quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Os gloriosos benfiquistas do Norte

Nenhum benfiquista pode estar feliz com o estado do clube. Apoiante ou crítico desta Direcção, feroz opositor ou solidário cúmplice destes e outros dirigentes dos últimos 20 anos, é impossível aos benfiquistas não levarem no coração uma mágoa milenar e sentida. Nas últimas duas décadas, o Benfica venceu 3 campeonatos nacionais; nos últimos 18 anos, 2; nos últimos 7, 1 campeonato. Não é bem o Benfica que aprendemos todos a viver, a amar e a seguir por essas estradas nacionais, fizesse chuva, torresmos, sol ou pães com chouriço.

A maior tristeza, ainda mais imponente do que a realidade de um inacreditável insucesso desportivo, prende-se, no entanto, com a perda paulatina dos valores do benfiquismo. Pior do que não ganhar é não ganhar vendo a mística do Benfica afundar-se num universo de disparates e mentiras, enganos, desvarios, humilhações, desrespeito aos fundadores. O Sport Lisboa e Benfica, mesmo perdendo, deve sempre manter os seus fundamentos de clube grandioso, popular, sério e humanista. Abdicando desta génese, não só continuará ganhando quase nada como se metamorfoseará em clube indigno. E isso é o que custa mais, na actualidade: ver o Benfica perder a memória do que foi. 

São vários os exemplos desta perda de valores, potenciada em grande dose pela actual Direcção. Escuso-me a elencá-los, já foram profundamente falados, debatidos, perscrutados. Limito-me apenas a versar sobre um dos que mais me magoa como benfiquista: a perda de noção de clube nacional por parte de muitos adeptos. Não são raros os ataques ao "povo do Norte", confundindo este glorioso povo com os "corruptos, os porcos" e demais epítetos que os adeptos do Benfica vão continuando a lançar, como se o nosso clube só tivesse apoio de Coimbra para Sul. É essa a maior vitória de Pinto da Costa: mais do que os títulos conquistados, conseguiu criar no seio dos adeptos benfiquistas, devidamente ajudado por Vieira e seus acólitos, a ideia de que no Norte só nos querem mal, esquecendo os milhões de adeptos e sócios que vivem e sentem Benfica como qualquer lisboeta, setubalense, escalabitano ou eborense. 

Nos tempos em que o Benfica era verdadeiramente Benfica, todos nós, das nossas cidades de interior, de Sul a Norte, íamos em direcção ao Estádio da Luz. Os bracarenses, os vimaranenses, os portuenses, os flavienses, os aveirenses, os conimbricenses, os alentejanos, os algarvios, os ribatejanos, todos de cachecol preso ao vidro do carro, ansiando pelo momento de chegar e ver o relvado, ver os nossos jogadores, o Estádio da Luz, o velhote da bandeira, o alentejano da águia. O Benfica cumpria o seu destino de clube transversalmente nacional e popular e todos nos juntávamos, de sotaques estranhos uns para os outros, só para ver a vitória. Só para viver Benfica. Comer Benfica. Falar Benfica. O sotaque do nosso Glorioso é o sotaque do humanismo, não há outro. É o da transcendência e da beleza; da amizade e da solidariedade. Somos do Benfica porque não faz sentido à nossa existência sermos de qualquer outro clube. E trocamos os B´s pelos V´s, falamos de forma mais pausada, dizemos "dé" ou "este caralho" ou "moss" ou "magano", "cimbalino" ou "bica", "fino", "buja", "jola", "fresquinha" e todos, na confusão dos dialectos, nos unimos pelo Benfica. 

