quinta-feira, 3 de maio de 2012

Do desencanto

É-me extremamente penoso escrever sobre o Benfica neste momento por duas simples razões:  primeira, porque acabámos de perder mais um campeonato para o rival nortenho. Segunda, mas não menos importante, porque não só perdemos o campeonato da forma habitual - sendo prejudicados em momentos-chave da época - como ainda o entregámos de bandeja devido a uma sucessão de erros (que também começam a ser habituais) cometidos ao longo da época pela direcção e equipa técnica, retirando força ao argumento de que fomos -  e fomos! - seriamente lesados por factores extra-futebol. Convenhamos que era difícil fazer tanta asneira junta em tão pouco tempo, mas lá conseguimos.

O mais frustrante é que o desfecho, este triste desfecho, era mais do que previsível. O Benfica desta época foi um Benfica enfermo desde o início do campeonato – e, porque não dizê-lo, desde o campeonato passado - e apesar do diagnóstico precoce ninguém pareceu muito preocupado em atacar a doença de forma objectiva. Ao invés, enveredou-se pelo caminho do oculto, das mezinhas, das rezas, da cegueira de uma crença infundada ou, se preferirem, de um acreditar alicerçado em merda nenhuma. É bonito, é romântico, é quase poético acreditarmos – e eu acredito muitas vezes - que basta que 11 gajos enverguem o manto sagrado para que, como que por magia, o Benfica vença. Contudo, é estúpido e pouco recomendável.

Por vezes dou comigo a pensar que a culpa desta crença irracional é do antigamente. É que, olhando a esta distância, dá a ilusão de que antigamente bastava isso para levarmos de vencida qualquer equipa. Parecia, mas não bastava. O que acontece é que, em tempos idos, os 11 gajos que entravam em campo com a camisola do Benfica não eram 11 gajos quaisquer. Nem sequer eram gajos, eram senhores. E eram 11 senhores devotos do Benfica, prontos para o que desse e viesse. Eram 11 indivíduos bem comandados – ou 11 líderes que pareciam não carecer de comando - e que, em não podendo ganhar o campeonato porque tiveram uma época atípica, não o entregavam ao adversário em Vila do Conde, embrulhado com um lacinho todo catita e um cartão de felicitações. Podíamos contar com 11 heróis com a perfeita noção daquilo que significava o símbolo que traziam orgulhosamente colado no peito. Pelo contrário, nos dias que correm, uma época atípica será aquela em que ganhamos um campeonato. Os nossos ídolos-relâmpago chegam ao Benfica para tentar conquistar títulos mas sem se esforçarem em demasia, porque isso é muito cansativo e pode originar lesões aborrecidas que podem comprometer a tão ansiada transferência para um clube milionário. E, se não ganharem, paciência: podem sempre dizer que os que estavam cá no ano passado, e no outro, e no outro também não venceram.

Acharam ainda aqueles senhores de outrora e quem os liderava que o Benfica estava destinado a grandiosos e repetidos feitos e, por isso, não perderam tempo e puseram mãos à obra. Coube-lhes, então, a mais difícil tarefa de todas: a de incutir no clube – em quem servia o clube -  uma mentalidade ganhadora, sustentada num vício de vencer como se este fosse uma necessidade básica para a sua sobrevivência. E estavam certos, pois o Benfica não podia alimentar-se de outra coisa que não fosse de títulos ou chamar-se-ia Sporting. A mentalidade ganhadora, essa que tanto suor custou aos senhores de quem vos falei e aos quais devemos o Benfica que todos amamos, de há 18 anos para cá que todos os anos, todos os dias, a matamos mais um bocado. E o mais cruel de tudo será quando ela estiver bem diante dos nossos olhos, já cadáver em avançado estado de decomposição, e não dermos por isso.

3 comentários:

Dias Pereira disse...

Os meus parabéns.
É uma das poucas análises realmente lúcidas e objectivas que se encontram nos tempos que correm acerca do actual momento do Benfica.
Estou plenamente de acordo consigo: antes de qualquer outra razão para o insucesso, responsabilize-se quem não dá o que deve dar - leia-se, os jogadores, técnicos e dirigentes... - e quem não exige o que é obrigatório exigir - leia-se, os sócios, adeptos e simpatizantes.

B Cool disse...

É tudo isso, e o problema é que está à vista de todos, menos os que não quiseram ver, os que carregavam e que diziam que os lúcidos apenas fazem mal ao Benfica porque não apoiavam na net.

Vai na volta somos os culpados do Benfica ter apoiado aqueles que depois nos prejudicaram, ou das más decisões do Jesus, ou da falta de liderança do Vieira.

Incisivo e brilhante JC.

moleculasdeamor disse...

Mais do que acreditar na emergência de alternativas... acredito que as alternativas somos nós através de construção de ideias criativas e exequíveis...
E precisamos claramente de um treinador que ame o clube... e um presidente também...

abraço...