quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Cardozo… já pode voltar a ser assobiado.



Quem me costuma ler sabe que sempre defendi, após o sucedido na final da Taça de Portugal, a saída de Cardozo, do Benfica. Defendi, expliquei os motivos que tinha para sustentar a minha opinião e continuo a defender a mesma posição. Não obstante, também defendi que o processo deveria ter sido conduzido de forma diferente do que foi acontecendo, nomeadamente, no que diz respeito à celeridade do mesmo e os seus contornos. Na celeridade achei que após a tomada de decisão pela saída do avançado, haveria que concretizar essa transferência o mais rápido possível, entendendo-se como “mais rápido possível” o período compreendido entre o final da temporada passada e o início de trabalhos de pré-temporada da época que agora tem inicio, ou, no pior dos cenários, antes do mês de Agosto. Quanto aos contornos, parece-me evidente que a entrevista dada, no dia de ontem, à Benfica Tv, poderia e deveria ter acontecido nos dias imediatos aos acontecimentos que despoletaram toda esta situação. No entanto, e como isto não se sucedeu, há que analisar esta entrevista à luz dos capítulos recentes da “novela” em que o caso se tornou.


Na origem da entrevista podem estar dois pensamentos/objectivos futuros, sendo que até podem estar relacionados e um acontecer por causa do outro:


1 – Luís Filipe Vieira, finalmente, terá percebido que ao “ostracizar” o avançado Paraguaio só contribuiu para a sua desvalorização no mercado e que, com tamanho nível de marginalização, se colocaria a si e ao Benfica numa posição extremamente subalterna nas possíveis negociações pelo jogador, logo, esta entrevista pode ter como objectivo o reforçar de posição do clube na mesa das negociações e evitar maior desvalorização do jogador.


2 – Esta entrevista pode também ser o primeiro passo para a reintegração efectiva, não apenas cosmética, do jogador no grupo da equipa principal e o reaproximar do atleta com o técnico, deixando assim de haver possibilidades para o investimento monetário na posição que Cardozo ocupa. Pode ainda ser uma mera “jogada” que visa manter em aberto o cenário de saída, mas que se não for concretizada, fica como primeiro passo para a permanência.


Quanto a mim, o que pode ter “despertado” Vieira para a necessidade desta entrevista podem ter sido os assobios e cânticos ocorridos no jogo da Eusébio Cup. No entanto, se assim foi, Vieira, pode, mais uma vez, ter feito uma leitura errada da situação, já que, no meu entender, aqueles assobios e cânticos não aconteceram por louvor a Cardozo, mas sim, por enfado para com Jorge Jesus e o próprio Vieira.


De facto, se recuarmos alguns meses (não são precisos muitos) no tempo, facilmente nos lembraremos de monumentais assobiadelas dirigidas ao jogador Paraguaio quando as exibições, o jeito trapalhão e desengonçado, o falhanço de golos clamorosos levavam ao desespero o Estádio da Luz. Ou seja, os mesmos (generalizações à parte) que o assobiaram há uns meses atrás, foram os mesmos que cantaram por ele no passado sábado. E esta mudança de opinião repentina aconteceu porque Cardozo foi decisivo para o título? Ou para a conquista da Liga Europa? Ou da Taça de Portugal? Não. Esta mudança de comportamentos aconteceu porque Cardozo foi, apenas mais uma, “arma de arremesso” contra Jorge Jesus e Vieira, pois os adeptos estão saturados das constantes derrotas, falhanços em momentos cruciais e consecutivos erros na construção dos planteis.


Porém, também se pode colocar a hipótese de Viera e Jorge Jesus terem percebido, tal como eu, a mensagem das bancadas e, por isso, optarem pela reintegração de Cardozo como uma mera medida politica e populista, no desespero de se ganhar tempo e margem de manobra para o início de época que se avizinha. Todavia, se assim foi, no limite, esta decisão não conseguirá mais que isso, ou seja, um momentâneo acalmar das ostes, mas que depressa se desvanecerá ao primeiro desaire e, ainda mais rapidamente, se arranjará nova “arma de arremesso” contra ambos.