Perder, como temos perdido, esta comunhão de afectos, criando guerras imaginárias entre regiões que vivem todas elas o clube, é perder o fundamento original do que foi, é e deverá ser sempre o Sport Lisboa e Benfica. Chamar "tripeiros" aos portistas é errado; tripeiros são os habitantes da maravilhosa cidade do Porto, maravilha mundial onde vivem tantos e tantos benfiquistas de alma e coração. Querer insultar pessoas, chamando-lhes "nortenhos", é não perceber nada do que o Benfica respira. É comprar o que Pinto da Costa tenta vender, o que Vieira, pobre de espírito, não sabe compreender. O Sport Lisboa e Benfica, este Glorioso clube, esta luz, este farol, este exemplo de desportivismo, liberdade e universalismo, é de todos e para todos. Foi construído pelas veias do amor, não pela mão nefasta das negras mãos da guerra e do ódio. 

Um dos Vice-Presidentes do nosso clube, ainda por cima portuense (devia perceber coisas simples), pede aos benfiquistas que usem da estratégia "olho por olho, dente por dente" para com a corrupção e criminalidade do poder portista. Rui Gomes da Silva nunca entenderá - como os apoiantes do que defende - o que é o Benfica. O nosso clube venceu por ser um farol para o futuro, um exemplo para o presente, uma memória essencial do passado. O Benfica não usa de vinganças nem copia ninguém. O único caminho que este clube deve percorrer é o de ser sempre fiel a si próprio. E assim ganhará, se souber respeitar-se. Afundar-se em imitações de outros clubes, procurar refugiar-se em acções violentas e sujas de outros, é afundar-se a si próprio num jogo que desconhece e que, por isso, o fará sempre perder mais e mais vezes. O Sport Lisboa e Benfica é luz; não tem trevas no seu coração.

Os gloriosos benfiquistas do Norte são tão benfiquistas como os gloriosos benfiquistas do Sul, do Oeste, do Este, do interior e do litoral. Não merecem ser conspurcados e confundidos com adeptos de outras instituições menos dignas apenas e só por viverem, com orgulho, nas suas regiões. De Caminha a Vila Real de Santo António, de Peniche a Elvas, de Chaves a Setúbal, de Beja a Viana do Castelo, de Coimbra a Faro, do Minho a Lisboa, de Setúbal ao Douro, de Trás-os-Montes a Sines, da Beira a Moura, de Santarém ao Alentejo, do Algarve ao Porto, Benfica. Benfica por todos os poros deste país. Benfica dentro das estradas e das árvores, das plantas e das casas, dos carros, das montanhas e serras, das ondas e dos mares, das cozinhas e lareiras deste país. Só dá Benfica. 

Angola, Moçambique, Cabo-Verde, Guiné, São Tomé e Príncipe, Macau, Goa, Damão e Dio, Índia, Estados Unidos, Timor, Austrália, Canadá, Suíça, Alemanha, Brasil, França, Holanda, Luxemburgo, Venezuela. Só dá Benfica. 

Chamo o benfiquista Mahatma Gandhi ao texto e despeço-me: «Olho por olho, e o mundo acabará cego».

8 comentários:

Anónimo disse...

Caro Ricardo,

Sou um convicto e militante "bloggosferista" e gosto de passar por aqui, ler-te e relevo sobretudo a lucidez que tens aqui revelado, contudo, sou do Porto e assumidamente Portista, mas não fundamentalista...

Ricardo, qual a minha leitura escorreita da coisa, e justamente sobre o vosso Steve Jobs da Bola, o iletrado Vieira, aí vai a minha leitura da coisa!

Muito simples, se mais de 80% dos benfiquistas o legitimaram para este 4º mandato, há um ponto em que Portistas e Benfiquistas convergem, e é justamente o ex sócio do F C do Porto (aliás, já merecia um Dragão d´oiro) LF Vieira, isto porquê? Se os Benfiquistas gostam do Vieira, nós Portistas adoramos.

