terça-feira, 28 de agosto de 2012

Guttman, "O Feiticeiro"


Completam-se hoje 31 sobre a morte de um “Feiticeiro Húngaro” que conduziu o Benfica ao Olimpo entre 1959 e 1962. O Senhor que até hoje conseguiu, por via de palavras, marcar para a posteridade a descrição do que é a “Mística Benfiquista” :

"Chove? Está frio? Está calor? O que importa? Nem que o jogo seja no fim do Mundo, entre as neves das serras ou no meio das chamas do inferno. Seja pela terra, pelo mar ou pelo ar eles aí vão, os adeptos do Benfica atrás da sua equipa... Grande, incomparável e extraordinária massa associativa!”

Bela Guttman de Seu nome. O “Feiticeiro” como ficou conhecido, graças aos seus métodos inovadores – tácticos e psicológicos - que aplicou na altura, aliados a uma arrogância ímpar.  Extremo defensor do futebol de ataque bem como de jogadores jovens, foi graças à “ratice” de Guttman que o Benfica eleva  na Sua história um Rei próprio de Seu nome Eusébio da Silva Ferreira. Mais importante que qualquer Presidente da República! O meu Pai costuma dizer: “a 1ª Dama deste País é e será a Flora”..
E eu, ao que constato, tem toda a razão!

Foi e é pelos relatos do meu Pai que vou assimilando e saboreando esta Gloriosa etapa da vida do Nosso Benfica. Diz-me ele que a base já lá estava quando Guttman tomou conta dos destinos da Equipa de futebol, havia sido formada pelo não menos grandioso Otto Glória, o que “O Feiticeiro” fez foi  elevar o Benfica, com a Sua mentalidade muito própria e com os seus métodos revolucionários, ao patamar seguinte… O Olimpo.

Mas do Olimpo fez o Benfica descer ao inferno quando, após se sagrar bicampeão europeu e não vêr as suas pretensões de aumento salarial correspondidas pelo Benfica – que não tinha dinheiro para tal – bate a porta e profere uma frase que até hoje vinga e ficou conhecida como “a maldição de Guttman”:

"Nem daqui a cem anos uma equipa portuguesa será bicampeã europeia e o Benfica sem mim jamais ganhará uma Taça dos Campeões."

Eu não acredito em bruxas nem sou supersticiosa mas já lá vão 50 anos.. Já vi o Benfica em 5 finais europeias… Ainda que tente não me lembrar desta “maldição”, é inevitável.. E nem sob as lágrimas do pedido do Rei sobre a campa do “Mestre” (como lhe chamava), em 1990, antes da Final contra o Milan que o Benfica viria a disputar na cidade onde o “Feiticeiro” se encontra sepultado, o feitiço se quebrou..

Dou várias vezes por mim a imaginar o que diria Guttman ao ouvir frases como: “Dentro de 3 anos o Benfica será o maior do mundo” (2003) ou “Vamos arrasar pela Europa fora” (2005)… Onde quer que ele esteja.
Deixem-me sonhar e acreditar que não poderia haver melhor sítio para o “feitiço” ser quebrado do que na Luz, em Casa. Na Nossa Casa. Nossa e Dele, onde pegou nas Estrelas e pintou o Céu.

Terminando por onde comecei..
Se Guttman fosse vivo, adaptaria com toda a certeza a definição que deu da Mística Benfiquista aos tempos modernos. Viajando por algumas experiências pessoais de há uns anitos a esta data, alterações climatéricas comparadas com cadeiras pelo ar, apedrejamentos, cargas policiais, e Praças Públicas que se assemelham a zonas de guerra, são como, e perdoem-me a expressão.. “limpar o rabinho a meninos”!

