terça-feira, 21 de agosto de 2012

Ser Benfiquista no berço onde nasci, em território “inimigo”. No Porto

Conforme já tinha dito, sou da Invicta, nascida bem no seu Coração.

Cidade maravilhosa com gente acolhedora que trata bem os Seus e quem os visita. De laços fortes, pêlo na benta, sangue a fervilhar e coração na boca. Funde-se na própria cidade que, para quem não conhece, se avista como uma cidade cinzenta e fria mas que depois de conhecer,  fica imbuído do seu acolhimento. Tratamos os “outros” como nossos, como o fazemos com o Douro que é tão nosso como se tivesse cá nascido. “Futebóis” à parte..

Os tripeiros - nascidos na cidade do Porto - são, na sua maioria adeptos do clube listado azul e branco (portistas). Na sua maioria mas não na sua larga maioria. Ainda.

Há muitos “heróis” como eu aqui e que não deixam nenhum dos seus crédito por mãos alheias. Conhecemos como ninguém esta mentalidade e a forma como se identificam com o Clube que nos últimos 30 anos ganhou tudo o que havia para ganhar.

Percepcionamos que a esmagadora maioria dos jovens – estes sim – nasceram e cresceram com o principal  Clube da cidade a ganhar. Não houve um único ano, nestes 30, em que não tivessem saído à rua para festejar mais uma conquista. O S.João tornou-se, para os adeptos de clubes rivais, um autêntico martírio.

Não é fácil contrariar esta cultura ganhadora junto das mentalidades mais jovens. Eu tenho 36 anos e constato que se não vivesse o desporto em geral e o futebol em particular de forma diferente, o mais certo era ter escolhido aquele Clube. Mas foi o Benfica que me escolheu a mim, na Sua infinita grandeza, na sua majestosa cultura. O Benfica que é maior que Portugal.. Que é maior que tudo!

A cultura bairrista não me assiste. Os fundamentos, ou o fundamentalismo, se quisermos ser mais extremistas a ver a coisa, em que assentam a cultura azul e branca muito menos.
Tendo pegado num sentimento discriminatório entre Porto – Lisboa, Jorge Nuno Pinto da Costa  conseguiu gerar um clima de guerra baseado nesse engodo, conseguiu idealizar um inimigo contra o qual era preciso lutar e ganhar: o Sport Lisboa e Benfica, principal Clube da Capital. Torneado na mentira do Clube do regime, no Clube de Lisboa e nos privilégios de que usufruiu durante anos, despertou nesta gente, na minha gente, uma fome de vitória que, até hoje e durante 30 anos, ainda não conseguimos suster.
O discurso de discriminação, ainda que já bastante gasto, vai subsistindo, o “tudo contra nós e nós contra todos”.. Uma forma de manter a tal união que faz a força e de manter vivo o espirito ganhador que sedimentaram, sob muitas formas, nestes anos.

Foi um golpe de mestria dados os resultados e dada a fixação que os adeptos vão mantendo acesas.
Pode ter muitos defeitos e todos sabemos que os tem.. Mas tem 2 aspectos que irão prevalecer associados à história daquele que será sempre o melhor Presidente deste Clube: amor ao mesmo e uma “ratice” incomparável.

A par do discurso junto dos adeptos foi cultivando progressivamente as influências necessárias que lhe viriam a proporcionar um estado de hegemonia nas instâncias principais do nosso futebol.


Há muitos adeptos que não se revêem nas acções e discursos de Jorge Nuno Pinto da Costa, mas não conheço nenhum que diga que preferia ou gostaria de ter outro na liderança do Clube. Pelo contrário. Têm uma fé inabalável nas decisões que toma, uma crença infindável em todas as declarações que profere. “Se ele diz.. é porque é”.
É o 1º a dar o corpo às balas em prol do Clube. Independentemente de todos os  que o rodeiam terem as suas influências intra e extra, não há nenhum a quem atribua o papel de Líder. Não há nenhum que o pretenda enquanto ele lá estiver. É a única voz de comando entre as várias peças.Peças essas todas da mesma cor. Não se conhece nem se admite outra.
Não percebe nada de gestão, nem precisa.