Seja como for, não deixo de pensar que Tacuara deveria abandonar o clube, caso contrario, considero que a autoridade do líder de balneário ficará inevitavelmente minada. Tanto mais, quando se prepara a saída, ao que tudo indica, por motivos disciplinares de Melgarejo que, seja lá o que tenha feito, estará sempre longe da gravidade do que fez o seu compatriota.

25 comentários:

Anónimo disse...

patriarca disse:


A doença "parece" que já não está nos Assobiadores, mas sim nos CRITICOS aos ditos e está de tal forma em estado avançado que começa a ser mentalmente Paranoico, porque se critica se assobiam e se criticam porque o não fazem, além da psicose aguda é paranoia esquizofrénica.



JotaPê disse...

"(...) Luís Filipe Vieira, finalmente, terá percebido que ao “ostracizar” o avançado Paraguaio só contribuiu para a sua desvalorização (...)"

Sim senhor, presidente. Muito bem. Pena é que tenha percebido isso um século depois. Sempre a trabalhar bem, como os adeptos gostam...

JotaPê disse...

"(...) Esta entrevista pode também ser o primeiro passo para a reintegração efectiva (...)"

Nem se percebe para que é que vamos reintegrar um cepo destes, que vale tantos golos...

Anónimo disse...

Voces gostam mesmo de politica e tricas e jogadas de cintura e novimentos e intriga palaciana. Pragmatismo, futebol... O la!

JotaPê disse...

"(...) considero que a autoridade do líder de balneário ficará inevitavelmente minada. (...)"

Completamente de acordo. Com estruturas incompetentes, é isso mesmo que acontece.

pininfarina disse...

Este lirismo todo é muito bonito para alguns paparem mas, a minha pergunta é, na sequência desta simples sentença lançada neste texto: "Na celeridade achei que após a tomada de decisão pela saída do avançado, haveria que concretizar essa transferência o mais rápido possível".

A pergunta é simples: por quanto o venderias, com tamanha celeridade? E qual seria o mínimo aceitável, para ti, para não se considerar mais um desastre da direcção?

Benfiquista Tripeiro disse...

"No entanto, se assim foi, Vieira, pode, mais uma vez, ter feito uma leitura errada da situação, já que, no meu entender, aqueles assobios e cânticos não aconteceram por louvor a Cardozo, mas sim, por enfado para com Jorge Jesus e o próprio Vieira."


Exactamente. Eu estive lá e penso exactamente o mesmo, incrível como os media não conseguiram atingir isso. Os cânticos eram na verdade assobios ao jorge jejum.

Anónimo disse...

esta declaração do Cardoso e uma farsa,forjada pela Direção (LFV)para tapar os olhos a alguns benfiquistas(talvez os do assobio...)para que ficassem de vem com o jogador e que numa próxima(que duvido jamais ele volte a jogar no SLB) começassem de novo a assobia-lo...toda esta palhaçada foi um remendo muito mal
planeado...porque parece-me que o Cardoso tem guia de marcha mais tarde ou mais cedo...

José Moreira disse...

Pininfarina

Depois do sucedido, não haveria forma de evitar a desvalorização do jogador. Quando me refiro à celeridade, quero dizer que, quanto mais rápido fosse, menos desvalorizaria.

Quanto ao valor, esse é definido pelo mercado, ou seja, o jogador vale sempre aquilo que estiverem dispostos a dar. No entanto, dadas as circunstancias, talvez abdicando de alguma quantia monetária, se resolveria a questão de forma a preservar o grupo e o seu líder, ainda que as finanças não saíssem favorecidas.

Como digo, depois do sucedido, não há situações ideais. Há consequências más ou menos más, no entanto não há situações ideais.

Como já referi em textos anteriores, limito-me a analisar as consequências do ato cometido, não coloco em cima da mesa qualquer fator técnico/tático do jogador na sua individualidade ou enquadrado no colectivo que é o Benfica. Apenas e só a questão disciplinar.

André disse...

na mosca!

joão carlos disse...

"Seja como for, não deixo de pensar que Tacuara deveria abandonar o clube, caso contrario, considero que a autoridade do líder de balneário ficará inevitavelmente minada" mas ela já não esta minada com a integração do ruben é que ele fez o mesmo.

