5,2 milhões de euros. 
Daqui resulta uma diferença de 2,5 milhões de euros. Ao analisarmos o R&C de 31/12/2011 verificamos que existia ainda uma dívida de 1,6 milhões de euros. Assumindo que nada foi liquidado, o que é estranho visto a dívida estar classificada como corrente, isso implicaria a aquisição de um atleta intercional sub-17, Gaston Silva,  por um valor não inferior a 900 mil euros e que poderá ter chegado aos 2,5 milhões de euros se entretanto a dívida já houvera sido liquidada.

Falando ainda nos negócios com o agente do Maxi, o Benfica informa que Elbio Alvarez, Jim Varela e Juan San Martin, internacionais sub-17 uruguaios, foram contratados ao Peñarol. No que respeita ao Peñarol temos que nos fornecedores de imobilizado não corrente a dívida é de 2,1 milhões de euros enquanto que nos fornecedores de imobilizado corrente a dívida é de 1,8 milhões de euros o que totaliza 3,9 milhões de euros. Lembro-me que na altura se falaram de 5 internacionais sub-17. E eis que encontramos também o Danubio FC como credor do Benfica no valor de 1 milhão de euros (500 mil euros como dívida não corrente e 500 mil euros como dívida corrente). Basicamente a aquisição dos 30% do passe do Maxi por 2,7 milhões de euros implicaram no mínimo 5,8 milhões de euros despendidos em aquisições de 5 atletas sub-17 uruguaios a Peñarol e Danubio e Defensor Sporting.

Parecendo que não, com uns milhões aqui e outros ali, em jogadores que antes dos 18 anos não podem ser transferidos para o Benfica, lembrem-se do caso do Derlis Gonzalez, o Benfica investiu 840.000 euros em 2010 e só em 2012 Derlis começou a jogar na equipa de Juniores. Sobre Derlis confesso que não tenho opinião pois não o vi jogar, agora sobre Claudio Correa, que custou 483.170 euros, suponho que tenha sido mais pelo agrado feito ao empresário do que pelo valor do jogador.

A terminar estas primeiras notas gostava só de dizer que apesar de a Benfica SAD afirmar:

"Ao longo do exercício de 2011/2012, a Benfica SAD optou por adquirir direitos desportivos de diversos atletas jovens que tem vindo a acompanhar, com os quais estabeleceu contratos de trabalho desportivo para a época 2012/2013, e relativamente aos quais perspectiva uma elevada margem de progressão e potencial futebolístico. Estas aquisições foram realizadas no âmbito da planificação da época desportiva que se encontra actualmente a decorrer e na qual a Benfica SAD tem pela primeira vez uma equipa B a competir na II Liga, o que vai permitir aos jovens atletas com reconhecido potencial desenvolver as suas competências de forma a poderem transitar para a equipa principal."

não considero que a Benfica SAD tenha recursos que permitam investir mais de 6 milhões de euros em atletas que provavelmente antes de 2014/15 terão hipótese de devolver retorno desportivo que os valorize a um nível que permita uma futura valorização económica. Mesmo concedendo que os investimentos não implicam a imediata saída de recursos, a verdade é que implicam investimentos que têm um prazo de maturidade no mínimo de 5 anos (não incluo o Correa pois não considero que tenha qualquer potencial de valorização) e não considero que o Benfica tenha recursos suficientes para estarem imobilizados durante tanto tempo. E atenção estou a falar de jogadores que nunca vi jogar e pressuponho que tenham grande potencial, ao contrário dos Correas, Duartes e Ascués que estão na equipa B.

Seria importante que as palavras de contenção acompanhassem os actos e o sr. Presidente Luis Filipe Vieira assumisse os actos e resultados da gestão, por muito impopulares que sejam.

13 comentários:

moleculasdeamor disse...

B Cool grato pelo teu trabalho... estas contas são... os relatórios e contas... se forem coisas compreensíveis facilmente... são aceitáveis... doutra forma... escondem... bem mas eu já não sou sócio... desculpem...

Conde de Vimioso disse...

Excelente trabalho e que eu considero serviço público aos Benfiquistas.

O que me parece depois de o ter lido com muita atenção é que os ilumindaos autores do documento devem pensar que os Benfiquista não o lêem e se não o sabem interpretar.