Ser-se Benfiquista, no meio de tudo isto é ser sofredora.

Por não saber o que é andar 1 mês em festa pela celebração de títulos; por todos os anos ouvir uma piada nova sobre o Glorioso; por ver o ar de triunfo que ano após ano não esbate nas faces dos adeptos listados;  pela confiança que não sofre um único beliscão do início até ao final de cada época; por ver que a manter-se o que se tem visto, difícil será, nos tempos mais próximos, ver o Benfica nas bocas do mundo pela força ganhadora em campo; por não conseguirmos ainda contrariar a forma doentia como tomam conta da cidade impedindo os Benfiquistas, como eu, de festejarem o que quer que seja na Baixa da cidade que é dos tripeiros e não dos portistas; por sermos órfãos de liderança.

Mas ser-se Benfiquista no meio disto tudo é ter um orgulho inabalável nos princípios que dão corpo a este estado.  É ter uma convicção inquestionável nas bases da grandeza do Benfica. É saber que podem cair Governos, podem falir bancos, pode colapsar o Estado mas o Benfica…. manter-se-á, na sua grandeza. E ainda é isto que me faz brilhar o olhar de todas as vezes que debato ou discuto futebol com eles. Ou com quem quer que seja! A grandeza que jamais terão, independentemente das prateleiras de títulos que possam ter preenchidas.

Caem primeiro do que qualquer um. Até já podiam ter caído se tivéssemos em Casa um Pai e filhos nascidos nesta mesma Casa. Não há amor como o de Pais e Filhos.. Desinteressado e incondicional.
Embora tenham conseguido boas vigas, os alicerces são de péssima qualidade. Ao contrário dos Nossos. Imagino se tivéssemos quem soubesse viver com e nesta Grandeza e tivesse pelo Benfica o amor incondicional que eu tenho… poderia ver a materialização de toda esta loucura a quem chamo de Benfica. Como o meu Pai viu e como eu ainda espero ver, fazendo-me esquecer dos maus tratos que têm vindo a ser infligidos nos últimos tempos ao orgulho de Cosme Damião, utilizado na prossecução de fins em nada dignificantes da Sua obra.

26 comentários:

Vozes Encarnadas disse...

Com muita alegria e também alguma tristeza (mas pouca) vejo-te a escrever.

É sempre bom ver benfiquistas bons a escrever sobre benfiquistas.

Estou ansioso de ler artigos teus Marta.

Bem vinda e Benfica

Beijos

Henrique Meneses disse...

Muito bom texto!
Continua a combater e a erguer o nome Benfica por esses lados.

J.P. Gonçalves disse...

Grande texto, grande sentimento.
Parabéns.
Venham mais.

Águia Eterna disse...

Caríssima BENFIQUISTA Marta Mesquita, os meus parabéns por tão belo e verdadeiro artigo, que define bem o que é um(a) BENFIQUISTA DO NORTE.

Quem dera que o L.F. Vieira tivesse inteligência para entender este teu belo texto.
Mais uma vez PARABÉNS, e viva o Nosso Glorioso, Eterno e Inigualável BENFICA.

Benfiquista Tripeiro disse...

Bom texto, mas há aí algumas incorreções.

Em primeiro lugar, não há combate nenhum, a cidade do Porto é e sempre foi pacífica, pessoas de vários clubes sempre conviveram harmoniosamente, ao contrário do que se julga.

Em segundo lugar, o S. João nunca foi um martírio para os adeptos de outros clubes. Aliás, é raro ver nas ruas nessa noite manifestações clubísticas.

