quinta-feira, 31 de julho de 2014

Sintomas semelhantes com causas diferentes



A pré-época aproxima-se do fim e as exibições da equipa têm tudo para nos deixarem preocupados.

Quando faltam apenas 2 jogos para disputar nesta fase, somamos apenas 2 vitórias, tendo sido alcançadas frente aos 2 adversários mais frágeis que defrontamos. Quando o nível do adversário subiu, ainda que em alguns casos muito ligeiramente, a equipa baqueou.

Mais preocupante que isto, é verificar que os dois jogos que faltam serão frente a Arsenal (o adversário mais complicado desta pré-temporada) e Valencia (o nosso melhor “cliente”, ainda que numa fase ainda muito prematura da assimilação de tantas mudanças, pelo que pude observar dos dois jogos que lhes vi).

Mas ainda mais preocupante que tudo o acima referido, tem sido a capacidade exibicional demonstrada pelos jogadores no plano individual e colectivo. De facto, ainda não houve uma única exibição que se possa considerar satisfatória. Em todos os jogos foram visíveis apontamentos individuais e colectivos que se podem considerar positivos, mas não constituíram, em momento algum, mais que fogachos e notas desgarradas numa sinfonia muito pouco melódica.

Por incrível que pareça, tudo o que falei anteriormente se assemelha bastante ao sucedido na pré-época da temporada passada, onde a equipa surgiu amorfa e longe do futebol praticado no final da época que lhe antecedeu.

Não obstante, embora o aspecto seja semelhante, as causas que o justificam são completamente diferentes e não nos pode deixar optimistas.

Se é verdade que época anterior a equipa demorou meia temporada a arrancar para o triunfo final, não é menos verdade que isso nunca se deveu a falta de talento, mas sim a uma condição psicológica muito marcada pelo trágico final do ano precedente. Mas o talento? Esse havia e com abundancia. A dificuldade era desbloquear mentalmente a equipa.

Este ano a coisa afigura-se completamente diferente. A época passada acabou de forma quase perfeita, logo, a questão mental só poderia ser a melhor, o problema é que o talento… é coisa escassa neste plantel. Ou melhor, até há algum talento, mas longe de estar preparado para exigências imediatas ao mais alto nível.

E aqui reside a grande preocupação: o talento. Se a questão mental, ainda que demore, pode ser trabalhada e revertida, a falta de talento não é reversível. Ou há, ou não há. E o que há precisa do tempo que podemos não ter.

P.S. Franco Jara já deve ter-se confrontado ao espelho e perguntado: “Mas que caralho terei mais que fazer para ser dispensado?”

3 comentários:

José Ramalhete disse...

E o semblante do Jara é mesmo de quem não acredita que vá ficar e está ali a fazer um grande frete.
Viu-se até na atitude com que encarou a grande penalidade.

Águia Eterna disse...

cONCORDO TOTALMENTE COM O POST.Infelizmente no BENFICA, ainda que pagos a peso de ouro, ainda NINGUÉM viu que Jara e Cardozo não têm a mínima qualidade para jogar no Nosso BENFICA.

É UMA TRISTEZZA. Um clube tão grande e sempre a dar tiros nos pés. Um clube que deveria MARCAR A DIFERENÇA em ORGANIZAÇÃO, em FORÇA, QUERER, AMBIÇÃO, e não consegue ser mais do que riportings e porcos corruptos. Não acredito que esse vieirita dos pneus seja capaz de ganahr DOIS CAMPEONATOS SEGUIDOS. Nem o BENFICA TEM MASSA ASSOCIATIVA E ADEPTA CAPAZ DE EXIGIR TAL FEITO. Gamharam um campeonato e agora há que fazer negociatas e relaxar.
POBRE DO MEU BENFICA que é órfão de um VERDADEIRO PRESIDENTE.

BENFICA SEMPREEEEEEEEEEEEEEEEEEE

Anónimo disse...

AHAHAHAHAH.O pessoal na Gloriosfera Ja mete nojo a falar do Jara. N tem qualidade????? Neste momento no lote de avançados so o LIma tem mais qualidade. Deixem-se de merdas e vejam o jogador com olhos de ver em vez de entrar no comboio de achincalhar o Jara