quarta-feira, 31 de outubro de 2012

André Gomes, Liderança, Apoio, Bilhetes mais baratos, Alípio Matos

1) A integração de um jovem jogador na equipa principal exige critério e noção dos momentos adequados na sua utilização. Se ela for feita sem método, corre-se o risco de, após a euforia dos adeptos por verem um miúdo da formação a jogar na equipa titular, acabar por queimar o jogador. Falo de André Gomes, um jogador com um talento evidente que deve ser paulatinamente integrado e não constituir já uma referência para entrar de início. Em Barcelos, apesar do golo e da natural qualidade de decisão que sempre demonstrou, André Gomes perdeu imensas bolas - muitas das perdas devido a más recepções - e denotou ainda não estar adaptado à intensidade de jogo mais exigente da Primeira Liga. A solução passa por ir utilizando Gomes com critério, preferencialmente vindo do banco em jogos resolvidos ou a titular em jogos de menor dificuldade. Utilizá-lo sem restrições não só contribuirá para um atraso na sua evolução como poderá "queimá-lo" na receptividade que os adeptos terão ao longo do tempo. Neste particular da capacidade de utilização ao mais alto nível, Miguel Rosa parece-me bastante mais apto a ser solução mais assídua.

2) Vitória, Spartak, Rio Ave, Moreirense, Celtic e Olhanense. 6 jogos que só podem ser 6 vitórias. Porque é fundamental chegar  ao primeiro clássico (em Alvalade) na liderança do campeonato e porque, na Champions, só vencendo os dois jogos em casa poderemos sonhar com a passagem aos oitavos-de-final. Jogos com graus de dificuldade diferentes mas todos ao nosso alcance - até por jogarmos 4 deles em casa. Entramos num período crucial da época: não há tempo nem espaço para erros.

3) Os adeptos têm de compreender as necessidades do clube: tanto ao nível do apoio fundamental à equipa como na questão financeira. Assistir, como na recepção ao Beira-Mar, a 28.000 pessoas na Luz torna-se deprimente. O Sporting, que está numa crise profunda, teve em Alvalade a mesma assistência no último jogo. Há 20.000/25.000 que vão sempre ao estádio; importa agora criar uma onda com os restantes 30.000/35.000 de indecisos, que umas, raras, vezes vão, outras, muitas, preferem ficar em casa ou ir ver o jogo ao café. Quem pode ir ver os jogos - e, apesar das dificuldades financeiras, há muitos que podem - não deve afastar-se das suas próprias responsabilidades como sócio ou adepto. Que seja criada uma onda de apoio crescente que leve o Benfica até Janeiro na liderança. É fundamental conseguir ganhar vantagem sobre o porto até lá, porque temos um plantel mais desequilibrado e menos experiente. A única hipótese de estarmos no Marquês no final da época passa por estes próximos 2 a 3 meses. Saibamos, adeptos e sócios, compreender a importância de encher os estádios com o apoio à equipa.

4) Na sequência do ponto anterior, espero pela confirmação da promessa que Vieira fez aos benfiquistas. Uma redução no preço dos bilhetes e nas quotas dos sócios é, mais do que uma medida de respeito, uma acção inteligente na promoção pelo apoio à equipa e até uma ajuda importante em termos financeiros. Bilhetes mais baratos significa maisgente no estádio e melhores receitas. Nem sempre pedir muito significa ganhar muito. 60.000 a 15 euros o bilhete é melhor do que 30.000 a 20 euros o bilhete. Com o extra, nada despiciendo, de encher o estádio em apoio à equipa e potenciar novos adeptos e sócios.

5) A reintegração de Alípio Matos na estrutura do Futsal do Benfica é uma excelente notícia. Um homem de uma competência inatacável que eleverá a organização da modalidade a um modelo mais coerente e sólido - para além de ser o responsável por toda a estrutura, estará a liderar os juniores. Óptima medida para o futuro da modalidade.

6 comentários:

João Paulo Monteiro disse...

Excelente artigo Ricardo!!!Absolutamente certissimo!!! Raramente estou de acordo com a tua opinião, mas isto tem a haver com questões de ideologia...eu apoio Vieira e tu não...e acredito que o Vieira vai cumprir com as promessas!Agora assim mostras que muito mais que pessoas o que interessa é apenas e só o Benfica!!!Na minha modesta opinião, claro!!!

Bruno disse...

Por falar em modalidades, alguém sabe explicar o porquê do afastamento de João Coutinho de vice das mesmas?
Acho muito estranho não se falar, pelo menos que eu tenho visto, do seu afastamento tendo sido o principal gerador de títulos no mandato desportivo de Vieira, não foi ele que os ganhou mas toda a gente sabe da sua importância no meio!
Alguém me consegue elucidar?

Bujix disse...

Amigo João Paulo, ainda haja quem acredite nas promessas do nosso Presidente.. eu já não consigo, mas gabo-lhe a esperança.
Venham lá os 3+1+50...

Anónimo disse...

Bom post,concordo KUASE na totalidade,onde discordo é na aquisição de Alípio Matos,so vejo um lado positivo(dinheiro),até pk foi sempre a forma de estar a frente de alguma equipa,a força do dinheiro vale muito ainda.

Quanto ao João Coutinho,segundo julgo saber,foi a seu pedido o afastamento,por falta de tempo pra dar continuidade ao (bom)trabalho k desenvolveu dentro do Benfica.

PNC

hertz disse...

Relativamente ao João Coutinho, o que eu ouvi dizer é que foi dele a decisão de se afastar por motivos pessoais que nada têm a ver com o Benfica. Talvez no futuro possa voltar para continuar o excelente trabalho que fez.
Concordo 100% em relação ao André Gomes. Ele agora caiu em estado de graça para os adeptos, só espero é que quando este cometer erros mais graves, que os adeptos o apoiem e percebam que ele ainda está a crescer.

Bicadas de Aguia disse...

E este sábado lá estarei, bilhete mais barato a 10 euros é um bom inicio para os próximos desafios que ai vêm.
Sobre o André Gomes é a velha história, se jogar arrisca-se a errar, se não joga diz-se que não dá oportunidades...
Gregos e troianos.
Nas modalidades a ver se continuamos o bom inicio de época e salvamos é o rugby que já dá pena.