Isso de festejar na baixa é outra história. São alguns energúmenos que o impedem, mas essa gente não interessa a ninguém, nem aos portistas "normais".

Jorge Filipe Oliveira disse...

Prontes... está a tenda armada...
E Marta Mesquita, já sabes que no dia que chegares à presidência do NOSSO clube, eu serei o teu «Super Dragão»... (salve seja)...
Cá estarei para servir uns "jantares" a quem for preciso... :)))
Já ando a juntar as pedras e paus para quando chegar a hora...
CARREGA MARTA MESQUITA.

P.s- Gostei especialmente da parte do "é GAJO para ter sido escrito por Marta Mesquita"
loooollll

F1 disse...

Escrevi há tempos um texto para o Guilherme Cabral que acabou num video do Pedro Martins que espelha o mesmo sentimento que o teu.
Não é fácil ser-serbenfiquista na nossa cidade, dotada de uma mesquinhez clubistas e de uma mentalidade cultural que deixa que o desporto envergonhe a mentalidade e visão dos "nossos" Infante Don Henrique ou mesmo do "nosso" Almeida Garrett.

Espero que as palavras não te falhem, pois travar esta autentica guerra, é desgastaste.

O Chris Rock durante o seu espectáculo ao vivo diz que "é impossível vencer uma mulher numa discussão, pois nos homens temos necessidade de fazer sentido". Pois qualquer discussão sobre futebol na nossa cidade, é baseada nesse principio e generalizada a todos os géneros.

Boa escrita.

Conde de Vimioso disse...


Então não é um ENORME ORGULHO se BENFIQUISTA na ""Inbicta"".

Só penso que foste demasiado meiga e elogiosa com o corrupto-mor.

Bem expresso o sentimento de uma Benfiquista ou de um Benfiquista no Porto.

É de jovens como tu que se fará o futuro gradiosdo do nosso Glorioso.

Parabéns

FS disse...

Pela amostra prometes muito. Parabéns Marta.

Marta Mesquita disse...

Benfiquista Tripeiro: “Cidade maravilhosa com gente acolhedora que trata bem os Seus e quem os visita.” – não vejo qualquer sinónimo de combate.

O “clima de guerra” descrito tem a vêr com discursos incendiados, provocadores que instigam a que os adeptos se comportem como se comportam quando a Equipa do Benfica se desloca ao Norte, quando vem ao Estádio do Dragão, ou quando somos recebidos à pedrada e pela Polícia de Choque nos Aliados quando pretendemos celebrar um título do Benfica. E este clima reporta-se única e exclusivamente ao campo desportivo e relativamente ao Benfica.
Não é por acaso..

Onde costuma passar o Seu S.João?... Desde a Av dos Aliados até à Ribeira - onde habitualmente circulo até vêr o fogo- não me lembro de um ano em que não sejam entoados cânticos clubísticos de vitória azul e branca. E são 36 os anos que lá ando.
Quantos não são os anos em que eles se gabam de começar a festejar o S.João mais cedo... Começam no estádio que lhe pertence – desde que o Rui Rio chegou a Presidente da Câmara – e terminam na festa do Nosso Santo Popular.

Temos que combinar uma sardinhada no S.João Benfiquista Tripeiro. De preferência com o titulo do Benfica, não se ouviria um pio que não fossem os martelinhos e as músicas populares!


O convite é extensível a todos. Não apenas nos S.João, sempre.

Obrigada.
Saudações Benfiquistas!

O Bandido disse...

Gostei muito Marta, nota-se que as tuas palavras têm garra, adeptas assim merecem todo o respeito.

B Cool disse...

Uma das coisas que pelo Sul ouvimos é que na cidade do Porto ainda resistem muitos benfiquistas, mas que na periferia, Gaia, Maia, Matosinhos, Gondomar, etc. o domínio é avassalador. Confirma-se ? Desmente-se ?