Anónimo disse...

A resposta que deste ao pininfarina é de morrer a rir.

Foste apanhado com as calças na mão.

Prevejo que irás ser o substituto do JJ.

José Moreira disse...

joão carlos

Penso que não. O caso com o Ruben Amorim teve contornos completamente diferentes, quer nas causas quer nas consequências.

O RA ter-se-á desentendido com JJ pela questão de não ser titular e isso dificultar-lhe a ida à seleção. Depois disso, foi emprestado ao Braga, onde voltou a não ser titular indiscutível, situação reforçada pelo facto de lá terem passado 2 treinadores durante esse período, ou seja, houveram factores para que o próprio jogador refletisse e percebesse que, talvez, não seja assim tão bom para que possa ser titular do Benfica, logo, compreender e encaixar melhor as decisões de JJ no passado. Para além disso, o empréstimo em si, a um clube de menor nomeada, foi encarado como um castigo para com o jogador. Este reconheceu o erro, passou tempo suficiente para que as águas acalmassem, e voltou ao clube.

E para além disto tudo, o desentendimento com JJ não foi publico e, pelo que me lembro, não envolveu, sequer, confronto físico entre ambos como no caso de Cardozo. Quanto a mim, a situação do Paraguaio é incomparavelmente mais grave.

Anonimo, pela ultima vez, responder-te-ei quando deres a cara, sem isso, ficarás a falar sozinho.

jp disse...

Estou de acordo que Cardozo deve sair. Agradeço as 6 épocas, os golos. Sempre aplaudi (ele e todos).
Celeridade? Às vezes precisamos de saber a informação toda.
Um processo disciplinar tem prazos. E se o advogado do jogador foi adiando a resposta à nota de culpa até ao ultimo dia legal? Isso é culpa do LFV, do JJ, ou do Benfica em geral?
Transferência concretizada? Para isso é preciso haver interessado(s) em comprar e com capacidade de pagar.
Será que o Benfica está errado ao tentar garantias em como recebe o dinheiro?
Obrigado por me deixarem dar opinião.

joão carlos disse...

Jose Moreira

não foi publico então aquela conferencia de impressa na selecção não foi publica, depois o incidente, recusa em treinar, não foi publico? existiram varias pessoas que o viram alem de que foi publicamente assumido por todos.
Não envolveu confronto físico mas envolveu confronto verbal, e a génese é a mesma ambos puseram em causa decisões do treinador afrontando a sua autoridade.
O empréstimo não foi um castigo porque era o que o jogador queria sair para jogar mais e ir à selecção nesse aspecto não foi um castigo nem o jogador o encarou como tal, vide declarações do mesmo enquanto esteve emprestado.

José Moreira disse...

jp

Você ou qualquer outro, não devem agradecer o facto de poder dar a sua opinião, seja ela qual for. Desde que educado, não há limite para o pensamento. logo, ainda que discorde seja do que for, será sempre bem-vindo a esta casa, desde que o faça com urbanidade.

Obviamente que há prazos num processo disciplinar, no entanto, esses prazos não são impeditivos de uma transferência. Se havia interessados? Publicamente, foram assumidos. se, desses, apresentavam garantias de pagamento? Segundo o que se fez passar para a imprensa, não. (se levarmos em conta que o Benfica aceitou as garantias de pagamento do BEplan para o Roberto e eles não pagaram, então, se de facto o Fener não apresentava as tais garantias suficientes para este mesmo Benfica, nem sei porque se arrastou no tempo a novela com o clube turco) Mas terá sido o Fenerbache o único clube interessado? então, mas o Cardozo não é aquele jogador fantástico, o tal melhor marcador estrangeiro da historia do clube, ao ponto de se considerar imprescindível ao clube? este jogador não deve gerar muito interesse e cobiça por essa europa fora?

José Moreira disse...

João Carlos

Talvez me tenha expressado mal quando falei na "publicidade" do caso... queria dizer que o desentendimento não foi à vista de todos. entende onde quero chegar?

