sábado, 26 de abril de 2014

Para averiguar do seu grau de entendimento do que pode ser o futuro

Anos atrás de anos de insucessos desportivos mudaram o Benfica e o benfiquismo. As pessoas naturalmente adaptam-se aos novos tempos e os critérios de exigência mudam. O Benfica sempre lutou por todas as provas em que estivesse envolvido - mesmo que o não quisesse, por algum motivo estratégico ou aposta mais forte noutra competição, não conseguia abdicar de tentar ganhar tudo. Hoje não é assim: num clube que, nos últimos 20 anos, venceu apenas 4 Campeonatos, dá a sensação de que qualquer coisa que apareça já é suficiente. Mas não é. Não pode ser. Não tem de ser. Não é Benfica.

Numa época de grande qualidade como a que estamos a viver, sobretudo consequência de um extraordinário trabalho de Jorge Jesus e dos jogadores e a ligação crucial que os adeptos presentes ao vivo e a cores durante o ano todo (não só em Abril ou Maio) têm com a equipa, há que pensar em fazer regressar o Benfica e não ficar preso a um título que já foi ganho. Ou seja: Campeonato no bolso, avancemos para o que falta. E o que falta não é só o Jamor e a Liga Europa; falta a Taça da Liga, competição que aqui sempre defendi, independentemente de quem a ganhasse, porque acho uma prova que faz sentido no calendário do futebol português. 

Ao contrário de uma grande maioria de benfiquistas, não acho que devamos desprezar a competição - nem este ano, nem nunca. Por várias razões:


- Um troféu é sempre um troféu. Entra no palmarés do clube e isso nunca pode ser desvalorizado.

- Em 6 anos de Taça da Liga, o Benfica tem 4 canecos. Continuar a ser, como nos títulos de Campeão Nacional e na Taça de Portugal, o líder distanciado é sempre um objectivo que honra a nossa História.

- Se excluirmos os dois jogos para o Campeonato (que já nada resolvem), ao Benfica faltarão, no máximo, 5 jogos (2 para a Liga Europa, 2 para a Taça da Liga e 1 para a Taça de Portugal). Com os níveis de motivação que estes jogadores têm para o que resta da época, não me parece que a perspectiva de fazer 5 jogos ao mais alto nível seja assustadora ao nível físico. 

- Roldana de vitória - mais do que os índices físicos, nesta fase o que faz mover ou parar o ritmo competitivo passa pelo lado mental. Ir a Turim após uma vitória no Dragão e consequente passagem a mais uma final será sempre muito mais motivante do que partir para Itália com uma derrota contra o principal rival.

- Teremos 4 dias entre o jogo de amanhã e o de Turim. Mais do que suficiente para recuperar os jogadores. Além disso, a Juventus só jogará na Segunda e lutando pelo Campeonato, ficando com menos um dia de recuperação do que o Benfica.


Estas são algumas razões pelas quais quero que o Benfica entre com uma equipa competitiva amanhã - que nem sequer exige a entrada de todos os titulares, mas um misto entre titulares e suplentes; uma equipa que garanta princípios de jogo coerentes e possa disputar de forma séria a passagem à final. Mas há mais: o jogo não é contra uma equipa qualquer; o jogo é contra a equipa que tem dominado o futebol português nos últimos 30 anos, contra a equipa principal responsável (além da incompetência própria de dirigentes que andam há décadas a fazer mal ao Benfica) pela fase mais negra da História do clube. 

Ora, numa época em que ganhámos Campeonato e os afastámos da Taça de Portugal, há que ter dentro do clube gente que perceba a importância deste terceiro golpe fatal. Após estes dois primeiros ataques de qualidade à muralha portista, só falta mesmo entrar-lhes no castelo e roubar-lhes a coroa. 

Um Porto que levasse 3 socos destes numa época teria sempre muita dificuldade em aparecer revigorado daqui a 3 meses para o novo ano competitivo. Muito diferente será se conseguirem vingar os dois primeiros golpes com um que nos faça cair a nós. Entender isto é perceber o que o futuro pode ou não dar. Resta saber se quem está no Benfica compreende a importância do jogo de amanhã.

8 comentários:

Papoila Saltitante disse...

Concordo totalmente contigo, amanhã é para ganhar com o melhor 11 possível... um jogo de cada vez, sempre para ganhar.

joão carlos disse...

não discordando do teor do seu post que na globalidade até partilho da sua ideia, no entanto duas das suas bases de suporte estão erradas na minha ideia.
primeiro o problema não é o tempo entre o próximo jogo e o jogo em italia e problema é o tempo que decorre entre o ultimo jogo e o que ai vem tem apenas 68 horas de diferença e para alem disso vários desses jogadores acabaram em deficit físico e não vão aguentar o próximo jogo todo na minha opinião é preferível neste caso jogar quem pode dar tudo por tudo.
segundo discordo que a postura de alguns, de não apostarem em todas as provas, resulte de nos contentarmos com pouco é uma questão de prioridade que sempre existiu, já dizia o bella guttman que não tínhamos cu para tanta cadeira, alem de que na década de 80/90 era mais fácil apostar em tudo porque existia menos uma prova alem de que os jogos europeus eram de quinze em quinze dias ao contrario de agora que são de semana a semana.

Anónimo disse...