Atenta, o F C Porto nos ultimos 10 de Vieira no Benfica, ganhou 1 L Campeões; 2 T/L UEFA/Europa, 1 T Intercontinental, 8 Campeonatos e 5 T Portugal, isto é, nunca o Porto tinha ganho tanto cá dentro, como lá fora, como neste legado do Vieira. Ricardo, deixem o homem trabalhar, olhem e observem para a obra extraordinária que deixou no Alverca FC. Entretanto, nesse período prospero do projecto no Ribatejo, ofereceu-nos Deco, Ovchnikov, Caju, indirectamente Maniche, entre outros, e nas Antas festejava golos do Porto contra o Benfica, e brindava esses golos com Krug Brut Vintage 1988.


Sobre o Silva de Campanhã, o tal que te perseguiu no teu posto de trabalho, podiam lá os Portistas passar sem a verborreia estupida e demagógica do Silva de Campanhã semanalmente? Só não quero mesmo que o Benfica empreste ou venda a custo 0 o Vieira ao Banayas FC do Dubai, e que este não leve o Silva de Campanhã como cheerleaders do Banayas FC, e animador de um qq canal televisivo do Dubai!

Ricardo, deixa o homem trabalhar!

RT

luis disse...

Vintage 1988... foi arranque para sermos Campeões em 89. Goleamos várias vezes pela diferença mínima. Será que o Vata jogou em 1988???
Sabiam ou já foi esquecido os anos 1987/88*** 1989/90***.

*** Épocas em que o Benfica foi vice-Campeão Europeu ???

Uma coisa foi ver o Povo Benfiquista por todo o Glorioso país. Outra coisa é os Benfiquistas terem a verdadeira consciência da Força do Sport Lisboa e Benfica perante todo o País. Temos adeptos em todos os continentes (grandes superfícies, com Benfiquistas)
Pelo Mundo o Benfica marca presença, desde a "Equipe Exótica", o aroma da história é para Vencer.

Com aquela "máxima"para o mundo,

«Os Homens passam, o Benfica fica.»


Vivas...tempo.

Anónimo disse...

Benfiquista Luís,

O Malines da II Divisão Belga ganhou em 1988 a Supertaça Europeia e a a extinta Taça das Taças, sabes quem foi o Vice Campeão da Edição de 1988 dessa Taça das Taças?

Luís, eu Portista me confesso, tenho e temos, um latente complexo de inferioridade relativamente ao Benfica, e sabes porquê? Jamais o F C Porto atingirá o Benfica, mas em finais Europeias perdidas, foram 7, não foram?

1 abraço des_portista,

RT

luis disse...

Foi o Clube que tem nos seus estatutos, a obrigatoriedade da formação. O símbolo do Clube é um Deus Grego...sabedoria.
Sabes em que ano aconteceu a Lei Bosman??
Os primeiros serão sempre os primeiros.
Discutir o desportista...e o "há mais marés que marinheiros".
Uma coisa são taças, outra coisa são os Campeões. Dizer que entre estas épocas o Imperador César ganhou "à creolina", até pode parecer paneleiro, mas aconteceu. E quando acontecem as coisas, elas são como são... Benfica é de coração.

Este bocadinho do post, resume outras leis, que este simples cidadão vai reflectindo:

"O Sport Lisboa e Benfica, mesmo perdendo, deve sempre manter os seus fundamentos de clube grandioso, popular, sério e humanista. Abdicando desta génese, não só continuará ganhando quase nada como se metamorfoseará em clube indigno. E isso é o que custa mais, na actualidade: ver o Benfica perder a memória do que foi."

Benfica Todos Tempos.

Conde de Vimioso disse...


Várias vezes me tenho insurgido quando vejo alguns Benfiquistas confundirem o Porto ou fcp com o Norte comprando realmente aquilo que o pc tenta há muitos anos vender,

Ora na verdade o Porto e dos conselhos que o circundam o menor em área e já nem em população é o maior e pelos vistos nunca o será já que ate eles recusaram um perigoso demagogo que se propunha fundir porto e Gaia sendo corrido nas ultimas eleições da cena politica sem honra nem glória naquilo que foi o maior vexame infligido a quem já há muito se intitulava vice-rei do norte e que agora se aprestava para ser coroado.