Sacrifício não é…
- estar debaixo de um autêntico diluvio durante quase 3 horas em pleno mês de Dezembro e vêr o Benfica ser eliminado na última grande penalidade que lhe dava acesso aos oitavos de final da Taça de Portugal;
- sair de casa para ir vêr o Benfica com alerta vermelho comunicado pelo Instituto de Meteorologia – se é vermelho nenhuma desgraça pode acontecer, só se o Benfica perder. O que não foi o caso, o único furacão que passou naquele campo, sim CAMPO, chamou-se Di Maria;
- estar a destilar debaixo de 35 graus durante 90 ou 120 minutos;
sacrifício não é fazer 320 kms com 39 de febre para estar presente num Benfica-Barcelona e vir com “50” para fazer outros 320..

Sacrifício é....
- é estar numa final da Taça da Liga, sob protesto e amargurada mas não deixar de lá estar e gritar golo e deixar correr uma lágrima.. Afinal, é um troféu. Apesar de tudo, é um troféu. Uma contradição de sentimentos que acaba por ser suplantada, por breves instantes, na altura em que se ergue a Taça e os papelinhos vermelhos e brancos vão cortando o céu;
- é sair com uma derrota debaixo de uma chuveirada de cadeiras e pedras no Minho sob a banda sonora de insultos durante 90 minutos mais os descontos;
- é  saber que graças à polícia de intervenção a camisola que trago orgulhosamente vestida passa incólume a mãos indignas e baixinho, para comigo e  para que os meus ouvidos não ouçam o barulho de fundo, canto fervorosamente “ser Benfiquista, é ter na alma a chama imensa..” ;
- é estar numa jornada em que perdemos o título, em que mais ninguém está, com aqueles que saem de cabeça baixa do relvado…

Podia continuar mas sei que, tal como eu, a maioria dos que me vão lêr, saberão que há sacrifícios que Bela Guttman não sabia, nem imaginava, que viriam a fazer parte do Almanaque da Nossa Mística. E estes que acabei de citar são os que menos custam.. comparados com outros muito mais profundos que afectam a essência do ser-se Benfiquista. Se ele os imaginasse duvido que tivesse proferido a “frase maldita”. Saberia que seríamos fustigados o suficiente para ter coragem de a proferir.

Por isso reforço: se Bela Guttman vivesse nos tempos de hoje, a sua descrição de “Mística” não seria tão melodicamente poética como foi há mais de 40 anos.
Mas ainda bem que não vive nos tempos de hoje. O Benfica também é poesia mas a dos tempos de hoje não é tão melodiosa como o era no Seu tempo.
Não há poetas como os de antigamente.

12 comentários:

Rusty Ryan disse...

Bravo. Alma de Benfiquista! Palavras que saem do coração!

JC disse...

Tivéssemos hoje um Eusébio e era suplente do Melgarejo a defesa esquerdo.

É possível termos saudades de um tempo que não vivemos? É. Eu tenho.

Excelente, Marta.

B Cool disse...

Vamos ser campeões esta época e preparar a próxima para ganharmos em casa. Esse é um desígnio que devemos ambicionar, deixarmos a modorra e a mediocridade em que nos afundamos e ambicionar novamente tocar o céu, sem promessas, mas com convicções.
Vamos quebrar a maldição que carregamos há tantos anos.
Muito bom texto.
Apenas mais 2 exemplos:
Sacrifício é ver apagar a luz e ligar a água para dar outra dimensão à festa de outros em nossa casa, isso sim é um grande sacrifício.
Sacrifício é ir a uma cidade anteriormente acolhedora e agora maldita perder com um bando de arruaceiros a hipótese de ir a mais uma final europeia.

moleculasdeamor disse...

É altura dessa profecia ser enterrada!

Germano Bettencourt disse...

Epá, o Porto, por muito que nos custe, já quebrou 50% da profecia, uma vez que é bi-campeão europeu. Ou só conta em anos seguidos.

Seja como for, falta a parte mais importante, o Benfica voltar a ganhar. Não será fácil, mas impossível não é certamente.

