quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Evoluir sempre, mesmo que seja Cosme Damião

No excelente texto de Alberto Miguéns sobre Cosme Damião, há um excerto particularmente interessante, e que tem uma relação perfeita com o actual momento do Benfica:

«(...) A construção do estádio das Amoreiras consumiu o "Glorioso", em termos de prioridades estratégicas e suporte financeiro, exaurindo o Clube. A capacidade competitiva da equipa de honra ressentiu-se com o Benfica incapaz de conquistar o título de campeão regional, desde 1919/20, a forma de apurar-se para a única competição nacional, o campeonato de Portugal (actual Taça de Portugal) reservada até 1926/27 aos campeões regionais. Cosme Damião justificava que o Benfica continuava a dominar nas restantes categorias (segundo ele "todas principais, porque jogam sempre para serem campeãs nos respectivos campeonatos") e que, como desde sempre (ou seja desde 1909) os futebolistas - independentemente do seu valor e experiência - que quisessem jogar no Benfica teriam de passar pelas categorias "inferiores" até ascender à equipa de honra: "O Benfica é Glorioso, não tem de andar atrás dos jogadores, eles é que devem andar atrás do Benfica!" 

 Um grupo de associados com valor firmado e "obra feita" no Clube entendeu que chegara o tempo de alterar a dinâmica do Benfica no futebol e estancar os gastos com o Estádio. A solução era criar uma lista paralela à de Cosme Damião, que queria continuar na vice-presidência, essencialmente, para definir a política desportiva para o futebol e implementá-la. Era urgente afastá-lo da organização do futebol, propondo-o para a presidência do Clube, por se pensar que Cosme Damião não queria "acompanhar o tempo", gastando muito dinheiro nas várias categorias, quando na principal o Benfica estava a ser ultrapassado não só pelos maiores clubes de Lisboa como pelos clubes médios. Impensável. Além disso, a maior figura do Benfica merecia ser presidente, ele que já fora tudo, menos presidente. 

 A eleição de Ribeiro dos Reis para a vice-presidência (e responsável pelo futebol) bem como de Ferreira Bogalho (vice-secretário) permitiu dar um novo rumo ao Clube e recolocá-lo no "trilho" da modernidade. A capacidade dos dirigentes e o apego popular depressa conseguiram guindar o clube a um novo patamar de conquistas: em 1929/30 e 1930/31 a conquista do (Bi)Campeonato de Portugal - actual Taça de Portugal - depois de 1926/27 "aberta a clubes não campeões regionais" por isso o SLB pôde participar, mesmo não sendo campeão regional; em 1932/33 o ansiado campeonato regional de Lisboa, considerada a competição "mais difícil" de jogar em Portugal (após onze temporadas consecutivas, desde 1919/20, sem o conquistar); e entre 1934/35 e 1939/40 seis temporadas de qualidade excelsa: Campeonato de Portugal (1934/35), Tricampeonato da I Liga - depois campeonato nacional da I Divisão - (1935/36, 1936/37 e 1937/38), finalista na Taça de Portugal (1938/39) e conquista da Taça de Portugal (1939/40)

 No Benfica sacrificar a competitividade no futebol em prol da construção de obras, mesmo infra-estruturas (suportadas pelas verbas desviadas do futebol) é uma estratégia de curto prazo que está (pelo menos esteve) condenada ao fracasso. Mesmo sendo Cosme Damião o autor dessa "estratégia". No Benfica, futebol é para ganhar! Por isso o Museu Benfica Cosme Damião está "cheio". E até podia ser maior. Tendo em conta as modalidades (história e conquistas) e associativismo (amor e atitudes dos Benfiquistas/ Associados). Um piso por ano. 110 pisos! E acrescentar mais um... todos os anos!»

Um clube que vive obcecado com o medo de mudança hipoteca o futuro e perde a sua génese ganhadora.


6 comentários:

Joaquim Rato disse...

É precisamente o que se está a fazer, aumentar cada vez mais a receita. Este época vai corresponder ao maior orçamento da história do Benfica em receitas ordinárias. E com uma base de sustentação credível, e com futuro: melhor plantel dos últimos 30 anos, pote-1 da liga dos campeões, Benfica TV ( a única razão que encontro para não se falar na roubalheira da arbitragem), e infra-estruturas do melhor que há. Estão criadas as condições para voltarmos a ter a hegemonia. A época passada só não foi excepcional por que faltou um pouquinho de sorte, e também não estávamos tão bem preparados, como estamos. Só precisamos um pouco mais de tempo.
Por isso, não compreendo toda esta histeria que se apossou do Benfica, ou até compreendo, os seus inimigos estão cheios de medo e os oportunistas pensam, e bem, que o pote está muito apetecível.

Conde de Vimioso disse...


H+a quantos anos andam a prometer esse oásis de que falas.

Não te preocupes que muitas mais obras ((mais cimento)) serão inventadas, capice ???.

Fazer orçamentos é a coisa mais fácil do mundo já os resultados desportivos foi um ar que lhe deu há muito tempo e quantos aos financeiros parece que é preciso arranjar agora 80M€ para cobrir esses orçamentos grandiosos de que falas.

Isto está à vista, ((já nem falo das trapalhadas, qual platanção de cogumelos)) que nascem e crecem todos os dias.

Isto é o que está bem à vista e quem não ou não quer ou ...

Off

Como qualquer outro tenho nome e nisto da net também me arranjaram um.

É este que assino SEMPRE, escreva o que escrever pois nunca me dissimularei por isso é para mim incompreensível a covardia dos anónimos ou dos se crismam conforme as circunstâncias.

A estes eu chamo covardes.

PS-Ricardo, porque não quem quiser martelar o teclado ser obrigado a abrir conta.

Comigo marimbava-me para a quantidade de comentário e evitava ter que ler muita baboseira a coberto do ""corajoso"" anonimato.

Quem ladra detrás da grade ???

Pedro disse...

A histeria resulta de 13 anos disto. A histeria resulta deste patético início de campeonato. Só isso devia ser suficiente para se perceber que o QUASE da época passada nada mais não fez do que destruir tudo o que foi feito. Não por ser QUASE mas sim o PORQUÊ de ter sido QUASE. E é esse PORQUÊ que poucos querem discutir.

Hegemonia? Não há noção do rídiculo do que é falar em hegemonia com esta Direcção do SLB que apenas ganhou dois títulos em 13 anos?!?!?

Precisamos de mais tempo...enquanto isso lá vão os outros vencendo. Mais 13 anos?

Anónimo disse...

Se estás tão preocupado com os anónimos,porque não começas por dar o exemplo e assinas com o nome próprio.

Ou achas que Conde do Casal Ventoso é nome de alguém.

Assina um anónimo com muito gosto,porque entre um nome falso e um anónimo eu prefiro ser anónimo.

Obrigado por não publicarem este comentário.

Conde de Vimioso disse...

Patarata

Se souberes ler, já nem digo interpretar não vomitarás burrices destas.

Mas serás capaz de fazer um raciocinio e diferenciar Conde de Vimioso de ""Anonimo"" ?

Percebeste ???? ou precisas de desenho.

Joaquim Rato disse...

Pedro, és um bom exemplo da histeria. Um parágrafo de conversa da treta.
Ridículo, é berrar que o Benfica está um desastre, quando tem o melhor plantel dos últimos 30 anos, e está no pote-1 ( 8 melhores equipas da europa, sabes o que isto significa?!, não se cai lá de pára-quedas ), isto é que é ridículo.