Que o relamborio me deixa com a pulga atrás da orelha, deixa mas como já espero tudo também já nada me surpreende.

Marta disse...

Fantástico trabalho BCool!
Obrigada.

Fenómeno disse...

BCool, parece coincidência mas postei uma "breve" análise ao R&C ontem, e ao rumo que isto parece estar a ter (tentei ter uma vista mais geral que a que tens aqui - daí serem as tua primeiras notas ;) ) http://hojenaoquejogaobenfica.blogspot.pt/2012/11/analise-do-r-e-o-futuro-do-benfica.html

Em relação aos pontos que falaste, é realmente muito estranho a questão dos prémios da UEFA... Até porque, se por um lado, a UEFA não tem interesse nenhum em mentir, por outro as contas da SAD são auditadas... Parece-me que é mesmo a questão que referes, a UEFA não deve colocar os valores do market pool e dos prémios do playoff (em cima dos valores do screenshot que fizeste aparece apenas "Group Matches"). Por exemplo, o Lima jogou pelo Braga no playoff e na fase de grupos pelo Benfica, e tal não seria possível se considerassem a "mesma competição" (por assim dizer). Também há uma discrepância de 300.000 nos prémios fixos, que não sendo importante, não sei de onde vem (pode estar incluído no playoff).

Relativamente às transferências Éder Luis, etc, também acho bons negócios. A questão do Maxi é estranha, principalmente pela dívida corrente que aparece por jogadores que só podem jogar em 2014... E depois, será que são jogadores de futebol, ou só fazem número? (digo já que, se dos 5 se aproveitar 1 ou 2 já era bom...) É que nos anos seguintes temos de pagar salários a eles e temos de levar com o empresário deles, que como já circulou na blogosfera, é um tipo muito estranho (e vê-se bem por esta renovação do Maxi).

slbcarlitos disse...

Eu também li o R&C e não fiquei assim tão preocupado, como não estou assim tão preocupado com "passivos". Se por um lado concordo que as justificações para determinados números sejam areia para os olhos, por outro também me parece que a mesma justificação, a verdadeira, não seja tão preocupante. Um clube investe, nem sempre bem. É assim aqui e em qualquer outro. Depois há a avaliação desses investimentos e aqui é que discordo de opiniões dadas como factos. Sim, Correa, que nem tem estado mal na B, parece muito curto para alguma vez se impôr na principal mas não juntemos, por exemplo, Ascues no mesmo saco. Tem demonstrado qualidades e potencial. Assim como Derlis. Mais do que dar sentenças a jogador X ou Y penso que a verdadeira questão aqui é a quantidade de contratações. Num plantel principal onde cabem 25 jogadores é impossível chegarem lá todos, logo há investimento que se vai perder inevitavelmente. Penso que a solução é reduzir o número de investimentos e não os números para o investimento. As contas estão controladas. O Benfica tem um plantel jovem e com qualidade. Os investimentos nos próximos anos deverão ser poucos mas bons. O resto é continuar com esta recente boa aposta nos jovens da equipa B para colmatar as lacunas conjunturais da equipa principal.
Continua o bom trabalho.

Bicadas disse...

Olá BCool,

Não tenho tempo para analisar em detalhe o R & C, mas há alguns pontos que considero graves.

O market pool tem uma componente que apenas é apurada no final da época desportiva pelo que é razoável que haja uma discrepância entre o quadro que apresentas (que foi apresentado antes) e o registo no R & C.

As lenga-lengas do tipo "o único", "o melhor", etc. são comuns nos relatórios de sociedades anónimas e as que lá estão escarrapachadas não me parecem ir muito além do razoável - cabe ao accionista usar de algum juízo crítico.

Depois há o que eu designo de "michórdias" - factos patrimoniais sugeridos mas não explicitamente relatados. Parece-me que derivam de negociações em que o Benfica partiu com uma posição aquém de robusta e obteve resultados que, podendo ou não aceitar-se, são, de alguma forma, um embaraço para a gestão que produz um relato, digamos, não explícito, desses negócios: a aquisição do restante do passe do Máxi é o primeiro. O que me parece que aconteceu é que o empresário exigia determinada verba, que o Benfica considerou exagerada, pelo que, para se atingir o valor pretendido pelo empresário, foram integrados outros "bens" no negócio. O Benfica estava numa posição frágil - o jogador estava a pouco tempo de poder assinar por outro clube - e conseguiu o objectivo, mas pagando um preço acima do desejável.