Bom texto. Boa aquisição Ricardo. Parabéns aos 2.

Abraço

Marta Mesquita disse...

Germano, só é considerado com 2 títulos consecutivos, à semelhança dos nacionais.

Obrigada. A todos.

Ricardo disse...

A prospecção deste blogue é qualquer coisa. Se fôssemos nós a escolher, já tínhamos lateral-esquerdo de luxo.

Muito bom, Marta. Dá-nos mais que é para isso que não te pagamos.

Conde de Vimioso disse...

Foi a primeira vez que vi televisão.

Foi a primeira vez que um jogo do Benfica.

Foi a primeira vez e a ultima que vi Bella Gutman:

Foi no dia que nos sagramos Bi-Campeões Europeus.

O jogo do qual saí mais constrangido foi o que fizemos com o Celta de Vigo e não foi por aquela derrota surreal em que o Benfica até teve dominio do jgo mas cada vez que os gaijos vinham cá abaixo marcava.

Nesse gogo com um estádio superlotado onde o apoio às equipas estava dividido pela invasão que fizemos a Vigo amargurou-me ver dois jovens na casa dos 20 anos, com o publico Benfiquista quase todo de pé devido a sobrelotação e esses dois jovens sentados no cimento com a a cara entre a mãos
entre a cara.

Também pela minha desilusão mas principalmente por eles deixei cair algumas lágrimas.

Marta, brutal, arrasadormas ao mesmo tempo terno, este post merece moldura.

Parabens.

OFF ((Peço desculpa mas acho que devo fazer este esclarecimento))

Já que falamos de treinadores queria comentar a resposta ao meu comentário do Fernando Tomás.

Dizer-lhe que a saída do Toni do Benfica nada teve a ver com os seus gostos, que não passam de besteiras nem com alguma insubordinação, verdadeira, dos russos Yuran e Kulkov que até foras doa grandes obreiros do titulo bem como da eliminação do Leverkusen.
Nem foi culpa de Gaspar Ramos nem de Damásio mas sim de Abilio Rodrigues que era o homem forte dessa direcção sobrepondo-se inclusivé a Damásio.

Também Vieira o despediu como a um cão, ficando ainda por cima a arder com muito, quando ele om elevado sentido Benfiquista se opôs a que Vilarinho despedisse Mourinho porque na sua opinião o Benfica estava a ser bem conduzido. Tivesse Vilrinho ouvido o conselho e hoje falariamos de coisas bem mais alegres.

Isto que lhe digo sei-o de fonte limpa e por respeito ao Toni não devo ser mais explicito.

Minha Chama disse...

Pois é Marta, isto de maldições já encheu o saco há muito tempo.

Foi Veloso a falhar o penalty, o Hernani a ouvir o som de um apito...

Sacrificios... felizmente nunca tive grandes problemas... Talvez por uma ocasião em Coimbra onde, trajado e no meio da MN, só gritei golo quando o Bryan Deane fez o 1-2.

Mas nessa altura já o estádio era todo do Benfica. Houve vozes discordantes, alguns invectivaram os jogadores quando as coisas não funcionaram... a culpa passou para Souness, depois para Vale e Azevedo... Mas no fim a família reparou que a mesa era a mesma, e que só havia um Benfica.

Estádio a abarrotar com um mar de vermelho branco e preto a cantar uma só melodia... Ser Benfiquista....

jzz disse...

Excelente texto, parabéns.

Pedro disse...

Bom dia,

Obrigado Marta, já me deste ânimo para este dia de trabalho, no mais, já estou revigorado e com vontade para Domingo!

Cumprimentos,
Pedro

Germano Bettencourt disse...

Marta Mesquita, se assim o é, não vai ser fácil a nenhum clube ser Bi-Campeão Europeu. Nem mesmo falando de colossos. Se este Barça não o conseguiu ainda, não estou a ver tão cedo alguém conseguir.

Obrigado pelo esclarecimento.