Aquando de 2005 que fomos festejar no Bessa, muitos benfiquistas invadiram a Boavista e não só o estádio, pelo que não acredito que tenham sido todos como eu e os meus amigos que fomos de propósito ver o Benfica quebrar a maldição no antro das panteras.

O problema deste texto, é que haverá quem pense que malgrado a cultura terrorista, prefeririam que o Benfica também tivesse esse líder indisputado e todos remassem no mesmo sentido. Aliás o discurso Vieirista é nesse sentido.

Deve-se portanto afirmar a cultura do Benfica que é moralmente superior a todos os outros, é popular, é democrático, todos podem dar a sua opinião e é do permanente confronto de ideias e de pessoas que estão transitoriamente no clube a dar o melhor por ele que nos fizémos grandes. Querer um unanimismo à Pinto da Costa é matar o benfiquismo mais puro

B Cool disse...

PS - gostei do texto, uma entrada à Benfica, Marta

Rui Sérgio Guerra disse...

Parabéns, caríssima Marta Mesquita!
Clap, clap, clap!

Excelente texto e, de facto,...
só nós, que por aqui vivemos...
SABEMOS e SENTIMOS como nos doem as derrotas do n/ amado SLB!...

Não somos melhores benfiquistas que ninguém!...
Apenas e só que, PELA N/ PAIXÃO INCONDICIONAL PELO N/ BENFICA, somos por vezes "obrigados... a riscos enormes"... NA DEFESA DA N/ HONRA E DIGNIDADE, TAL COMO DO N/ AMADO SLB!...

Quem quiser que acredite,...
fazem-nos sentir como se de uma "Intifada" ou Guerra-Santa qualquer se tratasse, tal o ódio visceral que destilam e se orgulham de venerar, contra o SLB!

Lamentável e vergonhosa,...
... mas é esta a realidade que por aqui predomina!

Mas cá estamos... e estaremos, BENFICA SEMPRE... E ATÉ À MORTE!

Once again,... PARABÉNS, Marta!

Abraço de Palermo,
RSG

d.gomes disse...

Muito bom sim senhor!

Acho que aquela frase "Se ele diz.. é porque é" é mesmo típica dos portistas, ter essa confiança no presidente , humm invejável ?

Ok é um corrupto, tudo isto é devido a ele, mas, os meios justifica os fins? pelos vistos em portugal sim!

Bom post Marta, que sejam assim todos.

MF disse...

Olá Marta!

Partilho consigo da opinião, das vivências, da morada e da cor que nos enche o coração!

Há muitos benfiquistas no Porto, mais do que se imagina. Senão, veja-se a re-eleição do Rui Rio mesmo com a oposição dos dragões.

Quase que afirmo (afirmando) que há mais boavisteiros, salgueiristas, benfiquistas e sportinguistas do que portistas, dentro da cidade do Porto.

Nas cidades limítrofes o sentimento clubístico pode ser diferente, mas não há como o nosso Glorioso. Eles sabem e por isso somos o alvo a abater.

Quem vive no norte, vive este confronto diário. Cabe à nossa direcção com o nosso apoio mudar o status-quo que por cá se vai vivendo.

Saudações benfiquistas,
- MF

Pedro disse...

Bom dia Marta,

Bem dizia eu ontem que não tinhas receio de entrar a pés juntos...continua assim...

Cumprimentos,
Pedro

Anónimo disse...

Sou Portista, o que não me impede de saudar e elogiar este texto. Não só por expressar rivalidade face ao meu clube de uma forma lúcida e "educada", mas também porque vivi a situação oposta.
Durante 8 anos trabalhei em Lisboa e posso dizer que vivi directa ou indirectamente várias situações desagradáveis por ser portista. Insultos, comentários de mau gosto, ameaças de agressão, etc.
Infelizmente, imbecis existem em todo o lado e em todos os clubes. Felizmente a grande maioria não alinha nesses comportamentos.

Conde de Vimioso disse...