Mas o caso mais grave, do meu ponto de vista, prende-se com a renovação do Nélson Oliveira. Do que vem no relatório não se pode afirmar nada - apenas que desapareceram 30% do passe. Presumo eu que na renovação do contrato, empresário e/ou jogador tenha(m) ficado com aquela percentagem - apenas se diz, de forma agregadora, que houve alienações de partes de direitos sobre atletas. Não encontrei qualquer contrapartida monetária por esta alienação, pelo que admito que a contrapartida tenha sido o prolongamento do vínculo, mas parece-me pouco admissível, ou antes nada admissível, a ausência de informação concreta a este respeito.

Cumprimentos

Sérgio disse...

Grande análise!
Caminhos ínvios, os das contas do SLB...

pitons na boca disse...

No caso dos ganhos com a Liga dos Campeões parece-me claro que o erro é do documento da UEFA, que não tem a informação completa.

B Cool disse...

@Bicadas,
A questão do Nelson Oliveira está para ser abordada noutro post com notas soltas, mas o que se passou já tem mais de um ano, já no R&C da época passada vinha o Benfica como tendo apenas 45% do passe.

Quanto à questão da diferença de números, o Relatório da UEFA foi publicado após o final da Liga dos Campeões e já na informação do 3.º trimestre o Benfica anunciava valores mais elevados que o constante do Relatório da UEFA.

B Cool disse...

@SLBCarlitos,
Senão te preocupam os passivos, a mim preocupam-me, porque considero que o modelo de gestão da Benfica SAD está esgotado. Claro que temos muita capacidade para gerar receitas, mas tem que existir uma mudança significativa de paradigma, ou entraremos no caminho do Porto e do Sporting.
Quanto à avaliação de jogadores, cada um fará a sua, em termos de avaliação de potencial e o mercado no futuro dirá quem tem razão, mas se vês na equipa B muitos jogadores com potencial para a equipa principal, então temos conceitos diferentes de futebol.
A mim preocupa-me mais as palavras não corresponderem aos actos e a existirem actos de gestão claramente incompetentes, misturados com actos de gestão brilhantemente competentes mas escondidos ou mascarados porque o entendimento público era contrário - witsel.
A gestão desportiva feita pela administração da SAD e equipa técnica traduzir-se-á em resultados, positivos ou negativos, mas o crescente crescimento dos gastos em recursos humanos com a inexistência de resultados leva a que mais de 100 milhões de capitais próprios já tenham sido erodidos. Se isto não te preocupa, olha que preocupa a UEFA e traduz-se por Financial Fair-play rules.

B Cool disse...

@Fenómeno,
Já fui espreitar. Este ano preferi apenas fazer notas, em breve seguirá outro post com mais algumas notas. Tendo em conta que a Administração da SAD vai ser eleita por 4 anos, penso que não se justifica uma visão mais geral, pois já a fiz várias vezes neste espaço.
Portanto irei fazer apenas algumas notas e "desmascarar"/salientar algumas situações menos claras ou actos de gestão menos conseguidos.
De referir que se em termos comerciais, a Benfica SAD tem tomado boas medidas, na relação com os sócios já não posso dizer o mesmo. Em termos de gestão de recursos humanos, continuo a achar que é o ponto fraco da gestão e isso passa por inverter o modelo global subjacente.
Agora que venham atirar areia para os olhos das pessoas, depois de não alcançarem os objectivos, ou de decidirem mal, ou mesmo quando decidem bem, mas acham que os sócios não concordam, eu não aceito.

B Cool disse...

@pitons na boca
sinceramente não sei quem tem razão. Não digo que seja a UEFA, apenas acho estranho que um organismo que tem muito mais escrutínio, se engane nas contas, ou classifique erradamente as verbas, o que não quer dizer que não aconteça.

pitons na boca disse...

Também não sei, BCool. É até possível que não haja erro de nenhuma das partes em relação às verbas: o documento da EUFA está feito para contemplar apenas a partir da fase de grupos (como se pode ver pelo topo do mesmo) e os acertos não terão nada a ver com os ganhos dessa edição da LC.