Concordo contigo em 98% do que escreves. Hoje estou nos outros 2%. Abater o porco mais uma vez era uma grande ajuda, mas ter os titulares sem sobrecarregar de jogos é mais importante. Seriam 5 jogos a 2 por semana com maioria de titulares (porco-Olhanense-juve-porco-juve) consecutivos, demasiado para manter níveis de concentração aceitáveis.

Jogavam Fejsa e Amorim uma parte cada para manter/recuperar a forma, resto suplente.

Frigoliny

T. disse...

Faltou reconheceres o enorme mérito que LFV tem em tudo o que o Benfica é actualmente de MUITO BOM.

Pq se criticas e bem o que está mal e é mal feito, também tens de reconhecer que nunca foi um dado adquirido o Benfica ganhar ao campeão italiano sem usar 4 habituais titulares (Oblak, Fejsa, Gaitan, Lima).

Este Benfica enche-nos de orgulho e LFV também tem um enorme mérito nisso.

De resto, concordo plenamente que amanhã temos de entrar para ganhar e pisar os corruptos, poupando os jogadores que estejam cansados ou tocados.

Para mim entraria com
Oblak,
Almeida, Luisão, Garay, Maxi,
André Gomes, Rúben Amorim,
Cavaleiro, Sulemani,
Cardoso e Lima.

Markovic, Enzo, Rodrigo entrariam na segunda parte se necessário, ou em função do que o jogo pedisse.

Rfa disse...

Em teoria 100% com o que dizes. Na practica lembro-me do Diamantino em Guimaraes antes da final da taca dos Campeoes. O Porto vai entrar com tudo e a partir, e concerteza o jogo vai ter um arbitro que vai deixar "jogar". JA vi este filme e ... cheira-me mal.

Zé de Fónes disse...

Tens razão, até pela forma como os andrades estão a encarar este embate, quando até aqui a competição não tinha qualquer interesse, seria brilhante deixar esta gente apenas a "pão e água". Para o portista e para o andrade (são 2 seres distintos) perder é mau, perder com o Benfica é como as dores menstruais: não sei o que são mas parece ser coisa muito má.
Para além de ter de vencer sempre, o Benfica também deve ter prioridades, como tal, e supondo que amanhã entre em campo algum jogador dos chamados fundamentais para a estratégia do jogo de Turim, duvido que saia sem mazelas do jogo e consiga estar disponível na próxima 5ª-feira para defrontar a Juve.
Como diz a Leonor Pinhão «A Juventus é que é do nosso campeonato».

Anónimo disse...

Qual e a dúvida? O JJ já disse, na conferência de imprensa após o jogo com Juventus: "Queremos disputar todas as finais". Se vamos ganhar, ou não, logo se verá, mas não tenhamos dúvidas que nós vamos apresentar no Dragão para ganhar! Outra atitude não faria sentido. Saudações Gloriosas. JN

luis disse...

O post faz bater o Coração da Importância.
Está visto que é difícil discordar com as teus cruzamentos para área das reflexões. Trazem muita conta, peso e medida ;)
Neste momento ou em todas as rectas finais, é o culminar dum planeamento. Actualmente e já sem o Matic e sem o Silvio. O plantel tem vários jogadores com nível par formar um 11 guerreiro, sim o de “guerra”. Com mais equilíbrio e com a melhor gestão dos recursos humanos desde que JJ está no Sport Lisboa(deixemos as pulgas e as carraças;). O cientifico da pastinha elástica tem rodado aquela gente e tem dado amendoins, principalmente desde o recital em Londres. Correu riscos na 2ª mão, mais pela polémica da 1ª e sem necessidade nenhuma… deu numa "ira" por parte do adversário, e só se estava a esquecer de dar alimento ao Almeida(aqui até cheguei a perguntar se estava "preso" ;). Não sendo cracks são da área da Polivalência e tampam muitos buracos, quando a equipe está com Moral. Mas a gestão nesta fase mais adiantada, passa por quem está em contacto com os indivíduos que são atletas. Quando se chega a esta intensidade (72h de recuperação activa)competitiva, cada atleta é diferente do outro só no que diz respeito ao físico ;) Os "artistas" não precisam de ser motivados se houver Importância no Jogo, precisam é de ter cabedal para acompanhar a vontade de participar em Competitividade(liga inglesa é um exemplo). Os conceitos de jogo do JJ estão montados, o resto é Moral em Cima com Resultados Positivos.
Para domingo uma Victória. Para quinta podia ser um empate a zeros ,porque ainda não há nenhum esta época:) Pelos meus registos, o ultimo foi em 5 de dezembro de 2012 em barcelona;) onde o A. Gomes fez um grande jogo. Como não joga em turim...nas antas devem estar mortinhos para morder no Rapaz, vamos ver se os tem no sitio ;)
Enfim, guardava o Mini e o Ferrari com o Don para o resto do jogo e não mexia muito mais...a Guarda Redes;... agora poderá haver "nódoas negras" por causa da velha...mas a mentalidade tem que ser daqueles 63 minutos de Guerreiros de 16 de Abril de 2014, e muita posse no "Miolo" para o contra golpe como diz o cientifico JJ ;)
O Salvio com a tala ou sem ela, vai a turim. Oh Gaitas...
Abrilhantar era dar com ” tala” na equipe da segunda cidade de Portugal, pôr o feijão branco de molho para acompanhar a “Dobradinha” ;)

Nota: Como deves prever ando a ganhar peso;) seguindo à risca, aquela de quando não ganha o Benfica nem quero jantar. O teu cozido à portuguesa ficava para o confronto com as paellas ;)

Benfica Todos Tempos