Claro que a Querida Marta nos descreveu o portismo no Porto de forma lavada e no que ao corrupto diz respeito até foi alvo conforme refri no meu primeiro comentário.

A Marta é uma jovem e sua feminilidade não a terão levado a entrar em guerras de faca e alguidar.

Eu que sou do Vimioso mas já vivi em Lisboa e no Porto quero dizer ao portista que aqui opinou que não é comparável o ódio, sim digo ódio, que é dedicado aos Benfiquistas mais assumidos e que não calam as mafiosices praticadas pelo corrupto com o ambiente vivido por um portista el Lisboa. Nem para lá caminha.

Depois no Porto há clao gente de bem que não se revê nos metodos pelos quais são alcançadas as, há os vitorias, disfarçá-los e ainda há os indigentes que querem realmente ver Lisboa a arder e infelizmente são muitos.

Se no Porto, concelho, a maioria fosse substancial já o corrupto teria proposto uma sondagen aos pasquins Jodo e DN. Não o faz porque a coisa está equilibrada.

Quantos aos concelhos limitrofes, dizer só, que todos têm Casa do benfica com excepção da Maia. Falra de Trofa, Famalicão, Braga, Viana e todo o Norte é falar numa maioria esmagadora de Benfiquista.

Marta e a Casa do Benfica no Porto, costumas visitar???

Isto ia por aí fora mas fico por aqui.

Provocaste uma saudável e útil discussão.

Parabéns.

Ricardo disse...

Parabéns, Marta, é uma bela forma de começar a tua participação aqui.

Vens trazer toda uma realidade que desconhecemos ou conhecemos mal e isso, se não por tudo o resto de valor que tens, já seria suficiente para que a tua entrada neste blogue valesse a pena.

Acho que todos os benfiquistas mas sobretudo os do Norte vão agradecer a tua participação neste espaço. Há que mostrar a realidade de todos os benfiquistas e a forma como em alguns sítios (especialmente no Porto) são tratados.



Jorge Filipe Oliveira disse...

Eu fui um dos "felizardos" a quem calhou a sorte de um vidro partido no último título...
Por isso mesmo, na conquista do próximo título (espero que seja já esta época), vou de taco de basebol na mão com a bandeira do GLORIOSO enrolada no mesmo.
Quero lá saber do politicamente correcto...
O outro que deu a outra face, ficou pregado na cruz à pala disso... :))
Não tenho intenções de ficar igual e muito menos de ir para o céu... (as meninas do Ti Reinaldo vão todas para o inferno, portanto lá é que deve estar bem...)
Sou de Gondomar, mais precisamente de Rio Tinto. Garanto-vos que é o «ninho das víboras»... Imaginem o que não é preciso fazer para mostrar o meu benfiquismo aqui nesta zona... (???)
Mas garanto-vos que não é por isso que não o faço.
Saudações GLORIOSAS para todos.

Marta Mesquita disse...

B Cool: na periferia houve um aumento significativo de adeptos azuis e brancos. É normal, embora a média de idade da população nacional esteja a aumentar, os nascimentos não terminaram, “apenas” diminuíram. É a tal questão que refiro dos jovens apenas conhecerem um Clube ganhador.. Mas não foi só esta periferia. Julgo que também se notará em Lisboa e um pouco pelo País todo, sem querer, obviamente, comparar o grau de acréscimo entre uma zona e outra.
Em Matosinhos, só citando um exemplo, há uns bons anos atrás era impensável haverem portistas. É uma cidade cujo afecto pelo Leixões é imenso e, como tão bem contam os mais velhos, existe uma rivalidade histórica entre este Clube e o FC Porto. É difícil encontrar junto da faixa etária a partir dos 40 (sensivelmente), simpatias que não sejam Benfiquistas ou Sportinguistas. FC Porto.. nem falar!!

