quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Pedimo-vos a vossa história sobre Pablo Pablito


Lembram-se da ideia do Diego que passava por pedir a todos os benfiquistas um texto (pequeno,curto, como quiserem) sobre o nosso mago e a forma como o vêem? Pois é, o tempo passou, alguns aceitaram o desafio, outros prometeram que pensariam no assunto e provavelmente houve malta que nem soube disto.
 
Passaram-se alguns meses e, apesar de já termos uma boa colheita (obrigado a todos os que participaram), ainda estamos longe, muito longe, do objectivo. Portanto vamos puxar por vós – anónimos e ilustres projectos de escritores ainda no ventre da mãe – com umas eliminatórias de textos, pode ser?
 
Todos os que quiserem participar deverão enviar os vossos tratados sentimentalões (mas sem lamechices escusadas, se fazem favor) para: pablopablitoaimar10@gmail.com

Consoante o número de textos recebidos, logo escolheremos a fase em que se iniciará a competição: dezasseis-avos, oitavos ou quartos.
 
Os textos serão todos publicados neste blogue e no do Diego e ficarão sujeitos à votação dos leitores. O vencedor há-de ganhar qualquer coisa que ainda não está decidida mas, mais do que isso, terá o orgulho de vencer a competição que escolhe o melhor texto sobre o nosso Pablito (o que chega e sobra, não é?). 
 
TODOS os textos que garantirem um mínimo de qualidade (que será observada pelos leitores e também por um júri constituído por uns quantos de nós, bloggers do mais alto quilate benfiquista) serão levados ao produto final: um livro a ser entregue em mãos ao Pablo Pablito. 
 
Vamos lá, rapaziada, inspirem-se. E procurem novas formas de explorar o sentimento. Claro que podem fazer uma biografia do Mago, mas não é bem isso que queremos de vós.

5 comentários:

GNR disse...

Simples como o futebol do Pablito:
"Lo Mejor"

moleculasdeamor disse...

Quando conto esta história dizem que sonhei... um sonho lindo nunca acabado...
Uma tarde ensolarada, um cheiro primaveril enrolava-nos na relva, mais de 60 mil almas. O Porto mais uma vez visitava-nos... faltam duas jornadas, temos dois pontos de avanço sobre os gajos... jogo empatado a zero, minuto 83... uma neblina estranha e um cheiro a poetas vivos... mais de 30 graus, Maio no seu fim, os jogadores exaustos de uma época duríssima. Faces carregadas, esperança no zénite, dentes cerrados, mais de 60 mil e onze num som único que é mantido enclausurado em gargantas secas, sedentas de VITÓRIA!
Pontapé de baliza, o príncipe está sobre o lado direito ainda no nosso meio campo... Artur descortina Maxi livre e endossa-lhe a bola, levanta a cabeça e entrega-a ao mago, que de costas para o meio campo adversário recebe com gentil atitude e levanta o queixo na direcção do grande circulo - Carlos Martins ligeiramente solto - bola entregue... Martins com olhar altivo olha o meio campo adversário, dois passos em frente, no meio campo adversário, sem olhar devolve a Pablo que bem dentro do terreno recebe e com uma simulação tira Defour da frente, está a 40 metros da baliza adversária, simula entregar a Martins e descai mais para a direita ultrapassando Moutinho... aproxima-se da quina da grande área, entrega a Maxi que devolve de imediato... dentro da grande área com a bola controlada indica que vai para a linha de fundo e num ímpeto inflecte para dentro, encara Maicon e Moutinho, sem olhar... (pausa) com o pé esquerdo... dispara... fuzila... [surge agora neste momento "aqueles silêncios pungidos", reverentes, quando algo ou alguém faz aquilo que todos sonham impossibilidade - chamamos-lhes milagres], entrega no canto superior direito da baliza de Helton a Carta a Garcia.
Uma multidão contada ergue-se num som uno GOOOOOOOOOOOOOOLLOOOOOOOOOO, GGGGGGGGGGOOOOOOOOOOOOOLLLOOOOOOOOOOOO, uns abraçam-se, outros choram, outros plácidos sorriem e tranquilos sabem que se fez história, que o campeonato é nosso... o Mago é entregue aos seus e com gentil alegria e incontida reverência é elevado até junto do astro que lhe presta reverência...olhos de alegria... vitória maior... nós, o mago, somos UM num sonho realizado e irrepetível.
São estas tardes que me enchem a alma de menino eterno, sei que tudo no universo está numa ordem inquestionável... esta árvore que me abriga hoje quando revejo esta memória distante, fala-me desses tempos em que o Benfica se ergueu do lodo quando todos diziam... morreremos!

Grato, muito Grato Aimar!

Guilherme disse...

Viva, é como na escola em que há limites mínimos e máximos ou podemos colocar a alma na janela do word à vontade ?

Ricardo disse...

Como quiseres, Guilherme. Não há limites.

Gonçalo disse...

Já enviei.