Costumo alfinetar esta grandeza, plena de realidade, que a minha aldeia é maior que o Porto que ganhando em terra só perde em cimento o que até me dá prazer.

Se isto é uma realidade outra há que extravasa, em muito, esta e que pinta o tal norte a uma só cor, O Vermelho, salpicado por pintas verdes e azuis e um ponto mais azulado.

Sei que tenho por aí nos meus arquivos uma sondagem, de há sensivelmente 10 anos, da qual guardo alguns dados e assim:

DISTRITOS: Portalegre, 95% Benfiquistas, Braga 90%, Bragança 87%, Viana 85%, Porto 40%.

As únicas cidades do dito norte onde o Benfica não é, de longe, maioritário é Guimarães ((adepotos do Vitória) e Porto com a percentagem referida acima.

Ou será preciso ser muito inteligente para concluir que se o Porto fosse esmagador no seu distrito que o pc não tinha já desfraldado essa bandeira ??? Se há coisa que ele sabe é os terrenos onde se move.

O que me desgosta ainda mais do que a falta de titulos do Benfica ????
é precisamente essa falta de galvanização do pato bravo do Viera que está a levar os Benfiquistas para a desmotivação e conformismo.

Consola-me que Viera também passará e o Benfica ressurgirá, que espero, seja breve.

Uma das coisa que me dá gozo e quando os portistas me falam da fundação e eu lhes devolvo que só se lembram dos últimos 30.

O resto são floreados que sabemos como foram enfeitados.

David Duarte disse...

Existem poucas coisas mais contradictorias no discurso do peidoso e dos portistas do que o combate contra o centralismo. Isto porque queixam-se do centralismo mas depois autointitulam-se os representantes do Norte. Por outras palavras reproduzem o mesmo erro que apontam a Lisboa.

Com isto posso eu bem. O que jà é mais insuportavel é que os benfiquistas caiam nessa cantoria.

Anónimo disse...

Pobre "bodyguard" destronado. Bem que querias o tacho mas o Vieira ao foi na tua cantiga.Bebe mais um copo e isso passa-te.

Benfiquista de Gaia disse...

Olá.

Talvez o melhor texto que li aqui, fora as análises financeiras do B_Cool ao Benfica, e algo que já tenho informado outros blogues benfiquistas, que tripeiro, nortenho e portista, são três coisas completamente diferentes, sendo que é necessário que benfiquistas de outros pontos do país compreendam que insultar tripeiros ou nortenhos É insultar benfiquistas também!
Muito raramente ou nunca verão os portistas insultar um benfiquista usando o termo alfacinha ou lisboeta, eles vão sempre partir pelo termo mouro, porque até eles sabem que há portistas em Lisboa, logo não faria sentido.

Relativamente ao poder político(corrupto como nos tem habituado), muito cuidado benfiquistas de Norte com qualquer tentativa de regionalização, ou da criação da apelidada supercidade do Norte, com a possível fusão de Porto e Gaia, ao até incluindo também Matosinhos, Maia e Gondomar!
Aqui fica um texto não muito antigo e bastante elucidativo do esquema que querem montar:
http://www.ptjornal.com/201205218017/geral/sociedade/assis-quer-fusao-de-porto-e-vila-nova-de-gaia-para-criar-uma-supercidade.html

Da minha parte nunca receberão o aval para tal monstruosidade, pois o problema da nossa pátria está longe de ser a concentração ou descentralização do poder político e económico, mas sim a correcta aplicação das leis existentes e da justiça para todos os seus cidadãos por igual.

Para finalizar Ricardo, da próxima vez, e para ficar ainda mais embelezado o texto, coloca ai na tua lista de cidades, pontos da Madeira e Açores, que também não faltam benfiquistas lá!

Avante pelo Benfica!