Em 2005 estava no Bessa, com a camisola do meu Maestro vestida (antiguinha!!). Um tsunami vermelho que cobriu toda a Boavista. Esta zona do Porto tem muitos adeptos Benfiquistas. Tradicionalmente, os Boavisteiros não morrem de amores pelo Clube azul e branco..
Nesse jogo estava na bancada central, na dos sócios boavisteiros e eram mais do que muitos os que se faziam vêr com os cachecóis de ambos os Clubes: Boavista e Benfica. Paradigmático.

Há algo que costumo contar por ser demonstrativo do que é o Benfica.
Nesse preciso ano, em que fomos campeões no Bessa, não era apenas a zona da Boavista que esteve coberto por um manto vermelho… O Plantel, depois de dar uma voltinha pela cidade, foi de avião para Lisboa. Claro que eu segui toda esta procissão, até ao aeroporto.. Kms de filas de carro estacionados na áreas circundantes ao aeroporto! O acesso ao aeroporto esteve cortado tal a quantidade de gente que literalmente invadiu o aeroporto.
Quando o FC Porto foi campeão europeu (com Mourinho), levei a minha melhor amiga (portista pois claro) a este mesmo aeroporto, para se juntar aos restantes adeptos que esperavam pela Equipa. Levei-a até à porta de entrada, sem qualquer problema. Obviamente que me vim embora. O único problema que tive foi mesmo conseguir passar pela cobertura do aeroporto tal era o tamanho da minha cabeça..
É nestas questões que se vê ainda uma diferença abissal entre uma realidade e outra..

Quanto ao haver quem possa preferir este líder… Isso ficará para outro texto B Cool ;)
É talvez essa a fronteira que distingue a aqueles que nos apelidam de “abutres” e os próprios. A fronteira da hipocrisia, consciente ou não.


d.gomes: no seguimento do meu último parágrafo na resposta ao B Cool, essas questões serão tema para um próximo texto, senão tenho que me fazer carregar de botijas de oxigénio!

Conde: já fui mais assídua em Casas do Benfica, no Porto, Famalicão e Matosinhos. Infelizmente, por questões profissionais, a minha disponibilidade é limitada. Da mesma forma que a minha disponibilidade profissional é condicionada pelos jogos do Benfica, sobretudo a partir de Leiria para cima!
Não falto nem saio mais cedo para NADA! Mas o Benfica é tudo. É o único que me faz fazer ginástica de horários, engolir sapos para pedir para sair mais cedo ou meter um dia de férias para viajar sossegada até à Catedral.

Jorge: já tivemos esta “discussão” vezes infindáveis.. Não vale a pena repetir tudo o que já sabes que penso sobre essa posição ou sobre qualquer outra que implique violência.
Que carácter posso eu ter comportando-me da mesma forma que critico nos outros?
Não se combate fogo com fogo. E sim, julgo-me e quero continuar diferente.

A maior recompensa que podemos ter do que escrevemos é esta, a que me manifestaram. A aceitação e agrado do que foi escrito. Com concordância ou discordância. Obrigada.

JC disse...

Tão, mas tão bom.
Obrigado, Marta. Não percas a embalagem. :)

Hattori Hanzo disse...

Excelente texto. Será bom ver os pensamentos de um(a) benfiquista que reside perto do "inimigo".
Retratas de facto uma questão importante: com as vitórias do Porto em todo o país vai aumentando o nº de adeptos deles e com a conversa do "sermos grandes ou enormes" e "sermos os maiores do país" não nos apercebemos que em termos de adeptos essa situação está a mudar. Mesmo nas imediações de Lisboa existem muito mais adeptos deles do que na minha juventude e são essencialmente jovens...

miki disse...

Também sou um Benfiquista da cidade Invicta e gostei bastante do teu texto cheio de sentimento e muita alma onde me consegui rever! Obrigado ;)

Minha Chama disse...

Marta, eu confio na tua esrita.
Bem vinda à blogsofera