segunda-feira, 24 de junho de 2013

Pode o Benfica vir a ter jogadores da formação ?


Este é um dos temas mais fracturantes da equipa de futebol. Sem estrangeiros até 1979, o Benfica hoje em dia praticamente quase que não tem portugueses e por consequência deixou de alimentar a selecção portuguesa.

Há os pragmáticos que não se importam com a nacionalidade pois o que lhes interessa é ganhar. A esses eu pergunto, onde estão os títulos, é que quase não chega. Outros mais líricos sonham com um Benfica de portugueses e de preferência da formação, mas rapidamente são inquiridos sobre qual o verdadeiro valor dos craques formados no Benfica. Nem tanto ao mar nem tanto à terra, o problema do Benfica nas laterais poderia estar razoavelmente resolvido se os jogadores formados tivessem sido aproveitados.

A verdade é que os jogadores jovens portugueses mal começam a destacar-se preocupam-se em conseguir o contrato das suas vidas, mesmo que isso implique passar muitos jogos no banco e pararem o seu desenvolvimento enquanto jogadores. Mas não nos podemos esquecer que os estrangeiros pensam exactamente da mesma forma. Além disso porque será que há sempre tempo para um estrangeiro mas não para um português ? Isto já sem falar em Emersons ou Robertos ...

Seja dada a palavra a quem está por dentro do assunto:

"Tive quatro anos fora e quando cheguei a Portugal estava um pouco desfasado e sem termos de comparação em relação à 2.ª Liga e aos jogadores. Hoje estou perfeitamente identificado e é um dos motivos pelo qual me custa sair. O Benfica, posso dizer, tem uma qualidade muitíssimo boa de jogadores, também por isso fomos campeões nacionais de juvenis e juniores. E no esboço de plantel que temos idealizado para o ano está o João Nunes, o Guzzo e o Rebocho, que ainda são juniores, o Gonçalo Guedes, Diogo Gonçalves e o Ruben, que ainda são juniores de primeiro ano, e temos um jogador que, para mim, é para entrar de caras na equipa principal do Benfica mais tarde, se a evolução dele for compatível, que é o Renato Sanches. Estes jogadores, se houver coerência num projeto, têm de aumentar o número de utilizações na época seguinte. Quem vier de fora tem de ser muito melhor dos que os que já estão no clube. Uma coisa é comprar um Gaitán, um Enzo Pérez, ou um Matic, que já têm valor e, aí, é tudo uma questão de ter ou não dinheiro, a qualidade está lá. A outra questão é quando se investe em miúdos de 17/18 anos, de países e culturas diferentes, e é preciso ver se são melhores dos que os que já estão no clube. E o facto de virem de fora ou o fator financeiro não podem determinar que esses mesmos jogadores se imponham. Essa imparcialidade tive e terei sempre." - Norton de Matos

Pergunta para queijinho - Como foram, em termos de desempenho desportivo, os primeiros 6 meses (ou 1 ano) dos jogadores identificados por Norton de Matos como tendo qualidade indiscutível ?

7 comentários:

cris disse...

Será mais coerente acabar com todos os escalões de formação que só dão despesa e servem para formar jogadores para os outros e dos quais não aproveitamos quase nada, nem mesmo em tempo de crise e de sobre-endividamento com escassos recursos para grandes avarias finançeiras, pois estes escalões só servem para alimentar a vaidade de poder dizer que fomentamos o desporto, mas sem retorno prático

Anónimo disse...

E quem foram os jogadores que foram identificados pelo Norton? Só certezas, não se aceitam palpites nem insinuações!


Daniel Martins disse...

O Benfica e o Porto só voltarão a apostar na formação quando deixarem de facturar 30 e 40 milhões de euros em jogadores, dinheiro esse que depois vai encher os bolsos de quem compra, de quem vende e dos intermediários. Até lá, só chamarão os jogadores da formação para tapar buracos à pressa, ou se eles forem uns predestinados cujo talento seja impossível de não notar. Para além disso, o jogador português em geral é caro e/ou sobrevalorizado, e a formação em Portugal não é tão boa quanto muitos pensam...

PP disse...

É preciso cultura de formação. Mas, isso não significa apenas fazer aquilo que temos vindo a fazer, ou seja, formar jogadores.

É preciso dar oportunidades e trabalhar com ainda mais qualidade sobre os verdadeiros e potenciais talentos da nossa formação.

Para isso é necessário também dar uma certa confiança e tranquilidade a esses jogadores.

Reparar que até aos 18 anos, estão na zona de conforto, mas após os 18 anos, a "largada" é altamente feroz e terrível para a maioria deles.

O espaço da equipa B, que deveria ser um espaço de transição tem sido o oposto para muitos dos nossos jovens com maior potencial, pois é o espaço onde eles encontram desde logo enorme concorrência.

Não me interpretem mal. Acho que concorrência é sempre de saudar. Mas, o que se passa aqui no futebol profissional do Benfica é concorrência a mais, que acaba por atrapalhar imenso o crescimento tanto dos nossos formados, como dos jovens estrangeiros que vão chegando em ritmo quase contínuo.

Quem está à frente do Benfica ainda não percebeu o quão prejudicial isto acaba por ser para o clube. Não é apenas o abuso e o desperdiço de recursos financeiros. É também o colocar em risco activos futuros!

Marcio Ricardo disse...

Tens que ler a entrevista toda.

Ele também disse que este era o ano zero e o que mais experiências teria..A ver vamos se a partir de agora começam a contratar menos estrangeiros para a equipa..

carlos disse...

Com este treinador e com este presidente, o Benfica não terá jogadores da formação. O SL Benfica tem um plantel para o campeonato, tem outro para a Liga Europa, outro para a Taça de Portugal, e ainda outro para o Caneco da Cerveja (104!!! jogadores) Desde activos a não activos, quantos é que estão no plantel principal que transitaram da formação? Até o Nélson Oliveira, uma esperança quase confirmação no panorama do futebol português, o Jesus quer descartar! Se estivesse no Porto já estava mais que valorizado! Vergonhosa a gestão do futebol do Benfica, com a agravante que Jesus agora tem mais poderes... Não lhe ponham um travão! http://panorama-c.blogspot.pt/2013/06/ate-bola-perdeu-paciencia.html

PP disse...

Márcio Ricardo,

Acreditaste na história do Norton? Ele fala bem, é uma verdade, mas o discurso é sempre o mesmo.

Então o tipo não conhecia jogadores e por causa disso aceita receber 80 e tal jogadores?

Achas mesmo que ele conseguiu ver bem toda essa gente?

Logo por aí o Benfica mostrou bem a sua incompetência técnica para fazer as coisas. Nenhum treinador suficientemente sério era capaz de dizer que poderia ver 80 e tal jogadores numa época e dizer ao fim desta temporada quem estava a mais e a menos.

Mais ainda, se tal fosse verdade esta temporada a equipa B só teria dispensas... e todos sabemos que já foram contratadas caras novas...