Desculpe, mas acho que o jogador, ainda que apenas agora, encarou o emprestimo como castigo, afinal de contas, como disse, foi para um clube de menor nomeada e onde nem aí foi titular como reclamava no Benfica. Também como digo, o tempo que passou ajudou a acalmar as águas e proporcionou a reaporixmação de posições, para além de que, a medida imediata ficou para quem permaneceu no plantel. A mensagem passou. Neste caso, se o tacuara ficar, não acho que essa mensagem passe.

Ricardo Campos disse...

mais um negocio é vieira

compra fariña, empresta fariña!

segundo dizem o dono do clube está fase de aceitar orçamentos para a construção de um empreendimento.

http://www.maisfutebol.iol.pt/benfica/luis-fari%C3%B1a-benfica-dubai-baniyas-fc/1478326-1456.html

Anónimo disse...

Jasus não come as castanhas do benfas!
marco silva será o proximo mister!

quem quiser apostar q meta 50€

Zé das Couves disse...

Qual é a diferença entre um anónimo,e um indivíduo que se identifica com uma foto de costas.

Eu também posso dizer que sou o Zé das Couves.

eu mesmo disse...

olha aqui "fresquinho"..tao explicadas as contraçoes "milionarias" http://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/08/08/kia-joorabchian-investigado-por-lavagem-de-dinheiro-fraude-estelionato-e-apropriao-indbita-em-portugal/

"barriga de aluguer" para lavagem de dinheiro...

joão carlos disse...

Jose moreira
quanto a essa parte da publicidade não concordo mas são opiniões.
Mas para aquilo que disse "considero que a autoridade do líder de balneário ficará inevitavelmente minada" o facto de ser muito ou pouco publicitado pouco interessa e bastava o plantel te-las vistos, e o plantel viu-as das duas vezes.

Quanto ao ruben estamos de acordo só agora é que o jogador o encarou como um castigo se é genuíno ou forçado não se sabe, tal como no caso do cardozo, mas no fundo o que está a dizer é que os vinte dias de castigo ao cardozo é pouco.
Ora a sua afirmação no fim do post que acima mencionei não me parece ter nada a ver com o tempo de castigo do jogador mas apenas que a autoridade do treinador ficara sempre posta em causa com a reintegração do jogador.
Pelos vistos rubem não coloca em causa a autoridade do treinador não por aquilo que fez mas porque o castigo terá sido o justo então discuta-se a justeza do castigo de cardozo.

José Moreira disse...

Para o Zé das Couves (bem escolhido)

Até lhe poderia explicar o que o nr estampado naquela camisola significa para mim, o que, junto aquele emblema com aquelas 3 estrelas significam para mim, mas parece-me demasiado elaborado para lhe dizer simplesmente:

Quer saber (como já sabe) quem sou? vá ao face do ontem e confirme (coisa que não precisa) quem sou!

A diferença entre nós, é que eu dou a cara pelo que penso e escrevo e dou um nome verdadeiro, ao contrario dos anonimos que nem nomes inventados sabem dar!

José Moreira disse...

João

No caso do Ruben não minou a autoriade do treinador, porque? porque, para todos os efeitos, ele saiu do clube no imediato. A medida, a mensagem, foi enviada aos restantes no imediato! passado este ano e meio, a coisa já se encontra diluida no tempo... Se a publicidade da coisa agrava a situação? acho que sim, mas naquele caso, reafirmo, houve saída do jogador do plantel

Conde de Vimioso disse...


Escrevi no dia seguinte à entrevista do J ao marido da Guedes que o J de Jejum tinha assassinado o CARDAS porque não era ele que se devia pronunciar sobre a situação, daquela forma, mas sim a direcção.

O que se passou depois desse dia, com responsabilidade da direcção é muito mais grave já que aí atingiram a dignidade do ser humamno condenando-o ao degredo.

Esta última tirada é o recurso de todos os chicos-espertos:

A fuga para a frente porque esta gente não tem inteligência para prever as consequências das suas atitudes. Agem e depois ogo se vê e continuam assim até sair pela porta pequena.

Não é de hoje, é de sempre e assim continuará os lerdos são assim.

Por muito dinheiro que tenham nunca comprarão inteligência.